Sei sulla pagina 1di 22

Vestibular Vunesp – P. Geral / Física – Prof. Panosso

Vunesp /08

(Meio do Ano)

1) Segundo se divulga, a Big Tower do parque de diversões Beto Carrero World possui uma torre radical com 100 m de altura. Caso o elevador estivesse em queda livre por todo esse trecho, e considerando o valor da aceleração da gravidade como sendo 10,0 m/s 2 , e que o elevador parte do repouso, conclui-se que sua velocidade ao final dos 100 m seria de

(A) 33,2 m/s.

(B) 37,4 m/s.

(C) 44,7 m/s.

(D) 49,1 m/s.

(E) 64,0 m/s.

2) Observe a figura, que representa um sistema de freios. Sabe-se que o cabo de cima

está sob uma tensão T1 = 800 N e que os cabos de baixo, sujeitos às tensões T2 e T3, fazem um ângulo de 120o entre si e que |T2| = |T3|. Adotando sen 60 o = 0,9 e cos 60 o = 0,5, pode-se afirmar que o módulo da tensão em um desses dois cabos, T2 ou T3, na condição de equilíbrio de forças, será de

(A)

(B)

(C)

(D)

(E)

400 N.

560 N

670 N.

800 N.

870 N.

de (A) (B) (C) (D) (E) 400 N. 560 N 670 N. 800 N. 870 N.

3) As pirâmides do Egito estão entre as construções mais conhecidas em todo o mundo, entre outras coisas pela incrível capacidade de engenharia de um povo com uma tecnologia muito menos desenvolvida do que a que temos hoje. A Grande Pirâmide de Gizé foi a construção humana mais alta por mais de 4 000 anos. Considere que, em média, cada bloco de pedra tenha 2 toneladas, altura desprezível comparada à da pirâmide

(B) 56 kJ.

(C) 280 kJ.

comparada à da pirâmide (B) 56 kJ. (C) 280 kJ. e que a altura da pirâmide
comparada à da pirâmide (B) 56 kJ. (C) 280 kJ. e que a altura da pirâmide

e que a altura da pirâmide seja de 140 m. Adotando g = 10 m/s 2 , a energia potencial de um bloco no topo da pirâmide, em relação à sua base, é de

(A) 28 kJ.

(D) 560 kJ.

(E) 2 800 kJ.

à sua base, é de (A) 28 kJ. (D) 560 kJ. (E) 2 800 kJ. 4)

4) Em uma aula sobre o princípio de Arquimedes, um professor colocou um objeto em forma de ovo para flutuar na água em três posições distintas,

tomando o cuidado de garantir que o objeto se mantivesse nas posições de equilíbrio que aparecem na figura. Em seguida, perguntou aos seus estudantes, caso acontecesse, em qual, ou quais, das três situações o volume de líquido deslocado seria maior. Com base nessas informações, pode- se afirmar que o volume deslocado será

(A)

maior na situação 1.

(B)

maior na situação 2.

(C)

maior na situação 3.

(D)

igual nas três situações.

(E)

igual em 1 e 3 e menor em 2.

três situações. (E) igual em 1 e 3 e menor em 2. 5) Suponha que, em

5) Suponha que, em uma partida de futebol americano, os dois jogadores que aparecem em primeiro plano na figura sofram uma colisão inelástica frontal, à mesma velocidade escalar relativamente ao solo. Nesse

à mesma velocidade escalar relativamente ao solo. Nesse caso, desprezando o efeito do atrito de seus

caso, desprezando o efeito do atrito de seus pés com o solo e da ação de forças internas, pode-se concluir que,

(A)

em caso de massas iguais, os jogadores ficarão parados no ponto da colisão.

(B)

independentemente do valor de suas massas, os dois jogadores ficarão parados no ponto de colisão.

(C)

como o jogador da direita tem maior massa, eles irão se deslocar para a direita.

(D)

não importa qual a massa dos jogadores, ambos irão recuar após a colisão.

(E)

em função de suas massas, o jogador que tiver a maior massa recuará.

6) Analise o movimento de um planeta em diversos pontos de sua trajetória em torno do Sol, conforme aparece na figura. Considerando os trechos entre os pontos A e B e entre os pontos C e D, pode-se afirmar que,

(A)

entre A e B, a área varrida pela linha que liga o planeta ao Sol é maior do que aquela entre C e D.

(B)

caso as áreas sombreadas sejam iguais, o planeta move-se com maior velocidade escalar no trecho entre A e B.

(C)

caso as áreas sombreadas sejam iguais, o planeta move-se com maior velocidade escalar no trecho entre C e D.

(D)

caso as áreas sombreadas sejam iguais, o planeta move-se com a mesma velocidade nos dois trechos.

(E)

caso as áreas sombreadas sejam iguais, o tempo levado para o planeta ir de A até B é maior que entre C e D.

iguais, o tempo levado para o planeta ir de A até B é maior que entre

www.professorpanosso.com.br - Vunesp

1

7) Os eletroencefalogramas são medições de sinais elétricos oriundos do cérebro. As chamadas ondas cerebrais são usualmente classificadas como ondas δ (delta), com freqüência até 4 Hz, θ (teta), de 4 a 7 Hz, α (alfa), de 7 a 14 Hz e β (beta), acima de 14 Hz. Analise os gráficos. Considerando que os gráficos I e II sejam de ondas luminosas com velocidade c = 3 × 108 m/s, as quais possuem a mesma freqüência das ondas cerebrais, pode-se concluir que seus comprimentos de onda correspondem, respectivamente, a ondas

(A) α e β.

(B) α e δ.

(C) β e δ.

(D) δ e θ.

(E) β e θ.

–4 V, e eles ficam arrumados em camadas, como aparece na figura. Considere que um
–4
V, e eles ficam arrumados em camadas, como aparece na figura. Considere que um
(B) 480 000.
(C) 560 000.
(D) 800 000.
(E) 1 000 000.

8) A arraia elétrica (gênero Torpedo) possui células que acumulam energia elétrica como pilhas. Cada eletrócito

pode gerar uma ddp de 10

mergulhador tem uma resistência elétrica corporal baixa, de 2 000 Ω, e que uma corrente elétrica fatal, nessas condições, seja da ordem de 20 mA. Nesse caso, o número de camadas de eletrócitos capaz de produzir essa corrente fatal será igual a

(A) 400 000.

9) Considere o diagrama para uma determinada substância. Sabendo-se que a transformação ocorre no sentido de A para D, pode-se afirmar que no trecho

(A)

(B)

(C)

(D)

(E)

AB a substância está na fase líquida.

BC está ocorrendo fusão ou vaporização.

CD há apenas vapor.

BC há uma mistura de líquido e vapor.

CD está ocorrendo transição de fase.

10) Considere uma experiência em que três cargas pontuais de igual módulo estejam alinhadas e igualmente espaçadas, que as cargas A e C sejam fixas, e que os sinais das cargas A, B e C obedeçam a uma das três configurações seguintes: Considere, ainda, que se deseja que a carga B esteja solta e em equilíbrio. Para tanto, das configurações apresentadas, pode-se usar

(A)

(B)

(C)

(D)

(E)

somente a 1.

somente a 2. somente a 3. tanto a 1 quanto a 3. tanto a 1 quanto a 2.

11) Duas cargas de massas iguais e sinais opostos, com a mesma velocidade inicial, entram pelo ponto A em uma região com um campo magnético uniforme, perpendicular ao plano xy e apontando para “cima”. Sabe-se que a trajetória 2 possui um raio igual ao dobro do raio da trajetória 1. Analisando a figura e desprezando a interação entre as duas cargas, pode-se concluir que a carga da partícula 2 tem sinal

(A)

negativo e o módulo da carga 1 é o dobro da 2.

(B)

negativo e o módulo da carga 2 é o dobro da 1.

(C)

positivo e o módulo da carga 1 é o dobro da 2.

(D)

positivo e o módulo da carga 2 é o dobro da 1.

(E)

positivo e o módulo da carga 2 é o triplo da 1.

2 é o dobro da 1. (E) positivo e o módulo da carga 2 é o

www.professorpanosso.com.br - Vunesp

2

12) Em uma experiência de óptica, um estudante prepara uma cuba transparente, onde incidem dois feixes luminosos, conforme aparece na figura. Em seguida ele enche a cuba de água, enquanto mantém os feixes luminosos incidentes fixos na posição inicial. O esboço que melhor representa o que o estudante viu ao acabar de colocar a água é representado pela figura

viu ao acabar de colocar a água é representado pela figura Gabarito: 1) c; 2) d;
viu ao acabar de colocar a água é representado pela figura Gabarito: 1) c; 2) d;
viu ao acabar de colocar a água é representado pela figura Gabarito: 1) c; 2) d;

Gabarito: 1) c; 2) d; 3) e; 4) d; 5) d; 6) a; 7) b; 8) b; 9) b; 10) e; 11) c; 12) a.

Vunesp /08
Vunesp /08

15 m/s.

20 m/s.

25 m/s.

30 m/s.

35 m/s.

1) Os movimentos de dois veículos, I e II, estão registrados nos gráficos da figura. Sendo os movimentos retilíneos, a velocidade do veículo II no instante em que alcança I é

(A)

(B)

(C)

(D)

(E)

II no instante em que alcança I é (A) (B) (C) (D) (E) 2) Em um

2) Em um aparelho simulador de queda livre de um parque de diversões, ma pessoa devidamente acomodada e presa a uma poltrona é abandonada a partir do repouso de uma altura h acima do solo. Inicia-se então um movimento de queda livre

vertical, com todos os cuidados necessários para a máxima segurança da pessoa. Se g é a aceleração da gravidade, a altura mínima a partir da qual deve-se iniciar o processo de frenagem da pessoa, com desaceleração constante 3g, até o repouso no solo é

(A) h/8.

(B) h/6.

(C) h/5.

(D) h/4.

(E) h/2.

3) A órbita de um planeta é elíptica e o Sol ocupa um de seus focos, como ilustrado na figura (fora de escala). As regiões limitadas pelos contornos OPS e MNS têm áreas iguais a A. Se tOP e tMN são os intervalos de tempo gastos para o planeta percorrer os trechos OP e MN, respectivamente, com velocidades médias vOP e vMN, pode-se afirmar que

(A)

tOP > tMN e vOP < vMN.

(B) tOP = tMN e vOP > vMN.

(C) tOP = tMN e vOP < vMN.

(D)

tOP > tMN e vOP > vMN.

(E) tOP < tMN e vOP < vMN.

(D) tOP > tMN e vOP > vMN. (E) tOP < tMN e vOP < vMN.

www.professorpanosso.com.br - Vunesp

3

4) Certos automóveis possuem um recurso destinado a manter a velocidade do veículo constante durante a viagem. Suponha que, em uma parte de uma estrada sem curvas, o veículo passe por um longo trecho em subida seguido de uma longa descida, sempre com velocidade constante. Desprezando o efeito de atrito com o ar e supondo que o controle da velocidade é atribuído exclusivamente ao motor, considere as afirmações:

I. Durante o percurso, a resultante das forças aplicadas sobre o automóvel é constante e não nula. II. Durante o percurso, a resultante das forças aplicadas sobre o automóvel é nula. III. A força tangencial aplicada pela pista às rodas tem mesmo sentido da velocidade na descida e contrário na subida. Estão corretas as afirmações:

(A) II, apenas.

