Sei sulla pagina 1di 23

1

A ATIVIDADE FÍSICA NA PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM INDIVÍDUOS DA TERCEIRA IDADE

Estudo de caso no núcleo do Projeto Saúde, Bombeiros e Sociedade, que atua no Núcleo de

Busca e Salvamento do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Ceará.

Holdayne do Nascimento Pereira

Curso de Especialização em Administração Pública e Gestão Contra Sinistros

Orientadora: Magda Lima professora da FAMETRO e doutoranda em Ciências Políticas

RESUMO

O presente artigo descreve o serviço prestado pelo Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Ceará (CBMCE) a um grupo específico da sociedade, os indivíduos da terceira idade, assim como os benefícios obtidos com tal iniciativa. Nos últimos anos, no Brasil, a expectativa de vida aumentou sensivelmente, em decorrência de vários fatores. Dentre eles podemos citar a popularização das atividades físicas como tratamento para várias doenças que estão relacionadas com o envelhecimento. O CBMCE em sua política de prevenção a acidentes e prestação de serviços à sociedade, desenvolveu o Projeto Saúde, Bombeiros e Sociedade de cunho social voltado a atender as pessoas da terceira idade. Tal projeto utiliza a atividade física como forma de valorizar o idoso e inseri-lo no contexto social. Este projeto de pesquisa objetivou selecionar um grupo de pessoas com mais de 40 anos de idade, que praticam atividades físicas regulares promovidas pelo CBMCE e submetê-los a entrevistas exploratórias, para então ser feita uma analise critica do trabalho desenvolvido pelos instrutores e os benefícios percebidos pelos participantes.

Palavras-chaves: terceira idade, atividade física, Corpo de Bombeiros.

1. INTRODUÇÃO

Com o crescimento da população com mais de cinqüenta anos de idade, o

governo e a sociedade vêm desenvolvendo formas alternativas de caráter preventivo para

doenças relacionadas com o envelhecimento, tais como: osteoporose 1 , infarto do miocárdio,

1 Osteoporose – diminuição do conteúdo mineral ósseo que provoca aumento da porosidade óssea.

2

hipertensão arterial sistêmica 2 , angina de peito, dentre outras. Nessa conjuntura, a atividade física vem conseguindo lugar de destaque como forma preventiva, não farmacológica e de baixo custo para prevenção e controle dessas doenças. Abrindo-se, portanto, muitas possibilidades para a existência de um número progressivamente maior de idosos com saúde e aumentando a expectativa de vida da população.

O Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Ceará (CBMCE), diante desta situação, desenvolve um projeto social direcionado para a terceira idade, com o objetivo de promover a qualidade de vida dos idosos. Este projeto tem o nome de: Projeto Saúde, Bombeiros e Sociedade. Fazem parte do projeto bombeiros militares que ministram aulas de recreação para as pessoas da comunidade que moram próximo dos quartéis, localizados na cidade de Fortaleza e em algumas cidades do interior do estado do Ceará. As aulas acontecem duas vezes por semana com aproximadamente uma hora de duração. Os locais em que os bombeiros militares ministram essas aulas de recreação recebem o nome de núcleo. O Projeto Saúde, Bombeiros e Sociedade é um serviço voluntário e sem ônus para o Corpo de Bombeiros e de grande projeção social para a corporação.

O Projeto Saúde, Bombeiros e Sociedade vem crescendo muito nos últimos meses e o número de participantes também. Tal situação nos conduz a alguns questionamentos, tais como: a quantidade de aulas por semana é ideal para promover efeitos fisiológicos nos participantes? Os participantes perceberam algum tipo de melhora depois de praticarem as atividades físicas do projeto? O tempo de cada sessão está dentro do recomendado para o público que participa do projeto? Os instrutores estão correspondendo às expectativas dos praticantes do Projeto Saúde, Bombeiros e Sociedade? Para responder a essas perguntas o núcleo que atua no Núcleo de Busca e Salvamento (NBS) foi escolhido como amostra. O critério de escolha foi o fato deste núcleo ter sido o primeiro a participar do projeto.

