Sei sulla pagina 1di 9

International Paper do Brasil Ltda

Autor do Doc.: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim

Editores: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim

Título: Liberações de Serviço à Quente


Tipo do Documento: ORDEM DE SERVIÇO DE HIGIENE SEGURANÇA E MEDICINA DO
TRABALHO

SubTipo: Instrução

Nº: OSHSMT 200729

Áreas/Setores de Aplicação : Obras do Projeto Três Lagoas Paper Mill

Status: Aprovado Data do Status: 25/05/2007

Comentários sobre a revisão :

Revisão Anterior: Nova

LIBERAÇÕES DE SERVIÇO À QUENTE

1. Objetivo
2. Definições
3. Instruções
4. Responsabilidades

1. Objetivo
Estabelecer procedimentos de segurança para a realização de trabalhos à quente buscando a prevenção
de incêndios.

2. Definições

2.1. Serviço à quente


Qualquer operação temporária que envolva chama exposta ou que produza calor ou faísca, incluindo
corte, polimento, solda, solda por arco e aplicação de revestimento de teto com chama aberta.

3. Instruções

3.1 Na aplicação desta norma, recomenda - se consultar as seguintes OSHSMT´s:

a) 200733 ( Cartão Vermelho );


b) 200703 ( Espaço Confinado );

c) 200730 ( Fonte Radioativa );

3.2. Preparação da área do serviço

3.2.1 O local a ser executado o serviço à quente, deverá ser avaliado pelo SESMT da Contratada,
juntamente com o responsável pela liberação do serviço a quente, onde deverão ser observados os itens
1, 3.2.3 e 3.2.4 desta OSHSMT.

3.2.2 As operações de soldagem e corte à quente somente podem ser realizadas por trabalhadores
habilitados, conforme CLT - Consolidação das Leis do Trabalho (Lei 6.514) - Cap.V, Portaria 3214 -
NR 18 .

3.2.3 Remova todos os produtos inflamáveis principalmente os líquidos, dentro de um raio de ação de 11
metros.

3.2.4 Verifique os riscos em andares superiores e inferiores, onde deverão ser efetuados os serviços.

3.3. Liberação e acompanhamento do serviço à quente

3.3.1. Deverá ser solicitada a presença de um representante do SESMT da Contratada para que seja feita
a liberação do serviço após preenchimento do check-list para liberação de serviço à quente.

3.3.2. Nas operações de soldagem ou cortes à quente de vasilhames, recipientes, tanques ou similares
que envolvam geração de gases confinados, será solicitada a avaliação de espaço confinado e medição de
gases, juntamente com a liberação de serviço a quente.

3.3.3. A liberação de serviço à quente após conformidade com os requisitos, deverá ser assinada por

a) Executante ou encarregado responsável pelo serviço;

b) Supervisor da Contratada que participou da avaliação do local;

c) Representante do SESMT da Contratada.

d) Vigilante Contra Incêndio (LPT 01)

3.3.4. Será deixada cópia para o executante, que deverá apresentar a liberação toda vez que solicitada
pelo SESMT da Contratada ou SSTMA da IP durante as inspeções.

3.3.5. O Representante do SESMT da Contratada deverá adotar o seguinte procedimento para a


liberação em recipientes de líquidos inflamáveis :

a) Tanque deverá estar totalmente vazio;

b) Estar lavado e degasado;

c) Ventilar o interior do tanque;


d) Efetuar a medição de explosividade e atender as especificações.

3.3.6. Quando necessário o representante do SESMT da Contratada solicitará dispositivos de proteção


contra projeção de fagulhas(Tapumes, ou outras barreiras de proteção,etc). Os trabalhos à quente
somente serão liberados após a instalação correta destes dispositivos.

3.4. Transporte de cilindros

3.4.1. Referente a transporte de cilindros, os seguintes procedimentos deverão ser seguidos:

a) Transporte os cilindros sempre na posição vertical;

b) Não role o cilindro sobre seu próprio corpo movimente-o em pé, rolando-o sobre sua base;

c) Não suspenda os cilindros fazendo ponto de apoio nos capacetes protetores das válvulas ou na
válvula;

d) Não utilize cilindros vazios ou cheios como roletes ou suporte;

e) Transporte os cilindros com o capacete de proteção das válvulas atarraxados;

f) No transporte de cilindros com empilhadeiras, utilizar carregador próprio (Conforme anexo 2 –


Modelo de Transporte de Cilindro ).

