Sei sulla pagina 1di 4

/

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO


I PROCESSO TC 01760/05 IPág. 1/~ I
ADMINISTRAÇÃO INDIRETA ESTADUAL
DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÃNSITO - DETRAN
- PRESTAÇÃO DE CONTAS ANUAIS RELATIVA AO
EXERCíCIO DE 2004 - EXISTÊNCIA DE FALHAS SEM
REFLEXOS NEGATIVOS NAS CONTAS PRESTADAS-
RECOMENDAÇÃO PARA CORRIGIR E EVITAR AS
FALHAS VERIFICADAS NOS AUTOS - REGULARIDADE
COM RESSALVAS.

ACÓRDÃO APL - TC jl6J -1112.007

RELATÓRIO
A DIAFI/DEAPI/DICIN analisou a PRESTAÇÃO DE CONTAS ANUAIS, relativa ao
exercício de 2004, apresentada, dentro do prazo legal, pelo Diretor Superintendente do
DETRAN, cujo Relatório inserto às fls. 492/504 dos autos, fez as observações principais a
seguir resumidas.
1. A responsabilidade pelas contas é do Senhor PAULO ROBERTO DE AQUINO
NEPOMUCENO;
2. Os antecedentes históricos institucionais do DETRAN dizem respeito à sua
instituição, que se deu com a Lei n° 3.848/76, com jurisdição em todo o Estado da
Paraíba, personalidade jurídica de direito público, autonomia administrativa e
financeira, constituindo-se numa autarquia vinculada à Secretaria de Segurança
Pública, pela observância de aspectos relacionados à supervisão administrativa e
financeira. Consiste em um órgão executor das atividades de disciplinamento e
controle do trânsito;
4. Arrecadação de R$ 42.668.991,73, sendo R$ 42.659.091,73, ou 99,98%,
representada por Receitas Correntes, e R$ 9.900,00, ou 0,02% daquela,
correspondente às Receitas de Capital;
5. Realização de despesas que somaram R$ 44.480.076,89, sendo
R$ 43.300.849,96, ou 97,35%, de despesas correntes e R$ 1.179.226,93, ou
2,65%, de despesas de capital;
6. Verificação de deficit orçamentário de R$ 1.811.085,16;
7. As despesas com Pessoal e Encargos Sociais representaram 60,95% das
despesas correntes. Houve um acréscimo de 27%, em relação ao exercício de
2003.
A Unidade Técnica de Instrução observou as seguintes irregularidades:
1. Desequilíbrio na execução orçamentária, contrariando o §1° do artigo 1° da Lei de
Responsabilidade Fiscal;
2. Inscrição em Restos a Pagar superior às disponibilidades financeiras, contrariando
o §1° do art. 1° da LRF;
3. Disponível final da autarquia bem inferior aos montantes classificados a título de
Consignações;
4. Inexistência de Plano de Cargos e Carreiras;
5. Contratações de Pessoal para o Quadro Permanente e para Cargos
Comissionados, burlando dispositivo constitucional referente à admissão de pessoal
pela administração pública, mediante realização de concurso público;
6. Falta de encaminhamento dos procedimentos licitatórios de Dispensa e
Inexigibilidade;
7. Despesarealizada sem o devido processo Iicitatório;
8. Não formalização de Processo de Dispensa de Licitação; \
9. Deficiência no controle. Quantoà localizacão e tombamento dos bens móveis:\\
TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO
IPROCESSO TC 01760/05

Instaurado o contraditório, o responsável apresentou, após prorrogação de prazo,


defesa às fls. 511/1497, que a Unidade Técnica de Instrução analisou e concluiu:
1. Sugerir que fossem extraídos dos autos e encaminhados para a Divisão de
Licitações e Contratos desta Corte, os procedimentos licitatórios anexados às fls.
518/1457, para análise da documentação, inclusive, com aplicação de multa;
2. Considerar sanável a irregularidade referente à não formalização de processo de
Dispensa de Licitação;
3. Manter as demais irregularidades.
Solicitada a oitiva ministerial, o ilustre Procurador Geral, em exercício, André Carlo
Torres Pontes, após considerações, concluiu no seguinte sentido:
1. Regularidade com ressalvas das contas do Senhor PAULO ROBERTO DE
AQUINO NEPOMUCENO, na qualidade de Gestor do DETRAN-PB, relativamente
ao exercício de 2004;
2. Aplicação de multa ao mencionado Gestor, pela não remessa a esta Corte de
Contas dos Processos de Dispensa e Inexigibilidade de Licitação;
3. Recomendações ao mesmo Gestor para prevenir a reincidência nas falhas
apuradas na presente prestação de contas.
Foram feitas as comunicações de estilo.
É o Relatório.

PROPOSTA DE DECISÃO

o deficit na execução orçamentária, no valor de R$ 1.811.085,16, correspondente a