(B) I e II, apenas.

(C) I e III, apenas.

(D) II e III, apenas.

(E) I, II e III.

5) O teste Margaria de corrida em escada é um meio rápido de medida de potência anaeróbica de uma pessoa. Consisteem fazê-la subir uma escada

de dois em dois degraus, cada um com 18 cm de altura, partindo com velocidade máxima e constante de uma distância de alguns metros da escada. Quando pisa no 8.º degrau, a pessoa aciona um cronômetro, que se desliga quando pisa no 12.º degrau. Se o intervalo de tempo registrado para uma pessoa de 70 kg foi de 2,8 s e considerando a aceleração da gravidade igual a 10 m/s2, a potência média avaliada por este método foi de

(A) 180 W.

(B) 220 W.

(C) 432 W.

(D) 500 W.

(E) 644 W.

6) Para que se administre medicamento via endovenosa, o frasco deve ser colocado a uma certa altura acima do ponto de aplicação no paciente. O frasco fica suspenso em um suporte vertical com pontos de fixação de altura variável e se conecta ao paciente por um cateter, por onde desce o medicamento. A pressão na superfície livre é a pressão atmosférica; no ponto de aplicação no paciente, a pressão deve ter um valor maior do que a

atmosférica. Considere que dois medicamentos diferentes precisam ser administrados. O frasco do primeiro foi colocado em uma posição tal que a superfície livre do líquido encontra-se a uma altura h do ponto de aplicação. Para aplicação do segundo medicamento, de massa específica 1,2 vezes maior que a do anterior, a altura de fixação do frasco deve ser outra. Tomando h como referência, para a aplicação do segundo medicamento deve-se

(B) diminuir a altura de h/6. (C) aumentar a altura de h/5. (C) – 80.
(B) diminuir a altura de h/6.
(C) aumentar a altura de h/5.
(C) – 80.
(D) 100.
(E) 90.

(D) aumentar a altura de 2h/5.

(A)

diminuir a altura de h/5.

(E)

aumentar a altura de h/6.

7) Um corpo I é colocado dentro de uma campânula de vidro transparente evacuada. Do lado externo, em ambiente à pressão atmosférica, um corpo II é colocado próximo à campânula, mas não em contato com ela, como mostra a figura. As temperaturas dos corpos são diferentes e os pinos que os sustentam são isolantes térmicos. Considere as formas de transferência de calor entre esses corpos e aponte a alternativa correta.

(A)

(B)

(C)

(D)

(E)

Não há troca de calor entre os corpos I e II porque não estão em contato entre si.

Não há troca de calor entre os corpos I e II porque o ambiente no interior da campânula está evacuado.

Não há troca de calor entre os corpos I e II porque suas temperaturas são diferentes.

Há troca de calor entre os corpos I e II e a transferência se dá por convecção.

Há troca de calor entre os corpos I e II e a transferência se dá por meio de radiação eletromagnética.

8) Um recipiente contendo um certo gás tem seu volume aumentado graças ao trabalho de 1664 J realizado pelo gás. Neste processo, não houve troca de calor entre o gás, as paredes e o meio exterior. Considerando que o gás seja ideal, a energia de 1 mol desse gás e a sua temperatura obedecem à relação U = 20,8T, onde a temperatura T é medida em kelvins e a energia U em joules. Pode-se afirmar que nessa transformação a variação de temperatura de um mol desse gás, em kelvins, foi de

(A) 50.

(B) – 60.

de um mol desse gás, em kelvins, foi de (A) 50. (B) – 60. 9) Três
de um mol desse gás, em kelvins, foi de (A) 50. (B) – 60. 9) Três

9) Três feixes paralelos de luz, de cores vermelha, amarela e azul, incidem sobre uma lente convergente de vidro crown, com direções paralelas ao eixo da lente. Sabe-se que o índice de refração n desse vidro depende do comprimento de onda

da luz, como mostrado no gráfico da figura. Após atravessar a lente, cada feixe irá convergir para um ponto do eixo, a uma distância f do centro da lente. Sabendo que os comprimentos de onda da luz azul, amarela e vermelha são 450 nm, 575 nm e 700 nm respectivamente, pode-se afirmar que

(A)

(B)

(C)

(D)

(E)

fazul = famarelo = fvermelho.

fazul = famarelo < fvermelho.

fazul > famarelo > fvermelho.

fazul < famarelo < fvermelho.

fazul = famarelo > fvermelho.

10) Considere um lago onde a velocidade de propagação das ondas na superfície não dependa do comprimento de onda, mas apenas da profundidade. Essa relação pode ser dada por

v =

da profundidade. Essa relação pode ser dada por v = gd , onde g é a

gd , onde g é a aceleração da gravidade e d é a profundidade. Duas regiões desse

lago têm diferentes profundidades, como ilustrado na figura. O fundo do lago é formado por extensas plataformas planas em dois níveis; um degrau separa uma região com 2,5 m de profundidade de outra com 10 m de profundidade. Uma onda plana, com comprimento de onda

λ, forma-se na superfície da região rasa do lago e propaga-se para a direita, passando pelo desnível. Considerando que a onda em ambas as regiões possui mesma freqüência, pode-se dizer que o comprimento de onda na região mais profunda é

(A) λ/2.

(B) 2λ.

(C) λ.

(D) 3λ/2.

(E) 2λ/3.

11) A figura é a intersecção de um plano com o centro C de um condutor esférico e com três superfícies equipotenciais ao redor desse condutor. Uma carga de 1,6 × 10–19 C é levada do ponto M ao ponto N. O trabalho realizado para deslocar essa carga foi de

(A) 3,2 × 10 20 J.

(C) 8,0 × 10 19 J.

(B) 16,0 × 10 19 J.

(D) 4,0 × 10 19 J.

(E) 3,2 × 10 18 J.

www.professorpanosso.com.br - Vunesp

10 – 1 9 J. (D) 4,0 × 10 – 1 9 J. (E) 3,2 ×

4

12) Uma mistura de substâncias radiativas encontra-se confinada em um recipiente de chumbo, com uma pequena abertura por onde pode sair um feixe paralelo de partículas emitidas. Ao saírem, três tipos de partícula, 1, 2 e 3, adentram uma região de campo magnético uniforme B com velocidades perpendiculares às linhas de campo magnético e descrevem trajetórias conforme ilustradas na figura.

Considerando a ação de forças magnéticas sobre cargas elétricas em movimento uniforme, e as trajetórias de cada partícula ilustradas na figura, pode-se concluir com certeza que

(A) as partículas 1 e 2, independentemente de suas massas e velocidades, possuem

necessariamente cargas com sinais contrários e a partícula 3 é eletricamente neutra (carga zero).

(B) as partículas 1 e 2, independentemente de suas massas e velocidades, possuem

necessariamente cargas com sinais contrários e a partícula 3 tem massa zero.

(C) as partículas 1 e 2, independentemente de suas massas e velocidades, possuem

necessariamente cargas de mesmo sinal e a partícula 3 tem carga e massa zero.

(D)

as partículas 1 e 2 saíram do recipiente com a mesma velocidade.

(E)

as partículas 1 e 2 possuem massas iguais, e a partícula 3 não possui massa.

2 possuem massas iguais, e a partícula 3 não possui massa. Vunesp /07 (Meio do Ano)
Vunesp /07 (Meio do Ano) 2 (C) 9,3 m/s . (D) 9,8 m/s 2 .
Vunesp /07
(Meio do Ano)
2
(C) 9,3 m/s
. (D) 9,8 m/s 2 .
(E) 10 m/s 2 .
(D) 106 m.
(E) 205 m.

(C) 98 m.

Gabarito: 1) d; 2) d; 3) b; 4) a; 5) a; 6) b; 7) e; 8) c; 9) d; 10) b; 11) c; 12) a.

1) Diante de um possível aquecimento global, muitas alternativas à utilização de combustíveis fósseis têm sido procuradas. A empresa Hybrid

(B) 8,9 m/s 2 .

Technologies lançou recentemente um carro elétrico que, segundo a empresa, é capaz de ir de 0,0 a 100 km/h em 3,0 segundos. A aceleração média imprimida ao automóvel nesses 3,0 segundos é

(A) 5,3 m/s 2 .

2) Ao começar a subir um morro com uma inclinação de 30 o , o motorista de um caminhão, que vinha se movendo a 30 m/s, avista um obstáculo no topo do morro e, uma vez que o atrito dos pneus com a estrada naquele trecho é desprezível, verifica aflito que a utilização dos freios é inútil. Considerando g = 10 m/s 2 , sen30 o = 0,5 e cos30 o = 0,9 e desprezando a resistência do ar, para que não ocorra colisão entre o caminhão e o obstáculo, a distância mínima entre esses, no início da subida, deve ser de

(A) 72 m.

(B) 90 m.

3) O artilheiro de um navio de guerra em treinamento, percebendo que por pouco não conseguia alcançar o alvo atirando da distância mínima definida para a realização do disparo, pensou durante um certo tempo em como atingir o alvo sem que, no momento do tiro, o navio estivesse além daquela

distância mínima. Considerando que, na situação descrita, o ângulo de inclinação do canhão, em relação à horizontal, era de 45º, o artilheiro deverá

(A)

(B)

(C)

(D)

(E)

aumentar o ângulo de inclinação do canhão para 65 o .

diminuir o ângulo de inclinação do canhão para 30 o .

ajustar o ângulo de inclinação a 0o, de tal forma que o canhão esteja alinhado com o alvo diretamente à sua frente.

desistir, pois, como o ângulo de inclinação do canhão já é de 45 o , não há mais o que fazer.

pedir ao piloto que imprima velocidade ao navio, para que esse esteja se aproximando do alvo no momento do disparo.

4) Um vaso de flores pesando 30 N está suspenso por dois fios de aço inextensíveis, ligados a pesos iguais através de polias ideais, conforme pode ser visto na figura. Considerando o instante em que a tensão em cada um dos fios de sustentação é de 15 N, pode-se afirmar que

(A)

o vaso de flores está em equilíbrio estático.

(B)

o vaso está subindo acelerado.

(C)

os pesos estão descendo com velocidade constante.

(D)

o vaso está descendo com velocidade constante.

(E)

os pesos estão subindo acelerados.

constante. (E) os pesos estão subindo acelerados. 5) O monumento de Stonehenge, na Inglaterra, é uma

5) O monumento de Stonehenge, na Inglaterra, é uma construção que impressiona pela sua grandiosidade, sobretudo por ter sido construído por volta de 2800 a. C. A maior pedra em Stonehenge mede cerca de 10 m e tem massa de 50 000 kg, tendo sido retirada de uma pedreira a 30 km de distância do local. Uma das hipóteses a respeito de como um povo tão primitivo teria sido capaz de realizar tamanha façanha supõe que a pedra teria sido arrastada em algum tipo de trenó primitivo por sobre a neve. Considerando um coeficiente de atrito cinético de 0,2 e que 500 pessoas teriam participado do arraste da enorme pedra de 50 000 kg, realizado na horizontal e a velocidade constante, ao longo dos 30 km, e adotando g = 10 m/s 2 , pode-se afirmar que o valor médio para o trabalho realizado por cada indivíduo seria de

afirmar que o valor médio para o trabalho realizado por cada indivíduo seria de www.professorpanosso.com.br -

www.professorpanosso.com.br - Vunesp

5

(A) 2 000 kJ.