3.5. Armazenamento

3.5.1. Os cilindros deverão ser armazenados seguindo os seguintes procedimentos :

a) Armazene os cilindros no depósito de inflamáveis, conforme OSHSMT 200704;

b) Cilindros não poderão ser armazenados perto de fonte de calor ou potenciais fontes de calor, tais
como linhas de energia elétrica ou painéis energizados;

c) Armazenamento de cilindro de acetileno não deve ser próximo ao de oxigênio. Caso seja
extremamente necessário, separar com uma parede mínima de 1,50m de altura;

d) As válvulas dos cilindros deverão estar fechadas, mesmo quando o cilindro estiver vazio;

e) Cilindros deverão ser armazenados na posição vertical e com Capacete de Proteção de Válvulas
atarraxados.

3.6. Uso de maçaricos

a) Nunca utilize oxigênio como substituto de ar comprimido;

b) É terminantemente proibido utilizar qualquer peça ou tubo de cobre ou latão para a circulação de
acetileno;
c) É proibido a utilização de acetileno acima 1Kgf/cm², não existe trabalho de solda ou corte que
necessite de uma pressão acima do mencionado;

d) Só ajuste os reguladores com as mãos ou com ferramentas isentas de graxa ou material oleoso;

e) Utilizar mangueiras sem emendas;

f) Nunca fumar próximo ao local de armazenamento de cilindros; (conforme OSHSMT 200709)

g) Após o término do serviço de corte com maçarico fechar as válvulas e degasar a mangueira.

3.7. Conjunto Oxi - Acetilênico


Certificar-se que as condições de uso dos itens abaixo estão em perfeitas condições de manuseio:

a) Manômetro de alta e baixa pressão;

b) Válvula de bloqueio dos cilindros;

c) Regulador de oxigênio;

d) Regulador de acetileno;

e) Mangueira condutora de oxigênio sem emendas - (Cor verde);

f) Mangueira condutora de acetileno sem emendas - (Cor vermelha);

g) Válvula seca corta chama na saída dos cilindros (Oxigênio e acetileno);

NOTA: Conforme instruções do fabricante de válvulas seca, dentro da válvula corta chama existe
um elemento que é responsável por cortar a chama e o mesmo não pode ser testado ou reparado
no campo. A válvula corta chama deve ser substituída num período máximo de 5 anos de serviço
ou sempre que apresentar sinais de descoloração causada por calor, maçarico com desempenho
ruim devido a restrição de vazão, fuligem em excesso na conexão de entrada da válvula ou ainda
quando a válvula de retenção de fluxo fundir devido a presença de chama.

h) Válvula de retenção maçarico (Oxigênio e acetileno);

i) Todo carrinho de conjunto de oxi-acetilênico deverá ter três rodas (Conforme anexo 1 - Modelo do
Carrinho);

j) Os cilindros deverão estar fixados com correntes ou fita metálica apropriada;

k) Todo carrinho de conjunto de oxi - acetilênico, conjunto GLP e conjunto argônio de Empresas
contratadas deverão ter uma identificação da empresa e numeração no próprio carrinho.

l) Todo conjunto de oxi-acetilênico e GLP, deverá ter a proteção para os manômetros.

m) O Cilindro de acetileno deve estar na posição vertical e o cilindro de oxigênio deve estar com uma
inclinação mínima de 45º em relação ao cilindro de acetileno;
n) Se aparecerem circunstâncias adversas com relação ao conjunto de oxi - acetilênico , o serviço
deverá ser interrompido imediatamente e comunicado ao SESMT da Contratada para nova avaliação e
registro no campo “ Obs. do Check List de Liberação”.

3.8. Conjunto de Gás Liquefeito de Petróleo ( GLP )


Certificar-se que as condições de uso dos itens abaixo estão em perfeitas condições de manuseio.

a) Manômetro;

b) Regulador de gás;

c) Mangueira condutora de gás (Cor vermelha);

d) Válvula seca corta chama saída do cilindro;

e) Válvula corta chama no maçarico;

f) Todo carrinho de conjunto GLP, argônio ou acetileno de Empresas contratadas deverão ter uma
identificação da empresa e numeração no próprio carrinho..

3.9. Conjunto Argônio


Certificar-se que as condições de uso dos itens abaixo estão em perfeitas condições de manuseio.

a) Manômetro;

b) Regulador de Gás com vazão de 30 litros por minuto;

c) Mangueira condutora de gás sem emendas;

d) Carrinho unitário com duas ou três rodas;

e) Carrinho acoplado à máquina de solda;

f) Todo carrinho de conjunto de argônio, GLP ou acetileno de Empresas contratadas deverão ter uma
identificação da empresa e numeração no próprio carrinho..