Nosso objetivo é avaliar os indivíduos da terceira idade que participam do projeto há pelo menos um ano e observar através de pesquisa de campo quais foram os

2 Hipertensão arterial sistêmica – pressão arterial normalmente elevada. Nos adultos, a hipertensão é definida, em geral, como a pressão sistólica superior a 140 mmHg ou a pressão diastólica acima de 90 mmHg.

3

benefícios fisiológicos e sócio-familiares, que estas pessoas sentiram com a prática regular da recreação ministrada pelos instrutores do projeto.

2. PROMOÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO

A evolução industrial tem modificado o estilo de vida da população, trazendo consigo benefícios e malefícios. Muitos destes avanços (como controle remoto, vidro elétrico, direção hidráulica, forno microondas, internet, televisão, máquina de lavar roupa e etc.) facilitam a rotina de vida dos indivíduos, tornando-os acomodados e muitas vezes pessoas sedentárias. O sedentarismo predispõe o indivíduo à obesidade, por conseqüência disto, aumenta o risco de desenvolvimento de hipertensão arterial e doenças coronarianas.

Tem sido relatado que a atividade física reduz os problemas relacionados com o envelhecimento tais como: níveis de pressão arterial em hipertensos, infarto do miocárdio, artrite, acidente vascular cerebral 3 , entre outros, portanto é provável que o treinamento físico regular e de baixa intensidade reduza os problemas pertinentes em questão (JACOB FILHO, 1998).

Acompanhando o crescente aumento da população idosa, como causa ou conseqüência, tornou-se imprescindível que fossem adotadas inúmeras medidas adicionais de caráter preventivo, para evitar que essa magnífica transformação etária fosse responsável por um proporcional crescimento da população de doentes ou da demanda por suporte assistencial aos dependentes (JACOB FILHO, 1998). Necessitamos, pois de ações preventivas que promovam a saúde do idoso, com a participação da sociedade e instituições governamentais.

2.1 O QUE SIGNIFICA SAÚDE NA TERCEIRA IDADE

Há mais de 50 anos a Organização Mundial de Saúde (OMS) definiu de maneira muito mais abrangente este conceito, até então entendido simplesmente como a

3 Acidente vascular cerebral – condução pela qual o suprimento sangüíneo a uma parte do cérebro é comprometido, normalmente em razão de um infarto ou hemorragia, gerando conseqüentemente, lesão tecidual.

4

“inexistência de doenças” (JACOB FILHO, 1998). Ou seja, seria improvável algum indivíduo chegar até a segunda metade de vida saudável, visto que invariavelmente as doenças crônicas degenerativas freqüentemente se manifestam nesta fase.

Com a ampliação deste conceito pela OMS (1947) segundo a qual saúde passou

a ser entendida como “o estado de bem-estar físico, psíquico e social”, abriu-se um espectro muito maior de possibilidades para promoção da saúde do idoso, pois, torna-se perfeitamente possível que este estado de equilíbrio possa ser atingido por um indivíduo portador de doenças devidamente tratadas ou compensadas. Abre-se, portanto, uma grande gama de possibilidades para a existência de um número progressivamente maior de idosos com saúde (JACOB FILHO, 1998). É importante ressaltar que não é permitido defender ou usar formas de manutenção da qualidade de vida dos idosos que não tenham embasamento científico, ou seja, não tenham sido comprovados seus benefícios. Com a exigência e evolução da sociedade a época do empirismo é parte do passado.

Apenas como exemplo da visível evolução deste conhecimento, Burdman (1986) estabelece que para um envelhecimento saudável é necessário e suficiente “praticar exercícios, melhorar a dieta, reduzir o consumo de álcool, abolir o tabagismo e controlar a hipertensão arterial”.

2.2 O QUE É ENVELHECER ?

Envelhecer é um processo de acumular experiências e enriquecer nossa vida através de conhecimento e habilidades físicas. Essa sabedoria adquirida nos proporciona o potencial para tomar decisões razoáveis e benéficas a respeito de nós mesmos (WAGORN, TRÉBERGE e ORBAN, 1991).

O grau de independência de que dispomos na vida está diretamente relacionado

à atividade maior ou menor de nosso corpo, mente e espírito. Apesar de alguns decréscimos de eficiência e capacidade à medida que a idade aumenta, é possível manter um nível relativamente alto de desempenho físico e mental por muitos anos.