(B) 5 000 kJ.

(C) 5 500 kJ.

(D) 6 000 kJ.

(E) 6 500 kJ.

6) Em um dia muito chuvoso, em que o atrito entre os pneus de dois carros de massas iguais e a estrada é muito baixo, ocorre uma colisão traseira. Sabendo que um dos carros (carro 2) estava parado no momento da colisão, a qual, nas condições do problema, pode ser tomada como perfeitamente elástica, qual das descrições corresponderia à melhor representação do que ocorre após o choque entre os dois carros?

(A)

O carro 1 fica parado, e o carro 2 segue com a velocidade original do carro 1.

(B)

O carro 1 volta com a mesma velocidade em módulo e o carro 2 continua parado.

(C)

O carro 2 segue com o dobro da velocidade original do carro 1, mas a soma das duas velocidades continua sendo igual à original do carro 1.

(D)

Os dois carros seguem em sentidos opostos com metade da velocidade original em módulo do carro 1.

(E)

Os dois carros seguem juntos no mesmo sentido com metade da velocidade original do carro 1.

7) Verificando os gráficos experimentais de seus estudantes, um professor concluiu que os seguintes grupos de estudantes tinham realizado experimentos relacionados à lei de Ohm corretamente:

experimentos relacionados à lei de Ohm corretamente: (A) II e III, somente. (B) I, II e
(A) II e III, somente. (B) I, II e IV, somente. (C) I, III e
(A) II e III, somente.
(B) I, II e IV, somente.
(C) I, III e IV, somente.
(D) II, III e IV, somente.
(E) I, II, III e IV.
8) Um jovem estudante universitário, ao constatar que o chuveiro da sua república havia queimado, resolveu usar seus conhecimentos de física para
consertá-lo. Não encontrando resistor igual na loja de ferragens, mas apenas resistores com o dobro da resistência original da de seu chuveiro, o
estudante teve que improvisar, fazendo associação de resistores. Qual das alternativas mostra a associação correta para que o jovem obtenha
resistência igual à de seu chuveiro?

9) O disjuntor é um dispositivo de segurança que utiliza a propriedade de dilatação de uma tira bimetálica, de tal forma que quando a corrente elétrica na rede ultrapassa um determinado limite, 15 A neste exemplo, a tira se deforma pelo aquecimento e desfaz o contato, interrompendo a corrente, como se pode ver no esquema da figura. Suponha que você ligue simultaneamente muitos aparelhos eletrodomésticos em uma rede com tensão elétrica de 120 V. Dentre os valores listados, qual seria a maior potência tal que o disjuntor não desarme?

seria a maior potência tal que o disjuntor não desarme? www.professorpanosso.com.br - Vunesp (A) 200 W.

www.professorpanosso.com.br - Vunesp

(A)

200 W.

(B) 1 250 W.

(C) 1 300 W.

(D) 1 700 W.

(E)

2 000 W.

6

10) Um motorista prudente calibrou os pneus de seu automóvel, todos iguais, antes de partir para uma viagem de férias. Após dirigir por uma longa distância em um dia quente de verão, parou em um posto de gasolina. Supondo que o volume dos pneus do automóvel não variou, e que o carro tem tração nas quatro rodas, pode-se afirmar com segurança que, ao examinar novamente a pressão dos pneus, que haviam aquecido, o motorista verificou que

(A)

a pressão não variou em nenhum pneu.

(B)

os pneus dianteiros e traseiros tiveram sua pressão aumentada.

(C)

a pressão diminuiu em todos os pneus.

(D)

os pneus dianteiros tiveram sua pressão aumentada, enquanto os traseiros mantiveram a pressão inicial.

(E)

os pneus traseiros tiveram sua pressão aumentada, enquanto os dianteiros mantiveram a pressão inicial.

11) Um fabricante, precisando substituir os parafusos de um forno, deparou-se com um problema. A estrutura do forno é feita de cobre e os parafusos disponíveis são de um outro metal. Sabendo que ao aquecer o forno, os furos nos quais se encontram os parafusos aumentam seu diâmetro, e ainda que o diâmetro dos parafusos também aumenta, o fabricante optou por parafusos feitos de materiais que não afrouxem nem forcem demais a estrutura

do forno nos furos, conforme o forno vai se aquecendo. Conhecendo os coeficientes de dilatação médios, em °C 1 , do cobre (17 × 10 6 ), do chumbo (29

× 10 6 ), do alumínio (23 × 10 6 ), do latão (19 × 10 se afirmar que

(A)

(B)

(C)

(D)

(E)

–6

) e do aço (11 × 10 6 ), e desconsiderando a influência de outros efeitos sobre a decisão final, pode-

os parafusos feitos de quaisquer desses materiais são igualmente eficientes para o propósito do fabricante.

os melhores parafusos substitutivos são aqueles feitos de aço.

são igualmente válidos apenas os parafusos de chumbo e de alumínio.

pode-se utilizar tanto os parafusos de chumbo quanto os de aço.

Vunesp /07 (D) 4,0 m. (E) 5,0 m.
Vunesp /07
(D) 4,0 m.
(E) 5,0 m.

os parafusos mais indicados são aqueles feitos de latão.

12) Observe a foto. Nesta situação o cidadão consegue ler nitidamente a revista. Pode-se supor que o cidadão retratado possui qualquer um dos seguintes defeitos visuais:

(A)

(B)

(C)

(D)

(E)

um dos seguintes defeitos visuais: (A) (B) (C) (D) (E) presbiopia e hipermetropia. hipermetropia e miopia.

presbiopia e hipermetropia.

hipermetropia e miopia.

miopia e presbiopia.

astigmatismo e miopia.

estrabismo e astigmatismo.

Gabarito: 1) c; 2) b; 3) e; 4) e; 5) d; 6) a; 7) a; 8) c; 9) d; 10) b; 11) e; 12) a.

e; 4) e; 5) d; 6) a; 7) a; 8) c; 9) d; 10) b; 11)

1) O motorista de um veículo A é obrigado a frear bruscamente quando avista um veículo B à sua frente, locomovendo-se no mesmo sentido, com uma velocidade constante menor que a do veículo A. Ao final da desaceleração, o veículo A atinge a mesma velocidade que B, e passa também a se locomover com velocidade constante. O movimento, a partir do início da

(B) 2,0 m.

frenagem, é descrito pelo gráfico da figura. Considerando que a distância que separava ambos os veículos no início da frenagem era de 32 m, ao final dela a distância entre ambos é de

(A) 1,0 m.

(C) 3,0 m.

2) Uma técnica secular utilizada para aproveitamento da água como fonte de energia consiste em fazer uma roda, conhecida como roda d’água, girar sob ação da água em uma cascata ou em correntezas de pequenos riachos. O trabalho realizado para girar a roda é aproveitado em outras formas de energia. A figura mostra um projeto com o qual uma pessoa poderia, nos dias atuais, aproveitar-se do recurso hídrico de um riacho, utilizando um pequeno gerador e uma roda d’água, para obter energia elétrica destinada à realização de pequenas tarefas em seu sítio. Duas roldanas, uma fixada ao eixo da roda e a outra ao eixo do gerador, são ligadas por uma correia. O raio da roldana do gerador é 2,5 cm e o da roldana da roda d’água é R. Para que o gerador trabalhe com eficiência aceitável, a velocidade angular de sua roldana deve ser 5 rotações por segundo, conforme instruções no manual do usuário. Considerando que a velocidade angular da roda é 1 rotação por segundo, e que não varia ao acionar o gerador, o valor do raio R da roldana da roda d’água deve ser

(A) 0,5 cm.

(B) 2,0 cm.

(C) 2,5 cm.

(D) 5,0 cm.

(E) 12,5 cm.

d’água deve ser (A) 0,5 cm. (B) 2,0 cm. (C) 2,5 cm. (D) 5,0 cm. (E)

www.professorpanosso.com.br - Vunesp

7

3) Um corpo de 1,0 kg em repouso é submetido à ação de 3 forças coplanares, como ilustrado na figura. Esse corpo passa a se locomover em movimento retilíneo acelerado no plano. Pode-se afirmar que o módulo da aceleração do corpo, em m/s 2 , a direção e o sentido do movimento são,

respectivamente,

(A)

1, paralela ao eixo y e para cima.

(B)

2, paralela ao eixo y e para baixo.

(C)

2,5, formando 45º com x e para cima.

(D)

4, formando 60º com x e para cima.

(E)

4, paralela ao eixo y e para cima.

e para cima. (E) 4, paralela ao eixo y e para cima. 4) Um bloco A,

4) Um bloco A, deslocando-se com velocidade v0 em movimento retilíneo uniforme, colide frontalmente com um bloco B, inicialmente em repouso. Imediatamente após a colisão, ambos passam a se locomover unidos, na mesma direção em que se locomovia o bloco A antes da colisão. Baseado nestas informações e considerando que os blocos possuem massas iguais, é correto afirmar que

(A)

(B)

(C)

(D)

(E)

a velocidade dos blocos após a colisão é v0/2 e houve conservação de quantidade de movimento e de energia.

a velocidade dos blocos após a colisão é v0 e houve conservação de quantidade de movimento e de energia.

a velocidade dos blocos após a colisão é v0 e houve apenas conservação de energia.

a colisão é v 0 e houve apenas conservação de energia. a velocidade dos blocos após

a velocidade dos blocos após a colisão é v0/2 e houve apenas conservação de quantidade de movimento.

a velocidade dos blocos após a colisão é v0/2 e houve apenas conservação de energia.

(B) v2 = (

2 /2) v 1. /2)v1.

(C) v2 = (

2
2

)v1.

5) Dois satélites giram ao redor da Terra em órbitas circulares de raios R1 e R2, com velocidades v1 e v2, respectivamente. Se R2 tiver o dobro do valor de R1, pode-se dizer que

(A) v2 = v1/2.

(D) v2 = 2v1.

(E) v2 = 4v1.

(B) 15. (C) 18. (D) 24,5. (E) 26.
(B) 15.
(C) 18.
(D) 24,5.
(E) 26.

6) Dois líquidos não missíveis, A e B, com massas específicas ρA e ρB, respectivamente, são colocados em um recipiente junto com uma esfera cuja massa específica é ρ. Se ρA<ρ <ρB, indique qual das figuras apresenta a disposição correta dos líquidos e da esfera no recipiente.

correta dos líquidos e da esfera no recipiente. 7) Em um dia ensolarado, a potência média

7) Em um dia ensolarado, a potência média de um coletor solar para aquecimento de água é de 3 kW. Considerando a taxa de aquecimento constante

e

(A) 12,5.

o calor específico da água igual a 4 200 J/(kgºC), o tempo gasto para aquecer 30 kg de água de 25 ºC para 60 ºC será, em minutos, de

8) Considere seus conhecimentos sobre mudanças de fase e analise as afirmações I, II e III, referentes à substância água, um recurso natural de alto

valor.

I. Durante a transição de sólido para líquido, a temperatura não muda, embora uma quantidade de calor tenha sido fornecida à água.

uma quantidade de calor tenha sido fornecida à água. II. O calor latente de condensação da

II. O calor latente de condensação da água tem um valor diferente do calor latente de vaporização.

III. Em determinadas condições, a água pode coexistir na fase sólida, líquida e gasosa. Pode-se afirmar que

(A)

apenas a afirmação I é correta.