3.10. Execução de serviços


O executante deve ter os seguintes cuidados para fazer o serviço:

a) Não executar serviços de solda ou corte em que as fagulhas, escórias ou a própria chama do maçarico
venham a atingir os cilindros ou as mangueiras;

b) Posicione de maneira adequada e segura para que o conjunto oxi – acetilênico não fique exposto aos
respingos oriundos de soldagem elétrica;

c) Válvulas dos cilindros nunca devem ser abertas perto de serviços de solda , faíscas, chamas ou outra
fonte de ignição;

d) Válvulas dos cilindros de acetileno nunca deverão ser abertas mais que ¼ do seu curso total.
e) Válvulas dos cilindros deverão ser abertas vagarosamente e sempre certificando-se de que não há
vazamentos;

f) Fechar a válvula do cilindro e depois abrir a válvula do maçarico, logo após soltar o parafuso de
ajuste do regulador;

g) É terminantemente proibido o uso de isqueiros ou equipamentos similares para acendimento de


maçaricos. Utilizar somente acendedor de fricção (saci) para o acendimento do maçarico;

h) O porta-eletrodo deve ter isolamento adequado à corrente usada, a fim de se evitar a formação de arco
elétrico ou choque no operador;

i) Nas operações de soldagem e corte à quente é obrigatória a utilização de anteparo eficaz para a
proteção dos trabalhadores circunvizinhos. O material utilizado nesta proteção deve ser do tipo
incombustível;

j) Os equipamentos de soldagem elétrica devem ser aterrados;

k) Os fios condutores elétricos, as pinças ou os alicates de soldagem devem ser mantidos longe de
locais com óleo, graxa ou umidade e devem ser deixados em descanso sobre superfícies isolantes;

l) Atenção especial deve ser dada à questão da pressão especificada do cilindro.

3.11. Equipamentos de Proteção Individual

3.11.1. É obrigatório o uso dos seguintes EPIs para executar trabalhos de corte e/ou aquecimento com
maçarico:

a) Óculos para maçariqueiro;

b) Óculos de segurança;

c) Luvas de raspa;

d) Sapato de segurança (tipo sem cadarço) ou com protetor (perneira de raspa) se for sapato de
segurança com cadarço.

e) Avental (raspa);

f) Perneira (raspa);

g) Blusão (raspa);

h) Proteção facial .

3.11.2. EPI´s para execução de trabalhos com solda

a) Máscara em Celeron para soldador;

b) Óculos de Segurança;
c) Avental de raspa;

d) Luva de raspa forrada com flanela (punho de 20 cm);

e) Blusão de raspa.

3.11.3. Para trabalhos de goivagem (tocha grafite), deverão usar todos os EPI´s do item 3.12 e os que
seguem:

a) Perneira de raspa;

b) Máscara contra pó - modelo 3M - ref. 8801 ou 8023.

3.11.4. Para os funcionários que trabalham na ajustagem dos materiais deverão ser usados os seguintes
EPI´s:

a) Óculos de Segurança ray ban;

b) Luvas de raspa (punho de 20 cm)

4. Responsabilidades

4.1. É responsabilidade da supervisão das Contratadas orientar todos os seus empregados e


subcontratados quanto ao cumprimento desta OSHSMT na íntegra.

4.2. É responsabilidade das Contratadas envolvidas com os trabalhos à quente preparar o local de
trabalho mantendo-o limpo, bem como preparar e instalar os dispositivos de proteção para facilitar e
agilizar a liberação dos trabalhos.

4.3. É responsabilidade da Contratada disponibilizar todos os equipamentos citados nesta OSHSMT em


perfeitas condições, para uso de seus empregados ou subcontratados visando o bem estar e a segurança de
todos.

A não observância desta OSHSMT caracteriza ato de indisciplina ou insubordinação, passível de


aplicação de penas disciplinares. Para os empregados da Contratada e seus subcontratados o
Departamento de Pessoal da Contratada analisará as ocorrências e aplicará as sanções conforme
legislação em vigor ou outra norma pertinente ao assunto.
ANEXO 1

INTERNATIONAL PAPER DO BRASIL LTDA

MODELO DO CARRINHO

l
pa 3 r a
ui O e ion

to xx
Eq P Pa nat


en x
m 30
p
r
te
In

T
E
D
ANEXO 2

INTERNATIONAL PAPER DO BRASIL LTDA

MODEL0 DE TRANSPORTE DE CILINDRO