Sei sulla pagina 1di 33

Centro Universitário do Leste de Minas Gerais UnilesteMG

Disciplina: Introdução à Ciência dos Materiais

Cap. 6: Difusão

Conceito Considere uma caixa que possui uma placa central impermeável, na qual em um dos
Conceito Considere uma caixa que possui uma placa central impermeável, na qual em um dos

Conceito

Considere uma caixa que possui uma placa central impermeável, na qual em um dos lados temos inicialmente Ar e no outro lado He, ambos em estado gasoso.

inicialmente Ar e no outro lado He, ambos em estado gasoso. O que acontece se retirarmos

O que acontece se retirarmos a placa?

Fácil !! Os gases irão se misturar.

Difusão !!!!
Difusão !!!!

Difusão !!!!

Difusão !!!!
Mas se ao invés de gases tivermos sólidos? O que acontecerá se retirarmos a placa?
Mas se ao invés de gases tivermos sólidos? O que acontecerá se retirarmos a placa?

Mas se ao invés de gases tivermos sólidos?

O que acontecerá se retirarmos a placa?

Ocorrerá difusão?

O que acontecerá se retirarmos a placa? Ocorrerá difusão? Depende !!!! Quais são as condições de

Depende !!!!

Quais são as condições de contorno de nossa caixa?

Difusão ou mobilidade atômica

Por que estudar a Difusão?

Materiais de todos os tipos são submetidos com freqüência a tratamentos térmicos para aprimorarem as suas propriedades.

Os fenômenos que ocorrem durante o tratamento térmico quase sempre envolvem a difusão atômica.

Com freqüência deseja-se obter um aumento da taxa de difusão; ocasionalmente, são tomadas medidas para reduzi-la.

As temperaturas e os tempos de duração dos tratamentos térmicos e/ou taxas de resfriamento podem com freqüência ser estimados através da matemática da difusão e das constantes da difusão apropriadas.

Difusão ou mobilidade atômica

Difusão ou mobilidade atômica A engrenagem de aço da figura teve a sua dureza e resistência

A engrenagem de aço da figura teve a sua dureza e resistência à falha por fadiga melhorada pela difusão de um excesso de carbono ou nitrogênio para o interior da

camada superficial mais

externa.

O carbono da atmosfera circundante difundiu-se para o interior da superfície.

Difusão ou mobilidade atômica

1.1. Introdução

Do ponto de vista atomístico, a difusão é o efeito resultante de movimentos atômicos aleatórios.

Os mecanismos segundo os quais os átomos se movem através de um reticulado dependem da estrutura cristalina, dos tamanhos atômicos e da extensão dos defeitos nos cristais.

Difusão ou mobilidade atômica

A difusão é o mecanismo segundo o qual a matéria é transportada através da matéria.

Difusão: Fenômeno de transporte de material através do movimento dos átomos.

Devido às vibrações térmicas, alguns desses átomos se movem aleatoriamente ao longo da rede e um grande número de tais movimentos pode resultar num transporte significativo de material. Denomina-se este movimento de difusão no estado sólido.

Difusão ou mobilidade atômica

Mesmo numa substância pura, um átomo pode mover-se de uma posição para outra no material e este movimento é conhecido como autodifusão.

pura, um átomo pode mover-se de uma posição para outra no material e este movimento é
pura, um átomo pode mover-se de uma posição para outra no material e este movimento é

Difusão ou mobilidade atômica

Numa mistura de mais de um componente, como por exemplo nas ligas metálicas, ocorre a interdifusão ou difusão de impurezas, isto é, a difusão de um componente através da rede do outro.

ocorre a interdifusão ou difusão de impurezas , isto é, a difusão de um componente através
ocorre a interdifusão ou difusão de impurezas , isto é, a difusão de um componente através

Difusão ou mobilidade atômica

Par de difusão

(a) Um par de difusão cobre-níquel antes de ser submetido a um tratamento térmico a temperatura elevada. (b) Representações esquemáticas das localizações dos átomos de Cu e Ni no interior do par de difusão. (c) Concentrações de cobre e níquel em função da posição ao longo do par de difusão.

interior do par de difusão. (c) Concentrações de cobre e níquel em função da posição ao

Difusão ou mobilidade atômica

Par de difusão

(a) Um par de difusão cobre-níquel após

ser submetido a um tratamento térmico a

temperatura elevada, mostrando a zona de difusão com formação de liga. (b) Representações esquemáticas das localizações dos átomos de Cu e Ni no

interior do par de difusão. (c)

Concentrações de cobre e níquel em função da posição ao longo do par de difusão.

do par de difusão. (c) Concentrações de cobre e níquel em função da posição ao longo

Difusão ou mobilidade atômica

Mecanismos da difusão

Os átomos em materiais sólidos estão em movimentação constante, mudando

rapidamente as sua posições. Para um átomo fazer esse tipo de movimento, duas condições devem ser atendidas:

1 - deve existir um sítio adjacente vazio; 2 - o átomo deve possuir energia suficiente para quebrar as ligações atômicas

que os une aos seus átomos vizinhos e então causar alguma distorção na

rede cristalina durante o deslocamento.