5

Estamos diante de uma escolha: a opção de desistir de nossa independência e definhar ou de assumir o controle e permanecer vigorosamente ativos, desfrutando plenamente dos anos restantes. Manter-se mental e fisicamente ativo reduz o ritmo da perda de nossas funções e nos capacita a desfrutar mais amplamente e aumentar a qualidade dos anos dourados de nossa vida (WAGORN, TRÉBERGE e ORBAN, 1993).

2.3 COMO SEU CORPO ENVELHECE

Não está exatamente claro como nosso corpo envelhece, porém se sabe que o processo de envelhecimento difere de pessoa para pessoa, assim como de aparelho ou sistema do corpo humano. Os principais fatores que influenciam o envelhecimento de seu corpo são o tempo, a hereditariedade e seu meio ambiente, sobre os quais se tem pouco controle. Existem, contudo, outros aspectos de sua vida, tais como a dieta, o estilo de vida e o nível de exercício que podem afetar beneficamente o processo de envelhecimento e aumentar sua qualidade de vida e bem-estar (WAGORN, TRÉBERGE e ORBAN, 1993).

“Algumas pessoas não acreditam que o envelhecimento é uma seqüência natural

das outras fases, mas uma conseqüência. Para alguns, começa aos 40 anos de

idade, outros consideram que o envelhecimento se inicia no momento da

concepção”

(DIAS, 2004, pág. 01).

Diante desta situação, a verdade é que, não importa o início do envelhecimento e sim de que forma as pessoas estarão preparadas para conviver com o mesmo, tendo certa independência física e sanidade mental.

2.4

ALTERAÇÕES

ENVELHECIMENTO

CARDIOVASCULARES

COM

O

A função cardiovascular se altera à medida que envelhecemos. Uma das alterações mais notáveis que acompanham o envelhecimento é a diminuição da freqüência cardíaca máxima 4 (FC máx). Enquanto os valores das crianças freqüentemente ultrapassam

4 Freqüência Cardíaca Máxima – o maior valor da freqüência cardíaca atingível durante um esforço Maximo até o ponto de exaustão.

6

200 batimentos por minuto (bpm), a média para indivíduos com 60 anos é de aproximadamente 160 bpm (WILMORE e COSTILL, 2001). Estima-se que a diminuição da FC máx em qualquer idade pode ser estimada pela seguinte equação: FC máx = 220 – idade (KARVONEN et al, 1957). A redução da FC máx com a idade parece ser similar tanto para os adultos sedentários quanto para os altamente treinados. Aos 50 anos de idade, por exemplo, os homens normalmente ativos apresentam mesmos valores de FC máx dos antigos corredores ainda ativos com a mesma idade (WILMORE e COSTILL, 2001).

As alterações fisiológicas sofridas durante o envelhecimento são, pelo menos em parte, responsáveis pela diminuição da força e da endurance 5 , mas a participação ativa em esportes e atividades físicas tende a reduzir o impacto do envelhecimento sobre o desempenho. E segundo Saltin (1986) a quantidade de massa muscular no homem mais velho é bem mantida com a pratica de atividade física, apesar de haver perda. Isto não significa que a atividade física regular pode interromper o envelhecimento biológico, mas um estilo de vida pode reduzir acentuadamente muitas perdas de capacidade de trabalho físico (WILMORE e COSTILL, 2001). A pratica regular de atividades físicas, principalmente as com predominância aeróbica tende a reduzir os efeitos do envelhecimento, proporcionando aos seus praticantes maiores independências físicas na terceira idade.