(B)

apenas as afirmações I e II são corretas.

(C)

apenas as afirmações I e III são corretas.

(D)

apenas as afirmações II e III são corretas.

(E)

as afirmações I, II e III são corretas.

9) Um pesquisador decide utilizar a luz solar concentrada em um feixe de raios luminosos para confeccionar um bisturi para pequenas cirurgias. Para isso, construiu um coletor com um espelho esférico, para concentrar o feixe de raios luminosos, e um pequeno espelho plano, para desviar o feixe em direção à extremidade de um cabo de fibra óptica. Este

cabo capta e conduz o feixe concentrado para a sua outra extremidade, como ilustrado na figura. Em uma área de 1 mm 2 , iluminada pelo sol, a potência disponível é 0,001 W/mm 2 .

A potência do feixe concentrado que sai do bisturi óptico, transportada pelo cabo, cuja

seção tem 0,5 mm de raio, é de 7,5 W. Assim, a potência disponibilizada por unidade de

área (utilize π = 3) aumentou por um fator de

(A) 10 000.

(E) 100.

(B) 4 000.

(C) 1 000.

(D) 785.

www.professorpanosso.com.br - Vunesp

3) aumentou por um fator de (A) 10 000. (E) 100. (B) 4 000. (C) 1

8

(E) Q = 0,8
(E) Q = 0,8

10) A propagação de uma onda no mar da esquerda para a direita é registrada em intervalos de 0,5 s e apresentada através da seqüência dos gráficos da figura, tomados dentro de um mesmo ciclo. Analisando os gráficos, podemos afirmar que a velocidade da onda, em m/s, é de

(A)

(B)

(C)

(D)

(E)

1,5.

2,0.

4,0.

4,5.

5,0.

11) Um dispositivo para medir a carga elétrica de uma gota de óleo é constituído de um capacitor polarizado no interior de um recipiente convenientemente vedado, como ilustrado na figura. A gota de óleo, com massa m, é abandonada a partir do repouso no interior do capacitor, onde existe um campo elétrico uniforme E. Sob ação da gravidade e do campo elétrico, a gota inicia um movimento de queda com aceleração 0,2 g, onde g é a aceleração da gravidade. O valor absoluto (módulo) da carga pode ser calculado através da expressão

(A) Q = 0,8 mg/E.

E/mg.

(B) Q = 1,2 E/mg.

(C) Q = 1,2 m/gE.

(D) Q = 1,2 mg/E.

Q = 1,2 E/mg . (C) Q = 1,2 m/gE . (D) Q = 1,2 mg/E
Q = 1,2 E/mg . (C) Q = 1,2 m/gE . (D) Q = 1,2 mg/E

12) Um indivíduo deseja fazer com que o aquecedor elétrico central de sua residência aqueça a água do reservatório no menor tempo possível. O aquecedor possui um resistor com resistência R. Contudo, ele possui mais dois resistores exatamente iguais ao instalado no aquecedor e que podem ser utilizados para esse fim. Para que consiga seu objetivo, tomando todas as precauções para evitar acidentes, e considerando que as resistências não variem com a temperatura, ele deve utilizar o circuito

não variem com a temperatura, ele deve utilizar o circuito Gabarito: 1) b; 2) e; 3)
não variem com a temperatura, ele deve utilizar o circuito Gabarito: 1) b; 2) e; 3)

Gabarito: 1) b; 2) e; 3) e; 4) d; 5) b; 6) e; 7) e; 8) c; 9) a; 10) b; 11)a; 12) c.

Vunesp /06

(Meio do Ano)

1) O fabricante informa que um carro, partindo do repouso, atinge 100 km/h em 10 segundos. A melhor estimativa para o valor da aceleração nesse intervalo de tempo, em m/s 2 , é

(A) 3,0 x 10 3 .

(B) 2,8.

(C) 3,6.

(D) 9,8.

(E) 10.

2) Um corpo A é abandonado de uma altura de 80 m no mesmo instante em que um corpo B é lançado verticalmente para baixo com velocidade inicial de 10 m/s, de uma altura de 120 m. Desprezando a resistência do ar e considerando a aceleração da gravidade como sendo 10 m/s2, é correto afirmar, sobre o movimento desses dois corpos, que

(A)

os dois chegam ao solo no mesmo instante.

(B)

o corpo B chega ao solo 2,0 s antes que o corpo A.

(C)

o tempo gasto para o corpo A chegar ao solo é 2,0 s menor

que o tempo gasto pelo B.

www.professorpanosso.com.br - Vunesp

9

(D)

o corpo A atinge o solo 4,0 s antes que o corpo B.

(E) o corpo B atinge o solo 4,0 s antes que o corpo A.

3) Sobre um avião voando em linha reta com velocidade constante, pode-se afirmar que a força

(A)

de resistência do ar é nula.

(B)

de sustentação das asas é maior que a força peso.

(C)

resultante é nula.

(D)

de resistência do ar é o dobro da força de sustentação das asas.

(E)

da gravidade pode ser desprezada.

4) Um garoto amarra uma pedra de 250 g na ponta de um barbante de 1,0 m de comprimento e massa desprezível. Segurando na outra extremidade

do barbante, ele gira o sistema fazendo a pedra descrever círculos verticais com velocidade escalar constante igual a 6,0 m/s em torno do ponto em que o barbante é seguro. Adotando g = 10 m/s2, as trações no fio no ponto mais alto (Ta) e no ponto mais baixo (Tb) da trajetória valem:

(A) Ta= Tb= 9,0 N.

(B) Ta= 2,0 N; Tb= 5,0 N.

(C) Ta= 5,0 N; Tb= 2,0 N.

(D) Ta= 6,5 N; Tb= 11,5 N.

(E) Ta= 11,5 N; Tb= 6,5 N.

5) Considere um astronauta dentro de uma nave espacial em órbita da Terra. Pode-se afirmar que

(A)

(B)

(C)

(D)

(E)

a força gravitacional que atua no astronauta é nula, por isso ele flutua.

(C) 5,0 N. (D) 3,0 N. (E) 1,0 N. (C) 500 cal/min. (D) 1 000
(C) 5,0 N.
(D) 3,0 N.
(E) 1,0 N.
(C) 500 cal/min.
(D) 1 000 cal/min.

o fato de a nave estar no vácuo faz com que o astronauta flutue.

o fato de a força gravitacional da Terra, que atua no astronauta, ser oposta à da Lua permite a flutuação do astronauta.

o ar contido no interior da nave fornece uma força de empuxo, que neutraliza a força peso, fazendo o astronauta flutuar.

a nave, junto com o astronauta, está em constante queda, o que causa a ilusão da falta de peso.

6) Um corpo de massa 1,0 kg desliza com velocidade constante sobre um plano inclinado de 30º em relação à horizontal. Considerando g = 10 m/s 2 e

que somente as forças peso, normal e de atrito estejam agindo sobre o corpo, o valor estimado da força de atrito é (se necessário, usar cos 30º = 0,9 e sen 30º = 0,5

(A) 20 N.

(B) 10 N.

7) Em 2006, comemora-se o centenário do vôo do 14-Bis. Além desse feito, Santos-Dumont contribuiu para aprimorar os balões, em especial os dirigíveis. A principal causa relacionada ao fato de os balões levantarem vôo é

(A)

(B)

(C) o seu peso ser zero.

(D)

(E)

o seu volume ser pequeno em relação ao da atmosfera terrestre.

a sua massa ser pequena em relação à da Terra.

a sua densidade ser pequena em relação a do ar.

a forma aerodinâmica desses veículos, em particular, a esférica.

8) Uma garrafa térmica possui em seu interior 1,0 kg de água a 80ºC. Meia hora depois, a temperatura da água caiu para 50ºC. Nessas condições, e lembrando que o calor específico da água é 1,0 cal/(gºC), o fluxo de calor perdido pela água foi em média de

(A) 1,0 cal/min.

(B) 100 cal/min.

(E) 4 180 cal/min.

9) Sabe-se que a energia de um fóton é proporcional à sua freqüência. Também é conhecido experimentalmente que o comprimento de onda da luz

vermelha é maior que o comprimento de onda da luz violeta que, por sua vez, é maior que o comprimento de onda dos raios X. Adotando a constância da velocidade da luz, pode-se afirmar que

(A)

(B)

(C)

(D)

(E)

as energias dos fótons de luz vermelha e violeta são iguais, pois são parte do espectro visível, e são menores que a energia do fóton de raio X.

a energia do fóton de luz vermelha é maior que a energia do fóton de luz violeta.

a energia do fóton de raio X é menor que a energia do fóton de luz violeta.

as energias são iguais, uma vez que as velocidades são iguais.

a energia do fóton de raio X é maior que a do fóton de luz violeta, que é maior que a energia do fóton de luz vermelha.

10) O índice de refração absoluto de um determinado material é encontrado fazendo uma relação entre a velocidade da luz no vácuo e no material. Considerando o índice de refração da água como sendo, aproximadamente, 1,3 e a velocidade da luz no vácuo como sendo 3,0 x 10 8 m/s, a melhor estimativa para a velocidade da luz na água é

(A) 0,4 x 10 8 m/s.

(B) 0,9 x 10 8 m/s.

(C) 2,3 x 10 8 m/s.

(D) 3,0 x 10 8 m/s.

(E) 3,9 x 10 8 m/s.

11) Um circuito elétrico é montado usando-se onze resistores iguais, de resistência 10 cada. Aplicando-se uma ddp de 22 V ao circuito, foi observada uma corrente elétrica total de 2,0 A. Nessas condições, uma possível disposição dos resistores seria

(A)

todos os resistores ligados em série.

(B)

um conjunto de dez resistores associados em paralelo ligado, em série, ao décimo primeiro resistor.

(C)

um conjunto com cinco resistores em paralelo ligado, em série, a um outro conjunto, contendo seis resistores em paralelo.

(D)

um conjunto de cinco resistores em paralelo ligado, em série, aos outros seis resistores restantes, também em série.

(E)

todos os resistores ligados em paralelo.

www.professorpanosso.com.br - Vunesp

10

12) Sobre uma espira que se move da esquerda para a direita, sem girar, perpendicularmente a um campo magnético constante e uniforme, pode-se afirmar que

(A)

não aparecerá corrente elétrica na espira.

(B)

aparecerá uma corrente elétrica na espira no sentido antihorário.

(C)

uma corrente elétrica surgirá na espira, cujo sentido dependerá da direção do campo magnético.

(D)

haverá uma corrente elétrica na espira no sentido horário.

(E)

o valor da corrente elétrica que surgirá na espira será proporcional ao valor do módulo da velocidade da espira.

Gabarito: 1) b; 2) a; 3) c; 4) d; 5) e; 6) c; 7) d; 8) d; 9) e; 10) c; 11) b; 12) a.

(E) 10,0 s. m/s 2 e a distância entre a mão do
(E) 10,0 s.
m/s 2 e a distância entre a mão do

(D) 8,0 m/s.

(E) 9,0 m/s.

Vunesp /06

1) Duas carretas, A e B, cada uma com 25 m de comprimento, transitam em uma rodovia,

no

movendo- se com velocidade maior que a de B, A inicia uma ultrapassagem sobre. O

mesmo sentido e com velocidades constantes. Estando a carreta A atrás de B, porém

frente da carreta A esteja alinhada com a

(B) 4,0 s.

