Sei sulla pagina 1di 11
SMW AUTOBLOK Manual de Instruções Placas Pneumáticas PP ONÇA INDÚSTRIAS METALÚRGICAS S/A Rua F, s/n°

SMW

AUTOBLOK

Manual de Instruções

Placas Pneumáticas PP

SMW AUTOBLOK Manual de Instruções Placas Pneumáticas PP ONÇA INDÚSTRIAS METALÚRGICAS S/A Rua F, s/n° -

ONÇA INDÚSTRIAS METALÚRGICAS S/A Rua F, s/n° - 3 a Gleba - Lote 5/6 - Quadra 1 - Bairro Macuco

CEP: 13270-000 - Cx. Postal: 531 - Valinhos - SP Tel: (0xx19) 3881-1799 / Fax: (0xx19) 3881-1243

Home-page: http://www.onca.com.br/ E-mail: placas@onca.com.br

Índice

Índice 1. Informações Gerais pág. 2 2. Características Técnicas das Placas Pneumáticas PP pág. 2

1. Informações Gerais

pág.

2

2. Características Técnicas das Placas Pneumáticas PP

pág.

2

3. Instruções de Segurança, Uso e Manutenção

pág.

5

4. Antes de Chamar a Assistência Técnica

pág. 11

1. Informações Gerais

As placas pneumáticas ONÇA-AUTOBLOK com cilindro incorporado são os produtos mais avançados do mercado. A gama de produtos oferece uma precisão ímpar, segurança e confiabilidade. Todos os produtos são manufaturados de modo a garantir longa vida útil, um dos fatores primordiais para alta performance de fixação de peças para usinagem. Este manual é dividido basicamente em seis seções, versando sobre as características técnicas e físicas das placas, normas de segurança, montagem, avaliação de problemas e listagem das peças de reposição. Por favor, contate a assistência técnica da ONÇA-AUTOBLOK para maiores informações.

2. Características Técnicas das Placas Pneumáticas PP

Tab. 1 - Dados Técnicos das Placas Pneumáticas PP

Diâmetro

125/32

125/32 CL

160n/39

160s/39

200/52

250/65

250/90

315/105

 

2

cast.

38.1231

38.1240

38.1327

38.1359

38.1424

38.1527

38.1563

38.1626

Código do conjunto

3 cast.

38.1232

38.1233

38.1328

38.1351

38.1425

38.1528

38.1529

38.1613

4

cast.

-

-

-

-

38.1426

38.1530

38.1566

38.1622

 

2

cast.

38.1222

38.1222

38.1314

38.1349

38

1409

38.1511

38.1511

38.1601

Código das castanhas moles

3 cast.

38.1222

38.1222

38.1314

38.1349

38.1409

38.1511

38.1511

38.1601

4

cast.

-

-

-

-

38.1409

38.1511

38.1511

38.1601

 

2

cast.

-

-

-

-

-

-

-

-

Código das castanhas duras

3 cast.

38.1223

38.1223

38.1323

38.1323

38.1417

38.1520

38.1520

38.1608

4

cast.

-

-

-

-

38.1433

38.1539

38.1539

38.1630

Flange para montagem ISO-A

A4/A5

A4/A5

A5/A6

A5/A6

A5/A6

A6/A8

A6/A8

A8/A11

Passagem

mm

32

32

39

39

52

65

90

105

Curso da castanha (radial)

mm

3,0

3,0

4,8

4,8

5,2

5,2

5,2

5,2

Capacidade de fixação com castanhas duras

Diâm. Ext.

mm

3-117

3-117

5-170

5-170

8-206

8-240

36-240

36-310

Diâm. Int.

mm

50-186

50-186

60-220

60-220

70-262

80-300

110-300

115-300

Rotação máx. a 6 kgf/cm 2 com

castanhas duras

rpm

4100

4100

3500

4000

3350

2800

2500

2350

Força min. de fixação a

6 kgf/cm 2

kN

15

15

33

33

41,5

58

53,5

60

Momento de inércia GD 2 /4

sem castanhas

kgm 2

0,03

0,03

0,10

0,10

0,22

0,45

0,42

0,90

Consumo de ar por ciclo

a 6 kgf/cm 2 (kgf)

litros

0,4

0,4

1,2

1,2

1,7

2,8

2,6

3,0

 

2

cast.

7,5

7,5

21,4

21,2

30,0

46,7

46,7

62,4

Massa da placa com castanhas

duras (kg)

3 cast.

7,6

7,6

21,6

21,3

31,1

46,7

46,7

63,0

 

4

cast.