2.5 EVIDÊNCIA EPIDEMIOLÓGICA

A relação entre inatividade física e coronariopatia conclui que a falta de atividade regular contribui para processo de cardiopatia de uma maneira tipo causa efeito, com a pessoa sedentária comportando uma probabilidade quase duas vezes maior de vir a desenvolver doença cardíaca que o indivíduo ativo (MCARDLE, KATCH e KATCH, 1998). A inatividade física coloca-se como um dos maiores fatores de risco de cardiopatia. Com base nos dados disponíveis, parece que, se o exercício consegue aumentar a longevidade, esse prolongamento está associado mais à prevenção da mortalidade precoce do que ao aprimoramento na duração global da vida. Pode não ocorrer um grande prolongamento na duração máxima da vida, porém as pessoas ativas costumam sobreviver

5

Endurance

capacidade

de

cardiorrespiratória.

suportar

a

fadiga,

incluindo

a

resistência

muscular

e

a

resistência

7

a essa “idade avançada” (MCARDLE, KATCH e KATCH, 1998). Surpreendentemente, é

necessária apenas uma atividade regular de leve a moderada, como caminhar, jardinagem,

subir escadas e trabalhos caseiros, para conseguir benefícios positivos para a saúde em homens e mulheres previamente sedentários (MCARDLE, KATCH e KATCH, 1998). Este

é um dos fundamentos teóricos que nos dá embasamento para afirmamos que as atividades

físicas ministradas pelos bombeiros militares que trabalham nos núcleos do Projeto Saúde, Bombeiros e Sociedade, não precisam ser de grande intensidade e sim de intensidade leve a moderada.

2.6 RESPOSTAS FISIOLÓGICAS NO ORGANISMO

Segundo Wilmore e Costill (2001) os primeiros estudos sobre envelhecimento e condicionamento físico foram realizados por Sid Robson no final dos anos 30. Ele constatou que o consumo máximo de oxigênio de homens normalmente ativos declinava de forma constante durante o período entre 25 e 75 anos de idade. Pesquisas transversas 6 sugerem que a capacidade aeróbica diminui, em média, aproximadamente 1% ao ano (WILMORE e COSTILL, 2001). Há estudos diferentes em relação à diminuição da capacidade aeróbica entre pessoas ativas e sedentárias. De qualquer maneira, há uma concordância de que a taxa de declínio do volume máximo de oxigênio (VO2 máx) 7 é de aproximadamente 10% por década ou de 1% por ano, em homens relativamente sedentários (WILMORE e COSTILL, 2001). Foi demonstrado que, em média, as mulheres apresentam uma menor taxa de declínio do VO2 máx com a idade. No entanto alguns estudos sugerem que não existem diferenças entre homens e mulheres no que concerne à diminuição da capacidade aeróbica com a idade (WILMORE e COSTILL, 2001). Ou seja, as atividades recreacionais desenvolvidas pelos instrutores do Projeto Saúde, Bombeiros e Sociedade podem ser praticadas tanto por homens como por mulheres, porque as adaptações e os benefícios fisiológicos serão semelhantes.

6 Pesquisas transversas – uma faixa transversa de uma população é testada num determinado momento, comparando-se em seguida, os dados de grupos dessa população. 7 VO2 máx - capacidade máxima de consumo de oxigênio pelo corpo durante o esforço máximo. É também conhecido como potência aeróbica, captação máxima de oxigênio, ingestão máxima de oxigênio e capacidade de resistência cardiorrespiratória.

8

2.7

DEMANDAS

DE

TREINAMENTO ADAPTADAS

SAÚDE, BOMBEIROS E SOCIEDADE

AO PROJETO

A maioria dos programas de treinamento bem elaborados incorpora o princípio da sobrecarga progressiva, ou seja, maximizar os benefícios do treinamento, sendo que o estímulo do treinamento deve ser progressivamente aumentado à medida que o corpo se adapta ao estímulo corrente. Se a quantidade do estresse permanecer constante, posteriormente o indivíduo irá se adaptar a esse nível de estimulação. E o corpo do mesmo não necessitará de uma maior adaptação. A única maneira de continuar a melhorar com o treinamento é aumentar progressivamente o estímulo ou estresse físico (WILMORE e COSTILL, 2001). No Projeto Saúde, Bombeiros e Sociedade as atividades físicas devem ser elaboradas usando o princípio da sobrecarga progressiva para que a melhora física seja constante e equilibrada, para tal, primeiro os participantes precisam passar por avaliações físicas e a partir daí elaborar um programa progressivo de atividades lúdicas e recreativas.