(C) 6,0 s.

(D) 8,0 s.

gráfico mostra o deslocamento de ambas as carretas em função do tempo. Considere que

a ultrapassagem começa em t = 0, quando

traseira de B, e termina quando a traseira da carreta A esteja alinhada com a frente de B.

O nstante em que A completa a ultrapassagem sobre B é

(A) 2,0 s.

2) Para deslocar tijolos, é comum vermos em obras de construção civil um operário no solo, lançando tijolos para outro que se encontra postado no

piso superior. Considerando o lançamento vertical, a resistência do ar nula, a aceleração da gravidade igual a 10

lançador e a do receptor 3,2 m, a velocidade com que cada tijolo deve ser lançado para que chegue às mãos do receptor com velocidade nula deve ser

de

(A)

5,2 m/s.

(B) 6,0 m/s.

(C) 7,2 m/s. (C) 3/2.
(C) 7,2 m/s.
(C) 3/2.

(C) I e II, somente.

3) Um bloco de massa mA desliza no solo horizontal, sem atrito, sob ação de uma força constante, quando um bloco de massa mB é epositado sobre ele. Após a união, a força aplicada continua sendo a mesma, porém a aceleração dos dois blocos fica reduzida à quarta parte da aceleração que o bloco A possuía. Pode-se afirmar que a razão entre as massas, mA / mB, é

(A) 1/3.

(B) 4/3.

(D) 1.

(E) 2.

4) Depois de anos de interrupção, ocorreu neste ano a retomada de lançamentos do ônibus espacial pela NASA, desta vez com sucesso. Nas imagens

divulgadas do dia-a-dia no ônibus espacial girando ao redor da Terra, pudemos ver os astronautas realizando suas atividades, tanto fora da nave como

no

I. Não há trabalho realizado pela força gravitacional para manter um astronauta em órbita ao redor da Terra.

seu interior. Considerando que as órbitas da nave e dos astronautas sejam circulares, analise as afirmações seguintes.

(D) II e III, somente.

(E) I, II e III.

II. A aceleração de um astronauta girando ao redor da Terra deve-se exclusivamente à ação da força gravitacional.

III. A velocidade vetorial do astronauta ao redor da Terra é constante.

Estão corretas as afirmações:

(A) II, somente.

(B) III, somente.

5) Um automóvel de massa 1 200 kg percorre um trecho de estrada em aclive, com inclinação de 30º em relação à horizontal, com velocidade constante de 60 km/h. Considere que o movimento seja retilíneo e despreze as perdas por atrito. Tomando g = 10 m/s 2 , a potência desenvolvida pelo veículo será de

(A) 30 kW.

(B) 50 kW.

(C) 60 kW.

(D) 100 kW.

(E) 120 kW.

11
11

6) Uma bexiga, confeccionada com látex altamente flexível, é utilizada para vedar o bocal de um recipiente contendo nitrogênio líquido. Este conjunto é colocado sobre o prato de uma balança de precisão, conforme ilustrado na figura. A indicação da balança é registrada durante o período de tempo em que a bexiga se expande como conseqüência da evaporação controlada do nitrogênio líquido. O pesquisador responsável pela experiência concluiu que a indicação L da balança (com escala em gramas), em função do tempo, em segundos, poderia ser representada pela função

L = 318 – 3t/7. Considerando que no instante t = 0 a bexiga está completamente murcha, pode-se dizer que a massa de ar deslocada em um intervalo de tempo de 28 s foi de

www.professorpanosso.com.br - Vunesp

(A) 10 g.

(B) 12 g.

(C) 16 g.

(D) 20 g.

(E) 24 g.

7) Um gás ideal, confinado no interior de um pistão com êmbolo móvel, é submetido a uma transformação na qual seu volume é reduzido à quarta parte

do seu volume inicial, em um intervalo de tempo muito curto. Tratando-se de uma transformação muito rápida, não há tempo para a troca de calor entre

o gás e o meio exterior. Pode-se afirmar que a transformação é

(A)

isobárica, e a temperatura final do gás é maior que a inicial.

(B)

isotérmica, e a pressão final do gás é maior que a inicial.

(C)

adiabática, e a temperatura final do gás é maior que a inicial.

(D)

isobárica, e a energia interna final do gás é menor que a inicial.

(E)

adiabática, e a energia interna final do gás é menor que a inicial

e a energia interna final do gás é menor que a inicial 8) Um estudante desenvolve

8) Um estudante desenvolve um termômetro para ser utilizado especificamente em seus trabalhos de laboratório. Sua idéia é medir a temperatura de um meio fazendo a leitura da resistência elétrica de um resistor, um fio de cobre, por exemplo, quando em equilíbrio térmico com esse meio. Assim, para calibrar esse termômetro na escala Celsius, ele toma como referências as temperaturas de fusão do gelo e de ebulição da água. Depois de várias medidas, ele obtém a curva apresentada da figura. A correspondência entre a temperatura T, em ºC, e a resistência elétrica R, em , é dada pela equação

(A)

T = 100 × (R – 16) / 6,6.

(B) T = 100 × 6,6 / (R – 16).

(C) T = (R – 6,6) / (6,6 × 100).

(D)

T = 100 × (R – 16) / 16.

(E) T = 100 × (R – 6,6) / 16.

9) Um prisma de vidro imerso em água, com a face AB perpendicular à face BC, e a face AC com uma inclinação de 45º em relação a AB, é utilizado para desviar um feixe de luz monocromático. O feixe penetra perpendicularmente à face AB, incidindo na face AC com ângulo de incidência de 45º. O ângulo limite para a ocorrência de reflexão total na face AC é 60º. Considerando que o índice de refração do vidro é maior que o da água, a trajetória que melhor representa o raio emergente é

(A) I.

C) II. (D) V. (E) III. (C) 10 m. (D) 8 m. (E) 6 m.
C) II.
(D) V.
(E) III.
(C) 10 m.
(D) 8 m.
(E) 6 m.

(C) 9 R.

(D) 11 R.

(E) 12 R.

(B) IV.

10) No final de dezembro de 2004, um tsunami no oceano Índico chamou a atenção pelo seu poder de destruição. Um tsunami é uma onda que se forma no oceano, geralmente criada por abalos sísmicos, atividades vulcânicas ou pela queda de meteoritos. Este foi criado por uma falha geológica reta, muito comprida, e gerou ondas planas que, em alto mar, propagaram- se com comprimentos de onda muito longos, amplitudes pequenas se comparadas com os comprimentos de onda, mas com altíssimas velocidades. Uma onda deste tipo transporta grande quantidade de energia, que se distribui em um longo comprimento de onda e, por isso, não representa perigo em alto mar. No entanto, ao chegar à costa, onde a profundidade do oceano é pequena, a velocidade da onda diminui. Como a energia transportada é praticamente conservada, a amplitude da onda aumenta, mostrando assim o seu poder devastador. considere que a velocidade da onda possa ser obtida pela relação v = , onde g = 10 m/s 2 e h são, respectivamente, a aceleração da gravidade e a profundidade no local de propagação. A energia da onda pode ser estimada através da relação E = kvA 2 , onde k é uma constante de proporcionalidade e A é a amplitude da onda. Se o tsunami for gerado em um local com 6 250 m de profundidade e com amplitude de 2 m, quando chegar à região costeira, com 10 m de profundidade, sua amplitude será

(A) 14 m.

(B) 12 m.

m de profundidade, sua amplitude será (A) 14 m. (B) 12 m. 11) Um estudante adquiriu

11) Um estudante adquiriu um aparelho cuja especificação para o potencial de funcionamento é pouco usual. Assim, para ligar o aparelho, ele foi obrigado a construir e utilizar o circuito constituído de dois resistores, com resistências X e R, como apresentado na figura. Considere que a corrente que passa pelo aparelho seja muito pequena e possa ser descartada na solução do problema. Se a tensão especificada no aparelho é a décima parte da tensão da rede, então

a resistência X deve ser

(A) 6 R.

(B) 8 R.

12) Uma espira, locomovendo-se paralelamente ao solo e com velocidade constante, atravessa

uma região onde existe um campo magnético uniforme, perpendicular ao plano da espira e ao solo. O fluxo magnético registrado, a partir do instante em que a espira entra nessa região até o instante de sua saída, é apresentado no gráfico da figura. Analisando o gráfico, pode-se dizer que a força eletromotriz induzida, em volts, no instante t = 0,2 s, é

(A) 80.

(B) 60.

(C) 40.

(D) 20.

(E) 0.

www.professorpanosso.com.br - Vunesp

em volts, no instante t = 0,2 s, é (A) 80. (B) 60. (C) 40. (D)

12

Gabarito: 1) d; 2) d; 3) a; 4) c; 5) d; 6) b; 7) c; 8) a; 9) e; 10) c; 11) c; 12) e.

Vunesp /05

(Meio do Ano)

c; 8) a; 9) e; 10) c; 11) c; 12) e. Vunesp /05 (Meio do Ano)

1) Considere o gráfico de velocidade em função do tempo de um objeto que se move em trajetória retilínea. No intervalo e 0 a 4 h, o objeto se desloca, em relação ao ponto inicial,

(A)

(B)

(C)

(D)

(E)

0 km.

1 km.

2 km.

4 km.

8 km.

2) Suponha que um estudante de Física esteja em repouso no compartimento de um trem, sem contato visual com o exterior, e que o trem se mova seguindo uma das

trajetórias indicadas na figura. Se o trem se movesse com velocidade de módulo v constante, esse estudante detectaria o movimento do trem em relação à Terra

(A)

apenas para o caso da trajetória I.

(B)

apenas para o caso da trajetória II.

(C)

para ambas as trajetórias.

(D)

para ambas as trajetórias, se v fosse próxima à velocidade da luz.

(E)

para nenhuma das trajetórias.

(C) 3 m/s. (D) 5 m/s. (E) 9 m/s. (C) o mesmo. (D) duas vezes
(C) 3 m/s.
(D) 5 m/s.
(E) 9 m/s.
(C) o mesmo.
(D) duas vezes maior.
(C) PA = PB > PC.

3) Numa calçada de uma rua plana e horizontal, um patinador vira em uma esquina fazendo um arco de círculo de 3 m de raio. Admitindo-se g = 10

(B) 2 m/s.

(E) quatro vezes maior.

m/s 2 e sabendo-se que o coeficiente de atrito estático entre as rodas do patim e a calçada é µe = 0,3, a máxima velocidade com que o patinador pode realizar a manobra sem derrapar é de

(A) 1 m/s.

4) Se a massa e o raio da Terra dobrassem de valor, o peso P de uma pessoa (ou a força com que a Terra a atrai) na superfície do planeta seria, desconsiderando outros efeitos,

(A) quatro vezes menor.

(B) duas vezes menor.

(E) PA < PB =
(E) PA < PB =

5) Um vaso de flores, cuja forma está representada na figura, está cheio de água. Três posições, A, B e C, estão indicadas na figura. A relação entre as pressões PA, PB e PC, exercidas pela água respectivamente nos pontos A, B e C, pode ser descrita como

(A) PA > PB > PC.

PC.

(B) PA > PB = PC.

