Sei sulla pagina 1di 19

Lajes

1- Introdução

A laje é o elemento estrutural, de comportamento bidimensional, de uma


edificação responsável por transmitir as ações das cargas que nela atuam para as
vigas ou diretamente para os pilares no caso de lajes sem vigas. Outra característica
relativa às lajes que diferem de outros elementos estruturais planos, é que o
carregamento que nela atua é perpendicular ao seu plano médio. As lajes podem ser
entendidas também como elementos de vedação do subsistema vertical, de
subdivisões da parte da vedação horizontal, a subdivisão do espaço interior gerado
pelas vedações verticais, são as lajes. Estas são as superfícies de segurança onde
podem ser feitas as atividades, e as principais funções são sustentar pessoas e
coisas, onde é a melhor forma de aproveitar o terreno construindo assim edificações
verticais.

As lajes são estruturas comuns em edifícios residenciais, comerciais e


industriais onde no caso particular de edifícios de concreto, existem diversos
métodos construtivos com ampla aceitação no mercado da construção civil. Com as
novas tecnologias existentes para redução de custos, beneficia muito mais a
utilização destes.

Atualmente há diversos tipos de lajes que formatam o diversificado mercado


da construção civil. Cada tipo de laje pode ser utilizada em um determinado ramo de
construção ou necessidade. Umas tem o caráter de reduzir a carga das estruturas
sendo mais leves, como as lajes pré-moldadas, outras têm a função de serem mais
resistentes, como as maciças (totalmente em ferro e concreto), algumas tem o
formato propício a economizar a quantidade de concreto, como as nervuradas,
outras mais esbeltas ou espessas. Portanto há diversas formas e tipos de lajes,
prontas a atender as reais situações especiais em cada canteiro.

-1-
2- Definição

As lajes são elementos estruturais laminares planos, solicitados


predominantemente por cargas normais ao seu plano médio. Elas constituem os
pisos dos edifícios correntes de concreto armado. Nas estruturas laminares planas,
predominam duas dimensões,
comprimento e largura, sobre a terceira que é a espessura. De mesma forma,
que as vigas são representadas pelos seus eixos, as lajes são representadas pelo
seu plano médio. As lajes são diferenciadas pela sua forma, vinculação e relação
entre os lados. Geralmente, nas estruturas correntes, as lajes são retangulares, mas
podem ter forma trapezoidal ou em L.

3- Funções estruturais das Lajes

As lajes recebem as ações verticais, perpendiculares à superfície média, e as


transmitem para os apoios. Essa situação confere à laje o comportamento de
placa.Outra função das lajes é atuar como diafragmas horizontais rígidos,
distribuindo as ações horizontais entre os diversos pilares da estrutura. Nessas
circunstâncias, a laje sofre ações ao longo de seu plano, comportando-se como
chapa.Conclui-se, portanto, que as lajes têm dupla função estrutural: de placa e de
chapa.O comportamento de chapa é fundamental para a estabilidade global da
estrutura,principalmente nos edifícios altos. É através das lajes que os pilares
contraventados se apóiam nos elementos de contraventamento, garantindo a
segurança da estrutura em relação às ações laterais.

-2-
4- Tipos de Lajes

4.1- Lajes Mistas

• Resistência à compressão superior a 12 Mpa;

• Semelhantes a laje nervurada;

• Material de enchimento é considerado no cálculo.

4.1- Lajes Maciças

4.3- Lajes Pré-fabricadas

• “U invertido”
• TIPO “T”

4.4- Lajes Cogumelo

• Com capitel
• Com engrossamento

4.5- Lajes mistas

4.6- Lajes Lisas

-3-
4.7- Lajes Nervuradas

Uma laje nervurada é constituída por um conjunto de vigas que se cruzam,


solidarizadas pela mesa. Esse elemento estrutural terá comportamento
intermediário entre o de laje maciça e o de grelha.

Segundo a NBR 6118:2003, lajes nervuradas são "lajes moldadas no local ou


com nervuras pré-moldadas, cuja zona de tração é constituída por nervuras entre as
quais pode ser colocado material inerte."As evoluções arquitetônicas, que forçaram
o aumento dos vãos, e o alto custo das formas tornaram as lajes maciças
desfavoráveis economicamente, na maioria dos casos. Surgem, como uma das
alternativas, as lajes nervuradas .

Resultantes da eliminação do concreto abaixo da linha neutra, elas propiciam


uma redução no peso próprio e um melhor aproveitamento do aço e do concreto. A
resistência à tração é concentrada nas nervuras, e os materiais de enchimento têm
como função única substituir o concreto, sem colaborar na resistência.
Essas reduções propiciam uma economia de materiais, de mão-de-obra e de

-4-
fôrmas, aumentando assim a viabilidade do sistema construtivo. Além disso, o
emprego de lajes nervuradas simplifica a execução e permite a Industrialização, com
redução de perdas e aumento da produtividade, racionalizando a construção.