Quanto à freqüência das sessões de exercício físico, embora alguns autores indicam sete sessões por semana, para outros não há benefício adicional em mais do que três sessões semanais (URBANA e CHAKUR, 2003). Em relação à duração da sessão de treinamento físico, tem sido recomendado um período de 30 a 60 minutos de atividade aeróbica (URBANA e CHAKUR, 2003). Com relação ao tipo de exercício físico, existe um consenso de que a melhor opção esta nos exercícios dinâmicos tais como: a caminhada, andar de bicicleta e correr num ritmo leve, de predominância aeróbica, em função dos benefícios que pode ser obtido ao nível das aptidões: cardiorrespiratória, força e resistência muscular, com menor sobrecarga sobre o músculo cardíaco (MARQUES, 1996).

2.8 EXERCÍCIOS FÍSICOS E LONGEVIDADE

Pesquisas importantes fornecem valiosas evidencias de que um exercício aeróbico apenas moderado, equivalente a trotar cerca de aproximadamente 5 km por dia, promove uma boa saúde e pode, de fato, prolongar a vida por alguns anos (MCARDLE, KATCH e KATCH, 1998). O exercício regular neutraliza os efeitos deletérios do fumo e do peso corporal excessivo. Até mesmo para as pessoas com pressão arterial alta, aquelas que se exercitam regularmente reduziam à metade sua taxa de morte. Até as tendências genéticas para uma morte precoce eram neutralizadas pelo exercício regular. Um estilo de

9

vida que inclua o exercício regular consegue reduzir em 25% o risco de morte. Uma redução de 50% na taxa de mortalidade foi observada para homens ativos cujos pais haviam conseguido viver além dos 65 anos (MCARDLE, KATCH e KATCH, 1998). Exercícios com caminhar vigorosamente ou até trabalhos domésticos pesados por 45 minutos à uma hora, 3 a 4 vezes por semana evidenciam uma taxa de morte 25% mais baixa, em comparação com homens mais sedentários: quanto mais ativas forem as pessoas, maiores serão suas expectativas de vida (MCARDLE, KATCH e KATCH, 1998).

2.9 ASPECTOS SOCIAIS DO ENVELHECIMENTO

Com a proximidade da velhice, os gerontes sofrem mudanças nas suas atitudes, valores e comportamentos que acabam por afetar sua autonomia física e social (SANT’ANNA e DANTAS 2002). Embora fatores fisiológicos e as doenças impeçam que vários gerontes participem efetivamente de programas de atividade física, são os fatores psicológicos e os sociais que conduzem maior parte dos idosos a uma vida sedentária (DANTAS 2002).

A atividade física quando praticada regularmente tem um lado social extremamente positivo, podendo conseguir maximizar o contato social dos sujeitos praticantes levando-os a maior convivência e ao sentimento de integração, que seria sentir- se respeitado, valorizado, aceito pelo grupo a que pertence, e reduzindo assim os problemas psicológicos, coma a ansiedade, por exemplo, problemas estes que são típicos dessa faixa etária (SANT’ANNA e DANTAS 2002). Transcreve-se um quadro do WHO (1997), onde aponta os benefícios sociais e culturais da pratica regular de atividades físicas para a terceira idade.

(1997), onde aponta os benefícios sociais e culturais da pratica regular de atividades físicas para a
(1997), onde aponta os benefícios sociais e culturais da pratica regular de atividades físicas para a

10

3. PROJETO SAÚDE, BOMBEIROS E SOCIEDADE RETIRADOS DA INTERNET

3.1

OBJETIVOS

Oferecer atendimento às pessoas da terceira idade na forma de atividades físico-ocupacionais;3.1 OBJETIVOS Promover atividades socioculturais e de esclarecimento quanto à saúde e bem estar; Integrar pessoas

Promover atividades socioculturais e de esclarecimento quanto à saúde e bem estar;terceira idade na forma de atividades físico-ocupacionais; Integrar pessoas que fazem o seu cooper no calçadão

Integrar pessoas que fazem o seu cooper no calçadão da orla marítima, basicamente pessoas de terceira idade, e bombeiros militares para a prática de educação física.e de esclarecimento quanto à saúde e bem estar; 3.2 FINALIDADES DO PROGRAMA SAÚDE, BOMBEIROS

3.2

FINALIDADES

DO

PROGRAMA

SAÚDE,

BOMBEIROS

E

SOCIEDADE

 

