Sei sulla pagina 1di 29

Fisiologia Animal

Aula 1 – Homeostasia: adaptações ao ambiente externo e interno
Aula 1 – Homeostasia: adaptações
ao ambiente externo e interno
Prof Dr. Carlos Alexandre Fernandes
Prof Dr. Carlos Alexandre Fernandes
Fisiologia Animal Aula 1 – Homeostasia: adaptações ao ambiente externo e interno Prof Dr. Carlos Alexandre
Introdução à fisiologia animal

Introdução à fisiologia animal

Introdução à fisiologia animal
Introdução à fisiologia animal Para que o organismo funcione como uma unidade funcionalmente integrada são

Introdução à fisiologia animal

Introdução à fisiologia animal Para que o organismo funcione como uma unidade funcionalmente integrada são

Para que o organismo funcione como uma unidade funcionalmente integrada são

necessários mecanismos de monitoramento dos acontecimentos ambientais externo e interno (ou seja, de órgãos sensoriais), de processamento dos sinais e produção de

comandos (ou seja, do sistema nervoso e endócrino) e, finalmente, de execução coordenada das tarefas de ajustes (ou seja de um sistema muscular e glandular).

Homeostasia Homeostasia [ Homeo, igual; stasia, estado] “É o termo empregado para significar a tendência

Homeostasia

Homeostasia [Homeo, igual; stasia, estado]

“É o termo empregado para significar a tendência de os sistemas

biológicos resistirem a mudanças e permanecerem em estado de equilíbrio".

“ Todos os mecanismos vitais, apesar de sua diversidade, têm apenas uma

finalidade, a de manter constantes as condições de vida no ambiente interno.”

Claude Bernard

Homeostasia e sistemas de controle Sobrevivência 100% Tci= temperatura crítica inferior Tcs= temperatura crítica
Homeostasia e sistemas de controle
Sobrevivência 100%
Tci= temperatura crítica inferior
Tcs= temperatura crítica superior
Os seres vivos sofrem desafios
contínuos frente à instabilidade e
à imprevisibilidade do meio
ambiente externo. O ideal é se
manter dentro da zona de
tolerância e,
se
submetido
às
variações críticas (zona
resistência), esquivar-se dela.
de

Para realizar esses ajustes, os organismos necessitam de mecanismos detectores das

variações, mecanismos que proponham soluções corretivas e mecanismos que efetuam esses reajustes.

Animais conformadores X Animais reguladores
Animais conformadores X Animais reguladores
Homeostasia e sistemas de controle
Homeostasia e sistemas de controle
Homeostasia e sistemas de controle Ex. banho-maria com temperatura controlada 27 °C

Ex. banho-maria com temperatura controlada 27 °C

Homeostasia e sistemas de controle Ex. banho-maria com temperatura controlada 27 °C

Mecanismos homeostáticos

Mecanismos homeostáticos Há dois mecanismos universais utilizados pelos sistemas vivos para se realizar a regulação

Há dois mecanismos universais utilizados pelos sistemas vivos para se realizar a regulação dos parâmetros biológicos.

Há dois mecanismos universais utilizados pelos sistemas vivos para se realizar a regulação dos parâmetros biológicos.
Há dois mecanismos universais utilizados pelos sistemas vivos para se realizar a regulação dos parâmetros biológicos.
Feed back negativo
Feed back negativo
Feed back negativo Ex. no controle da pressão arterial Se a pressão arterial aumentar , como

Ex. no controle da pressão arterial

Se a pressão arterial aumentar , como

ela retorna ao normal?

Feed back negativo Ex. no controle da pressão arterial Se a pressão arterial aumentar , como

Mecanismos homeostáticos

Mecanismos homeostáticos Há dois mecanismos universais utilizados pelos sistemas vivos para se realizar a regulação

Há dois mecanismos universais utilizados pelos sistemas vivos para se realizar a regulação dos parâmetros biológicos.

