Sei sulla pagina 1di 2

AP 112 – TEORIA E PROJETO II: PROCESSO CRIATIVO

Prof

a. Dr a. Anna Paula Silva Gouveia (IA)

Prof

a. Dr a. Núbia Bernardi (FEC)

PAD

– Thalita Castro

TEMA 3 - Entendendo a narrativa

Título da fábula:

A morte e o lenhador

Equipe – nomes dos alunos

Roberta Buratto e Verley H. Coco Jr.

1- Resumo da narrativa

Um idoso lenhador levava as madeiras que cortara; fatigado, caiu derrubando os feixes. Prostrado, clamou para que a morte viesse tirar sua vida. Ao aparecer, o homem pediu para que ela levantasse o fardo. Moral:

Independente da situação, todos escolhem a vida.

2 – Personagens

A fábula possui dois personagens: (1) o lenhador e (2) a morte

1) Lenhador: Homem muito velho, frágil, fraco, descrente na vida e certo na injustiça, na vida “Andas pelo mundo a colher criancinhas ”

e esqueces de mim que te chamo 2) Morte: “Horrenda, escaveirada com os ossos a chocalharem e a foice na mão”.

3 - Contexto espaço temporal

O lenhador (Pessoa que se emprega na derrubada de árvores.

Aquele que vai colher lenha nos matos. [1]) esteve presente na sociedade em geral

até metade do século XX, quando o corte de árvores e transporte manual de lenha foi substituído por máquinas. “O trabalho era difícil, perigoso, intermitente,

mal remunerado e primitivo em condições básicas, mas gerou uma cultura

tradicional onde os homens celebram sua força, masculinidade,

enfrentamento do perigo”. [2]

4 - Contexto paisagístico

A cena possivelmente se passa em um longo caminho no meio da floresta, portanto, longe da civilização e de outras pessoas.

5. Possíveis significados

Podemos extrair da fábula diversos significados em resposta aos por quês que surgem.

O fato da protagonista ser um lenhador nos fala de alguém experimentado em um trabalho braçal pesado e pelo fato de ser velho e fraco permite a inferência que passou uma vida de AFLIÇÕES carregando lenha. Outro forte elemento é a SOLIDÃO. Demonstrada no fato que mesmo sendo velho, o senhor precisa realizar este trabalho pesado para se sustentar, além do que, quando cai no caminho não há quem o levante. Na solidão, o único amigo que o homem encontra é a MORTE. Amargo e descrente chama pela morte. Esta representa uma FUGA, a saída mais fácil diante de uma vida de sofrimento. Porém, não esperava que ela viria. Mas quando surpreendentemente ela apareceu por que ele preferiu a vida? Ou realmente ele não acreditava que ela apareceria sendo seu clamor apenas uma reclamação de uma vida ou como citado no trecho de Monteiro Lobato, por causa da figura horrenda da Morte o homem se aterroriza e preferiu viver sua vida miserável.

6 - Adaptação cênica

Propomos que haja uma abstração da figura do lenhador para que permita uma aproximação do protagonista (o lenhador) com o observador da peça de modo que mais que abordar aspectos físicos e externos, possamos enxergar as dores da alma pelo qual passamos. Por essa abstração da história, ela passa a ser atemporal; para manter a proximidade com o “observador”, porém, a história ocorrerá no presente (referindo-se a aspectos culturais e sociológicos).

Faremos da Morte a narradora e no final ela passará a representar. Isto vem do nosso Partido, pois acreditamos que a morte física seja pequena quando comparamos com a morte progressiva que pode ocorrer na alma; que vem dos traumas e aflições carregados como lenha nas costas de um velho durante toda uma vida.

Referências

[1] http://www.dicio.com.br/lenhador/ acessado dia 01 de Novembro de

2012 às 12h50min

[2] http://pt.wikipedia.org/wiki/Lenhador acessado dia 01 de Novembro de

2012 às 12h50min