4,24% da receita arrecadada no exercício, bem como a inscrição de restos a pagar superior
ao valor das disponibilidades, no final do exercício de 2004, ensejam recomendação ao
gestor no sentido de que se esmere na busca pelo equilíbrio entre receitas e despesas,
conforme preceitua a Lei de Responsabilidade Fiscal.
A despeito da ausência de lastro financeiro, no montante equivalente ao total das
consignações retidas no período (R$ 3.830.542,37), o Relator discorda, data venia, da
Unidade Técnica de Instrução, tendo em vista que não há nos autos comprovação de que
tais recursos passaram a fazer parte do patrimônio pessoal do gestor, pelo que não há o
que se falar em apropriação indébita. Tal entendimento, no entanto, em face da aplicação de
recursos públicos em finalidade diversa daquela inicialmente proposta, enseja aplicação de
multa.
Tendo em vista a anexação, por ocasião da defesa, dos procedimentos licitatórios
referentes a Dispensa e Inexigibilidade (fls. 518/1457), o Relator, de acordo com a sugestão
da Auditoria, propõe que estes sejam extraídos e encaminhados à Divisão de Licitações e
Contratos desta Corte, para análise em autos apartados destes.
Permaneceram as irregularidades relativas à: inexistência de Plano de Cargos e
Carreira; contratações de pessoal burlando a exigência constitucional de concurso público;
despesa realizada sem o devido procedimento licitatório; e deficiência no controle, quanto à
localização e tombamento, dos bens móveis.
Ademais, verificou-se que a instituição carece de uma melhor estruturação das suas
práticas administrativas e contábeis, de forma a não mais repetir as falhas aqui observadas.
Isto posto, o Relator propões no sentido de que os integrantes do Tribunal Pleno:
1. JULGUEM REGULARES COM RESSALVAS as contas do DEPARTAMENTO
ESTADUAL DE TRÂNSITO - DETRAN, de responsabilidade do SenhO\PAULO
ROBERTO DE AQUINO NEPOMUCENO, referentes ao exercício de 20\ ~
TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO
I PROCESSO TC 01760/05 IPág. 3/~ I
2. APLIQUEM multa pessoal ao Senhor PAULO ROBERTO DE AQUINO
NEPOMUCENO, no valor de R$ 2.805,10 (dois mil e oitocentos e cinco reais e
dez centavos), em virtude de insuficiência financeira, desequilíbrio orçamentário e
aplicação de recursos públicos em finalidade diversa daquela inicialmente proposta,
nos termos do artigo 56, inciso 11, da LOTCE (Lei Complementar 18/93) e Portaria
50/2001 ;
3. ASSINEM o prazo de 60 (sessenta) dias para o recolhimento voluntário, aos cofres
estaduais, através do FUNDO DE FISCALIZAÇÃO FINANCEIRA E
ORÇAMENTÁRIA MUNICIPAL, sob pena de cobrança executiva, desde já
recomendada, inclusive com a interveniência da Procuradoria Geral do Estado ou
da Procuradoria Geral de Justiça, na inação daquela, nos termos dos parágrafos 3°
e 4°, do artigo 71 da Constituição do Estado, devendo a cobrança executiva ser
promovida nos 30 (trinta) dias seguintes ao término do prazo para recolhimento
voluntário, se este não ocorrer;
4. FORMALIZEM autos apartados destes com vistas a analisar os procedimentos
licitatórios de Dispensa e Inexibilidade, anexados por ocasião da defesa, fls.
518/1457, a fim de que sejam analisados pelo setor competente deste Tribunal;
5. RECOMENDEM ao Gestor do DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO -
DETRAN, no sentido de que não mais repita as falhas constatadas nos presentes
autos.
É a Proposta.
DECISÃO DO TRIBUNAL
Vistos, relatados e discutidos os autos do PROCESSO TC - 01760/05 e,

CONSIDERANDO os fatos narrados no Relatório;

CONSIDERANDO o mais que dos autos consta;

ACORDAM os MEMBROS do TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DA PARAíBA


(TCE-Pb), à unanimidade, de acordo com a Proposta de Decisão do Relator, na Sessão
realizada nesta data, em:
1. JULGAR REGULARES COM RESSALVAS as contas do DEPARTAMENTO
ESTADUAL DE TRÂNSITO - DETRAN, de responsabilidade do Senhor PAULO
ROBERTO DE AQUlNO NEPOMUCENO, referentes ao exercício de 2004;
2. APLICAR multa pessoal ao Senhor PAULO ROBERTO DE AQUlNO
NEPOMUCENO, no valor de R$ 2.805,10 (dois mil e oitocentos e cinco reais e
dez centavos), em virtude de insuficiência financeira, desequilíbrio
orçamentário e aplicação de recursos públicos em finalidade diversa daquela
inicialmente proposta, nos termos do artigo 56, inciso 1/, da LOTCE (Lei
Complementar 18/93) e Portaria 50/2001;
3. ASSINAR o prazo de 60 (sessenta) dias para o recolhimento voluntário, aos
cofres estaduais, através do FUNDO DE FISCALIZAÇÃO FINANCEIRA E
ORÇAMENTÁRIA MUNICIPAL, sob pena de cobrança executiva, desde já
recomendada, inclusive com a interveniência da Procuradoria Geral do
Estado ou da Procuradoria Geral de Justiça, na inação daquela, nos termos
dos parágrafos 3° e 4°, do artigo 71 da Constituição do Estado, devendo a
cobrança executiva ser promovida nos 30 (trinta) dias seguinte,- ao términ
do prazo para recolhimento voluntário, se este não ocorrer; \, \
TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO
I PROCESSO TC 01760/05 IPág. 4/~ I

4. FORMALIZAR autos apartados destes com vistas a analisar os procedimentos


licitatórios de Dispensa e Inexibilidade, anexados por ocasião da defesa, fls.
518/1457, a fim de que sejam analisados pelo setor competente deste
Tribunal;
5. RECOMENDAR ao Gestor do DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO -
DETRAN, no sentido de que não mais se repitam as falhas constatadas nos
presentes autos.

Fui presente: ---'"l/.".e----.:=-:;::';:;;:::~~::_:_-"""'-~----'~


__
Ana Terêsa Nóbrega \
Representante do Ministério Público Especial Junto ao Tribunal