Sei sulla pagina 1di 6

O amor na casa da poesia

Do poema à…. Linhas de leitura


ACONTECIMENTO

Aí estás tu à esquina das palavras de sempre


amor inventado numa indústria de lábios
que mordem o tempo sempre cá
E o coração acontece-nos
como uma dádiva de folhas nupciais
nos nossos ombros de outono
Caiam agora pálpebras que cerrem
o sacrifício que em nossos gestos há
de sermos diários por fora
Caiam agora que o amor chegou
Ruy Belo, Antologia Poética

Um amor como este


não pede mar ou praia:
somente o vento leste
erguendo a tua saia.

o resto é o futuro
além, à nossa espreita:
doce fruto maduro
na hora da colheita.
Daniel Filipe, A Invenção do Amor e Outros Poemas

Se pudesse pintava o céu de preto


e depois punha-me a olhar as estrelas através dos teus olhos
Jorge de Sousa Braga

aos vinte e três outonos apaixonei-me doze vezes


e nem sempre pelas mesmas almas
mas sobrevivi a um coração míope

Pedro Sena-Lino, Biofagia

Para atravessar contigo o deserto do mundo


Para enfrentarmos juntos o terror da morte
Para ver a verdade para perder o medo
Ao lado dos teus passos caminhei

Por ti deixei meu reino meu segredo


Minha rápida noite meu silêncio
Minha pérola redonda e seu oriente
Meu espelho minha vida minha imagem
E abandonei os jardins do paraíso

Cá fora à luz sem véu do dia duro


Sem os espelhos vi que estava nua
E ao descampado se chamava tempo

Por isso com teus gestos me vestiste


E aprendi a viver em pleno vento
Sophia de Mello Breyner Andersen, Obra Poética I
A meu favor tenho o teu olhar
testemunhando por mim
perante juízes terríveis:
a morte, os amigos, os inimigos.

E aqueles que me assaltam.


à noite na solidão do quarto
refugiam-se em obscuros sítios dentro de mim
quando de manhã o teu olhar ilumina o quarto.

Protege-me com ele; com o teu olhar,


dos demónios da noite e das aflições do dia,
fala em voz alta, não deixes que eu adormeça,
afasta de mim o pecado da infelicidade.
Manuel António Pina, O Caminho de Casa

Era de inverno, em Vila Real. A neve


cobria as ruas que levavam ao liceu.
Dentro da confeitaria, as luvas de cabedal
no tampo do vidro, o vapor da respiração
ligava-nos entre as conversas de mesa indiferentes.
E querias olhar para mais dentro de mim.
Os pombos escondidos nos beirais tapavam
a cabeça na plumagem de chumbo, cor do céu.

Calados, afeitos ao silêncio, enlaçámos


em cada um dos nossos livros a primeira letra
dos nossos nomes, de modo a desenharem
uma única letra que não havia em alfabeto algum.
Que bem que estávamos tão mal ali sentados,
a faltar às aulas, nessa primeira vez
em que nos acontecia, sem sabermos, um amor.

Tu não ias adivinhar as leis secretas


que já nos separavam. Tu não podias
lutar na via de sangue da minha vida.
Mas sempre que tombar neve em Vila Real
e desceres a avenida a caminho do café
de alguma destas coisas, quem sabe, te hás-de lembrar.
Joaquim Manuel Magalhães, Segredos, Sebes, Aluviões

CASA

Tentei fugir da mancha mais escura


que existe no teu corpo, e desisti.
Era pior que a morte o que antevi:
era a dor de ficar sem sepultura.

Bebi entre os teus fIancos a loucura


de não poder viver longe de ti:
és a sombra da casa onde nasci,
és a noite que à noite me procura.

Só por dentro de ti há corredores


e em quartos interiores o cheiro a fruta
que veste de frescura a escuridão.

Só por dentro de ti rebentam fIores.


Só por dentro de ti a noite escuta
o que sem voz me sai do coração.
David Mourão-Ferreira Obra Poética
2
Olha-me agora, que me tens vencido
e sou nas tuas mãos pobre veludo,
de pele morta e rota mal vestido
e, de sábio que sou, já tartamudo.
Fala-me agora, que não tenho boca.
e sou na tua pele mero ouvido,
diz-me palavras soltas sem sentido
ou pede-me por graça o consentido.
Olha-me só para que veja como
tão claro e fundo olhar me tem mantido
na solidão sem nome deste pranto;
ou escreve em mim com hálito de lume
para que seja eu a enrodilhada chama
que se esquece de si e sonha o fumo.
António Franco Alexandre, Duende

Por dentro da penumbra


o cheiro a fruta
e o gosto do feno no afago

Os gomos do gozo
que se afundam:
pétala por pétala no poço do teu hálito
Maria Teresa Horta, Poesia Completa II

Cala-te, a luz arde entre os lábios,


e o amor não contempla, sempre
o amor procura, tacteia no escuro,
esta perna é tua?, é teu este braço?,
subo por ti de ramo em ramo,
respiro rente à tua boca,
abre-se a alma à lingua, morreria
agora se mo pedisses, dorme,
nunca o amor foi fácil, nunca,
também a terra morre.

Eugénio de Andrade, Antologia Breve

GOZO E DOR

Se estou contente, querida,


Com esta imensa ternura
De que me enche o teu amor?
Não. Ai! , não; falta-me a vida,
Sucumbe-me a alma à ventura:
O excesso de gozo é dor.