-

-

-

-

31,4

46,9

46,9

63,6

Máx. pressão de operação

kgf/cm 2

9

9

9

9

9

9

9

9

Máx. pressão recomendada

de trabalho

kgf/cm 2

6

6

6

6

6

6

6

6

2

Tab. 2 – Dimensões das Placas Pneumáticas PP   Diâmetro da placa 125/32 125/32 CL
Tab. 2 – Dimensões das Placas Pneumáticas PP   Diâmetro da placa 125/32 125/32 CL

Tab. 2 – Dimensões das Placas Pneumáticas PP

 

Diâmetro da placa

125/32

125/32 CL

160N/39

160S/39

200/52

250/65

250/90

315/105

A

mm

125

125

170

170

210

250

250

315

B

mm

150

150

210

210

248

292

292

315

C

mm

183

183

250

250

292

335

335

362

D

mm

81

-

120

120

122

143

143

143,5

E

mm

32

32

39

39

52

65

90

105

F

(H6)

mm

114

-

155

155

195

235

235

235

G

mm

4,5

-

6

6

6

6

6

6

H

mm

138

-

195

195

233

276

276

294

J

mm

M6

-

M10

M10

M10

M12

M12

M12

K

mm

158

-

218

218

259

300

300

324

L

mm

7

-

6

6

4

-

-

7

M

mm

54

54

77

77

77

77

77

77

N

mm

1/8” NPT

1/8” NPT

1/8” NPT

1/8” NPT

1/8” NPT

1/8” NPT

1/8” NPT

1/8” NPT

O

mm

2,2

2,2

2,5

2,5

2,3

2

2

2

P

(H9)

mm

8

8

12

12

12

16

16

16

Q

mm

22,5

22,5

28

28

28

34

34

34

R

mm

M6

M6

M8

M8

M10

M12

M12

M12

S

mm

2

2

2

2

2

2

2

2

T

(aberto)

mm

59,4

59,4

82,7

82,7

103,5

122,3

122,3

154,3

U

(curso cast.)

mm

3

3

4,8

4,8

5,2

5,2

5,2

5,2

V

mm

-

93,5

-

-

-

-

-

-

W

mm

33

33

49

49

62

73

61,5

84

X

mm

-

2,5

-

-

-

6,5

6,5

-

Y

-

-

Cam Lock D3

-

-

-

-

-

-

Z

mm

15

-

20

20

20

25

25

25

a

mm

138

138

195

195

233

276

276

-

b

mm

M6

M6

M10

M10

M10

M12

M12

--

c

mm

- -

-

-

-

-

-

115

d

mm

- -

-

-

-

-

-

90

e

mm

- -

-

-

-

-

-

20

f

mm

- -

-

-

-

-

-

60

g

mm

- -

-

-

-

-

-

5

i

mm

- -

-

-

-

-

-

M10

j

mm

- -

-

-

-

-

-

M12

k

mm

- -

-

-

-

-

-

294

* ONÇA-AUTOBLOK reserva o direito de fazer modificações em dimensões e projetos sem aviso anterior.

3

Tab. 3 e 4 - Dimensões das castanhas duras e moles respectivamente   Placa  
Tab. 3 e 4 - Dimensões das castanhas duras e moles respectivamente   Placa  
Tab. 3 e 4 - Dimensões das castanhas duras e moles respectivamente   Placa  

Tab. 3 e 4 - Dimensões das castanhas duras e moles respectivamente

 

Placa

 

125

160

200

 

250

 

315

Código

 

38.1223

38.1323

38.1417

38.1520

 

38.1608

A

mm

53

66,1

 

76

 

87,3

 

100,2

B

mm

24

29

 

32

 

35

 

35

C

mm

28,2

38

 

46

 

48

 

48

D

mm

7,5

10,5

 

12

 

12

 

12

E

mm

3

3

 

4

 

4

 

4

F

mm

42

55,6

64,8

 

72,1

 

81,8

G

mm

2,9

3,5

 

3

 

4,5

 

6,5

H

mm

15,5

15

 

17

 

21

 

22

J

mm

13

19

 

22

 

25

 

30

K

mm

6,4

8,4

10,4

 

12,5

 

12,5

L

mm

10,5

13,5

16,5

 

19

 

19

M

(H9)

mm

8

12

 

12

 

16

 

16

N

mm

3,5

3,8

 

5

 

4,9

 

4,9

O

mm

22,7

26,6

29,1

 

36,3

 

37,4

P

mm

13

19

 

22

 

25

 

30

*

R

mm

7

8,5

 

11

 

12

 

12

Placa

   

125

160N

160S

200

250

315

Código

 

38.1222

38.1314

38.1349

38.1409

38.1511

38.1601

A

mm

 

54

 

68

68

76

89

102

B

mm

 

24,4

 

29

27

32

35

35

C

mm

 

28,2

 

38

34

46

48

48

D

(H9)

mm

 

8

 

12

12

12

16

16

E

mm

 

3

 

3

3

4

4

4

F

mm

 

10,5

13,5

15

16,5

19

19

G

mm

 

6,3

 

8,3

8,3

10,3

12,5

12,5

H

mm

 

12,5

14,5

14,5

15,5

17,5

19,5

J

mm

 

13

 

19

19

22

25

30

K

mm

 

21,2

 

28

24

35

36

36

L

mm

 

-

 

-

8,5

-

-

-

M

mm

 

-

 

-

4

-

-

-

N

mm

 

-

 

-

8

-

-

-

*

O

°

 

-

 

-

30°

-

-

-

* O °   -   - 30° - - - Obs.: As figuras acima se

Obs.: As figuras acima se referem a ensaio de força realizado a 6kgf/cm 2 com castanhas padrão posicionadas conforme o croqui correspondente. Caso estas condições sejam excedidas (posição e/ou massa das castanhas), e/ou a pressão de ar seja menor, será necessário a redução da rotação proporcionalmente.

