Sei sulla pagina 1di 55
Prova I de Anatomia Veterinária II – Mateus Ribeiro

Prova I de Anatomia Veterinária II Mateus Ribeiro

Prova I de Anatomia Veterinária II – Mateus Ribeiro
Prova I de Anatomia Veterinária II – Mateus Ribeiro
Prova I de Anatomia Veterinária II – Mateus Ribeiro
 Boca : -Cavidade oral + vestíbulo oral.  Lábios: -Plano nasolabial frontal(suíno) (bovino), -Papilas

Boca :

-Cavidade oral + vestíbulo oral.

Lábios:

-Plano

nasolabial

frontal(suíno)

(bovino),

-Papilas cônicas(Bovinos)

-Glândulas nasolabiais -Glândulas labiais

nasal(carnívoro

e

peq.

Rum.),

Bochechas:

-Papilas cônicas ou bucais (Bovinos)

-Glândulas bucais(ventrais, dorsais e médias) com seus orifícios

nos vestíbulo da boca e orifício do ducto parotídeo(M2).

bucais(ventrais, dorsais e médias) com seus orifícios nos vestíbulo da boca e orifício do ducto parotídeo(M2).
bucais(ventrais, dorsais e médias) com seus orifícios nos vestíbulo da boca e orifício do ducto parotídeo(M2).
 Assoalho da boca: -Frênulo da língua -Recessos sublinguais laterais -Orifícios dos ductos sublinguais -Carúncula

Assoalho da boca:

-Frênulo da língua

-Recessos sublinguais laterais -Orifícios dos ductos sublinguais

-Carúncula sublingual (com os orifícios dos ductos sublinguais e

mandibular).

Palato duro:

-Pulvino dentário(ruminantes), -Rugas palatinas -Rafe palatina(crista palatina carnivoros) -Papila incisiva (entre o pulvino dentário e a primeira ruga palatina) -Ducto incisivo (nos lados da papila incisiva) -Orifícios das glândulas palatinas (terço caudal)

ruga palatina) -Ducto incisivo (nos lados da papila incisiva) -Orifícios das glândulas palatinas (terço caudal)
ruga palatina) -Ducto incisivo (nos lados da papila incisiva) -Orifícios das glândulas palatinas (terço caudal)
ruga palatina) -Ducto incisivo (nos lados da papila incisiva) -Orifícios das glândulas palatinas (terço caudal)
ruga palatina) -Ducto incisivo (nos lados da papila incisiva) -Orifícios das glândulas palatinas (terço caudal)
 Língua : - Raiz+corpo+ápice -Toro da língua(ruminantes) -Fossa lingual(ruminantes) -Papilas filiformes (metade

Língua :

- Raiz+corpo+ápice

-Toro da língua(ruminantes)

-Fossa lingual(ruminantes)

-Papilas filiformes (metade apical do dorso, rostral ao toro nos

rum.)

-Papilas fungiformes(distribuídas entre as papilas filiformes corpúsculos gustativos)

-Papilas cônicas (próximas ao toro nos rum.)

-Papilas lentiformes (no toro nos rum.)

-Papilas valadas (corpúsculos gustativos) -Glândulas linguais -Tonsilas linguais(agregado de folículos linguais)

rum.) -Papilas valadas (corpúsculos gustativos) -Glândulas linguais -Tonsilas linguais(agregado de folículos linguais)
rum.) -Papilas valadas (corpúsculos gustativos) -Glândulas linguais -Tonsilas linguais(agregado de folículos linguais)
rum.) -Papilas valadas (corpúsculos gustativos) -Glândulas linguais -Tonsilas linguais(agregado de folículos linguais)
rum.) -Papilas valadas (corpúsculos gustativos) -Glândulas linguais -Tonsilas linguais(agregado de folículos linguais)
 Dentes: - Hipsodontes (coroa longa) e Braquiodontes (raiz longa) -Coroa+colo+raiz -Cemento+esmalte+dentina -Faces

Dentes:

- Hipsodontes (coroa longa) e Braquiodontes (raiz longa)