Dói-me alma, sim; e a tristeza


Vaga, inerte e sem motivo,
No coração me poisou,
Absorto em tua beleza,
Não sei se morro ou se vivo,
Porque a vida me parou.

É que não há ser bastante


Para este gozar sem fim
Que me inunda o coração.
Tremo dele, e delirante
Sinto que se exaure em mim
Ou a vida - ou a razão.

Almeida Garrett, Folhas Caídas


3
Os amantes aparecem no verão, quando os amigos partiram
para o sul à sua procura, deixando um lugar vago
à mesa, um bilhete entalado na porta, as plantas,
o canário, um beijo e um livro emprestado: a memória
das suas biografias incompletas. Os amigos

desaparecem em Agosto. Consomem-nos as labaredas do sol


e os amantes que chegam ao fim da tarde
jantam e de manhã ajudam a regar as raízes das avencas
que os amigos confiaram até Setembro, quando regressam

trazem saudades e um romance novo debaixo da língua.


Levam um beijo, os vasos, as gaiolas e os amantes
deixam um lugar vago na memória, cabelos na almofada,
uma carta, desculpas, e um livro de cabeceira que os
amigos lêem, pacientes, ocupando o seu lugar à mesa.

Maria do Rosário Pedreira, in Anos 90 e Agora

Procurei o amor, que me mentiu.


Pedi à Vida mais do que ela dava
Eterna sonhadora edificava
Meu castelo de luz que me caiu!

Tanto clarão nas trevas refulgiu,


E tanto beijo a boca me queimava!
E era o sol que os longes deslumbrava
Igual a tanto sol que me fugiu!

Passei a vida a amar e a esquecer...


Atrás do sol dum dia outro a aquecer
As brumas dos atalhos por onde ando...

E este amor que assim me vai fugindo


É igual a outro amor que vai surgindo,
Que há-de partir também... nem eu sei quando.
Florbela Espanca, Sessenta Sonetos de Amor

Ao receber a notícia
primeiro senti a cabeça vazia,
uma espécie de lodo
a enrolar-me o cérebro.
Depois pensei na traição
da vida. Olhei em redor;
a casa em ordem, o silêncio
e as fotografias. Sucederam-se
os gestos quotidianos,
lavei o rosto e a água
quente deu-me a impressão
de me curar da mentira
de um amor que acaba.
A noite foi difícil,
pensei até que não dormiria.
Mas não, o dia chegou
e como habitualmente tinha
fome, preparei-me
para viver, embora
com a impressão de que algo
se quebrou dentro de mim.
Não morri e reparei
que continuava a chover.
Isabel de Sá, Repetir o Poema
4
Outrora
vogar
deslizar
na torrente do teu som
gozar essa alegria
esse braço estendido
num jogo de promessas
Agora
a minha mão vazia
e
s
t
e
n
d
e
s
e
para ti
Ana Hartley, Rilkeana

Olho-te pelo reflexo


do vidro
e o coração da noite

E o meu desejo de ti
são lágrimas por dentro,
tão doídas e fundas
que se não fosse:.

o tempo de viver;
e a gente em social desencontrado;
e se tivesse a força;
e a janela ao meu lado
fosse alta e oportuna,

invadia de amor o teu reflexo


e em estilhaços de vidro
mergulhava em ti
Ana Luísa Amaral, in Anos 90 e Agora

ADEUS

Já gastámos as palavras pela rua, meu amor,


e o que nos ficou não chega
para afastar o frio de quatro paredes.
Gastámos tudo menos o silêncio.
Gastámos os olhos com o sal das lágrimas,
gastámos as mãos à força de as apertarmos,
gastámos o relógio e as pedras das esquinas
em esperas inúteis.

Meto as mãos nas algibeiras e não encontro nada.


Antigamente tínhamos tanto para dar um ao outro;
era como se todas as coisas fossem minhas:
quanto mais te dava mais tinha para te dar.

Às vezes tu dizias: os teus olhos são peixes verdes.


E eu acreditava.
Acreditava,
porque ao teu lado
todas as coisas eram possíveis.
5
Mas isso era no tempo dos segredos,
era no tempo em que o teu corpo era um aquário,
era no tempo em que os meus olhos
eram realmente peixes verdes.
Hoje são apenas os meus olhos.
É pouco, mas é verdade,
uns olhos como todos os outros.

Já gastámos as palavras.
Quando agora digo: meu amor,
já não se passa absolutamente nada.
E no entanto, antes das palavras gastas,
tenho a certeza
de que todas as coisas estremeciam
só de murmurar o teu nome
no silêncio do meu coração.

Não temos já nada para dar.


Dentro de ti
não há nada que me peça água.
O passado é inútil como um trapo.
E já te disse: as palavras estão gastas.

Adeus.
Eugénio de Andrade, Os Amantes sem Dinheiro

Fez-se do sexo um bicho de sete cabeças. Parece que mais


vale morrer violada do que virgem, quando isso é um grande
disparate. A castidade é um valor, infelizmente confunde-se
castidade com ausência de relações sexuais e de masturbação.
O sexo não é porco nem deixa de ser. Nada na vida dá a
garantia de ser limpo nu liso inteiro.
Adília Lopes, Obra