4.7.1- Características das Lajes Nervuradas

Serão considerados os tipos de lajes nervuradas, a presença de capitéis e de


vigas-faixa e os materiais de enchimento.

-5-
4.7.2- Tipos de Lajes Nervuradas

As lajes nervuradas podem ser moldadas no local ou podem ser executadas


com nervuras pré-moldadas.

4.7.2.1- Laje moldada no local

Todas as etapas de execução são realizadas "in loco". Portanto, é necessário


o uso de fôrmas e de escoramentos, além do material de enchimento. Pode-se
utilizar fôrmas para substituir os materiais inertes. Essas fôrmas já são encontradas
em polipropileno ou em metal, com dimensões moduladas, sendo necessário utilizar
desmoldantes iguais aos empregados nas lajes maciças

-6-
4.7.2.2- Laje com nervuras pré-moldadas

Nessa alternativa, as nervuras são compostas de vigotas pré-moldadas, que


dispensam o uso do tabuleiro da fôrma tradicional. Essas vigotas são capazes de
suportar seu peso próprio e as ações de construção, necessitando apenas de
cimbramentos intermediários. Além das vigotas, essas lajes são constituídas de
elementos de enchimento, que são colocados sobre os elementos pré- moldados, e
também de concreto moldado no local. Há três tipos de vigotas.

•Concreto armado

•Concreto protendido

•Vigota treliçada

-7-
4.7.3- Lajes Nervuradas com Capitéis e com Vigas-faixa

Em regiões de apoio, tem-se uma concentração de tensões transversais,


podendo ocorrer ruína por punção ou por cisalhamento. Por serem mais frágeis,
esses tipos de ruína devem ser evitados, garantindo-se que a ruína, caso ocorra,
seja por flexão. Além disso, de acordo com o esquema estático adotado, pode ser
que apareçam esforços solicitantes elevados, que necessitem de uma estrutura mais
robusta.
Nesses casos, entre as alternativas possíveis, pode-se adotar

• região maciça em volta do pilar, formando um capitel;


• faixas maciças em uma ou em duas direções, constituindo vigas-faixa.

-8-
4.7.4- Materiais de enchimento

Como foi visto, a principal característica das lajes nervuradas é a diminuição


da quantidade de concreto, na região tracionada, podendo-se usar um material de
enchimento. Além de reduzir o consumo de concreto, há um alívio do peso
próprio.Portanto, o material de enchimento deve ser o mais leve possível, mas com
resistência suficiente para suportar as operações de execução. Deve-se ressaltar
que a resistência do material de enchimento não é considerada no cálculo da laje.
Podem ser utilizados vários tipos de materiais de enchimento, entre os quais: blocos
cerâmicos, blocos vazados de concreto e blocos de EPS (poliestireno
expandido),também conhecido como isopor. Esses blocos podem ser substituídos
por vazios,obtidos com fôrmas constituídas por caixotes reaproveitáveis.

4.7.4.1- Blocos cerâmicos ou de concreto

Em geral, esses blocos são usados nas lajes com vigotas pré-moldadas ,
devido à facilidade de execução. Eles são melhores isolantes térmicos do que o
concreto maciço. Uma de suas restrições é o peso específico elevado, para um
simples material de enchimento.

-9-
4.7.4.2- Blocos de EPS

Os blocos de EPS vêm ganhando espaço na execução de lajes nervuradas,


sendo utilizados principalmente junto com as vigotas treliçadas pré-moldadas As
principais características desses blocos são:

• Permite execução de teto plano;


• Facilidade de corte com fio quente ou com serra;
• Resiste bem às operações de montagem das armaduras e de concretagem,
com vedação eficiente;
• Coeficiente de absorção muito baixo, o que favorece a cura do concreto
moldado no local;
• Baixo módulo de elasticidade, permitindo uma adequada distribuição das
cargas;
• Isolante termo-acústico.

4.7.5- Vantagens da Laje Nervurada

• Grande possibilidade de flexibilização de espaços internos;

• Economia nas formas das lajes;

• Redução da mão de obra com armaduras;

• Melhor distribuição de esforços entre lajes e vigas;

• Poucas interferências com as instalações, devido a não existência de vigas


na região central;

- 10 -
• Menor volume de concreto em relação à laje plana; Permitem vencer grandes
vãos;

4.7.6- Desvantagens da Laje Nervurada

Para formar a grelha é necessário alugar formas plásticas recuperáveis ou


utilizar elementos estruturalmente inertes, como o isopor;

Exige uma compatibilização da estrutura com as instalações, para evitar


interferências com as nervuras;

Dificuldade nas passagens de tubulações;

Resultam em alturas maiores aumentando a altura final do prédio ou de cada


pé direito.

