Sei sulla pagina 1di 18

c 


  

c
  


        



c c 


 !"##


GOIÂNIA

2010
c  

LISTA DE TABELAS E FIGURAS


RESUMO
OBJETIVOS
1. INTRODUÇÃO
2. EXPERIMENTAL
2.1. MATERIAIS E REAGENTES
2.2. PROCEDIMENTO
3. RESULTADOS E DISCUSSÃO
4. CONCLUSÃO
5. TABELAS E FIGURAS
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

  c

Figura 01: Mecanismo de síntese do N -fenil pirazol


Figura 02: Mecanismo de reação de neutralização do
bicarbonato
Figura 03: Reação de síntese de N -fenil pirazol e seus
possíveis produtos
Figura 04: Esquema de algumas interações
intermoleculares entre os produtos de síntese de N -fenil
pirazol e a sílica


$


Tabela 01: Propriedades físicas do Metanol


Tabela 02: Propriedades físicas do 1,1,3,3 -
tetrametóxipropano
Tabela 03: Propriedades físicas do Ácido clorídrico
concentrado
Tabela 04: propriedades físicas do Cloridrato de
fenilidrazina
Tabela 05: Propriedades Físicas do Clorofórmio
c 

Neste procedimento de síntese de N-fenil pirazol, foi pesada uma


massa de Cloridrato de Fenilidrazina numa balança analítica e transferida
para um erlenmeyer. Posteriormente, com auxílio de pipetas graduadas,
foram adicionados o 1,1,3,3-Tetrametóxipropano, o Metanol e o HCl
concentrado. Esses reagentes foram submetidos a um processo de refluxo
por uma hora e depois, os produtos, transferidos para um béquer e
reservados por uma semana em capela. Posteriormente, formou-se uma
pastilha usando sílica e fez-se a purificação do N-fenil pirazol através de
cromatografia de adsorção em coluna usando éter metílico como fase móvel
reservando-o por mais uma semana em capela. Finalmente, pesou-se o
béquer com o purificado, calculou-se a massa obtida por diferença de
pesagem e obteve-se o rendimento.
$% 

O objetivo deste procedimento é a obtenção de um composto


intermediário modelo para obtenção de novos protótipos de fármacos
antipsicóticos e calcular o rendimento desse procedimento em micro-escala.
ð   c&' 

Os antipsicóticos são fármacos que apresentam ação psicotrópica e


efeitos sedativos e psicomotores. Têm uso no tratamento sintomático de
psicoses, especialmente a esquizofrenia, mas também, como anestésicos e
em outros distúrbios de natureza psíquica. O uso prolongado,
preferencialmente em pequenas doses, pode prevenir o surgimento de novas
psicoses agudas. Existe uma subdivisão em antipsicóticos típicos e atípicos.

Os antipsicóticos típicos (haloperidol, flupentixol, fluspirileno, sulpirida,


levomepromazina, clorprotixeno) foram os primeiros fármacos desenvolvidos
para o tratamento de sintomas positivos da psicose (alucinações e delírios).
São antagonistas do receptor D2, no sistema límbico cerebral, e inibem a
superatividade das vias neurais da dopamina quando 80% desses receptores
estão bloqueados. Os efeitos adversos associados ao seu uso são efeitos
extrapiramidais (acatisia e parkinsonismo). Não interferem na lucidez ou no
intelecto, mas podem sedar fortemente o paciente.

Os antipsicóticos atípicos (clozapina, olanzapina, quetiapina,


risperidona, amissulprida, ziprasidona e o aripiprazol) possuem um alto efeito
nos receptores serotoninérgicos 5-HT-2A. Em decorrência disso, atuam
melhor nos sintomas negativos da esquizofrenia (isolamento soc ial, apatia,
indiferença emocional e pobreza de pensamento) e proporcionam menos
efeitos piramidais.
ï ( 