(D) PA = PB < PC.

6) O gráfico representa a temperatura em função do tempo de um líquido aquecido em um calorímetro. Considerando-se desprezível a capacidade térmica do calorímetro e que o

aquecimento foi obtido através de uma resistência elétrica, dissipando energia à taxa constante de 120 W, a capacidade térmica do líquido vale

(A)

12 J/ o C.

(B)

20 J/ o C.

(C)

120 J/ o C.

(D)

600 J/ o C.

(E)

1 200 J/ o C.

7) Em uma cidade brasileira, no horário mais quente do dia, um motorista calibrou os pneus de seu carro a uma pressão de 30 lb/in 2 (libras por

polegada quadrada ou psi), usando gás nitrogênio à temperatura ambiente. Contudo, a chegada de uma frente fria fez com que a temperatura ambiente variasse de 27oC para 7oC, ao final do dia. Considerando as características do nitrogênio como as de um gás ideal e que os pneus permanecem em equilíbrio térmico com o ambiente, a pressão nos pneus ao final do dia, devido à variação de temperatura, foi de aproximadamente

(A) 7 lb/in 2 .

(B) 14 lb/in 2 .

(C) 28 lb/in 2 .

(D) 30 lb/in 2 .

(E) 32 lb/in 2 .

www.professorpanosso.com.br - Vunesp

13

8) Em uma sala de aula, o professor de física pediu para que os estudantes montassem um modelo simplificado de máquina fotográfica, usando apenas uma lente convergente como objetiva, que serviria para a entrada de luz e focalização de imagens dentro de uma pequena caixa. Um aluno entusiasmado com a proposta resolveu construir duas máquinas fotográficas, I e II, com lentes delgadas de mesmos material e raio de curvatura, porém de diâmetros diferentes, sendo o diâmetro da lente I maior do que o da II. No teste com as máquinas, colocadas lado a lado para fotografarem um mesmo objeto, o aluno observou que

(A)

as imagens eram de mesmo tamanho e de mesma luminosidade.

(B)

as imagens eram de mesmo tamanho, com I produzindo imagem mais luminosa.

(C)

a imagem em I era maior e mais luminosa que em II.

(D)

a imagem em I era maior e menos luminosa que em II.

(E)

a imagem em I era menor, porém tão luminosa quanto em II.

9) Uma das características que diferem ondas transversais de ondas longitudinais é que apenas as ondas transversais podem ser

(A) polarizadas.

(B) espalhadas.

(C) refletidas.

(D) refratadas.

(E) difratadas.

10) O decaimento beta ocorre quando um nêutron dá origem a um próton (carga +e), a um elétron (carga .e) e a uma terceira partícula. Na figura, as

setas mostram as direções iniciais e os sentidos de movimento do próton e do elétron depois do decaimento de um nêutron em repouso. A figura omite

a terceira partícula. DECAIMENTO BETA A partir destes dados, pode-se dizer que a direção e a carga elétrica da terceira partícula são,

respectivamente:

(C) FB = 0. (D) FB <
(C) FB = 0.
(D) FB <
partícula são, respectivamente: (C) FB = 0. (D) FB < 11) Um feixe de elétrons se

11) Um feixe de elétrons se deflete ao passar por uma região em que atuam um campo elétrico uniforme (vertical e apontando para

cima) e um campo magnético uniforme (saindo do plano da página).

A

mostra a figura. Em relação às intensidades das forças elétrica FE e magnética FB, pode-se concluir que

trajetória do feixe encontra-se no plano da página, conforme

(A)

FE = FB.

(B) FE = 0.

FE.

(E) FB > FE.

(A) FE = FB. (B) FE = 0. FE. (E) FB > FE. 12) Em um

12) Em um circuito, uma bateria fornece uma d.d.p. constante para manter uma lâmpada acesa, como mostra a figura. Um ímã é inserido rapidamente entre as

espiras formadas com o fio do circuito que liga a lâmpada à bateria. Pode-se dizer que, durante o período de tempo em que o ímã é inserido, o brilho da lâmpada

(A)

diminui apenas para o caso em que A é o pólo norte do ímã.

(B)

diminui apenas para o caso em que A é o pólo sul do ímã.

(C)

diminui, qualquer que seja o pólo em A.

(D)

não se altera, qualquer que seja o pólo em A.

(E)

não se altera porque o processo é rápido.

A. (E) não se altera porque o processo é rápido. Gabarito: 1) d; 2) b; 3)

Gabarito: 1) d; 2) b; 3) c; 4) b; 5) e; 6) e; 7) c; 8) b; 9) a; 10) d; 11) e; 12) a.

www.professorpanosso.com.br - Vunesp

14

Vunesp /05

Vunesp /05 1) Um corpo parte do repouso em movimento uniformemente acelerado. Sua posição em função
Vunesp /05 1) Um corpo parte do repouso em movimento uniformemente acelerado. Sua posição em função

1) Um corpo parte do repouso em movimento uniformemente acelerado. Sua posição em função do tempo é registrada em uma fita a cada segundo, a partir do primeiro ponto à esquerda, que corresponde ao instante do início do movimento. A fita que melhor representa esse movimento é:

2) Dois blocos idênticos, A e B, se deslocam sobre uma mesa plana sob ação de uma força de 10N, aplicada em A, conforme ilustrado na figura. Se o movimento é uniformemente acelerado, e considerando que o coeficiente de atrito cinético entre os blocos e a mesa é µ = 0,5, a força que A exerce sobre B é:

(A) 20N.

3) Ao se colocar um satélite em órbita circular em torno da Terra, a escolha de sua velocidade v não pode ser feita independentemente do raio R da órbita. Se M é a massa da Terra e G a constante universal de gravitação, v e R devem satisfazer a condição

(B) 15N.

(C) 10N.

(D) 5N.

(E) 2,5N.

satisfazer a condição (B) 15N. (C) 10N. (D) 5N. (E) 2,5N. (C) 1,6 m. (D) 2,5
satisfazer a condição (B) 15N. (C) 10N. (D) 5N. (E) 2,5N. (C) 1,6 m. (D) 2,5
satisfazer a condição (B) 15N. (C) 10N. (D) 5N. (E) 2,5N. (C) 1,6 m. (D) 2,5
satisfazer a condição (B) 15N. (C) 10N. (D) 5N. (E) 2,5N. (C) 1,6 m. (D) 2,5
(C) 1,6 m. (D) 2,5 m. (E) 3,2 m
(C) 1,6 m.
(D) 2,5 m.
(E) 3,2 m

4) Um bloco sobe uma rampa deslizando sem atrito, em movimento uniformemente retardado, exclusivamente sob a ação da gravidade, conforme mostrado na figura. Ele parte do solo no instante t = 0 e chega ao ponto mais alto em 1,2 s. O módulo da velocidade em função do tempo é apresentado no gráfico.

Considerando g = 10,0 m/s 2 , a altura em que o bloco se encontrava em t = 0,4 s era

(A) 0,5 m.

(B) 1,0 m.

5) Um corpo A de massa m, movendo-se com velocidade constante, colide frontalmente com um corpo B, de massa M, inicialmente em repouso. Após a colisão, unidimensional e inelástica, o corpo A permanece em repouso e B adquire uma velocidade desconhecida. Pode-se afirmar que a razão entre a energia cinética final de B e a inicial de A é:

entre a energia cinética final de B e a inicial de A é: 6) Nos quadrinhos
entre a energia cinética final de B e a inicial de A é: 6) Nos quadrinhos
entre a energia cinética final de B e a inicial de A é: 6) Nos quadrinhos
entre a energia cinética final de B e a inicial de A é: 6) Nos quadrinhos
entre a energia cinética final de B e a inicial de A é: 6) Nos quadrinhos

6) Nos quadrinhos da tira, a mãe menciona as fases da água conforme a mudança das estações.

da tira, a mãe menciona as fases da água conforme a mudança das estações. www.professorpanosso.com.br -

www.professorpanosso.com.br - Vunesp

15

Entendendo “boneco de neve” como sendo “boneco de gelo” e que com o termo

“evaporou” a mãe se refira à transição água vapor, pode-se supor que ela imaginou a seqüência As mudanças de estado que ocorrem nessa seqüência são

(A)

fusão, sublimação e condensação.

(B)

fusão, vaporização e condensação.

(C)

sublimação, vaporização e condensação.

(D)

condensação, vaporização e fusão.

(E)

fusão, vaporização e sublimação.

e fusão. (E) fusão, vaporização e sublimação. 7) Um gás ideal é submetido às transformações A

7) Um gás ideal é submetido às transformações AB, BC, CD e DA, indicadas no diagrama PxV apresentado na figura. Com base nesse gráfico, analise as afirmações.

I. Durante a transformação AB, a energia interna se mantém inalterada.

II. A temperatura na transformação CD é menor do que a temperatura na transformação AB.

III. Na transformação DA, a variação de energia interna é igual ao calor absorvido pelo gás. Dessas três afirmações, estão corretas:

pelo gás. Dessas três afirmações, estão corretas: (A) I e II, apenas. (B) III, apenas. (C)

(A)

I e II, apenas.

(B) III, apenas.

(C) I e III, apenas.

(D) II e III, apenas.

(E)

I, II e III.

8) Uma pequena esfera suspensa por uma mola executa movimento harmônico simples na direção vertical. Sempre que o comprimento da mola é

(B) 1,0 Hz.

(C) 2,0 Hz.

(D) 2,5 Hz.

máximo, a esfera toca levemente a superfície de um líquido em um grande recipiente, gerando uma onda que se propaga com velocidade de 20,0 cm/s. Se a distância entre as cristas da onda for 5,0 cm, a freqüência de oscilação da esfera será

(A) 0,5 Hz.

(E) 4,0 Hz.
(E) 4,0 Hz.

9) Uma gotícula de óleo com massa m e carga elétrica q atravessa, sem sofrer qualquer deflexão, toda a região entre as placas paralelas e horizontais de um capacitor polarizado, como mostra a figura. Se a distância entre as placas é L, a diferença de potencial entre as placas é V e a aceleração da gravidade é g, é necessário que q/m seja dada por

da gravidade é g, é necessário que q/m seja dada por 10) Um circuito com 3
da gravidade é g, é necessário que q/m seja dada por 10) Um circuito com 3
da gravidade é g, é necessário que q/m seja dada por 10) Um circuito com 3

10) Um circuito com 3 resistores iguais é submetido a uma diferença de potencial V entre os pontos A e C, conforme mostra a figura. A diferença de potencial que se estabelece entre os pontos A e B é

a figura. A diferença de potencial que se estabelece entre os pontos A e B é
a figura. A diferença de potencial que se estabelece entre os pontos A e B é

www.professorpanosso.com.br - Vunesp

16

11) Um dos lados de uma espira retangular rígida com massa m = 8,0 g, na qual circula uma corrente I, é atado ao teto por dois fios não condutores de comprimentos iguais. Sobre esse lado da espira, medindo 20,0 cm, atua um campo magnético uniforme de 0,05T, perpendicular ao plano da espira. O sentido do campo magnético é representado por uma seta vista por trás, penetrando o papel, conforme é ilustrado na figura. Considerando g = 10,0 m/s 2 , o menor valor da corrente I que anula as trações nos fios é

(A) 8,0 A.

(B) 7,0 A.

(C) 6,0 A.