4

3. Instruções de Montagem, Uso e Manutenção 3.1. Montagem 3.1.1. Montagem da placa ao eixo-árvore

3. Instruções de Montagem, Uso e Manutenção

3.1.

Montagem

3.1.1.

Montagem da placa ao eixo-árvore do torno

Para instalação da placa com ataque universal, deverá ser providenciada uma flange de adaptação ao eixo-árvore da

máquina, considerando as indicações básicas da fig. 1 e tab. 5. O lado da flange onde será montada a placa deverá ser pré-torneada com sobremetal de 0,5mm. Após montada definitiva-mente sobre

o eixo-árvore, o diâmetro de centralização e face de apoio da

flange deverão ser torneados em acabamento, de modo que estas superfícies apresentem baixos valores de oscilação radial e axial. Nunca deverá ocorrer contato entre a flange e o fundo do rebaixo

da placa, mantendo-se folga de 0,5mm.

e o fundo do rebaixo da placa, mantendo-se folga de 0,5mm. Tab. 5 – Dados para

Tab. 5 – Dados para especificação de flange (em mm)

Placa

M

N

O

P (útil)

Q (DIN 912)

125

155

4

16

13

6

M 6x20

160

215

5,5

20

18

6

M10x25

200

256

5,5

20

18

6

M10x25

250

300

5,5

26

23

6

M12x35

315

320

5,5

26

23

6

M12x35

A câmara de alimentação de ar, onde são acopladas as

duas mangueiras, não deve girar enquanto o corpo de aço da placa gira com a árvore da máquina. Para que isto ocorra, a câmara é fixada sobre o corpo da placa por meio de sapatas deslizantes e no seu diâmetro externo existe um pino fixo por meio do qual pode- se bloquear o movimento de rotação. Portanto, deve-se providenciar um garfo rigidamente fixado a máquina, que abrace

o pino. Na fig. 2 e tab. 6 sugerimos dimensões básicas das

extremidades do garfo. O garfo não deve forçar o pino e nem tocar na câmara de alimentação de ar. Deve haver uma folga entre o pino e o fundo do rasgo oblongo do garfo.

5

folga entre o pino e o fundo do rasgo oblongo do garfo. 5 Tab. 6 -
folga entre o pino e o fundo do rasgo oblongo do garfo. 5 Tab. 6 -

Tab. 6 - Largura do garfo (em mm)

Placa

Largura R

125

10

160-200-250-315

12

3.1.2. Rede de ar comprimido

Para se evitar a condensação de ar comprimido dentro do cilindro da placa e oxidação de partes internas recomendamos que a rede de ar comprimido siga os detalhes a seguir. A linha principal de alimentação de ar comprimido deverá ter uma inclinação constante de 1:200 no sentido do fluxo de ar (ex: 1cm a cada 2m de comprimento), com purgadores automáticos nos pontos mais baixos para eliminar condensados. A derivação para a alimentação da placa, deve ser tomada da parte superior da tu- bulação da linha principal de ar comprimido, para não se captar água condensada que se acumula na parte inferior dos dutos. Instalar secador e filtro para o ar comprimido na linha principal, antes das derivações para alimentação de ar. Assim o ar comprimido chegará livre de umidade e partículas abrasivas ao equipamento, preservando sua vida útil.

ar. Assim o ar comprimido chegará livre de umid ade e partículas abrasivas ao equipamento, preservando

3.1.3.

Comando

Instalá-lo próximo à placa, em posição confortável tanto para o operador quanto para as mangueiras de ligação com a placa de cerca de 900mm comprimento. O comando é fixado diretamente à máquina ou em suporte por meio de 2 furos passantes (elemento 9 da fig. 4) no fundo da caixa de comando. Para acessar estes furos de fixação, remove-se a tampa da caixa do comando, soltando os seus quatro parafusos frontais (6).

do comando, soltando os seus quatro parafusos frontais (6). Tab. 7 - Configuração dos elementos do
Tab. 7 - Configuração dos elementos do comando
Tab. 7 - Configuração dos elementos do comando

Pos.

Descrição

1

Entrada de ar para mangueira de 1/4”

2

Manípulo para regulagem de pressão

3

Parafuso regulagem fluxo de óleo de lubrificação

4

Conexões para saída de ar do comando

5

Botões de comando

6

Parafusos de fixação da tampa

7

Filtro

8

Lubrificador

9

Furos para fixação do conjunto

10

Manômetro

Enquanto o eixo permanecer parado, deve ser mantido o fornecimento de tensão para a válvula, permitindo o acionamento da placa. Antes de ligar os fios, verificar se a tensão indicada na plaqueta da válvula, está de acordo com a tensão disponível. Para ligação utilizar cabo 0,75mm 2 de cobre com isolamento termoplástico e conduíte flexível 3/8” de aço, dia. externo 16mm, recoberto com polivinil. Conecte as mangueiras recobertas de malha de aço nas entradas de ar da placa e depois conecte com as saídas de ar do comando. É indiferente para o funcionamento a combinação efetuada na ligação das saídas do comando e entradas da placa. As mangueiras de alimentação de ar conectadas a placa não devem transferir esforços para a câmara de alimentação por estarem esticadas, comprimidas ou tensionadas por curvas acentuadas. Evita-se desgaste prematuro das sapatas deslizantes da câmara de alimentação de ar.