-Coroa+colo+raiz -Cemento+esmalte+dentina -Faces oclusal, mesial, distal, vestibular e lingual. -Ligamento periodontal

-Sem incisivos superiores e caninos (pulvino dentário - ruminantes)

-Fórmula dos dentes permanentes do ruminantes:

0

0

3

3

2(I-C-P-M)=32

4

0

3

3

e caninos (pulvino dentário - ruminantes) -Fórmula dos dentes permanentes do ruminantes: 0 0 3 3
e caninos (pulvino dentário - ruminantes) -Fórmula dos dentes permanentes do ruminantes: 0 0 3 3
e caninos (pulvino dentário - ruminantes) -Fórmula dos dentes permanentes do ruminantes: 0 0 3 3
e caninos (pulvino dentário - ruminantes) -Fórmula dos dentes permanentes do ruminantes: 0 0 3 3
-Fórmula dos dentes permanentes dos equinos: 3 2(I-C-P-M)=42 1/0 3/4 3 3 1/0 3 3

-Fórmula dos dentes permanentes dos equinos:

3

2(I-C-P-M)=42

1/0 3/4

3

3

1/0

3

3

-Fórmula dos dentes permanentes dos carnívoros:

Felinos

3

1

3

1

2(I-C-P-M)=30

3

1

2

1

Caninos

3

1

4

2

2(I-C-P-M)=42

3

1

4

3

-Fórmula dos dentes permanentes dos suínos:

3

1

4

3

2(I-C-P-M)=44

3

1

4

3

3 1 2 1 Caninos 3 1 4 2 2(I-C-P-M)=42 3 1 4 3 -Fórmula dos
3 1 2 1 Caninos 3 1 4 2 2(I-C-P-M)=42 3 1 4 3 -Fórmula dos
3 1 2 1 Caninos 3 1 4 2 2(I-C-P-M)=42 3 1 4 3 -Fórmula dos
3 1 2 1 Caninos 3 1 4 2 2(I-C-P-M)=42 3 1 4 3 -Fórmula dos
 Glândulas salivares: -Parótida(larga, estreita e triangular no músculo masseter ao longo da borda caudal

Glândulas salivares:

-Parótida(larga, estreita e triangular no músculo masseter ao

longo da borda caudal do ramo da mandíbula). Seu ducto se abre na bochecha na altura do segundo molar.

-Mandibular (maior do que a parótida, em forma de curva no

lado medial do ângulo da mandíbula). Seu ducto se abre na

carúncula sublingual.

-Sublingual(polistomática situada sob a túnica mucosa do assoalho da boca e seus ductos se abrem na prega sublingual

e monostomática ventralmente a metade rostral da

polistomática e seus ductos se abrem se abrem ao lado do orifício do ducto mandibular ou então junto a ele)

rostral da polistomática e seus ductos se abrem se abrem ao lado do orifício do ducto
rostral da polistomática e seus ductos se abrem se abrem ao lado do orifício do ducto
rostral da polistomática e seus ductos se abrem se abrem ao lado do orifício do ducto
rostral da polistomática e seus ductos se abrem se abrem ao lado do orifício do ducto
 Palato mole: caudal ao palato duro, separa a nasofaringe da orofaringe. -Arco palatofaringeo -Óstio

Palato mole: caudal ao palato duro, separa a nasofaringe da

orofaringe.

-Arco palatofaringeo -Óstio intrafaringeo(arcos palatofaringeos+borda livre do palato mole) entre a nasofaringe e a laringofaringe.

-Arco palatoglosso(direito e esquerdo - formam o ádito da

faringe) entre a boca e a orofaringe.