ï ðc  )  

m 1,1,3,3-tetrametóxipropano PA
m Algodão hidrófilo
m Balança analítica
m Béquer (25 mL)
m Capela
m Cloridrato de Fenilidrazina PA
m Clorofórmio PA
m Condensador de Allihn
m Erlenmeyer (250 mL)
m Espátula de metal
m Garra metálica
m HCl concentrado
m Manta elétrica
m Metanol PA
m Papel laminado
m Pipeta graduada (2 mL)
m Pipeta Graduada (25 mL)
m Pipeta graduada (5 mL)
m Sílica PA
m Solução NaHCO3 (10%)
m Suporte Universal
ï ï   

Na etapa inicial do procedimento, pesamos um béquer de 25,0 mL na


balança analítica e encontramos o valor ð) . Em seguida, transferimos
ð)*ï de cloridrato de fenilidrazina para esse béquer e, posteriormente, na
capela, pipetamos )*#
de metanol, ð)ï#
de 1,1,3,3-tetrametóxipropano
e *)+,#
de ácido clorídrico concentrado, com suas respectivas pipetas.

Posteriormente, sob a bancada fizemos uma montagem de refluxo


utilizando um suporte universal, uma manta elétrica, um condensador de
Allihn, uma garra metálica e um balão de fundo redondo. Antes de adaptar o
balão de fundo redondo à montagem, transferimos para seu interior o
conteúdo reacional presente no béquer de 25,0 mL.

A manta elétrica foi ligada a baixa intensidade para manter uma


temperatura abaixo de 64,6°C no meio reacional, e assim permaneceu por
um período de uma hora. Terminado o refluxo, resfriamos o balão e o meio
reacional em água corrente.

Posteriormente, colocamos o conteúdo reacional em um funil de


separação e adicionamos um pequeno volume de clorofórmio. Ao funil,
adicionamos, repetidamente, três alíquotas de solução saturada de
bicarbonato de sódio para neutralizar o meio.

O produto hidrofílico retirado do funil de separação foi descartado e a


solução de N-fenil pirazol em clorofórmio foi colocada em um béquer de 25,0
mL e reservada na capela, sujeita a variações diárias de temperatura e
umidade, por quinze dias.

Decorrido esse tempo, o clorofórmio evaporou totalmente devido à sua


baixa pressão de vapor à temperatura ambiente. No entanto, objetivando
uma maior pureza, fizemos a purificação do N-fenil pirazol por meio de
cromatografia de adsorção em coluna, usando sílica como fase estacionária
e clorofórmio como fase móvel. Para isso, adicionamos sílica ao béquer
contendo o N-fenil pirazol e formamos uma pastilha.

Na montagem para a cromatografia, utilizamos uma pipeta de 50,0 mL


com um pouco de algodão na extremidade inferior; depois, adicionamos pó
de sílica, até 7 cm acima do algodão; acima desta sílica, colocamos a
pastilha anteriormente preparada e mais um chumaço de algodão cobrindo a
pastilha.
Dentro da capela, adicionamos clorofórmio, a fase móvel, recolhemos o
purificado no béquer de 25,0 mL utilizado na pesagem anterior, e reservamos
o purificado com a fase móvel por uma semana na capela, em condições
semelhantes às anteriormente citadas.

Por fim, pesamos o béquer na balança analítica encontrando o valor


ï)-++ e, por diferença das pesagens desse béquer, encontramos o valor
de *)- de N-fenil pirazol obtida na síntese. O cálculo de rendimento (Ș%)
reacional indicou um valor de 82,48% para o nosso procedimento de síntese.
+ c
 c' 

O provável mecanismo de reação que culmina com a síntese de N-fenil


pirazol é reproduzido abaixo. A função catalítica do Ácido Clorídrico na
reação está relacionada com favorecimento do surgimento de um
grupamento carbonila ativo decorrente da saída de metoxila da molécula,
favorecida por uma reação ácido-base de Lewis.
 