Aproximar o Bombeiro Militar das atividades sociais com os grupos da terceira idade; 

Encurtar os laços entre a comunidade idosa e o Corpo de Bombeiros Militar do Ceará;das atividades sociais com os grupos da terceira idade; Realizar uma grande mobilização na população para

Realizar uma grande mobilização na população para conscientizar a sociedade quanto ao processo acelerado de envelhecimento sem preconceito;a comunidade idosa e o Corpo de Bombeiros Militar do Ceará; Buscar a integração do idoso

Buscar a integração do idoso às demais gerações; 

 

Conscientizar o idoso da necessidade de conhecimentos nas áreas imbuídas à corporação com palestras sobre acidentes domésticos e primeiros socorros.sem preconceito; Buscar a integração do idoso às demais gerações;   3.3 ATIVIDADES DO PROGRAMA  

3.3

ATIVIDADES DO PROGRAMA

 

11

- Instruções sobre acidentes domésticos e em geral, adaptando as técnicas desenvolvidas pela Corporação;

- Palestras com para-médicos da Corporação, referentes a assuntos da 3ª idade,

(pressão arterial, queimaduras, reanimação cárdio-pulmonar, desmaio, acidentes

domésticos, diabetes, etc.);

- Realização de atividade física para idosos;

- Recreação com dinâmica em grupos.

4. MÉTODOS

Os universos de estudo do presente trabalho serão pessoas da terceira idade, podendo ser homens e mulheres, que participam do Projeto Saúde, Bombeiros e Sociedade. Nosso projeto de pesquisa será estudar um núcleo específico, localizado na avenida Presidente Castelo Branco Nº 1000, no quartel do NBS. Este núcleo foi o primeiro a ser formado pelo projeto, com aproximadamente dois anos de atuação. Participam deste núcleo uma média de 60 pessoas de ambos os sexos sendo que 70% estão na terceira idade e desse percentual a maioria está no projeto desde o início ou pelo menos com mais de um ano de participação. Trabalhamos com uma amostra de 31 participantes.

Nossa pesquisa, de natureza qualitativa, avaliou o grupo através de entrevistas e aplicação de questionários identificando os benefícios fisiológicos e sócio-familiares que estas pessoas sentiram com a prática regular da atividade física ministrada pelos instrutores do projeto, além disso, foram avaliados a melhoria na qualidade de vida do grupo e o grau de satisfação dos participantes com os instrutores.

12

4.1 APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS

O gráfico

01

mostra

a

quantidade e faixa etária de pessoas do Projeto

Bombeiros, Saúde e Sociedade com mais de um ano de participação.

Saúde e Sociedade com mais de um ano de participação. No gráfico 02, nas doenças classificadas
Saúde e Sociedade com mais de um ano de participação. No gráfico 02, nas doenças classificadas

No gráfico 02, nas doenças classificadas como Outras, há pessoas com infarto do miocárdio, diabetes, câncer de mama e com histórico de cirurgia de vesícula, portanto é importante que todos os participantes do projeto apresentem atestado médico autorizando essas pessoas a praticarem atividades físicas.

autorizando essas pessoas a praticarem atividades físicas. De acordo com a pesquisa de campo foi detectada
autorizando essas pessoas a praticarem atividades físicas. De acordo com a pesquisa de campo foi detectada

De acordo com a pesquisa de campo foi detectada que a hipertensão arterial é a

doença mais comum entre os praticantes do projeto (Gráfico 2). Segundo Mcardle, Katch e

13

Katch (1998) e Urbana e Chakur (2003), para melhorar a condição dos hipertensos é indicado o treinamento aeróbico, ou seja, exercícios de longa duração e com baixa intensidade, tal atividade física parece combater fatores de risco para doença cardiovascular nos indivíduos hipertensos. O exercício aeróbico reduz a elevação da pressão arterial que ocorre com o passar do tempo, em pessoas que não fazem uso de fármacos para controle da mesma.