Nasofaringe: parte nasal da faringe, dorsal ao palato mole, da coana ao óstio intrafaringeo. -Óstio faringeo da tuba auditiva -Prega salpingofaringea

-Recesso faríngeo(dorsal e caudal ao orifício)

intrafaringeo. -Óstio faringeo da tuba auditiva -Prega salpingofaringea -Recesso faríngeo(dorsal e caudal ao orifício)
intrafaringeo. -Óstio faringeo da tuba auditiva -Prega salpingofaringea -Recesso faríngeo(dorsal e caudal ao orifício)
intrafaringeo. -Óstio faringeo da tuba auditiva -Prega salpingofaringea -Recesso faríngeo(dorsal e caudal ao orifício)
intrafaringeo. -Óstio faringeo da tuba auditiva -Prega salpingofaringea -Recesso faríngeo(dorsal e caudal ao orifício)
 Orofaringe: parte oral da faringe, entre o palato mole e a raiz da língua

Orofaringe: parte oral da faringe, entre o palato mole e a raiz

da língua e se estende do ádito da faringe até a epiglote.

-Fauces(paredes laterais da orofaringe)

Laringofaringe: parte laríngea da faringe, dorsal e lateral à laringe e, ventralmente, ao arco palatofaríngeo. Ela continua para dentro do esôfago. -Recesso piriforme(passagem da orofaringe ao redor da laringe)

arco palatofaríngeo. Ela continua para dentro do esôfago. -Recesso piriforme(passagem da orofaringe ao redor da laringe)
arco palatofaríngeo. Ela continua para dentro do esôfago. -Recesso piriforme(passagem da orofaringe ao redor da laringe)
arco palatofaríngeo. Ela continua para dentro do esôfago. -Recesso piriforme(passagem da orofaringe ao redor da laringe)
arco palatofaríngeo. Ela continua para dentro do esôfago. -Recesso piriforme(passagem da orofaringe ao redor da laringe)
-Se estende da junção com a faringe(óstio esofágico) até o óstio cárdia. -Tubo musculomenbranoso que

-Se estende da junção com a faringe(óstio esofágico) até o

óstio cárdia.

-Tubo musculomenbranoso que comunica a faringe com o estômago.

-Tem partes cervical e torácica, não tem parte abdominal

porque o estômago está colado ao diafragma.

-No terço cranial do pescoço está dorsalmente a traquéia, na 3ª vértebra cervical ele inclina-se para a superfície esquerda da traquéia e mantém esse relação até a 6ª vértebra cervical,

onde se inclina um pouco dorsalmente.

-Passa pelo hiato esofágico no diafragma junto com o ramo esofágico da artéria gástrica esquerda e com os troncos vagais dorsal e ventral.

no diafragma junto com o ramo esofágico da artéria gástrica esquerda e com os troncos vagais
no diafragma junto com o ramo esofágico da artéria gástrica esquerda e com os troncos vagais
no diafragma junto com o ramo esofágico da artéria gástrica esquerda e com os troncos vagais
no diafragma junto com o ramo esofágico da artéria gástrica esquerda e com os troncos vagais
-Ocupa quase três quartos da cavidade abdominal, ele preenche quase que toda a metade esquerda

-Ocupa

quase

três

quartos

da

cavidade

abdominal,

ele

preenche quase que toda a metade esquerda da cavidade.

-Consiste de quatro compartimentos: o rúmen, o retículo, o omaso e o abomaso. -O rúmen,o retículo e o omaso compreendem o pré-estômago

ou pró-ventrículo com mucosa não glandular.

-O abomaso possui mucosa glandular. -O esôfago se abre numa cavidade entre o rúmen e o retículo, o átrio do estômago.

-O sulco gástrico é dividido em três partes por dois orifícios internos, o óstio retículo-omásico e o óstio omaso- abomásico. Do cárdia até o retículo-omásico é sulco ruminorreticular, entre o óstio retículo-omásico e o omaso- abomásico é o sulco do omaso e a última parte se estende

pela curvatura menor do abomaso é a parte do abomaso.

omaso- abomásico é o sulco do omaso e a última parte se estende pela curvatura menor
omaso- abomásico é o sulco do omaso e a última parte se estende pela curvatura menor
omaso- abomásico é o sulco do omaso e a última parte se estende pela curvatura menor
omaso- abomásico é o sulco do omaso e a última parte se estende pela curvatura menor
 Rúmen Externamente: -Face visceral ou direita: relaciona-se com omaso, abomaso, intestino, fígado, pâncreas, rin

Rúmen Externamente:

-Face visceral ou direita: relaciona-se com omaso, abomaso,

intestino, fígado, pâncreas, rin esquerdo, glândula supra-renal esquerda, aorta e veia cava caudal. -Face parietal ou esquerda: relacionada ao diafragma, parede do abdômen e ao baço.