à à à
à    
  
à à
à à à
à


à à  
à  
à
à  à
  à 
à
à à à

 
 
à
à  à  à
à 
 
à à

 
   
 à 
à  à  à
à à

   

  à
à  
à 
à
à

 

à 
V
m 
       

O processo de refluxo empregado apresenta algumas modificações do


procedimento considerado padrão. Essa modificação reside no fato de que
não houve a adaptação de nenhum líquido refrigerante ao condensador de
Allihn, sendo o ar ambiente o agente deste processo.
A baixa intensidade usada pela manta elétrica teve as finalidades de
não ultrapassar os 64,6°C correspondentes ao ponto de ebulição do metanol
puro e, simultaneamente, permitir maior interação entre os reagentes.

O processo de neutralização por meio do bicarbonato de sódio pode


ser evidenciado pela formação de efervescência e aumento da pressão
quando o funil de separação é agitado. O provável mecanismo que
desencadeia tal fenômeno está abaixo representado, na figura 2.

à à
 à
à à  
à   à à 

à  à   à
à
V
m 
     
  

A técnica de cromatografia de adsorção em coluna nos permitiu obter


uma maior pureza do produto desejado. Isso ocorre porque os possíveis
produtos formados são mais polares que a N-fenilidrazina. Os possíveis
produtos estão representados na figura 03, abaixo.

 

à à 
à à  à



 à à 
à à à à
V
m               

Apesar de ser teoricamente possível que a N-fenilidrazina seja retida


por interações com a sílica, isso é muito menos provável devido às suas
características moleculares. É a molécula, dentre as possíveis no meio
reacional, que é mais apolar devido à grande proporção de carbonos em
relação aos átomos eletronegativos que possui. Isso pode ser demonstrado,
esquematicamente, na figura 4.

  
à à à  à

à à à à à
  
à à à 

 
 à

V
m  !      "    
             #
 

De acordo com o mecanismo da figura 1, os reagentes participam,


estequiometricamente, na proporção 1:1. A partir daí, nosso primeiro passo
foi calcular o rendimento, identificando, inicialmente, os reagentes limitante e
excedente no meio reacional.

Tabela 04- Propriedades físicas do Cloridrato de Fenilidrazina


Fórmula Peso Estado Ponto de Ponto de Densidade Solubilidade
Molecular Molecular Físico Fusão (°C) Ebulição (g/mL)
(g/mol) (°C)
C6H9ClN2 144,601 H2O;EtOH

Uma consulta na tabela 04 nos fornece a massa molar de Cloridrato de


fenilidrazina e possibilita o cálculo no número de mols usado e abaixo
demonstrado.

Massa de Cloridrato de Fenilidrazina (m A).......................................1,061g

Massa molar de Cloridrato de Fenilidrazina (M A).........................144,602g/mol

Número de mols de Cloridrato de Fenilidrazina (nA):


— —


— 
Tabela 02- Propriedades físicas do 1,1,3,3-tetrametóxipropano
Fórmula Peso Estado Ponto de Ponto de Densidade Solubilidade
Molecular Molecular Físico Fusão (°C) Ebulição (g/mL)
(g/mol) (°C)
C7H16O4 164,200 Líquido 183; 66 12 0,99725 MeOH

A tabela 02 nos fornece a densidade e a massa molar do 1,1,3,3 -


tetrametóxipropano que são importantes para os sequintes cálculos:

Volume de 1,1,3,3-tetrametóxipropano (VB).....................................1,20 mL

Densidade do 1,1,3,3-tetrametóxipropano25°C (dB)...........................0,997g/mL

Massa molar do 1,1,3,3-tetrametóxipropano (MB)........................164,200g/mol

Número de mols de 1,1,3,3-tetrametóxipropano (nB):


—     

 
— 

Pelos valores acima obtidos, verificamos que o 1,1,3,3 -


tetrametóxipropano é o reagente limitante e o cloridrato de fenilidrazina é o
reagente excedente. Usando os valores do reagente limitante como
referência e consultando a sua massa molar na tabela 04, obtivemos o valor
de massa teórico de N-fenil pirazol (mC) pelos seguintes cálculos:

   — —
—  

O valor experimental da massa de N-fenil pirazol pode ser obtido pela
diferença das duas pesagens realizadas:

Massa do béquer de 25,0 mL vazio (m 1)..............................................19,967g

Massa do béquer de 25,0 mL com o N-fenil pirazol (m2)......................20,833g

