Sei sulla pagina 1di 14

Armazenagem em Grandes Empresas Brasileiras (2001)

Objetivo da Pesquisa:

Esta pesquisa teve como objetivo caracterizar a operação de armazenagem de grandes empresas
atuantes no Brasil.

Para isso, buscou-se identificar quais os níveis de complexidade operacional de cinco diferentes setores
econômicos (indústrias de alimentos, de produtos de higiene&limpeza, de fumo, varejo, e distribuidores
farmacêuticos) e verificou-se quais as soluções de armazenagem adotadas por cada setor.

Modelo Conceitual:

O grau de complexidade e as decisões de armazenagem foram caracterizados por diferentes


indicadores.

Grau de Complexidade

Os itens que representam a complexidade do sistema de armazenagem estão representados pelas


características da demanda, dos produtos e da operação de armazenagem. Para cada item foi criado
um indicador. Quanto maiores forem os indicadores apresentados a seguir, maior será a complexidade
do sistema.

Características da DEMANDA

Características dos PRODUTOS

Características da OPERAÇÃO

Decisões de Armazenagem

1
As decisões de armazenagem representam o que os responsáveis pelo gerenciamento desta função
logística escolheram para poderem lidar os fatores de complexidade de sua empresa. A lista a seguir
representa as decisões questionadas na pesquisa.

Decisões sobre EQUIPAMENTOS

Decisões sobre FUNCIONÁRIOS

Decisões de GERENCIAMENTO

Decisões sobre PICKING

2
Metodologia e Amostra:
Foram selecionadas e entrevistadas empresas de 5 diferentes setores econômicos:
Indústrias de Alimentos

• Varejo ¹
• Indústrias de produtos de Higiene & Limpeza
• Indústrias de Fumo
• Distribuidores Farmacêuticos

Cada empresa entrevistada respondeu sobre a operação de armazenagem de seu PRINCIPAL armazém.
Apenas foram selecionadas para a amostra, empresas que gerenciam sua própria operação de
armazenagem, ou seja, não terceirizam a operação do principal armazém.

* 3 armazéns de empresas varejistas entrevistadas realizam entrega direta ao cliente final

3
* Alguns distribuidores farmacêuticos não divulgaram seu faturamento, por este motivo, este setor não foi colocado no gráfico.

Resultados Obtidos:
Os resultados obtidos com a coleta de dados serão apresentados a seguir em formato gráfico. O
objetivo será comparar os cinco setores avaliados, primeiramente caracterizando sua complexidade e
posteriormente analisando as decisões que tomam em termos de armazenagem.

CARACTERIZAÇÃO DOS SETORES

O número de SKUs (stock keeping unit) de uma empresa indica a quantidade de itens diferentes com
que a empresa trabalha (códigos de produtos diferentes). Maior será a complexidade de armazenagem
quanto maior for a quantidade de SKUs gerenciados.
A quantidade de itens em cada pedido realizado para a empresa também influencia na complexidade do
sistema de armazenagem, principalmente o picking. Pedidos contendo itens variados são mais
trabalhosos para serem montados.
Nesses dois itens, a armazenagem dos varejistas e dos distribuidores farmacêuticos são mais
complexas.
Os armazéns do setor de alimentos e de higiene e limpeza parecem enfrentar menor complexidade de
armazenagem por esses aspectos, entretanto, o setor alimentício lida com a fragilidade e a necessidade
de refrigeração de grande parte de sua carga.
No setor de fumo (indústrias de cigarros), a complexidade se dá devido ao grau de fracionamento dos
pedidos e a quantidade de expedições diárias. O número de SKUs é comparativamente reduzido neste
setor.
4
DECISÕES DE ARMAZENAGEM
Os responsáveis pela armazenagem em cada setor tomam diferentes decisões para lidar com as
diversas formas de complexidade que se deparam. As decisões podem envolver a escolha da
tecnologia, a utilização de mão-de-obra, equipamentos, picking, etc.
A seguir estão relacionadas as principais decisões de armazenagem nos diferentes setores pesquisados.

Decisões de Estrutura:

5
6
Decisões de Equipamento:

7
Decisões de Mão-de-Obra:

8
Decisões de Gerenciamento:

9
10
Decisões de Picking:

11
12
Algumas Análises:
Os dados coletados indicaram o grau de complexidade de diferentes setores da economia e algumas
das soluções de armazenagem adotadas por grandes empresas no Brasil.
Verifica-se que o tipo de complexidade varia entre os setores, pois os motivos que levam a uma maior
dificuldade no gerenciamento da armazenagem são diferentes. O setor de alimentos, por exemplo,
precisa adaptar sua operação para trabalhar com produtos refrigerados, já o setor de fumo deve
organizar-se para atender a um grande número de pedidos por dia; o setor varejista, por sua vez,
precisa gerenciar uma quantidade elevada de produtos diferentes. A tabela a seguir indica dois grandes
itens de complexidade e a classificação de cada setor:

13
Quanto às soluções de armazenagem, destacam-se as iniciativas de utilização do WMS em todos os
setores, entretanto, o código de barras - sistema de controle que aparentemente é base para um
gerenciamento preciso - não é utilizado por um percentual bastante representativo de armazéns.
Quanto à questão de utilização de espaço no armazém, observa-se que o padrão é adotar 4 níveis de
estocagem, entretanto, pode-se encontrar armazéns com até 10 níveis de empilhamento.
Com relação à atividade de separação, o picking discreto - forma mais simples e intuitiva de separação
dos produtos, onde cada operador coleta 1 pedido de cada vez até completá-lo - já não foi detectado
num grau representativo. Observa-se uma maior divisão no trabalho de separação dos pedidos (picking
por zona e picking por lote).
Através de uma análise de correlação*, verificou-se que alguns fatores de complexidade estavam
relacionados com soluções de armazenagem adotadas.
A tabela a seguir indica se existe correlação significativa entre uma característica do setor e uma
decisão de armazenagem.
¹O setor varejista é bastante amplo e caracterizado pela diversidade de empresas. Esta pesquisa avaliou a operação de armazenagem de
varejistas que realizam entregas diretas ao cliente final, assim como avaliou a operação de varejistas que somente entregam às lojas.
Tendo isso em vista, alguns dos índices avaliados são bastante distintos entre as empresas e o índice geral do setor varejista apresenta
um elevado desvio padrão.

14