-Curvatura dorsal: afixada ao diafragma e aos músculos sublombares. -Curvatura ventral: no assoalho do abdômen. -Sulcos Longitudinais direito e esquerdo

-Sulco acessório(dorsal ao longitudinal direito)

-Ínsula do rúmen -Sulco cranial -Sulco caudal

-Sacos dorsal e ventral

-Sulco acessório(dorsal ao longitudinal direito) -Ínsula do rúmen -Sulco cranial -Sulco caudal -Sacos dorsal e ventral
-Sulco acessório(dorsal ao longitudinal direito) -Ínsula do rúmen -Sulco cranial -Sulco caudal -Sacos dorsal e ventral
-Sulco acessório(dorsal ao longitudinal direito) -Ínsula do rúmen -Sulco cranial -Sulco caudal -Sacos dorsal e ventral
-Sulco acessório(dorsal ao longitudinal direito) -Ínsula do rúmen -Sulco cranial -Sulco caudal -Sacos dorsal e ventral
-Sulco ruminorreticular (demarcação entre o saco cranial e o retículo) -Sacos cegos caudodorsal e caudoventral

-Sulco ruminorreticular (demarcação entre o saco cranial e o

retículo)

-Sacos cegos caudodorsal e caudoventral

-Sulcos coronários dorsal e ventral

Rúmen internamente:

-Óstio ruminorreticular

-Prega Ruminorreticular(limita o óstio)

-Cárdia -Pilar cranial -Pilar longitudinal direito -Pilar longitudinal esquerdo -Pilar caudal -Pilar coronário dorsal -Pilar coronário ventral -Papilas Ruminais

-Ínsula do rúmen

esquerdo -Pilar caudal -Pilar coronário dorsal -Pilar coronário ventral -Papilas Ruminais -Ínsula do rúmen
esquerdo -Pilar caudal -Pilar coronário dorsal -Pilar coronário ventral -Papilas Ruminais -Ínsula do rúmen
esquerdo -Pilar caudal -Pilar coronário dorsal -Pilar coronário ventral -Papilas Ruminais -Ínsula do rúmen
esquerdo -Pilar caudal -Pilar coronário dorsal -Pilar coronário ventral -Papilas Ruminais -Ínsula do rúmen
 Retículo externamente:entre as 6ª,7ª e 8ª costelas. -Face diafragmática -Face visceral -Óstio
Retículo externamente:entre as 6ª,7ª e 8ª costelas.
-Face diafragmática
-Face visceral
-Óstio ruminorreticular

-Curvatura menor(orienta-se para a direita dorsalmente ligada ao

omaso) -Curvatura maior(orienta-se para esquerda ventralmente contra o diafragma) -O fundo do retículo fica em contato com a parte esternal do diafragma, com o fígado, omaso e abomaso.

Retículo internamente:

-Sulco reticular(primeira parte do sulco gástrico, formado pelos lábios esquerdo e direito) -Mucosa projetada em pregas que formam uma rede em forma de colméia. -Prega ruminorreticular (papilada como o rúmen) -Óstio reticulo-omásico

que formam uma rede em forma de colméia. -Prega ruminorreticular (papilada como o rúmen) -Óstio reticulo-omásico
que formam uma rede em forma de colméia. -Prega ruminorreticular (papilada como o rúmen) -Óstio reticulo-omásico
que formam uma rede em forma de colméia. -Prega ruminorreticular (papilada como o rúmen) -Óstio reticulo-omásico
que formam uma rede em forma de colméia. -Prega ruminorreticular (papilada como o rúmen) -Óstio reticulo-omásico
 Omaso externamente: claramente separado dos outros compartimentos, a direita do plano mediano e oposto
Omaso externamente: claramente separado dos outros
compartimentos, a direita do plano mediano e oposto da 7ª à
11ª costelas.