6

3.2.

Operação

3.2.1.

Comando

de ar. 6 3.2. Operação 3.2.1. Comando Após instalar placa e unida de de comando, com

Após instalar placa e unidade de comando, com o regis- tro da linha de alimentação de ar fechado e pressão zero no ma- nômetro (10), desrosqueie o copo do lubrificador (8) e preencha com óleo hidráulico, viscosidade 3° Engler a 50°C (Hispin AWS

32 Castrol, Shell Tellus 32) (veja fig. 4). Recoloque o copo, abra

o registro da linha de alimentação de ar e regule a pressão entre 6

e 7 kgf/cm 2 , atuando no manípulo do regulador de pressão (2). Fixe a regulagem abaixando o anel externo do manípulo. Atuando nos botões do comando (5), a placa será acio- nada. Com o parafuso de regulagem do lubrificador (3), ajuste o fluxo do óleo de lubrificação para uma a duas gotas a cada ciclo

de abertura e fechamento da placa.

3.2.2. Fluído refrigerante de corte

Recomendamos a utilização de óleo solúvel mineral

como refrigerante de corte. A utilização de óleos refrigerantes sintéticos ou semi-sintéticos podem danificar os anéis vedadores

de borracha, prejudicando a retenção de ar pela placa.

3.2.3. Castanhas, porcas-T e parafusos

3.2.3.1. Castanhas moles e duras

As castanhas duras padrão são apropriadas para fixação de peças brutas. Quando fornecidas com a placa, são retificadas para prover boa precisão de fixação. Porém não são próprias para operações de acabamento que exigem alta precisão de con- centricidade entre o diâmetro de fixação e o diâmetro usinado. Utilizar então castanhas moles torneadas sobre a própria placa. Utilize sempre castanhas duras ou moles originais da placa, ou então castanhas com o serrilhado de precisão tal, que se ajuste corretamente ao dos porta-castanhas (pos. 23, fig. 11). Para aplicações específicas (uso de castanhas duras e alta precisão), deve-se construir castanhas com superfícies de referência e fixação apropriadas a peça, e depois de temperadas, retificá-las sobre a própria placa em que irão trabalhar. As castanhas duras padrão fornecidas em separado da placa, não são retificadas e não garantem precisão de fixação. O torque transmitido pelas castanhas para a peça, em função da força aplicada, é maior quanto maior for o diâmetro de fixação. Portanto, fixar sempre a peça pelo maior diâmetro disponível. Esses esforços, também dependem do atrito existente

entre a superfície de fixação das castanhas e a superfície da peça.

A tab. 8 indica os valores do coeficiente de atrito em função da

superfície da peça e do tipo de castanha utilizado.

Tab. 8 - Coeficiente de atrito

Condição de fixação

Peça bruta

Peça usinada

Superfície áspera

Superfície lisa

Castanha mole torneada

0,15

0,10

Castanha dura, dentes quadrados

0,20

0,12

Castanha dura, dentes pontudos

0,40

0,25

Assim, quando a máxima força de fixação da placa com castanhas moles ainda não for suficiente para reter a peça sob os esforços de corte, passe a usar castanhas temperadas que abra-cem bem o diâmetro da peça e com dentes pontiagudos que penetrem na superfície. No caso de fixação de peças em que não é possível apoiá-las axialmente sobre as castanhas, procure utilizar um batente axial para a peça fixado ao eixo-árvore da máquina. Ao fixar barras ou peças longas onde não é possível utilizar um batente axial, instale guias radiais para a peça dentro do eixo-árvore, utilize castanhas duras com dentes pontiagudos, e se necessário modere a profundidade de corte e avanços utilizados. As castanhas devem ser montadas sobre os porta-cas- tanhas (23, fig. 11), de modo que a peça a ser usinada seja fixada na primeira metade do curso dos porta-castanhas. Isto significa que após fixar a peça, os porta-castanhas ainda terão pelo menos a metade do seu curso no sentido da fixação para atingir a sua posição limite. Certifique-se de que o rasgo T e superfícies serrilhadas do porta-castanha e castanha estejam limpas antes da montagem.

3.2.3.2. Altura máxima para castanhas especiais

A altura máxima das castanhas a serem utilizadas nas placas pneumáticas é da ordem de 1,5 vezes a altura padrão da castanha mole para cada tamanho de placa. Ex: altura padrão da castanha mole PP160 = 38mm; altura máxima = (1,5x38) = 57mm. Caso a altura das castanhas seja superior ao máximo valor encontrado, a força de fixação da placa deverá ser diminuída proporcionalmente.

