Sei sulla pagina 1di 8

ESTRUTURAS DE CONCRETO – CAPÍTULO 3

Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos.

AÇOS PARA ARMADURAS

31 de março, 2003.

3.1 DEFINIÇÃO E IMPORTÂNCIA

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%).

Os aços estruturais para construção civil possuem teores de carbono da ordem de 0,18% a 0,25%. Entre outras propriedades, o aço apresenta resistência e ductilidade, muito importantes para a Engenharia Civil.

Como o concreto simples apresenta pequena resistência à tração e é frágil, é altamente conveniente a associação do aço ao concreto, obtendo-se o concreto armado.

Este material, adequadamente dimensionado e detalhado, resiste muito bem à maioria dos tipos de solicitação. Mesmo em peças comprimidas, além de fornecer ductilidade, o aço aumenta a resistência à compressão.

3.2 OBTENÇÃO DO PRODUTO SIDERÚRGICO

Para a obtenção do aço são necessárias basicamente duas matérias-primas:

minério de ferro e coque. O processo de obtenção denomina-se siderurgia, que começa com a chegada do minério de ferro e vai até o produto final a ser utilizado no mercado.

O minério de ferro de maior emprego na siderurgia é a hematita (Fe 2 O 3 ), sendo o Brasil um dos grandes produtores mundiais.

USP – EESC – Departamento de Engenharia de Estruturas

os para armaduras

Coque é o resíduo sólido da destilação do carvão mineral. É combustível e

possui carbono. Em temperaturas elevadas, as reações químicas que ocorrem entre

o coque e o minério de ferro, separam o ferro do oxigênio. Este reage com o carbono do coque, formando dióxido de carbono (CO 2 ), principalmente.

Também é utilizado um fundente, como o calcário, que abaixa o ponto de fusão da mistura.

Minério de ferro, coque e fundente são colocados pelo topo dos altos-fornos,

e na base é injetado ar quente. Um alto forno chega a ter altura de 50m a 100m. A temperatura varia de 1000°C no topo a 1500°C na base.

A combinação do carbono do coque com o oxigênio do minério libera calor.

Simultaneamente, a combustão do carvão com o oxigênio do ar fornece calor para fundir o metal. O ponto de fusão é diminuído pelo fundente.

Na base do alto forno obtém-se ferro gusa, que é quebradiço e tem baixa resistência, por apresentar altos teores de carbono e de outros materiais, entre os quais silício, manganês, fósforo e enxofre.

A transformação de gusa em aço ocorre nas aciarias, com a diminuição do

teor de carbono. São introduzidas quantidades controladas de oxigênio, que reagem com o carbono formando CO 2 .

3.3 TRATAMENTO MECÂNICO DOS AÇOS

O aço obtido nas aciarias apresenta granulação grosseira, é quebradiço e de

baixa resistência. Para aplicações estruturais, ele precisa sofrer modificações, o que é feito basicamente por dois tipos de tratamento: a quente e a frio.

a) Tratamento a quente

Este tratamento consiste na laminação, forjamento ou estiramento do aço, realizado em temperaturas acima de 720°C (zona crítica).

3.2

USP – EESC – Departamento de Engenharia de Estruturas

os para armaduras

Nessas temperaturas há uma modificação da estrutura interna do aço, ocorrendo homogeneização e recristalização com redução do tamanho dos grãos, melhorando as características mecânicas do material.

O aço obtido nessa situação apresenta melhor trabalhabilidade, aceita solda

comum, possui diagrama tensão-deformação com patamar de escoamento, e resiste

a incêndios moderados, perdendo resistência, apenas, com temperaturas acima de 1150 °C (Figura 3.1).

Estão incluídos neste grupo os aços CA-25 e CA-50.

3.1 ). Estão incluídos neste grupo os aços CA-25 e CA-50. Figura 3.1 - Diagrama tensão-deformação

Figura 3.1 - Diagrama tensão-deformação de aços tratados a quente

Na Figura 3.1 tem-se:

P: força aplicada; A: área da seção em cada instante;

A 0 : área inicial da seção; a: ponto da curva correspondente à resistência convencional; b: ponto da curva correspondente à resistência aparente;

c: ponto da curva correspondente à resistência real.

3.3

USP – EESC – Departamento de Engenharia de Estruturas

os para armaduras

b) Tratamento a frio ou encruamento

Neste tratamento ocorre uma deformação dos grãos por meio de tração, compressão ou torção, e resulta no aumento da resistência mecânica e da dureza, e diminuição da resistência à corrosão e da ductilidade, ou seja, decréscimo do alongamento e da estricção.

O processo é realizado abaixo da zona de temperatura crítica (720 °C). Os grãos permanecem deformados e diz-se que o aço está encruado.

Nesta situação, os diagramas de tensão-deformação dos aços apresentam patamar de escoamento convencional, torna-se mais difícil a solda e, à temperatura da ordem de 600°C, o encruamento é perdido (Figura 3.2).

Está incluído neste grupo o aço CA-60.

( Figura 3.2 ). Está incluído neste grupo o aço CA-60. Figura 3.2 - Diagrama tensão-deformação

Figura 3.2 - Diagrama tensão-deformação de aços tratados a frio

Na Figura 3.2, tem-se:

P: força aplicada; A: área da seção em cada instante; A 0 : área inicial da seção; a: ponto da curva correspondente à resistência convencional; b: ponto da curva correspondente à resistência aparente; c: ponto da curva correspondente à resistência real.

3.4

USP – EESC – Departamento de Engenharia de Estruturas

os para armaduras

3.4 BARRAS E FIOS

A NBR 7480 (1996) fixa as condições exigíveis na encomenda, fabricação e

fornecimento de barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado.