+ Ex. Ovulação + Estradiol
+
Ex. Ovulação
+
Estradiol
Mecanismos homeostáticos positive_and_negative_feedback.swf Feedback negativo e positivo (animação)

Mecanismos homeostáticos

positive_and_negative_feedback.swf

Feedback negativo e positivo (animação)

Sistemas de controle

Sistemas de controle

Sistemas de controle
Sistemas de controle Ação rápida Ação lenta

Sistemas de controle

Ação rápida

Ação lenta

Aclimatização X Aclimatação A aclimatização refere-se à capacidade dos seres vivos de se ajustarem às

Aclimatização X Aclimatação

Aclimatização X Aclimatação A aclimatização refere-se à capacidade dos seres vivos de se ajustarem às

A aclimatização refere-se à capacidade dos seres vivos de se ajustarem às variações naturais do meio.

vivos de se ajustarem às variações naturais do meio. A aclimatação é a mesma coisa só

A aclimatação é a mesma coisa só que em

condições artificiais ou induzidos experimentalmente.

Mecanismos da regulação osmótica
Mecanismos da regulação osmótica
Mecanismos da regulação osmótica Mecanismo de controle osmolaridade osmolaridade Sudorese/ingestão de sais

Mecanismo de controle

osmolaridade osmolaridade
osmolaridade
osmolaridade

Sudorese/ingestão de sais

Sede

Ingestão de água

HOMEOSTASE

280 a 295 mOsm/L

Mecanismos da regulação osmótica em Peixes a) Ambiente marinho: Neste caso, o meio interno dos
Mecanismos da regulação osmótica em Peixes
Mecanismos da regulação osmótica em Peixes

a) Ambiente marinho:

Neste caso, o meio interno dos peixes é hipotônico em relação ao meio externo. Há, portanto, tendência a perderem água por osmose. Para compensar estas perdas, ingerem grandes quantidades de água salgada e excretam os sais, por transporte ativo, através de células especializadas das brânquias. Produzem uma quantidade

reduzida de urina.

Peixe marinho

Peixe água

doce

b) Ambiente de água doce:

Neste caso, o meio interno dos peixes é hipertônico relativamente ao meio externo. Assim, a água desloca-se por osmose para o interior do corpo. Deste modo, os peixes não bebem água e a urina eliminada é muito diluída, os sais perdidos na excreção são compensados por transporte ativo para o interior do peixe, através de células das brânquias.

Regulação da osmolaridade plasmática em algumas aves marinhas
Regulação da osmolaridade plasmática em algumas
aves marinhas
da osmolaridade plasmática em algumas aves marinhas Sem acesso a água doce, são obrigadas a consumir

Sem acesso a água doce, são obrigadas a consumir a água do mar

“Glândulas excretoras de sal” localizadas proximamente às narinas e aos olhos, e desta forma mantêm regulados os níveis de sais na sua circulação.

mantêm regulados os níveis de sais na sua circulação. Albatroz Glândulas excretoras de sal localizadas no
mantêm regulados os níveis de sais na sua circulação. Albatroz Glândulas excretoras de sal localizadas no

Albatroz

Glândulas excretoras de sal localizadas no crânio de algumas aves

Distribuição de água no organismo Por que a quantidade de água diminui com o envelhecimento?

Distribuição de água no organismo

Distribuição de água no organismo Por que a quantidade de água diminui com o envelhecimento? 78%
Distribuição de água no organismo Por que a quantidade de água diminui com o envelhecimento? 78%

Por que a quantidade de água

diminui com o envelhecimento?

Distribuição de água no organismo Por que a quantidade de água diminui com o envelhecimento? 78%

78% água

60% água

Controle Hídrico nos animais Osmolaridade Produção de ADH perda de água na diurese Hipotálamo Osmolaridade

Controle Hídrico nos animais

Osmolaridade Produção de ADH perda de água na diurese
Produção de ADH Osmolaridade perda de água na diurese
perda de água na diureseOsmolaridade Produção de ADH

Hipotálamo

Hipotálamo

Hipotálamo
Hipotálamo
Produção de ADH perda de água na diurese Hipotálamo Osmolaridade Produção de ADH perda de água
Produção de ADH perda de água na diurese Hipotálamo Osmolaridade Produção de ADH perda de água

