Sei sulla pagina 1di 5

Adão Pedro dos Santos

A CONTRIBUIÇÃO DA LUTA E DA POLITICA SOCIAL JUNTO A


CONSTRUÇÃO DA PARTICIPAÇÃO E DA CIDADANIA DOS
QUILOMBOLAS DO MUNICIPIO DE PORTEIRAS CEARÁ
(MALHADA GRANDE, MINGÚ E VASSOURINHAS)
LINHA DE PESQUISA: Sociedade, Estado e Desenvolvimento Regional Sustentável

1
1 - Introdução

Os grupos que atualmente são considerados remanescentes de comunidades de


quilombos se constituíram a partir de uma ampla diversidade de processos, como
pudemos perceber que incluem as fugas com ocupação de terras livres e geralmente
isoladas, mas também as heranças, doações, recebimento de terras como pagamento de
serviços prestados ao Estado, a simples permanência nas terras que ocupavam e
cultivavam no interior das grandes propriedades, bem como a compra de terras, tanto
durante a vigência do sistema escravocrata quanto após a sua extinção. Dentro de uma
visão mais ampla, que avalia as diferentes origens e histórias destes grupos, uma
designação também admissível para estes agrupamentos identificados como
remanescentes de quilombo seria a de "terras de preto", ou "território negro", tal como
é utilizada por vários autores.

2-Objetivo Geral:

- Construir a identidade e a cidadania dos quilombolas enfocando os seus direitos


sociais e a sua participação dentro das políticas publica direcionadas através das redes
sociais destinadas as comunidades tradicionais.

2.1- Objetivos Específicos:

- Mobilizar os integrantes da comunidade para lutar por qualidade de vida com a


aplicação de serviços como saúde, educação, terra, moradia, segurança alimentar e
sustentabilidade;
- Promover a participação dos Quilombolas nas tomadas de decisão no que diz respeito
aos interesses da comunidade, tornando-os conscientes do papel importante e necessário
que cada integrante desempenha.

3-Justificativa:

2
Esse trabalho se propõe a implementar concretamente na Comunidade
Quilombola Souza, em Porteiras-CE, um trabalho efetivo de resgate da identidade
desse povo, sendo que esta foi corrompida e exterminada por inúmeros anos de
esquecimento e abandono do poder público. E ainda fomentar a aplicação de Políticas
Públicas, visto que essas, não só garantidas por lei, são uma dívida histórica que tem o
Estado Brasileiro para com a população negra.
Devido ao esforço e dedicação de integrantes daquela comunidade, hoje ela é
reconhecida legalmente como Terra de Remanescente de Quilombolas. Entretanto,
pouco se foi feito desde então, principalmente no que tange a aplicação das atividades
sociais vistas como necessárias e indispensáveis à manutenção do processo de resgate e
revitalização da comunidade. E este trabalho vem justamente com essa intenção, de
tornar tais ações efetivas e palpáveis.

4-Metodologia

A proposta do referido projeto é fomentar uma analise mais aprofundada,


desmistificando a real problemática enfrentada pela comunidade em questão,
proporcionando técnicas e meios para se chegar aos resultados almejados.
A pesquisa será de natureza qualitativa, que está diretamente relacionada aos
significados que as pessoas atribuem as suas experiências do mundo social e a maneira
como as pessoas compreendem este mundo. De acordo com Pope (2009, p.14) “Um dos
principais aspectos desta pesquisa, é que ele estuda as pessoas em seus ambientes
naturais em vez de ambientes artificiais ou experimentais.”

5-Fundamentação Teórica:

O município de Porteiras está assentado sobre a Bacia Sedimentar da Araripe,


um dos mais expressivos depósitos de fósseis, conhecido mundialmente pela sua grande
quantidade, grande diversificação e grande qualidade.

As primeiras informações sobre a origem da cidade de Porteiras datam o século


XVIII, e está localizado na região Sul Cearense, a 432 km da capital, desde 1817
sempre exerceu importante papel na vida econômica da região do cariri cearense.

3
Considerando épocas atrás um dos maiores produtores de cana de açúcar, da produção
bovina e do cafezal.

Segundo o documento datado de primeiro de março de 2004, arquivado no


processo nº 01420.000091/2005-91. Hoje, ano 2009, existe uma comunidade sediada no
sopé e em cima da serra do Araripe, conhecida como os Negros Souza que ainda, de
forma fragmentada, mantém os mesmos hábitos, comida, roupas, moradias, etc.

No mês de junho, na grandiosa festa de santo Antonio de Barbalha eles são


convidados para apresentar durante 10 dias o festival de musicas com sua banda
cabaçal.

Mantém em seus territórios o pilão e o trabalho da casa de farinha, ainda de


forma rudimentar, no processo da farinhada cantarolam noites e dias cantigas típicas da
sua raça, entoadas sofrível da sua história.

Entre setembro a novembro realizam a festa de São Cosmo e São Damião,


danças, tocam tambor, oferece comida como aluar ( bebida fermentada naturalmente
utilizando ingredientes como: casca de abacaxi, pipocas, cravo, canela e arroz), ainda
degustam a abóbora, milho, angu de milho, xerém, mangusta (manga com leite), angu
de banana, etc. em julho há comemoração de São Lázaro onde também se apresenta a
banda cabaçal, dança do coco e oferece comida com abundancia, principalmente aos
convidados nobres que são os cães de todos que ali residem.

Entre estas citadas ainda existem a dança do toré, do caboclo menino, reizado,
congos e o xangô, quimbanda, sem contar com a capelinha construída por eles e que ali
cultuam os seus valores religiosos com celebrações, ofícios, rosários, casamento,
batizados e as oferendas aos santos e a Deus.

Em fim, são alegres, loquazes e festeiros, grandes devotos de Nossa Senhora do


Rosário e gostam de apresentar o chamado CARETA no período da semana santa, onde
se mascaram e fazem sua festa. Vivem exclusivamente da agricultura e do pouco
dinheiro de aposentadoria (os mais velhos), famílias numerosas e pouco se envolvem
com pessoas da zona urbana, em suma vivem agrupados na zona rural, distante da sede
e estrada com difícil acesso.

4
6- Cronograma

AÇÕES JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ
Estudo sobre x x x x x
a comunidade
Visitas x x x x x
domiciliar
Aplicação de x x x x x
Questionário
Estudos sobre x x x x x x x x
as políticas
especializada
s dos
quilombolas
Reuniões/ x x x x x x x x
Palestras
Elaboração x x x x x
do TCC

7- Bibliografia

• KOSTER, Henry, Viagens ao Nordeste do Brasil. 1 ed. São Paulo, 1942 in


Brasil História - Colônia / Antonio Mendes Junior, Luiz Roncari e Ricardo
Maranhão - São Paulo: Editora Brasiliense, 1976.

• CARNEIRO, Édison, Ladinos e Crioulos. 1 ed. Civilização Brasileira, Rio,


1964 in Brasil História - Colônia / MENDES JÚNIOR, Antonio, RONCARI,
Luiz e MARANHÃO, Ricardo – São Paulo: Editora Brasiliense, 1976.

• MOURA, Clóvis, História do Negro Brasileiro. 2 ed. São Paulo: Editora Ática
S.A., 1992.

• FREYRE, Gilberto, Casa Grande e Senzala. 42 ed. São Paulo: Editora Global,
2003.