Essa Norma classifica barras os produtos de diâmetro nominal 5 ou superior,

obtidos exclusivamente por laminação a quente, e como fios aqueles de diâmetro

nominal 10 ou inferior, obtidos por trefilação ou processo equivalente, como por

exemplo estiramento. Esta classificação pode ser visualizada na Tabela 3.1.

Tabela 3.1 – Diâmetros nominais conforme a NBR 7480 (1996)

BARRAS Ø >= 5

Laminação a Quente

 

CA - 25

CA - 50

 

5

6,3

8

10

12,5

16

20

22

25

32

40

 

FIOS

Ø <= 10

Laminação a Frio

 
 

CA - 60

 

2,4

3,4

3,8

4,2

4,6

5,0

5,5

6,0

6,4

7,0

8,0

9,5

10

O comprimento normal de fabricação de barras e fios é de 11m, com

tolerância de 9%, mas nunca inferior a 6m. Porém, comercialmente são encontradas

barras de 12m, levando-se em consideração possíveis perdas que ocorrem no

processo de corte.

3.5 CARACTERÍSTICAS MECÂNICAS

As características mecânicas mais importantes para a definição de um aço

são o limite elástico, a resistência e o alongamento na ruptura. Essas características

são determinadas através de ensaios de tração.

O limite elástico é a máxima tensão que o material pode suportar sem que

se produzam deformações plásticas ou remanescentes, além de certos limites.

3.5

USP – EESC – Departamento de Engenharia de Estruturas

os para armaduras

Resistência é a máxima força de tração que a barra suporta, dividida pela área de seção transversal inicial do corpo-de-prova.

Alongamento na ruptura é o aumento do comprimento do corpo-de-prova correspondente à ruptura, expresso em porcentagem.

Os aços para concreto armado devem obedecer aos requisitos:

Ductilidade e homogeneidade;

Valor elevado da relação entre limite de resistência e limite de escoamento;

Soldabilidade;

Resistência razoável a corrosão.

A ductilidade é a capacidade do material de se deformar plasticamente sem

romper. Pode ser medida por meio do alongamento (ε) ou da estricção. Quanto mais dúctil o aço, maior é a redução de área ou o alongamento antes da ruptura. Um material não dúctil, como por exemplo o ferro fundido, não se deforma plasticamente antes da ruptura. Diz-se, então, que o material possui comportamento frágil.

O aço para armadura passiva tem massa específica de 7850 kg/m 3 ,

coeficiente de dilatação térmica α = 10 -5 /°C para -20°C < T < 150°C e módulo de elasticidade de 210 GPa.

3.6

ADERÊNCIA

A própria existência do material concreto armado decorre da solidariedade

existente entre o concreto simples e as barras de aço. Qualitativamente, a aderência

pode ser dividida em: aderência por adesão, aderência por atrito e aderência mecânica.

A adesão resulta das ligações físico-químicas que se estabelecem na

interface dos dois materiais, durante as reações de pega do cimento.

3.6

USP – EESC – Departamento de Engenharia de Estruturas

os para armaduras

O atrito é notado ao se processar o arrancamento da barra de aço do bloco

de concreto que a envolve. As forças de atrito dependem do coeficiente de atrito

entre aço e o concreto, o qual é função da rugosidade superficial da barra, e

decorrem da existência de uma pressão transversal, exercida pelo concreto sobre a

barra.

A aderência mecânica é decorrente da existência de nervuras ou entalhes

na superfície da barra. Este efeito também é encontrado nas barras lisas, em razão

da existência de irregularidades próprias originadas no processo de laminação das

barras.

As nervuras e os entalhes têm como função aumentar a aderência da barra

ao concreto, proporcionando a atuação conjunta do aço e do concreto.

A influência desse comportamento solidário entre o concreto simples e as

barras de aço é medida quantitativamente através do coeficiente de conformação

superficial das barras (η). A NBR 7480 (1996) estabelece os valores mínimos para

η 1 , apresentados na Tabela 3.2.

Tabela 3.2 – Valores mínimos de η para φ ≥ 10mm

Categoria

CA-25

CA-50

CA-60

Coeficiente de conformação superficial mínimo para Ø >= 10mm

1,0

1,5

1,5

As barras da categoria CA–50 são obrigatoriamente providas de nervuras

transversais ou oblíquas.

Os fios de diâmetro nominal inferior a 10mm (CA–60) podem ser lisos

(η = 1,0), mas os fios de diâmetro nominal igual a 10mm ou superior devem ter

obrigatoriamente entalhes ou nervuras, de forma a atender o coeficiente de

conformação superficial η.

3.7

USP – EESC – Departamento de Engenharia de Estruturas

os para armaduras

3.7 DIAGRAMA DE CÁLCULO

O diagrama de cálculo, tanto para aço tratado a quente quanto tratado a frio, é o indicado na Figura 3.3.

quanto tratado a frio, é o indicado na Figura 3.3 . Figura 3.3 - Diagrama tensão-deformação

Figura 3.3 - Diagrama tensão-deformação para cálculo

f yk : resistência característica do aço à tração f yd : resistência de cálculo do aço à tração, igual a f yk / 1,15 f yck : resistência característica do aço à compressão; se não houver determinação experimental: f yck = f yk f ycd : resistência de cálculo do aço à compressão, igual a f yck /1,15 ε yd : deformação específica de escoamento (valor de cálculo)

O diagrama indicado na Figura 3.3 representa um material elastoplástico perfeito. Os alongamentos (ε s ) são limitados a 10%o e os encurtamentos a 3,5%o, no caso de flexão simples ou composta, e a 2%o, no caso de compressão simples. Esses encurtamentos são fixados em função dos valores máximos adotados para o material concreto.

3.8