5- Lajes nervuradas com cubas plásticas

A fôrma de polipropileno é bem leve e fácil de posicionar. O resultado é uma


laje com menos materiais, rápida de fazer e também muito leve.Há dois métodos de
instalação das cubetas. Em um, as cubas são distribuídas sobre as fôrmas de
madeira, apoiadas sobre vigas e escoras metálicas. No outro método as fôrmas se
apóiam em vigas metálicas montadas sobre cabeçotes deslizantes.Apesar de leves -
cada peça pesa cerca de 3,3 kg - esses moldes agüentam a sobrecarga do concreto
fresco, o peso da armadura,de equipamentos e de homens andando sobre sua
superfície.sistema permite montagem e desmontagem rápida, dispensa a fixação
com pregos, e utiliza poucos componentes. Além disso, o formato das cubetas
(retangular ou quadrado) facilita o empilhamento, permite a estocagem em áreas
reduzidas e ajuda a desenforma. Isso, aliás, é muito importante para evitar danos às
peças, já que elas são fornecidas por aluguel e, portanto, reaproveitadas.

- 11 -
5.1- 1° Passo na Fabricação

Antes de tudo é preciso que o escoramento e o vigamento estejam montados


de acordo com as orientações do projetista. Só então é possível dar início à
instalação das cubetas plásticas. Para executar esse tipo de laje, use um sistema de
escoramento metálico, que permite remover as fôrmas com facilidade, sem retirar as
escoras.

5.2- 2° Passo

Em seguida, inicie a montagem da chapa de apoio das cubetas (tablado de


madeira) sobre as escoras. Nesta obra foi utilizado painel específico para lajes,
composto de chassi de alumínio forrado com compensado plastificado. Observe que
o painel tem seus quatro cantos encaixados nas escoras metálicas

- 12 -
5.3- 3° Passo

Distribua as Fôrmas sobre os painéis. Jamais utilize pregos para fixar as


cubas plásticas, pois eles danificam as peças, impedindo a reutilização. Em vez
disso, apenas coloque as cubas lado a lado.

5.4- 4° Passo

Para que as fôrmas plásticas não saiam do lugar, alinhe-as com o auxílio
de um sarrafo de madeira. Em seguida, prenda uma faixa de madeirite na
beirada da laje.A maior altura dessa tábua em relação à base das fôrmas ajuda a
manter as peças em suas devidas posições.

- 13 -
• Atenção

Antes de cada uso, aplique nas fôrmas líquido desmoldante, para


evitar a deterioração da peça e obter uma desenforma fácil, com um melhor
acabamento. Isso pode ser feito tanto por meio de aspersão, quanto por
aplicação com rolo, como mostra a foto.

5.5- 5° Passo

O passo seguinte será a colocação das armaduras. Lembre-se sempre de


consultar o projeto estrutural para verificar o posicionamento das armaduras

- 14 -
5.6- 6° Passo

Prenda os vergalhões e os estribos conforme indicação do projetista. Não


se esqueça de colocar corretamente os espaçadores para garantir o cobrimento
ideal do concreto.

5.7- 7° Passo

Após instalar todos os elementos da laje, pronto, ela pode ser concretada.

- 15 -
5.8- 8° Passo

Não amontoe o concreto sobre as fôrmas para garantir bom acabamento


da laje. Por isso, as concretagens devem ser feitas por camadas. Além disso,
para o adensamento do concreto, o vibrador não pode ter diâmetro com mais de
25mm.

5.9- 9 ° Passo

- 16 -
Agora você deve sarrafear e nivelar a laje.

5.10- 10° Passo

A desenforma é uma etapa muito importante da laje nervurada e, por isso,


requer atenção. Depois de três dias da concretagem (quando o concreto atinge a
resistência de 25 MPa) é possível iniciar a retirada do escoramento e do tablado
de apoio das cubetas, deixando o reescoramento a cada 1,5 m²..

- 17 -
5.11- 11° Passo

A próxima etapa será a retirada das cubetas. Faça isso com cuidado. Force
levemente um dos lados da cubeta para ela se soltar.

5.12- 12° Passo

Depois de retirar as Fôrmas, ainda será preciso esperar a cura completa do


concreto, que geralmente ocorre após 28 dias. Só então é possível retirar o
reescoramento. A laje está pronta.

- 18 -
6- Bibliografias

• www.comunidadedaconstrucao.com.br

Acesso em: 06/09/2010

• www.altoqi.com.br

Acesso em: 06/09/2010

• www.cpgec.ufrgs.br/rrios/LAJE

Acesso em: 06/09/2010

• www.equipedeobra.com.br

Acesso em: 06/09/2010

- 19 -