3.2.3.3. Torneamento de castanhas moles

Para compensar as deformações elásticas dos elementos construtivos da placa e o ajuste nas guias dos porta-castanhas, as castanhas moles deverão ser torneadas com uma pequena conicidade para que ocorra contato correto entre o diâmetro da peça e todo o comprimento da superfície de fixação da castanha. Embora esta conicidade varie com a placa utilizada e com as condições de fixação, como primeira aproximação pode-se utilizar conicidade 1:400 (ilustrado na fig. 5). Na castanha, na interseção da superfície de fixação com a superfície de apoio para a peça, deverá existir um alívio de modo a evitar que ocorra neste ponto interferência com a aresta da peça (fig. 5).

Quando se deseja obter uma boa concentricidade entre o diâmetro de fixação e o diâmetro a ser usinado, deve-se tornear a castanha fixando um disco no caso de fixações de diâmetros externos (fig. 6), ou fixando um anel no caso de fixações de diâmetros internos (fig. 7). Tanto o disco quanto o anel, devem ser fixados na primeira metade do curso dos porta-castanhas. Isto significa que após prender o disco ou o anel, os porta-castanhas ainda terão pelo menos a metade do seu curso no sentido da fixação para atingir a sua posição limite.

7

sentido da fixação para atingir a sua posição limite. 7 3.2.3.4. Porcas-T As porcas-T (24, 25,
sentido da fixação para atingir a sua posição limite. 7 3.2.3.4. Porcas-T As porcas-T (24, 25,
sentido da fixação para atingir a sua posição limite. 7 3.2.3.4. Porcas-T As porcas-T (24, 25,
sentido da fixação para atingir a sua posição limite. 7 3.2.3.4. Porcas-T As porcas-T (24, 25,

3.2.3.4. Porcas-T

As porcas-T (24, 25, fig. 11) de fixação das castanhas devem ficar totalmente alojadas nos canais dos porta-castanhas. Caso haja necessidade de montar castanhas moles em posição que não permita atender a esta condição utilizando os furos de fixação originais, usina-se uma nova sede de parafuso na castanha mantendo a distância entre centros igual à existente. Nunca retrabalhar as porcas-T, alterando rosca, largura ou comprimento. A substituição de porcas-T, quando necessário, deverá ser feita por outras originais, ou pelo menos por outras com as mesmas características mecânicas e dimensionais.

3.2.3.5. Parafusos Os parafusos de fixação da castanha devem ser aplicados de tal modo que o braço resistente “b” ao esforço de fixação, seja sempre maior possível (fig. 8).

de fixação, seja sempre maior possível (fig. 8). Quando montados, os parafu sos de fixação das

Quando montados, os parafusos de fixação das casta- nhas não devem ultrapassar a base da porca-T (24, 25, fig.11) e pressionar o fundo do rasgo T do porta-castanha (23). Caso contrário, as castanhas não ficarão bem fixadas e o porta-castanha irá deformar e romper.

3.2.3.6. Campo de utilização da placa

Não se recomenda fixar peças cujo diâmetro ultrapassa o diâmetro da placa, nem utilizar castanhas que se estendam além da periferia dela.

A rotação máxima especificada para a placa, só pode ser

atingida em condições de operação que não superem as condições

de teste indicadas na página 4.

A diminuição da força de fixação efetiva sobre a peça

devido ao efeito de força centrífuga, que é função da massa da castanha, da distância entre o centro de gravidade da castanha e o eixo de rotação da placa e rotação. Sendo assim, para pressões menores que 6kgf/cm 2 , castanhas mais pesadas e/ou montadas em posições mais externas, é necessário diminuir proporcio-nalmente

a rotação máxima de trabalho.

3.3.

Manutenção

3.3.1.

Lubrificação da placa

A lubrificação é fator fundamental para obtenção de alto

desempenho da placa como um todo. Assim, diariamente verifique se a regulagem do comando (item 3.2.1) se mantém e complete o nível de óleo do copo do lubrificador. Após os primeiros 100 ciclos lubrifique a placa, introduza graxa SMW- AUTOBLOK K05 nas engraxadeiras (13, fig. 11) dos porta- castanhas. Lubrifique a placa a cada 500-800 ciclos, pelo menos.

8

Lubrifique a placa a cada 500-800 ciclos, pelo menos. 8 3.3.2. Regulagem das sapatas de deslizamento

3.3.2. Regulagem das sapatas de deslizamento

Enquanto o corpo de aço da placa gira com o eixo-árvore da máquina, a câmara de alimentação de ar (11, fig. 11) onde são acopladas as mangueiras, permanece parada. Para que isto seja

possível, a câmara de alimentação de ar é guiada sobre o corpo por meio de sapatas deslizantes (9). Com o uso da placa, pode ocorrer desgaste das sapatas, provocando certa folga no ajuste da câmara de alimentação de ar sobre o corpo da placa. Quando isto ocorrer, torna-se necessário um ajuste das sapatas por meio dos parafusos radiais (10) existentes na câmara de alimentação de ar, procedendo da seguinte forma:

- remova o anel de proteção (21);

- destrave os parafusos de trava (22);

- rosqueie todos os parafusos de regulagem das sapatas,

eliminando o jogo entre a câmara e o corpo da placa. Tenha o cuidado de manter entre o corpo e a câmara de alimentação de ar, uma folga homogênea em toda volta, afim de evitar contato metal-metal. Em seguida, desrosqueie em cerca de ¼ de volta todos os parafusos de regulagem das sapatas de modo a obter jogo radial de 0,3 a 0,4mm entre câmara de alimentação de ar e corpo, para evitar aquecimento e desgaste prematuro das sapatas. Trave novamente os parafuso de trava. Bata com um martelo de borracha para que a disposição das sapatas fique uniforme. Confira a folga e reajuste, se necessário, para o valor de 0,3 a 0,4mm. Com o eixo-árvore desengrenado, verifique se o corpo da placa gira livremente dentro da câmara de alimentação de ar, sem forçá-la. Efetuar a regulagem das sapatas após as primeiras 160 horas de operação e depois a cada 500 horas de serviço.