-Face parietal(direita, cranialmente, relacionado com diafragma e

com fígado e a parte ventral com o abdômen)

-Face visceral(esquerda, em contato com rúmen, retículo e abomaso) -Curvatura dorsal(dorsocaudalmente) -Base(cranial e ventralmente para esquerda)

-Colo do omaso(onde liga-se ao retículo)

-Óstio omaso-abomásico

Omaso internamente:

-Lâminas do omaso -Recessos interlaminares -Sulco do omaso(segunda parte de sulco gástrico) -Óstio omaso-abomásico -Pilar do omaso(limita o óstio omaso-abomásico)

do omaso(segunda parte de sulco gástrico) -Óstio omaso-abomásico -Pilar do omaso(limita o óstio omaso-abomásico)
do omaso(segunda parte de sulco gástrico) -Óstio omaso-abomásico -Pilar do omaso(limita o óstio omaso-abomásico)
do omaso(segunda parte de sulco gástrico) -Óstio omaso-abomásico -Pilar do omaso(limita o óstio omaso-abomásico)
do omaso(segunda parte de sulco gástrico) -Óstio omaso-abomásico -Pilar do omaso(limita o óstio omaso-abomásico)
 Abomaso externamente: é um saco alongado situado no assoalho abdominal. -Fundo(no assoalho na região

Abomaso externamente: é um saco alongado situado no

assoalho abdominal.

-Fundo(no assoalho na região xifóide em relação com retículo)

-Corpo(caudalmente entre o saco ventral do rúmen e o omaso à esquerda)

-Parte pilórica(dobra para direita caudalmente ao omaso e inclina-

se dorsalmente em direção ao duodeno)

-Face parietal(em contato com a parede de abdômen) -Face visceral(relacionada ao rúmen e ao omaso) -Curvatura maior(ligada ao omento maior) -Curvatura menor(ligada ao omento menor-face parietal ao fígado)

Abomaso internamente:

-Pregas do abomaso -Sulco do abomaso(terceiro segmento do sulco gástrico)

-Tórus pilórico -Piloro(9º ou 10º espaço intercostal)

abomaso -Sulco do abomaso(terceiro segmento do sulco gástrico) -Tórus pilórico -Piloro(9º ou 10º espaço intercostal)
abomaso -Sulco do abomaso(terceiro segmento do sulco gástrico) -Tórus pilórico -Piloro(9º ou 10º espaço intercostal)
abomaso -Sulco do abomaso(terceiro segmento do sulco gástrico) -Tórus pilórico -Piloro(9º ou 10º espaço intercostal)
abomaso -Sulco do abomaso(terceiro segmento do sulco gástrico) -Tórus pilórico -Piloro(9º ou 10º espaço intercostal)
 É composto de três partes: cárdica, corpo e fundica.  Óstio cardia.  Piloro.

É composto de três partes: cárdica, corpo e

fundica.

Óstio cardia.

Piloro.

Curvatura Maior, curvatura menor, incisura cárdica e incisura angular.

Faces parietal e visceral

Margo plicatus(equino e suíno) divide o estômago em parte glandular e aglandular.

Carnívoros tem o estômago todo glandular.

Divertículo gástrico(suínos) - aloja gases.

Camadas musculares: Oblíqua interna, circular

média e longitudinal externa.

gástrico(suínos) - aloja gases.  Camadas musculares: Oblíqua interna, circular média e longitudinal externa.
gástrico(suínos) - aloja gases.  Camadas musculares: Oblíqua interna, circular média e longitudinal externa.
gástrico(suínos) - aloja gases.  Camadas musculares: Oblíqua interna, circular média e longitudinal externa.
gástrico(suínos) - aloja gases.  Camadas musculares: Oblíqua interna, circular média e longitudinal externa.
 Omento menor: se divide em duas partes: omento menor entre o estômago e o

Omento menor:se divide em duas partes: omento menor

entre o estômago e o fígado e os ligamentos hepáticos entre

o fígado e a parede abdominal. Está em posição lateral

direita, estendendo-se da curvatura menor do estômago até

o fígado. Sua parte terminal é fixada a parte cranial do

duodeno, o ligamento hepato-duodenal.