(D) 5,0 A.

(E) 4,0 A.

é (A) 8,0 A. (B) 7,0 A. (C) 6,0 A. (D) 5,0 A. (E) 4,0 A.

12) Considere as cinco posições de uma lente convergente, apresentadas na figura. A única posição em que essa lente, se tiver a distância focal adequada, poderia formar a imagem real I do objeto O, indicados na figura, é a identificada pelo número

(A) 1.

(B) 2.

(C) 3.

(D) 4.

(E) 5.

identificada pelo número (A) 1. (B) 2. (C) 3. (D) 4. (E) 5. Gabarito: 1) c;
identificada pelo número (A) 1. (B) 2. (C) 3. (D) 4. (E) 5. Gabarito: 1) c;

Gabarito: 1) c; 2) d; 3) a; 4) b; 5) e; 6) b; 7) e; 8) e; 9) c; 10) d; 11) a; 12) c.

(C) 2,2 × 10 –20 N.
(C) 2,2 × 10 –20 N.

(E) 4,5 × 10 36 N.

Vunesp /04

(Meio do Ano)

1) Em um ciclotron – tipo de acelerador de partículas – um deutério alcança velocidade final de 3 × 10 7 m/s, enquanto se move em um caminho circular de raio 0,45 m, mantido nesse caminho por uma força magnética. Considerando se a massa do deutério igual a 3,3 × 10 27 kg, a intensidade dessa força é

(D) 1,1 × 10 34 N.

(A) 6,6 × 10 12 N.

(B) 9,9 × 10 18 N.

2) Considere um pêndulo simples oscilando, no qual as forças que atuam sobre a massa suspensa são a força gravitacional, a tensão do fio e a resistência do ar. Dentre essas forças, aquela que não realiza trabalho no pêndulo e aquela que realiza trabalho negativo durante todo o movimento do pêndulo são, respectivamente,

(A)

a força gravitacional e a resistência do ar.

(B)

a resistência do ar e a tensão do fio.

(C)

a tensão do fio e a resistência do ar.

(D)

a resistência do ar e a força gravitacional.

(E)

a tensão do fio e a força gravitacional.

3) Uma criança brinca em um escorregador de altura 4 m, iniciando sua descida com velocidade nula. Considerando se o atrito e a resistência do ar desprezíveis e g = 10 m/s 2 , a velocidade da criança quando alcança o ponto mais baixo do escorregador é

(A) 2

3
3
alcança o ponto mais baixo do escorregador é (A) 2 3 5 m/s. 3 m/s. 5

5 m/s.

o ponto mais baixo do escorregador é (A) 2 3 5 m/s. 3 m/s. 5 5

3 m/s.

5
5
mais baixo do escorregador é (A) 2 3 5 m/s. 3 m/s. 5 5 m/s. m/s.

5 m/s.

m/s.

(B) 2

(C) 3

(D) 3

m/s.

(E) 4

4) Em um jogo de bilhar, o jogador deseja colocar a bola preta numa caçapa de canto da mesa. Conforme indica a figura, o jogador joga a bola branca em direção à preta de modo que a bola preta sofra uma deflexão de 30º em relação a essa direção, para atingir a caçapa. Considerando-se que as duas bolas

www.professorpanosso.com.br - Vunesp

a essa direção, para atingir a caçapa. Considerando-se que as duas bolas www.professorpanosso.com.br - Vunesp 1

17

possuem tamanhos e massas iguais, que o atrito é desprezível e que a colisão entre as bolas é elástica, o ângulo de deflexão, θ, sofrido pela bola branca é

(A) 30 o .

(B) 45 o .

(C) 55 o .

(D) 60 o .

(E) 75 o .

5) Grande parte dos satélites de comunicação estão localizados em órbitas circulares que estão no mesmo plano do equador terrestre. Geralmente

esses satélites são geoestacionários, isto é, possuem período orbital igual ao período de rotação da Terra, 24 horas. Considerando-se que a órbita de um satélite geoestacionário possui raio orbital de 42 000 km, um satélite em órbita circular no plano o equador terrestre, com raio orbital de 10 500 km, tem período orbital de

(A) 3 horas.

(B) 4 horas.

(C) 5 horas.

(D) 6 horas.

(E) 8 horas.

6) A temperatura mais alta registrada sobre a Terra foi de 136ºF, em Azizia, Líbia, em 1922, e a mais baixa foi de –127ºF, na estação Vostok, Antártica, em 1960. Os valores dessas temperaturas, em ºC, são, respectivamente,

(A) 53,1 e –76,3.

(B) 53,1 e –88,3.

(C) 57,8 e –76,3.

(D) 57,8 e –79,3.

(E) 57,8 e –88,3.

7) Um aquecedor elétrico de resistência total igual a 8 está ligado a uma diferença de potencial de 110 V. Os valores da corrente elétrica e da potência do aquecedor são, respectivamente,

(A) 13,75 A e 7,5100 kW. (B) 13,75 A e 1,5125 kW. (C) 17,50 A
(A)
13,75 A e 7,5100 kW.
(B) 13,75 A e 1,5125 kW.
(C) 17,50 A e 7,5100 kW.
(D) 17,50 A e 5,1250 kW.
(E)
17,50 A e 1,5125 kW.
8) Quatro resistores, de resistências 8 Ω, 4 Ω, 6 Ω e 3 Ω, estão conectados como mostra a figura.
Sabendo-se que a diferença de potencial entre os pontos a e c é de 42 V, as correntes que
passam nos resistores de 4 Ω, 6 Ω e 3 Ω são, respectivamente,
(A)
1 A, 2 A e 3 A.
(B) 2 A, 3 A e 2 A.
(C) 2 A, 1 A e 3 A.
(D) 3 A, 1 A e 2 A.
(E)
3 A, 2 A e 1 A.
9) Um próton, de carga 1,6 × 10 –19 C e massa 1,6 x 10 –27 kg, move-se com velocidade de 8 × 10 6 m/s numa dada direção, até o momento em que entra
numa região onde existe um campo magnético. Esse campo tem intensidade de 2,5 T e direção formando um ângulo de 30º com a direção que se
movia o próton. A aceleração inicial do próton, ao entrar na região desse campo magnético, é
(A)
1,8 ×
10 15 m/s 2 .
(B) 1,6 × 10 15 m/s 2 .
(C) 1,4 × 10 15 m/s 2 .
(D) 1,2 × 10 15 m/s 2
(E) 1,0 × 10 15 m/s 2 .
10) Uma carga q1 exerce uma força de 100 N sobre uma carga teste q2 = 2 × 10 –5 C localizada a 0,3 m de q1. Considerando k = 9 × 10 9 (SI) tem-se
que o valor da carga q1 e a intensidade do campo elétrico devido à q1, no ponto onde se encontra q2, são, respectivamente,
(A)
5,2 × 10 –5 C e 5 × 10 6 N/C.
(B) 5,0 × 10 –5 C e 5 × 10 6 N/C.
(C) 5,2 × 10 –5 C e 4 × 10 6
N/C.
(D) 5,0 × 10 –5 C e 3 × 10 6 N/C.
(E)
5,1 × 10 –5 C e 3 × 10 6 N/C.
11) Uma garrafa de vidro, fechada, contendo ar à pressão atmosférica de 101 kPa e volume de 30 cm3, está à temperatura de 23ºC. A pressão dentro
da garrafa quando a temperatura atinge 200ºC, considerando-se que não há variação no volume da garrafa, é de aproximadamente
(A)
161 kPa.
(B) 167 kPa.
(C) 173 kPa.
(D) 179 kPa.
(E) 182 kPa.
12) Uma lente convergente de distância focal 10 cm forma uma imagem de um objeto localizado a 30 cm da lente. Em relação ao objeto, a imagem é
(A)
duas vezes maior.
(B) três vezes maior.
(C) metade do seu tamanho.
( D) um terço do seu tamanho.
(E) um quarto do seu tamanho.
Gabarito: 1) a; 2) c; 3) e; 4) d; 5) a; 6) e; 7) b; 8) d; 9) e; 10) b; 11) a; 12) c.

Vunesp /04

1) Segundo a lei da gravitação de Newton, o módulo F da força gravitacional exercida por uma partícula de massa m1 sobre outra de massa m2, à distância d da primeira, é dada por

F=

Gm m

1

2

d

2

onde G é a constante da gravitação universal. Em termos exclusivos das unidades de base do Sistema Internacional de Unidades (SI), G é expressa em

(A) kg 1 . m 3 . s 2.

(B) kg 2 . m 2 . s 2 .

(C) kg 2 . m 2 . s 1 .

(D) kg 3 . m 3 . s 2 .

(E) kg 1 . m 2 . s 1 .

www.professorpanosso.com.br - Vunesp

18

2) Os gráficos na figura representam as posições de dois veículos, A e B,

deslocando-se sobre uma estrada retilínea, em função do tempo. A partir desses gráficos, é possível concluir que, no intervalo de 0 a t,

(A)

a velocidade do veículo A é maior que a do veículo B.

(B)

a aceleração do veículo A é maior que a do veículo B.

(C)

o veículo A está se deslocando à frente do veículo B.

(D)

os veículos A e B estão se deslocando um ao lado do outro.

(E)

a distância percorrida pelo veículo A é maior que a percorrida pelo veículo B.

pelo veículo A é maior que a percorrida pelo veículo B. 3) Dois blocos, A e

3) Dois blocos, A e B, de massas m e 2m, respectivamente, ligados por um fio inextensível e de massa desprezível, estão inicialmente em repouso sobre um plano horizontal sem atrito. Quando o conjunto é puxado para a direita pela força horizontal F→ aplicada em B, como mostra a figura, o fio fica sujeito à tração T1. Quando puxado para a esquerda por uma força de mesma intensidade que a anterior, mas agindo em sentido contrário, o fio fica sujeito à tração T2. Nessas condições, pode-se afirmar que T2 é igual a

T 2. Nessas condições, pode-se afirmar que T 2 é igual a 4) A figura representa
T 2. Nessas condições, pode-se afirmar que T 2 é igual a 4) A figura representa

4) A figura representa um projétil logo após ter atravessado uma prancha de madeira, na direção x perpendicular à prancha. Supondo que a prancha exerça uma força constante de resistência ao movimento do projétil, o gráfico que melhor representa a energia cinética do projétil, em função de x,

é
é
a energia cinética do projétil, em função de x, é 5) Uma bola de futebol de

5) Uma bola de futebol de massa m, em repouso na marca do pênalti, é atingida pela chuteira de um jogador e deixa a marca com velocidade v. A chuteira permanece em contato com a bola por um pequeno intervalo de tempo ∆t. Nessas condições, a intensidade da força média exercida pela chuteira sobre a bola é igual a

força média exercida pela chuteira sobre a bola é igual a 6) A figura mostra os
força média exercida pela chuteira sobre a bola é igual a 6) A figura mostra os

6) A figura mostra os gráficos das temperaturas em função do tempo de aquecimento, em dois experimentos separados, de dois sólidos, A e B, de massas iguais, que se liquefazem durante o processo. A taxa com que o calor é transferido no aquecimento é constante e igual nos dois casos. Se TA e TB forem as temperaturas de fusão e LA e LB os calores latentes de fusão de A e B, respectivamente, então

(A)

TA > TB e LA > LB.

(B)

TA > TB e LA = LB.