3.3.3. Verificação da retenção de ar

O aperto das castanhas sobre as peças é mantido pelo ar comprimido dentro do cilindro da placa. Assim, é importante que não ocorra fuga sensível do ar comprimido. Para verificar se a retenção de ar é eficiente, proceda da seguinte forma:

a)

Remova o anel de proteção

b)

Remova os parafusos de trava, os parafusos de ajuste das sapatas e com uma pinça retire as sapatas

c)

Acione a placa, fechando as castanhas.

d)

Retire a câmara de alimentação de ar.

e)

No diâmetro externo do corpo, sobre o qual é montada a câmara de alimentação, existem 2 furos radiais. Preencha- os com óleo, verificando se existe perda de ar. É normal o esca-pe lento de pequenas bolhas, sem problemas. Todavia, se os furos não se mantiverem cheios de óleo, há vazamento.

f)

Recoloque a câmara de alimentação sobre o corpo da placa, acione o comando abrindo as castanhas e repita as operações dos itens “d” e “e”. Caso se note perda de ar, torna-se necessário substituir os anéis O’rings (15-16) da válvula de segurança (14-19) montada frente do corpo da placa, procedendo da seguinte forma:

g)

Diminua progressivamente a pressão de ar por meio do regulador intercalando com acionamentos da placa, até que não funcione mais.

h)

Retire o parafuso tampão (18) da sede da válvula existente na parte frontal da placa e em seguida retire a válvula e o tampão (26) (no caso de placas 125). Um arame com a extremidade dobrada em forma de “L” pode ser usado para puxar a válvula para fora através dos seus furos radiais. Tome cuidado para não riscar ou danificar as superfícies vedantes da válvula.

i)

Retire os dois bujões internos (19) da válvula (14) e substitua todos os anéis O’rings (15-16) com cuidado para não riscar as sedes dos anéis na válvula e bujões.

j)

Lubrifique e monte os bujões na válvula e com cuidado todo o conjunto da válvula e o tampão (para placas 125) na placa. Rosqueie o parafuso tampão em seu lugar.

k)

Regule a pressão de ar para a normal de trabalho e verifique novamente a retenção de ar, como indicado anteriormente. Se ainda assim ocorrer perda de ar e se os anéis O’rings da válvula não se danificaram ao serem introduzidos na placa, então os anéis O’rings (2, 5 e 8) do pistão maior do cilindro podem estar danificados.

No caso de não se notar perda de ar pelos furos radiais do corpo, e ainda assim a placa não mantiver o aperto sobre a peça, devem ser examinados os demais anéis O’rings (3, 4, 6, 12, 17 e

20).

Verifique a capacidade de retenção de ar da placa a cada 1000 horas de serviço.

3.3.4. Desmontagem da placa

Acione a placa, deixando as castanhas abertas em pelo

Remova as castanhas, o anel de

proteção, os parafusos de trava, os parafusos de ajuste das sapatas

e com uma pinça retire as sapatas. Retire a câmara de alimentação de ar.

Feche a placa e retire o anel de proteção, os parafusos de fixação e o tubo de proteção. Solte os parafusos de fixação do tubo de proteção da passagem da placa e o remova. Solte os parafusos de fixação do corpo no cilindro. Introduza um calço na passagem do corpo da placa e que apoie no degrau existente no furo de passagem do cilindro (fig. 9). Providencie um disco extrator com parafuso central e furos passantes para os parafusos de fixação das castanhas. Coloque as porcas-T das castanhas nos rasgos T dos porta-castanhas (uma em cada rasgo). Rosqueie os parafusos de fixação das castanhas nas porcas-T através do disco extrator, mas não o aperte contra a placa ou porcas-T. Rosqueie o parafuso central até que o corpo desencaixe do cilindro. Nunca tente desmontar a placa forçando com uma chave de fenda entre as superfícies de apoio do corpo com cilindro. Este procedimento irá danificar a superfície de apoio do cilindro para o corpo e a placa perderá a precisão de giro.

menos metade do curso

9

placa perderá a precisão de giro. menos metade do curso 9 Após remover o cilindro do

Após remover o cilindro do corpo da placa, solte os parafusos de fixação do pistão maior e o retire. Remova o O’ring do diâmetro interno do pistão menor e introduza pelo seu furo um calço que apoie no corpo da placa (fig. 10). Providencie um disco extrator com parafuso central e 3 furos passantes para os parafusos de fixação do pistão maior, fixe- o no acionador da placa e rosqueie o parafuso central até que o acionador desencaixe do corpo da placa.