No gráfico 03 podemos observar a melhora nas relações interpessoais entre os participantes do projeto com seus familiares, amigos e parentes.

do projeto com seus familiares, amigos e parentes. O fato de maior importância decorrente das análises
do projeto com seus familiares, amigos e parentes. O fato de maior importância decorrente das análises

O fato de maior importância decorrente das análises dos resultados é sem dúvida, a melhoria na vida social das pessoas que freqüentam o projeto regularmente, pelo menos duas vezes por semana, pois 93% dos entrevistados tiverem melhora expressiva em suas vidas no que se refere aos relacionamentos com amigos, familiares, disposição para sair de casa e por conseqüência melhora na auto-estima. É importante ressaltar que o horário de funcionamento das aulas, de 06h:30min às 07h:30min também teve aceitação de mais de 95% dos entrevistados. Abordando a melhoria na saúde, os entrevistados relataram que tiveram evolução positiva em seu quadro clínico geral, pois 95% sentiram que suas enfermidades ficaram mais controladas após ingressarem no projeto. Em relação à forma de ministrar as aulas, 90% dos entrevistados atribuíram nota dez (10) para os bombeiros. E 100% dos entrevistados não sairiam do núcleo do NBS para um outro núcleo. Um ponto para reflexão foi que alguns entrevistados acharam o projeto um pouco desorganizado, porque teve dias em que faltaram os instrutores e não houve aula.

14

5. CONCLUSÃO E RECOMENDAÇÕES

Com este estudo pode-se concluir que o núcleo do Projeto Saúde, Bombeiros e Sociedade que atua no NBS está atingindo os objetivos propostos, principalmente na vertente social, da aproximação do bombeiro com a sociedade, bem como no aspecto fisiológico. O tempo de duração das aulas em torno de 30 a 60 minutos é suficiente para surtir efeitos metabólicos positivos no organismo dos participantes (MCARDLE, KATCH e KATCH,1998; URBANA e CHAKUR, 2003). O número de práticas de atividade física por semana deve ser pelo menos de três sessões semanais. Acreditamos que seja necessária a instituição de avaliações físicas periódicas para os praticantes do projeto (MATSUDO 2002), assim os instrutores podem acompanhar a evolução dos mesmos de forma mais individualizada, e a obrigatoriedade de exames médicos a cada seis meses, o que possibilitará aos instrutores a realização de atividades específicas para as pessoas que têm determinado tipo de doença (SILVEIRA JUNIOR 2001).

Também acreditamos que estratégias devem ser providenciadas no sentido de prestar uma atenção especial para as pessoas com mais de 70 anos de idade, em virtude da possibilidade de quedas relacionadas a doenças relativas ao aparelho locomotor e osteoporose. Dados estatísticos têm sistematicamente demonstrado que 30% das pessoas com mais de 65 anos, na maioria das comunidades, caem pelo menos uma vez por ano, sendo que esta incidência pode chegar a 50% quando idades mais avançadas são consideradas (mais de 85 anos) (FURTADO e MATISUURA, 2002).

A partir dos resultados encontrados podemos recomendar que os questionários propostos pela pesquisa sejam estendidos aos outros núcleos para que possamos realizar uma análise global do Projeto Saúde, Bombeiros e Sociedade. É importante para a organização do projeto fazer com que os bombeiros que atuem como instrutores tenham cursos de capacitação e nivelamento regularmente e que os instrutores sejam avaliados pelos participantes do projeto, como propomos em nosso modelo de questionário, pois tal avaliação atua como um termômetro da qualidade das aulas que estão sendo ministradas. E, ainda, que seja criado um conselho permanente, sendo este um controlador das ações dos

15

núcleos, dos instrutores e da evolução do Projeto Saúde, Bombeiros e Sociedade dentro da população cearense.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BURDMAN, 1986 apud Jacob Filho, 1998. DIAS, Débora. Desafio de envelhecer com saúde. O POVO, Fortaleza, 11 de julho de 2004, Ciência & Saúde , caderno 2, p. 1. FURTADO, Vernon da Silva; MATISUURA Cristiane. Prevenção de quedas em idosos. FITNESS & Performace. Rio de Janeiro: v.1, n.3, p. 39-40, maio/junho 2002. JACOB FILHO Wilson Promoção da Saúde do Idoso. 1 ed. São Paulo:

Lemos, 1998. KARVONEN, M. J., KENTALA, & MUSTALA, O. The effects of training heart rate: A longitudinal study. Annales Medicinae Experimentalis et Biologiae Fenniae. (1957). MARQUES, Antônio. A prática de atividade física nos idosos: as questões pedagógicas. Horizonte. Portugal, v. 08, n. 74, p. 11-17, 1996. MATSUDO, Sandra Marcela Mahecha. Avaliação do Idoso: física e funcional. 1 ed. Paraná: Midograf, 2002. MCARDLE, William D. ; KATCH, Frank I. ; KATCH, L. Victor Fisiologia do Exercício, Energia, Nutrição e Desempenho Humano. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1998. Projeto, Saúde, Bombeiros e Sociedade, disponível em http://www. cb.ce.gov.br. Acesso em: 07 de janeiro de 2002. ROBSON, S. Experimental studies of physical fitness in elation to age. Arbeitsphysiologie, 1938. SALTIN B. Sport medicine for the mature athlete. 1 ed. Indianapolis:

Benchmark Press, 1986. SANT’ANNA, Fátima Amorim; DANTAS, Estélio Henrique Martin; Autonomia e resistência aeróbica em idosos. FITNESS & Performace. Rio de Janeiro:

v.1, n.3, p. 47-58, maio/junho 2002. SILVEIRA JUNIOR, Antonio Augusto de Arruda. Musculação aplicada ao envelhecimento. 1 ed. Paraná: Gráfica Capital, 2001.

16

URBANA, P.B.M.; CHAKUR B.P. Exercícios físicos como tratamento não- farmacológico da hipertensão arterial. Revista Brasileira de Hipertensão. São Paulo, v.1, n.2, p. 134-135, abril/junho 2003. WAGORN, Yvonne; THEBERGE, Sonia; ORBAN, William A. R. Manual de Ginástica e bem estar da terceira idade. 1. ed. São Paulo: Marco Zero, 1993. WILMORE, Jack. H. ; COSTILL, David. L. Fisiologia do Esporte e do Exercício. 2 ed. São Paulo: Manole, 2001. WHO DIVISÃO DE SAÚDE MENTAL WHOQOL. Versão em português dos instrumentos de avaliação de qualidade de vida(WHOQOL), disponível em http://www.ufrgs.br/psiq/whoqol.html. Acesso em: 07 de janeiro de 2002.

17

ANEXO I

18

ANEXO II

19

QUESTIONÁRIO

1)

Idade

Sexo

Escolaridade

2)

Trabalho antes da aposentadoria

3)

Há quantos anos esta na condição de aposentado?

(

) uma ano ( ) dois anos (

) três anos (

) quatro anos ( ) cinco anos ( ) mais de cinco

4)

Alguma doença desenvolvida ao longo da aposentadoria, qual(is)?

5)

Há quanto tempo participa do Projeto?

(

) três meses ( ) seis meses ( )um ano ( ) um ano e meio ( )dois anos

6)

Qual a freqüência , por semana, vai ao projeto?

(

) uma vez ( ) duas vezes ( ) três vezes

7)

Após entrar no projeto sua vida social mudou?

(

) não ( ) muito pouco ( ) razoável ( )muito

 

8) Você sente mais disposição para visitar amigos e parentes?

( ) não (

9) Com a pratica de atividade física seus problemas de saúde melhoraram?

( ) não ( ) muito pouco ( ) razoável ( ) muito

10) Você sente disposição para freqüentar as aulas?

( ) não (

11) Você concorda com o horário para inicio da atividade física?

( ) não (

12) Se não concorda diga qual o melhor horário para realizar as aulas do Projeto?

) sim

) sim

) sim

13) Na sua opinião os bombeiros são capacitados para ministrarem as aulas?

( ) não ( ) muito pouco ( ) razoável ( ) muito

14) As maneiras dos bombeiros ministrarem as aulas são agradáveis?

( ) não ( ) muito pouco ( ) razoável ( ) muito

15) Se você pudesse iria para outro núcleo, por causa dos bombeiros que ministram aula

no projeto?

) sim

( ) não (

Se a resposta foi sim explique o motivo?

20

16) Atribua uma nota de 0 a 10 ao núcleo que você participa levando em consideração a organização do projeto e o interesse dos bombeiros.

21

ANEXO II

22

22