Difusão ou mobilidade atômica

Mecanismos da difusão

Foram propostos vários modelos diferentes para este movimento atômico; dessas possibilidades, duas são dominantes para a difusão nos materiais:

diferentes para este movimento atômico; dessas possibilidades, duas são dominantes para a difusão nos materiais:

Difusão ou mobilidade atômica

Difusão por lacuna

Difusão por lacuna é um mecanismo que envolve o deslocamento de

um átomo de uma posição normal da rede cristalina para um sítio vago do retículo, ou lacuna.

Esse processo exige a presença de lacunas, e a extensão segundo a

qual a difusão por lacuna pode ocorrer é uma função do número

desses defeitos que estão presentes.

Uma vez que os átomos em difusão e as lacunas trocam de posições, a difusão dos átomos em uma direção corresponde ao movimento das

lacunas na direção oposta.

Tanto a autodifusão como a interdifusão ocorrem por este mecanismo; no caso da interdifusão, os átomos de impureza devem substituir os átomos hospedeiros.

Difusão ou mobilidade atômica

Difusão por lacuna

Difusão ou mobilidade atômica Difusão por lacuna

Difusão ou mobilidade atômica

Difusão intersticial

Esta difusão envolve átomos que migram de uma posição intersticial para uma outra vizinha que esteja vazia.

Esse mecanismo é encontrado para a interdifusão de impurezas tais como hidrogênio, carbono, nitrogênio e oxigênio, que possuem átomos pequenos o suficiente para se encaixarem no interior das posições intersticiais.

Na maioria das ligas metálicas, a difusão intersticial ocorre muito mais rapidamente do que a difusão por lacunas, uma vez que os átomos intersticiais são menores, e dessa forma são também mais móveis.

Além disso, existem mais posições intersticiais vazias do que lacunas; portanto, a probabilidade de um movimento atômico intersticial é maior do que para a difusão por lacunas.

Difusão ou mobilidade atômica

Difusão intersticial

Difusão ou mobilidade atômica Difusão intersticial

Difusão ou mobilidade atômica

Difusão no Estado Estacionário: Primeira Lei de Fick

A figura exemplifica uma representação esquemática do processo utilizado

para a purificação do hidrogênio (H), que se difunde através de uma lâmina de paládio (Pd).

(a) placa perfil (a).
(a)
placa
perfil
(a).

Difusão

de

em

estado

uma

Um

de

linear

para a situação de difusão

em

através

estacionário

fina. (b)

concentração

representada

Difusão ou mobilidade atômica

Difusão no Estado Estacionário: Primeira Lei de Fick

O hidrogênio, sendo um átomo muito pequeno (raio atômico 0,46 Å), se difunde muito rapidamente na lâmina de paládio (raio atômico 1,376 Å e estrutura CFC).

O fluxo de difusão (J) do átomo que se difunde, na Figura, é positivo da esquerda para a direita, pois a espécie em difusão se move de uma região de alta concentração para uma região de menor concentração, ao longo de uma distância .

Difusão ou mobilidade atômica

Difusão no Estado Estacionário: Primeira Lei de Fick

O fluxo J é definido como a quantidade de massa (m) que passa através de

uma área unitária (A) perpendicular à direção do fluxo (o fluxo é um vetor) por

unidade de tempo (t).

do fluxo (o fluxo é um vetor) por unidade de tempo (t). As unidades de fluxo

As unidades de fluxo são, por exemplo, kg/m2.s, mol/m2.s ou átomos/m2.s)

Se o fluxo difusivo não variar ao longo do tempo dizemos que se trata de um estado estacionário.

Difusão ou mobilidade atômica

Difusão no Estado Estacionário: Primeira Lei de Fick

Difusão ou mobilidade atômica Difusão no Estado Estacionário: Primeira Lei de Fick
Difusão ou mobilidade atômica Difusão no Estado Estacionário: Primeira Lei de Fick
Difusão ou mobilidade atômica Difusão no Estado Estacionário: Primeira Lei de Fick

Difusão ou mobilidade atômica

CARBONETAÇÃO

Carbonetação é um processo de adicionar carbono à superfície. Ele é

conseguido pela exposição da peça a uma atmosfera rica em carbono em alta temperatura, que permite a transferência de átomos de carbono para o aço. O processo de difusão só ocorre se o aço tiver baixo teor de carbono porque a difusão baseia-se no princípio do diferencial de concentração.