Omento maior:se fixa no rúmen e à face medial do duodeno, liga a curvatura maior do estômago à parede abdominal.Se divide em parte superficial(que passa ventral a parede

profunda e ao saco ventral do rúmen e se liga ao sulco

longitudinal esquerdo) e parte profunda(fundida com a parede superficial ao longo do duodeno descendente, passa ventral ao redor da massa intestinal e dorsalmente até sua fixação no sulco longitudinal direito do rúmen).

passa ventral ao redor da massa intestinal e dorsalmente até sua fixação no sulco longitudinal direito
passa ventral ao redor da massa intestinal e dorsalmente até sua fixação no sulco longitudinal direito
passa ventral ao redor da massa intestinal e dorsalmente até sua fixação no sulco longitudinal direito
passa ventral ao redor da massa intestinal e dorsalmente até sua fixação no sulco longitudinal direito
 Omento Maior (fixada na curvatura maior do estômago, parte esquerda do cólon, pâncreas e

Omento Maior (fixada na curvatura maior do estômago, parte esquerda do cólon, pâncreas e baço => ligamentos gastro-esplênico.)

Omento

Menor

(se

estende

da

curvatura

menor do estômago ao fígado => ligamento hepato-gástrico)

 Omento Menor (se estende da curvatura menor do estômago ao fígado => ligamento hepato-gástrico)
 Omento Menor (se estende da curvatura menor do estômago ao fígado => ligamento hepato-gástrico)
 Omento Menor (se estende da curvatura menor do estômago ao fígado => ligamento hepato-gástrico)
 Omento Menor (se estende da curvatura menor do estômago ao fígado => ligamento hepato-gástrico)
 Intestino Delgado: Duodeno+Jejuno+Íleo  Intestino Grosso: Ceco+Cólon+Reto  As diferenças entre as

Intestino Delgado: Duodeno+Jejuno+Íleo

Intestino Grosso: Ceco+Cólon+Reto

As

diferenças

entre

as

espécies

são

no

intestino grosso,

mais especificamente

no

Ceco e no cólon ascendente.

entre as espécies são no intestino grosso, mais especificamente no Ceco e no cólon ascendente.
entre as espécies são no intestino grosso, mais especificamente no Ceco e no cólon ascendente.
entre as espécies são no intestino grosso, mais especificamente no Ceco e no cólon ascendente.
entre as espécies são no intestino grosso, mais especificamente no Ceco e no cólon ascendente.
 Duodeno+Jejuno+Íleo  Duodeno:Flexura duodenal cranial+Duodeno descendente+Flexura duodenal caudal+ Duodeno

Duodeno+Jejuno+Íleo

Duodeno:Flexura duodenal cranial+Duodeno descendente+Flexura duodenal caudal+ Duodeno ascendente+ Flexura duodeno- jejunal. Jejuno: Alças jejunais com o mesentério.

Íleo: Região onde o ceco se encontra ligado. -Prega íleo-cecal

 Jejuno: Alças jejunais com o mesentério.  Íleo: Região onde o ceco se encontra ligado.
 Jejuno: Alças jejunais com o mesentério.  Íleo: Região onde o ceco se encontra ligado.
 Jejuno: Alças jejunais com o mesentério.  Íleo: Região onde o ceco se encontra ligado.
 Jejuno: Alças jejunais com o mesentério.  Íleo: Região onde o ceco se encontra ligado.
 Ceco(desenvolvido em equinos, suínos e ruminantes)+Cólon ascendente(varia entre as espécies)+Cólon

Ceco(desenvolvido em equinos, suínos e ruminantes)+Cólon

ascendente(varia entre as espécies)+Cólon transverso+Cólon

descendente+Reto.