central até que o acionador desencaixe do corpo da placa. Tab. 9 - Valores característicos para
central até que o acionador desencaixe do corpo da placa. Tab. 9 - Valores característicos para

Tab. 9 - Valores característicos para desmontagem (em mm)

Placa

125/25

160/39

200/52

250/65

250/90

315

A

M16x60

M16x80

M16x80

M16x90

M16x90

M16x90

B

90

130

170

220

220

230

C

76

110

150

200

200

200

D

18

18

18

18

18

18

E

35,5x57

42,5x75

56,5x77

70,5x87

93,5x87

111,5x87

F

35,5

42,5

56,5

70,5

93,5

111,5

G

8

5

5

5

5

5

H

39,5

47,5

62,5

78,5

103,5

119,5

I

13

14

14

16

16

16

J

77

106

134.4

164

164

205

K

15

13

11

11

11

11

L

10

10

10

-

-

-

Tab. 10 – Especificação dos elementos que formam as placas de três castanhas Descrição Pos.
Tab. 10 – Especificação dos elementos que formam as placas de três castanhas Descrição Pos.

Tab. 10 – Especificação dos elementos que formam as placas de três castanhas

Descrição

Pos.

Qtd.

125/32

125/32 CL

160/39

200/52

250/65

250/90

315/105

Anel de retenção

1

2

60.2500

60.2500

60.2501

60.2502

60.2503

60.2503

60.2504

O’ring

2

1

2.247

2.247

2.439

2.445

2.448

2.448

2.449

O’ring

3

1

2.237

2.237

2.350

2.435

2.441

2.441

2.446

O’ring

4

1

2.142

2.142

2.340

2.349

2.432

2.432

2.441

O’ring

5, 6

1

2.129

2.129

2.328

2.333

2.338

2.346

2.351

O’ring

7

1

2.019

2.019

2.019

2.030

2.030

2.038

2.042

O’ring

8

8

6.037 (9)

6.037 (9)

2.010

2.010

2.011

2.011

2.011

Sapata

9

6

38.1214

38.1214

38.1416

38.1416

38.1416

(8)

38.1416

(8)

38.1416

(8)

Parafuso guia

10

6

38.1215

38.1215

38.1306

38.1306

38.1306

(8)

38.1306

(8)

38.1306

(8)

Câmara de alimentação de ar

11

1

38.1225

38.1225

38.1322

38.1419

38.1521

38.1521

38.1606

O’ring

12

1

2.048

2.048

2.166

2.172

2.178

2.178

2.275

Engraxadeira

13

3

Lub M6

Lub M6

Lub M6

Lub M6

Lub M6

Lub M6

Lub M6 (6)

Válvula de retenção

14

1

38.1203

38.1203

38.1300

38.1300

38.1300

38.1300

38.1300

O’ring

15

2

3.901

3.901

6.111

6.111

6.111

6.111

6.111

O’ring

16

3

2.013

2.013

2.113

2.113

2.113

2.113

2.113

O’ring

17

1

2.013

2.013

2.019

2.019

2.019

2.019

2.019

Parafuso tampão

18

1

38.1211

38.1211

38.1309

38.1407

38.1407

38.1407

38.1407

Bujão da válvula de retenção

19

2

38.1209

38.1209

38.1304

38.1304

38.1304

38.1304

38.1304

O’ring

20

2

2.007

2.007

2.010

2.010

2.010

2.010

2.010 (3)

Anel de proteção

21

1

38.1250

38.1250

38.1339

38.1435

38.1543

38.1543

38.1617

Parafuso de trava

22

6

38.1216

38.1216

38.1307

38.1307

38.1307

(8)

38.1037

(8)

38.1307

(8)

Porta-castanha

23

3

38.1224

38.1224

38.1320

38.1408

38.1518

38.1515

38.1607

Porca-T

24

3

38.1221

38.1221

38.1311

38.1406

38.1508

38.1508

38.1508

Porca-T rebaixada

25

3

38.1207

38.1207

38.1313

38.1410

38.1509

38.1509

38.1509

Tampão

26

1

38.1212

38.1212

-

-

- -

 

-

O’ring

27

3

-

2.012

-

-

- -

 

-

O’ring

28

1

-

-

-

-

 

- -

2.178

Obs.: os valores entre parêntesis correspondem ao número mais adequado de unidades de um elemento para a placa.

10

4. Antes de Chamar a Assistência Técnica   Defeito observado   Causas prováveis Soluções Desgaste

4. Antes de Chamar a Assistência Técnica

 

Defeito observado

 

Causas prováveis

Soluções

Desgaste prematuro das sapatas

 

Instalação incorreta: o garfo não é rígido, ou força o pino, ou a câmara de alimentação de ar ou as mangueiras forçam a câmara de alimentação de ar;

-

- Adequar a instalação às instruções do item 3.1.1.

 

-

Regulagem inadequada das sapatas;

- Regular as sapatas conforme instruções do item 3.3.2.