Osmolaridade Produção de ADH perda de água na diurese

HOMEOSTASE
HOMEOSTASE
Osmolaridade Produção de ADH perda de água na diurese HOMEOSTASE ADH: aumenta a absorção de água

ADH: aumenta a absorção de água pelos rins

Regulação do dióxido de carbono (CO 2 ) Aumento do metabolismo Maior consumo de O

Regulação do dióxido de carbono (CO 2 )

Aumento do metabolismo Maior consumo de O 2 Maior produção de CO 2

Maior consumo de O 2 Maior produção de CO 2 C 6 H 1 2 O

C 6 H 12 O 6 + O 2

CO 2 + H 2 O + ATP

Ex. atividade física

6 + O 2 CO 2 + H 2 O + ATP Ex. atividade física Aumento

Aumento da freqüência Respiratória Maior entrada de O 2 Maior liberação de CO 2

da freqüência Respiratória Maior entrada de O 2 Maior liberação de CO 2 C 6 H

C 6 H 12 O 6 + O 2

da freqüência Respiratória Maior entrada de O 2 Maior liberação de CO 2 C 6 H

CO 2 + H 2 O + ATP

de O 2 Maior liberação de CO 2 C 6 H 1 2 O 6 +
de O 2 Maior liberação de CO 2 C 6 H 1 2 O 6 +

HOMEOSTASE

20

Regulação do dióxido de carbono (CO 2 ) Adaptação respiratória de anfíbios, mamíferos, insetos e

Regulação do dióxido de carbono (CO 2 )

Adaptação respiratória de anfíbios, mamíferos, insetos e crustáceos.

Regulação do dióxido de carbono (CO 2 ) Adaptação respiratória de anfíbios, mamíferos, insetos e crustáceos.

Regulação do dióxido de carbono (CO 2 )

Regulação do dióxido de carbono (CO 2 ) AVES A respiração das aves, complexa e eficiente

AVES

A respiração das aves, complexa e eficiente devido à alta demanda

de oxigênio.

Regulação do pH plasmático Homeostase pH = 7,35 - 7,45 Acidose pH Alcalose menor que
Regulação do pH plasmático
Regulação do pH plasmático

Homeostase

pH = 7,35 - 7,45

Acidose

pH

Alcalose

menor que 7,35 pH maior que 7,45

pH

Regulação do pH plasmático Homeostase pH = 7,35 - 7,45 Acidose pH Alcalose menor que 7,35
Regulação do pH plasmático Homeostase pH = 7,35 - 7,45 Acidose pH Alcalose menor que 7,35
Regulação do pH plasmático Acidose respiratória: aumento da concentração H + diminui o pH plasmático

Regulação do pH plasmático

Acidose respiratória: aumento da concentração H + diminui o pH plasmático

aumento da concentração H + diminui o pH plasmático Causas possíveis: 1) Doenças pulmonares - Pulmão

Causas possíveis:

1) Doenças pulmonares - Pulmão inativo 2) Anestésicos e drogas

Regulação do pH plasmático Alcalose respiratória: diminui a concentração H + aumenta o pH plasmático

Regulação do pH plasmático

Alcalose respiratória: diminui a concentração H + aumenta o pH plasmático

Hiperventilação aumento na eliminação de CO2

Diminuição da pCO2 nos tecidos

O equilíbrio desloca-se para a esquerda

• Diminuição da pCO2 nos tecidos • O equilíbrio desloca-se para a esquerda Causas possíveis: 1)

Causas possíveis:

1) Drogas alcalinas

Regulação da glicemia

Regulação da glicemia

Regulação da glicemia
Ação da Insulina

Ação da Insulina

Ação da Insulina
O hipotálamo Recebe informações do cérebro, dos sistemas nervoso e endócrino Faz a integração de

O hipotálamo

Recebe informações do cérebro, dos sistemas nervoso e endócrino

Faz a integração de todos estes sinais

E torna possível:

a termorregulação

o equilíbrio de energia

a regulação dos fluidos corporais

a regulação da pressão arterial

dos fluidos corporais a regulação da pressão arterial mudanças no comportamento (sede, fome, saciedade). 28

mudanças no comportamento (sede, fome, saciedade).

O hipotálamo
O hipotálamo
O hipotálamo