Sei sulla pagina 1di 1

F MESSINICA

Tudo, na vida humana, principalmente a nossa f, tem de ser verstil ( enten-katsudats


u ), livre e desimpedido ( jiyumugue ). Enten significa a roda gira . Se a roda possui are
tas, no pode girar. Com muita razo se diz: Aquela pessoa perdeu as areastas porque
sofreu muito .
Entretanto, mais do que possuir arestas, existem pessoas que se assemelham ao kon
peito (doce cheio de nculos). Ao invs de rodarem, vivem se enroscando em toda parte
. H outras que sofrem dentro do prprio molde por elas criado, o que desculpvel, qua
ndo se limita a elas prprias; mas h quem considere boa ao atormentar o prximo, encurr
alando-o dentro desse molde.
Os exemplos que citamos so caractersticos da f
ssas pessoas cheira a mofo e causa nuseas.

Shojo

e no se limitam Religio. A vida

Jiyu-mugue significa no criar formas, normas e mandamentos e, por extenso, ser complet
mente livre de todas as limitaes . Devo lembrar-lhes que no se trata de egocentrismo,
e sim, da liberdade que respeita a liberdade alheia.
Sendo Daijo , a F Messinica difere muito da f Shojo , cujos preceitos so to rigorosos
la prpria no consegue cumpri-los. Eles so cumpridos apenas superficialmente, no na s
ua essncia. Essa duplicidade de ao gera fracasso e, ao mesmo tempo, constitui um ma
l, porque d origem hipocrisia. Assim sendo, as pessoas de f Shojo so aparentemente bo
as, mas interiormente ruins. Ao contrrio, as de f Daijo sentem-se mais livres, alegr
es, sem necessidade de camuflagem, porque sabem respeitar a liberdade humana; ne
las, a hipocrisia no tem lugar. Esta a verdadeira e grata F Messinica.
Em outras palavras, as pessoas de f Shojo sofrem de mania de grandeza, tornam-se me
galomanacas, porque caem, sem querer, na hipocrisia. Isso as torna insuportveis e
antipticas. Alm disso, elas diminuem-se, ao invs de engrandecer-se. Chamamos de home
m limitado a esse tipo de pessoa.
Na ocasio de levantar alguma construo, por exemplo, divirjo sempre do operrio que se
preocupa somente com a beleza exterior. Como isso, de certo modo, causa m impres
so, fao-o corrigir as suas falhas. O mesmo se aplica aos homens. Os que procuram s
er modestos, so sempre mais respeitados, porque parecem mais nobres. Portanto, os
que professam a nossa F, devem tornar-se alvo de um respeito sincero.

20 de abril de 1949
(Alicerce do Paraso

vol.3

pg.52)