Superaquecimento do corpo e da câmara de alimentação de ar

Instalação incorreta: o garfo e/ou mangueiras forçam a câmara de alimentação de ar;

-

- Adequar a instalação às instruções do item 3.1.1.

-

Válvula direcional não corta a alimentação de ar com

- Corrigir funcionamento da válvula direcional de ar.

o

eixo-árvore em rotação;

 

-

Regulagem muito justa das sapatas com o corpo;

- Regular as sapatas conforme instruções do item 3.3.2.

Trepidação da câmara alimentação de ar

de

-

Regulagem inadequada das sapatas;

- Substituir as sapatas e regular conforme o item 3.3.2.

-

Sapatas gastas;

- Regular as sapatas conforme item 3.3.2.

 

-

Falta lubrificação ou uso de lubrificante inadequado;

- lubrificar conforme indicado no item 3.3.1.

-

Castanha inadequada;

- Para operações de desbaste utilize castanhas duras com dentes

pontiagudos e que abrace bem a peça. Para acabamento, utilize castanhas moles. Procure sempre que possível utilizar encosto para escorar axialmente a peça.

Superfície de fixação das castanhas apoia sobre a peça apenas em parte do comprimento de fixação;

-

Reusinar superfícies de fixação conforme indicado no item

-

3.2.3.3.

-

Pressão de ar insuficiente no momento da fixação da

Regule a pressão de ar entre 6 e 7 Kgf/cm2. Certifique-se de que no momento da fixação não ocorre queda de pressão na rede de alimentação de ar.

-

A placa escorrega nas castanhas (fixação insuficiente).

peça;

-

Tempo de alimentação de ar insuficiente;

A fixação da peça ocorre no fim do curso pneumático das castanhas;

-

Mantenha a alimentação de ar para a placa por 2 ou 3 segundos após as castanhas terem apoiado sobre a peça.

-

Avance as castanhas em um dente do serrilhado no sentido da fixação.

-

-

Retenção de ar ineficiente;

- Veja item 3.3.3.

Esforços de usinagem ultrapassam a capacidade de retenção da placa;

-

- Reduzir profundidade de corte e/ou avanço.

 

-

Válvula de retenção “travada” devido longo período

- Retire o parafuso tampão (18) e a válvula de retenção (19-14).

Movimento das castanhas muito lento ao abrir e fechar.

sem operar ou devido a sujeira;

Limpe, lubrifique com óleo e volte a montar (item 3.3.3 g, h, i, j).

- Falta lubrificação ou uso de lubrificante inadequado;

- Lubrificar conforme indicado no item 3.2.2.

 

- O ar comprimido não chega na placa, embora o

- Verifique o funcionamento da válvula pneumática direcional.

manômetro indique pressão de ar;

- Pressão do ar comprimido insuficiente;

- Regule a pressão de ar entre 5 e 7 kgf/cm 2 .

A

placa

não

movimenta

as

- Válvula de retenção “travada” devido longo período

- Retire o parafuso tampão e a válvula de retenção. Limpe,

castanhas.

 

sem operar ou devido a sujeira;

lubrifique com óleo e volte a montar segundo o item 3.3.3 (g, h, i,

 

j).

Anéis de retenção não vedam corretamente sobre o corpo devido a sujeira ou desgaste;

-

Retire a câmara de alimentação de ar, os anéis de retenção, limpe

-

lubrifique com óleo e volte a montar (itens 3.3.2 e 3.3.3 a, b, c, d).

Escape de ar

câmara de alimentação e o corpo,

pela folga entre a

Anéis de retenção não vedam corretamente sobre o corpo devido a sujeira ou desgaste;

-

Retire a câmara de alimentação de ar, os anéis de retenção, limpe

lubrifique com óleo e volte a montar. Se os anéis estiverem danificados ou gastos substitua-os (itens 3.3.2 e 3.3.3 a, b, c, d).

-

com castanhas paradas e o comando acionado.

 

A placa solta a peça.

 

-

Retenção de ar ineficiente;

- Veja item 3.3.3.

 

Flange sem alívio ou insuficiente, entre o diâmetro de centragem e face de apoio para a placa;

-

- Fazer alívio ou aumentá-lo.

Flange toca na superfície do fundo do rebaixo de centragem da placa;

-

- Remover material da flange, conferindo folga de 0,5mm.

-

Flange com oscilação radial do diâmetro para

- Verificar e corrigir se necessário ajuste da flange com ataque do

centragem e axial da face para apoio da placa, além do

eixo árvore. Volte a medir as oscilações. Se necessário reusinar o

Centragem imprecisa da peça.

 

especificado;

diâmetro para centragem e/ou a face de apoio.

-

Folga no diâmetro de centragem entre flange e placa;

- Reusinar diâmetro de centragem de flange, ajustando na placa.

 

-

Uma das castanhas fixada em posição incorreta sobre

- Fixar castanha na posição correta sobre o serrilhado.

o

serrilhado com referência as outras castanhas;

Superfície de fixação das castanhas gastas ou torneadas de modo incorreto;

-

- Reusinar superfícies de fixação conforme item 3.2.3.3.

-

Castanha inadequada;

Para operações de acabamento utilize castanhas moles torneadas corretamente. Castanhas duras não permitem boa centragem.

-