    —  
  

Com os valores teóricos e experimentais disponíveis, calculamos o


rendimento porcentual (Ș%) do processo de síntese do N-fenil pirazol:
  
 —   
—  
v  
c' 

Concluo que o procedimento de síntese e purificação de N-fenil pirazol,


apesar dos arranjos práticos aplicados não obedecem criteriosamente aos
procedimentos operacionais padrões, teve um bom rendimento considerando
as possíveis perdas, teoricamente não-consideráveis, de N-fenil pirazol no
refluxo, na cromatografia de coluna, no processo de neutralização com
bicarbonato e por evaporação.
, $
  c

Tabela 01- Propriedades físicas do Metanol


Fórmula Peso Estado Ponto de Ponto de Densidade Solubilidade
Molecular Molecular Físico Fusão Ebulição (g/mL)
(g/mol) (°C) (°C)
CH4O 32,042 Líquido -97.53 64.6 0,791420 H2O, EtOH

Tabela 02- Propriedades físicas do 1,1,3,3-tetrametóxipropano


Fórmula Peso Estado Ponto de Ponto de Densidade Solubilidade
Molecular Molecular Físico Fusão (°C) Ebulição (g/mL)
(g/mol) (°C)
C7H16O4 164,200 Líquido 183; 6612 0,99725 MeOH

Tabela 03- Propriedades físicas do Ácido Clorídrico concentrado


Fórmula Peso Estado Ponto de Ponto de Densidade Solubilidade
Molecular Molecular Físico Fusão (°C) Ebulição (g/mL)
(g/mol) (°C)
HCl 36,46 Líquido -27,3838% 4838% 1,1838% H2O;MeOH

Tabela 04- Propriedades físicas do Cloridrato de Fenilidrazina


Fórmula Peso Estado Ponto de Ponto de Densidade Solubilidade
Molecular Molecular Físico Fusão (°C) Ebulição (g/mL)
(g/mol) (°C)
C6H9ClN2 144,601 H2O;EtOH

Tabela 05- Propriedades físicas do Clorofórmio


Fórmula Peso Estado Ponto de Ponto de Densidade Solubilidade
Molecular Molecular Físico Fusão (°C) Ebulição (g/mL)
(g/mol) (°C)
CCl 3 119,38 Líquido -63,5 62,1 1,48
 
à à à
à    
à 
à à
à à
à



à à  
  
à
à
 à à à
à

 à  à à



 
à
à à  à à 
 
à à


 
à 
 à  à  à
  à
à

 
 à à 
 à
à 
à




 à

V
m $
       

à à
à à
à 
à à à

à  à  à

V
m %
     
  


à à 
à à  à


à à  

à à à à
V
m &              

  
à à à  à

à à à à à
  
à à à 

 
 à

V
m ' !      "    
             #
 
  $$
  

./0

O conteúdo ³antipsicótico´ foi pesquisado no site:


<http://pt.wikipedia.org/wiki/Antipsic%C3%B3tico>

O conteúdo ³fenilidrazina´ foi pesquisado no site:


<http://pt.wikipedia.org/wiki/Fenilidrazina>

O conteúdo ³metanol´ foi pesquisado no site:


<HTTP://pt.wikipédia.org/wiki/metanol>

O conteúdo ³1,1,3,3-tetrametóxipropano´ foi pesquisado no site:


<http://webbook.nist.gov/cgi/cbook.cgi?ID=102-52-3&Units=SI>

O conteúdo ³ácido clorídrico´ foi pesquisado no site:


<http://pt.wikipedia.org/wiki/%C3%81cido_clor%C3%ADdrico>

O conteúdo ³clorofórmio´ foi pesquisado nos sites:


<http://pt.wikipedia.org/wiki/Clorof%C3%B3rmio>
<http://webbook.nist.gov/cgi/cbook.cgi?ID=67-66-3&Units=SI&cTP=on>

CRC, Handbook of Chemistry and Physics; Lide, David R, 87Th Edition 2006-
2007, ed. Taylor and Francis, Boca Raton, FL.