Se um aço de alto carbono é aquecido em um ambiente livre de carbono (como ar), a difusão do carbono tende a ocorrer no sentido inverso ( átomos de carbono saem do aço) , resultando na descarbonetação.

Difusão ou mobilidade atômica

CARBONETAÇÃO

Difusão ou mobilidade atômica CARBONETAÇÃO

Difusão ou mobilidade atômica

CARBONETAÇÃO

Difusão ou mobilidade atômica CARBONETAÇÃO

Difusão ou mobilidade atômica

Difusão em estado não-estacionário: Segunda Lei de Fick

A maioria das situações práticas envolvendo difusão ocorre em condições

de estado não-estacionário (condições transientes).

O fluxo de difusão e o gradiente de concentração em um ponto específico no

interior de um sólido variam ao longo do tempo, havendo como resultado um

acúmulo ou esgotamento líquido do componente que se encontra em difusão.

Difusão ou mobilidade atômica

Difusão em estado não-estacionário: Segunda Lei de Fick

A figura mostra os perfis de concentração em três momentos diferentes no processo de difusão.

Segunda Lei de Fick A figura mostra os perfis de concentração em três momentos diferentes no

Difusão ou mobilidade atômica

Difusão em estado não-estacionário: Segunda Lei de Fick

As seguintes hipóteses são adotadas:

1. Antes da difusão, todos os átomos do soluto em difusão que estejam

presentes no sólido estão ali distribuídos uniformemente, mantendo uma concentração C 0 . 2. O valor de x na superfície é zero e aumenta com a distância para dentro

do sólido. 3. O tempo zero é tomado como sendo o instante imediatamente anterior ao início do processo de difusão.

Difusão ou mobilidade atômica

Difusão em estado não-estacionário: Segunda Lei de Fick

A aplicação dessas condições de contorno fornece e a solução:

dessas condições de contorno fornece e a solução: Onde Cx representa a concentração a uma profundidade

Onde Cx representa a concentração a uma profundidade x depois de

decorrido um tempo t. A expressão

Gaus, cujos valores são dados em tabelas matemáticas para diversos

valores de

é a função erro de

t. A expressão Gaus, cujos valores são dados em tabelas matemáticas para diversos valores de é
t. A expressão Gaus, cujos valores são dados em tabelas matemáticas para diversos valores de é

.

Difusão ou mobilidade atômica

Difusão em estado não-estacionário: Segunda Lei de Fick

Tabulação de valores da função erro.

ou mobilidade atômica Difusão em estado não-estacionário: Segunda Lei de Fick Tabulação de valores da função

Difusão ou mobilidade atômica

Difusão em estado não-estacionário: Segunda Lei de Fick

Exemplo:

Os coeficientes de difusão para o cobre no alumínio a 500 e 600ºC são de 4,8 x 10 -14 e 5,3x10 -13 m 2 /s, respectivamente. Determinar o tempo aproximado a 500ºC que irá produzir o mesmo resultado de difusão (em termos de

concentração de Cu em algum ponto específico no Al) que um tratamento térmico a 600ºC com duração de 10 horas.

Difusão ou mobilidade atômica

Fatores que interferem a difusão

Espécies difusivas:

Coeficiente de difusão Existe uma diferença significativa na magnitude do coeficiente de difusão entre a autodifusão e a interdifusão do carbono no ferro a 500ºC, sendo o valor de D maior para a interdifusão do carbono (3.0 10 21 versus 2.4 10 12 m 2 /s).

Temperatura: A dependência dos coeficientes de difusão em relação à

temperatura se da de acordo com e expressão abaixo.

à temperatura se da de acordo com e expressão abaixo. D= Coeficiente de Difusão (m 2

D= Coeficiente de Difusão (m 2 /s)

D 0 = Constante (independe da temperatura, m 2 /s);

Q d

eV/átomo);

R = Constante dos gases (8,31 J/mol-K ou 8,62 x 10 -5 eV/átomo-K;

T= Temperatura absoluta (K).

=

Energia

de

ativação

para

a

difusão

(J/mol;

cal/mol

ou

Difusão ou mobilidade atômica

Referências:

Callister Jr, William D. Ciência e Engenharia de

Materiais: uma introdução.quinta edição. 2000. LTC editora. Rio de Janeiro.

Descrição dos processos de tratamento do substrato.

http://java.cimm.com.br/cimm/construtordepaginas/htm/3

_24_10274.htm.