Ceco: câmara fermentativa dos equinos, com tênias e haustros, é desenvolvido em ruminantes e suínos e nos

carnívoros é uma apêndice afuncional.

-Base+corpo+ápice -Prega ceco-cólica -Óstios íleo-cecal e ceco-cólico (equinos e suínos) -Óstios íleo-cólico e ceco-cólico (carnívoros) -Prega interveniente

íleo-cecal e ceco-cólico (equinos e suínos) -Óstios íleo-cólico e ceco-cólico (carnívoros) -Prega interveniente
íleo-cecal e ceco-cólico (equinos e suínos) -Óstios íleo-cólico e ceco-cólico (carnívoros) -Prega interveniente
íleo-cecal e ceco-cólico (equinos e suínos) -Óstios íleo-cólico e ceco-cólico (carnívoros) -Prega interveniente
íleo-cecal e ceco-cólico (equinos e suínos) -Óstios íleo-cólico e ceco-cólico (carnívoros) -Prega interveniente
íleo-cecal e ceco-cólico (equinos e suínos) -Óstios íleo-cólico e ceco-cólico (carnívoros) -Prega interveniente
 Cólon ascendente: dividido em dorsal e ventral nos equinos, em forma de disco nos

Cólon ascendente: dividido em dorsal e ventral nos equinos, em forma de disco nos ruminantes, em forma de cone nos suínos e simples nos carnívoros.

em dorsal e ventral nos equinos, em forma de disco nos ruminantes, em forma de cone
em dorsal e ventral nos equinos, em forma de disco nos ruminantes, em forma de cone
em dorsal e ventral nos equinos, em forma de disco nos ruminantes, em forma de cone
em dorsal e ventral nos equinos, em forma de disco nos ruminantes, em forma de cone
 Equino: cólon ventral direito – flexura esternal/xifoideia – cólon ventral esquerdo – flexura pélvica

Equino: cólon ventral direito flexura

esternal/xifoideia cólon ventral esquerdo flexura pélvica cólon dorsal esquerdo flexura diafragmática cólon dorsal direito

cólon transverso cólon descendente reto. Cólon ventral tem haustros e tênias, diferente do dorsal.

cólon transverso – cólon descendente – reto.  Cólon ventral tem haustros e tênias, diferente do
cólon transverso – cólon descendente – reto.  Cólon ventral tem haustros e tênias, diferente do
cólon transverso – cólon descendente – reto.  Cólon ventral tem haustros e tênias, diferente do
cólon transverso – cólon descendente – reto.  Cólon ventral tem haustros e tênias, diferente do
 Ruminante:Ceco – cólon ascendente em forma de disco em espiral alojado no mesentério dividido

Ruminante:Ceco cólon ascendente em

forma de disco em espiral alojado no mesentério dividido em alça proximal, espiral e distal, sendo a espiral dividida em alças

centrípeta, flexura central e

centrífuga cólon transverso - cólon descendente reto.

dividida em alças centrípeta, flexura central e centrífuga – cólon transverso - cólon descendente – reto.
dividida em alças centrípeta, flexura central e centrífuga – cólon transverso - cólon descendente – reto.
dividida em alças centrípeta, flexura central e centrífuga – cólon transverso - cólon descendente – reto.
dividida em alças centrípeta, flexura central e centrífuga – cólon transverso - cólon descendente – reto.
dividida em alças centrípeta, flexura central e centrífuga – cólon transverso - cólon descendente – reto.
 Carnívoro:Ceco- cólon ascendente-flexura cólica esquerda- cólon transverso- flexura cólica direita- cólon

Carnívoro:Ceco- cólon ascendente-flexura cólica esquerda- cólon transverso- flexura cólica direita- cólon descendente reto.