(C)

TA > TB e LA < LB.

(D)

TA < TB e LA > LB.

(E)

TA < TB e LA = LB.

T A < T B e L A > L B. (E) T A < T
T A < T B e L A > L B. (E) T A < T

www.professorpanosso.com.br - Vunesp

19

7) O objeto ABC encontra-se em frente de um pequeno espelho plano E, como mostra a figura. A figura que melhor representa o espelho E, o objeto ABC e sua imagem I é

representa o espelho E, o objeto ABC e sua imagem I é 8) Um feixe de
8) Um feixe de luz composto pelas cores vermelha (V) e azul (A), propagando-se no
8) Um feixe de luz composto pelas cores vermelha (V) e azul (A), propagando-se no ar, incide num prisma de vidro perpendicularmente a uma de suas
faces. Após atravessar o prisma, o feixe impressiona um filme colorido, orientado conforme a figura. A direção inicial do feixe incidente é identificada
pela posição O no filme.
Sabendo-se que o índice de refração do vidro é maior para a luz azul do que para a vermelha, a figura que melhor representa o filme depois de
revelado é:
(A) 1. (B) 2. (C) 3. (D) 4. (E) 5. (A) absorção. (B) difração. (C)
(A)
1.
(B)
2.
(C)
3.
(D)
4.
(E)
5.
(A) absorção.
(B) difração.
(C) dispersão.
(D) polarização.

9) A figura representa esquematicamente as frentes de onda de uma onda reta na superfície da água, propagando-se da região 1 para a região 2. Essas regiões são idênticas e separadas por uma barreira com abertura. A configuração das frentes de onda observada na região 2, que mostra o que aconteceu com a onda incidente ao passar pela abertura, caracteriza o fenômeno da

(E) refração.

pela abertura, caracteriza o fenômeno da (E) refração. 10) Uma partícula de massa m , carregada
pela abertura, caracteriza o fenômeno da (E) refração. 10) Uma partícula de massa m , carregada

10) Uma partícula de massa m, carregada com carga elétrica q e presa a um fio leve e isolante de 5 m de comprimento, encontra- se em equilíbrio, como mostra a figura, numa região onde existe um campo elétrico uniforme de intensidade E, cuja direção, no plano da figura, é perpendicular à do campo gravitacional de intensidade g. Sabendo que a partícula está afastada 3 cm da vertical podemos dizer que a razão q/m é igual a

(A) (5/3)g/E.

(3/5)g/E.

(B) (4/3)g/E.

(C) (5/4)g/E.

(D) (3/4)g/E.

(E)

. (B) (4/3) g / E . (C) (5/4) g / E . (D) (3/4) g

11) A figura representa uma associação de três resistores, todos de mesma resistência R. Se aplicarmos uma tensão de 6 volts entre os pontos A e C, a tensão a que ficará submetido o resistor ligado entre B e C será igual a

(A) 1 volt.

(B) 2 volts.

(C) 3 volts.

(D) 4 volts.

(E) 5 volts.

C será igual a (A) 1 volt. (B) 2 volts. (C) 3 volts. (D) 4 volts.

www.professorpanosso.com.br - Vunesp

20

12) Um fio metálico AB, suspenso por dois fios verticais, condutores e flexíveis, é colocado próximo e paralelamente a um fio longo pelo qual passa a corrente elétrica i, no sentido indicado na figura. O fio longo e o fio AB estão no mesmo plano horizontal. Utilizando essa montagem, um professor pretende realizar duas experiências, I e II. Na experiência I, fará passar uma corrente pelo fio AB, no sentido de A para B. Na experiência II, fará passar a corrente no sentido contrário. Nessas condições, espera-se que a distância entre o fio longo e o fio AB

(A)

permaneça inalterada, tanto na experiência I como naexperiência II.

(B)

aumente na experiência I e diminua na experiência II.

(C)

aumente, tanto na experiência I como na experiência II.

(D)

diminua, tanto na experiência I como na experiência II.

(E)

diminua na experiência I e aumente na experiência II.

diminua na experiência I e aumente na experiência II. Gabarito: 1) a; 2) c; 3) a;

Gabarito: 1) a; 2) c; 3) a; 4) b; 5) e; 6) c; 7) e; 8) d; 9) b; 10) d; 11) d; 12) e.

Vunesp /03

(Meio do Ano)

e; 8) d; 9) b; 10) d; 11) d; 12) e. Vunesp /03 (Meio do Ano)

1) A unidade da força resultante F, experimentada por uma partícula de massa m quando tem uma aceleração a, é dada em newtons. A forma explícita dessa unidade, em unidades de base do SI, é

(A) kg.m/s

dessa unidade, em unidades de base do SI, é (A) kg.m/s (B) m/(s.kg) (C) kg.s/m (D)

(B) m/(s.kg)

(C) kg.s/m

(D) m/(s 2 .kg)

(E) kg.m/s 2

19 km. (D) 8 3 km. (E) 16 km. –9 –8 (C) 22 × 10
19 km.
(D) 8
3
km.
(E) 16 km.
–9
–8
(C) 22 × 10
s. (D) 55 × 10 –9 s.
(E) 8 × 10
s.
(C) 8,0 × 10 –10 N.
(D) 7,2 × 10 –8 N.
(C) 3 × 10 4 N.
(D) 15 × 10 4 N.

2)Um caminhoneiro efetuou duas entregas de mercadorias e, para isso, seguiu o itinerário indicado pelos vetores deslocamentos vetoriais dados na figura abaixo. Para a primeira entrega, ele deslocou-se 10 km e para a segunda entrega, percorreu uma distância de 6 km. Ao final da segunda entrega, a distância a que o caminhoneiro se encontra do ponto de partida é

(A) 4 km.

(B) 8 km.

(C) 2

3) Um elétron entra em um tubo de raios catódicos de um aparelho de TV com velocidade inicial de 5 × 10 5 m/s. Acelerado uniformemente, ele chega a atingir uma velocidade de 5 × 10 6 m/s depois de percorrer uma distância de 2,2 cm. O tempo gasto para percorrer essa distância é de

(A) 8 × 10 9 s.

(B) 11 × 10 9 s.

4) No modelo clássico do átomo de hidrogênio, do físico dinamarquês Niels Bohr, um elétron gira em torno de um próton com uma velocidade

constante de 2 × 106 m/s e em uma órbita circular de raio igual a 5 × 10–11 m. Se o elétron possui massa 9 × 10–31 kg, a força centrípeta sobre ele é de

(A) 7,2 × 10 14 N.

(B) 3,6 × 10 14 N.

(E) 3,6 × 10 8 N.

5) Em um teste de colisão, um automóvel de 1 500 kg colide frontalmente com uma parede de tijolos. A velocidade do automóvel anterior ao impacto

(E) 18 × 10 4 N.

era de 15 m/s. Imediatamente após o impacto, o veículo é jogado no sentido contrário ao do movimento inicial com velocidade de 3 m/s. Se a colisão teve duração de 0,15 s, a força média exercida sobre o automóvel durante a colisão foi de

(A) 0,5 × 10 4 N

(B) 1 × 10 4 N.

6) Uma força atuando em uma caixa varia com a distância x de acordo com o gráfico. O trabalho realizado por essa força para mover a caixa da posição x = 0 até a posição x = 6 m vale

(A)

(B)

(C)

(D)

(E)

5 J.

15 J.

20 J.

25 J.

30 J.

= 6 m vale (A) (B) (C) (D) (E) 5 J. 15 J. 20 J. 25

7) A Lei da Gravitação Universal foi publicada em 1687 pelo físico e matemático inglês Isaac Newton. Através dessa lei, pode-se determinar as intensidades das forças de interação gravitacional entre a Terra e a Lua, FTL, e entre o Sol e a Lua, FSL. Considerando a massa do Sol de 3,2 × 10 5 vezes a massa da Terra e a distância média do Sol à Lua de 400 vezes a distância média da Terra à Lua, a relação aproximada entre estas duas intensidades de força é

(A) FTL = 0,5 FSL.

(B) FTL = FSL.

(C) FTL = 1,5 FSL.

(D) FTL = 2 FSL.

(E) FTL = 2,5 FSL.

www.professorpanosso.com.br - Vunesp

21

8) Em uma competição esportiva, um halterofilista de 80 kg, levantando uma barra metálica de 120 kg, apóia-se sobre os seus pés, cuja área de contacto com o piso é de 25 cm 2 . Considerando g = 10 m/s 2 e lembrando-se de que a pressão é o efeito produzido por uma força sobre uma área e considerando que essa força atua uniformemente sobre toda a extensão da área de contacto, a pressão exercida pelo halterofilista sobre o piso, em pascal, é de

(A) 2 × 10 5 .

(B) 8 × 10 5 .

(C) 12 × 10 5 .

(D) 25 × 10 5 .

(E) 2 × 10 6 .

9) A dilatação térmica dos sólidos é um fenômeno importante em diversas aplicações de engenharia, como construções de pontes, prédios e estradas

de ferro. Considere o caso dos trilhos de trem serem de aço, cujo coeficiente de dilatação é α = 11 × 10 6 °C 1 . Se a 10°C o comprimento de um trilho é de 30 m, de quanto aumentaria o seu comprimento se a temperatura aumentasse para 40°C?

(A) 11 × 10 4 m.

(B) 33 × 10 4 m.

(C) 99 × 10 4 m.

(D) 132 × 10 4 m.

(E) 165 × 10 4 m.

10) Uma panela com água é aquecida de 25°C para 80°C. A variação de temperatura sofrida pela panela com água, nas escalas Kelvin e Fahrenheit, foi de

(A) 32 K e 105°F.

(B) 55 K e 99°F.

(C) 57 K e 105°F.

(D) 99 K e 105°F.

(E) 105 K e 32°F.

11) Considere uma lente esférica delgada convergente de distância focal igual a 20 cm e um objeto real direito localizado no eixo principal da lente a uma distância de 25 cm do seu centro ótico. Pode-se afirmar que a imagem deste objeto é

(A)

real, invertida e maior que o objeto.

(B)

real, direita e menor que o objeto.

(C)

virtual, invertida e menor que o objeto.

(D)

virtual, direita e maior que o objeto.

(E)

virtual, invertida e maior que o objeto

12) As instalações elétricas em nossas casas são projetadas de forma que os aparelhos sejam sempre conectados em paralelo. Dessa maneira, cada aparelho opera de forma independente. A figura mostra três resistores conectados em paralelo. Desprezando-se as resistências dos fios de ligação, o valor da corrente em cada resistor é

(A)

I1 = 3 A, I2 = 6 A e I3 = 9 A.

(B)

I1 = 6 A, I2 = 3 A e I3 = 2 A.

(C)

I1 = 6 A, I2 = 6 A e I3 = 6 A.

(D)

I1 = 9 A, I2 = 6 A e I3 = 3 A.

(E)

I1 = 15 A, I2 = 12 A e I3 = 9 A.

I3 = 3 A. (E) I1 = 15 A, I2 = 12 A e I3 =
I3 = 3 A. (E) I1 = 15 A, I2 = 12 A e I3 =

Gabarito: 1) e; 2) c; 3) a; 4) d; 5) e; 6) d; 7) a; 8) b; 9) c; 10) b; 11) a; 12) b.

www.professorpanosso.com.br - Vunesp

22