cólon ascendente-flexura cólica esquerda- cólon transverso- flexura cólica direita- cólon descendente – reto.
cólon ascendente-flexura cólica esquerda- cólon transverso- flexura cólica direita- cólon descendente – reto.
cólon ascendente-flexura cólica esquerda- cólon transverso- flexura cólica direita- cólon descendente – reto.
cólon ascendente-flexura cólica esquerda- cólon transverso- flexura cólica direita- cólon descendente – reto.
cólon ascendente-flexura cólica esquerda- cólon transverso- flexura cólica direita- cólon descendente – reto.
 Suíno:Ceco – cólon ascendente em forma espiral cônica dividido em giros centrípetos, flexura central

Suíno:Ceco

cólon

ascendente em forma

espiral cônica dividido em giros centrípetos, flexura central e giros centrífugos colón transverso cólon descendente reto.

em giros centrípetos, flexura central e giros centrífugos – colón transverso – cólon descendente – reto.
em giros centrípetos, flexura central e giros centrífugos – colón transverso – cólon descendente – reto.
em giros centrípetos, flexura central e giros centrífugos – colón transverso – cólon descendente – reto.
em giros centrípetos, flexura central e giros centrífugos – colón transverso – cólon descendente – reto.
em giros centrípetos, flexura central e giros centrífugos – colón transverso – cólon descendente – reto.
 O que difere entre as espécies são os lobos que o compõe e os

O que difere entre as espécies são os lobos que o

compõe e os ligamentos.

Equino:LLE,LME,LD, LQU,LCA com PC.

Carnívoro:LLE,LME,LLD,LMD,LQU,LCA com PC e

PP.

Suíno:LLE,LME,LLD,LMD,LQU e LCA com PC.

Ruminante:LD,LE,LQU,LCA com PP e PC.

Ave:LD e LE.

Ligamentos: hepato-gástrico, hepato-duodenal, hepato-renal, ligamento coronário(diafragma), falciforme, redondo e triangulares direito e

esquerdo.

hepato-duodenal, hepato-renal, ligamento coronário(diafragma), falciforme, redondo e triangulares direito e esquerdo.
hepato-duodenal, hepato-renal, ligamento coronário(diafragma), falciforme, redondo e triangulares direito e esquerdo.
 Possui dois lobos, um direito e um esquerdo, variando entre as espécies em tamanho.

Possui dois lobos, um direito e um esquerdo,

variando entre as espécies em tamanho.

Apresenta as faces dorsal e ventral e as margens cranial, caudal, direita e esquerda.

Carnívoros: forma de ‘’U’’ com lobo central e dois corpos.

Ruminantes: alongado com corpo central e grande lobo direito. Suínos: com corpo extenso que circunda a veia porta, lobo esquerdo largo e direito pequeno.

Equinos: compacto com longo lobo esquerdo e pequeno lobo direito.

veia porta, lobo esquerdo largo e direito pequeno.  Equinos: compacto com longo lobo esquerdo e
veia porta, lobo esquerdo largo e direito pequeno.  Equinos: compacto com longo lobo esquerdo e
veia porta, lobo esquerdo largo e direito pequeno.  Equinos: compacto com longo lobo esquerdo e
veia porta, lobo esquerdo largo e direito pequeno.  Equinos: compacto com longo lobo esquerdo e
 Anatomia dos animais domésticos , Getty – Sisson/Grossman.  Spurgeon atlas colorido de anatomia

Anatomia dos animais domésticos , Getty Sisson/Grossman.

Spurgeon atlas colorido de anatomia de grandes animais, fundamentos Thomas O. McCracken, Robert A. Kainer & Thomas L. Spurgeon.

Atlas de anatomia topográfica dos animais domésticos Peter Popesko.

A. Kainer & Thomas L. Spurgeon.  Atlas de anatomia topográfica dos animais domésticos – Peter
A. Kainer & Thomas L. Spurgeon.  Atlas de anatomia topográfica dos animais domésticos – Peter
A. Kainer & Thomas L. Spurgeon.  Atlas de anatomia topográfica dos animais domésticos – Peter
A. Kainer & Thomas L. Spurgeon.  Atlas de anatomia topográfica dos animais domésticos – Peter