Sei sulla pagina 1di 25
REPÚBLICA DE ANGOLA GOVERNO DA PROVÍNCIA DA HUÍLA ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL DO LUBANGO Repartição Municipal da
REPÚBLICA DE ANGOLA
GOVERNO DA PROVÍNCIA DA HUÍLA
ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL DO LUBANGO
Repartição Municipal da Educação
Escola do I Ciclo do Ensino Secundário nº 852 “11 de Novembro”
FASCÍCULO DE FISICA
TEMA A: MOVIMENTO
Elaborado por: Evaristo José das Mangas
Revisado por: Alda Svetlana Chombé
Lubango,2015

Escola do I Ciclo do Ensino Secundário 11 de Novembro -Lubango

2015

Índice

TEMA A: MOVIMENTO

2

Introdução

2

Posição de um corpo numa trajectória

3

Referencial

3

Relatividade do Movimento

4

Vector deslocamento

4

Movimento Rectilíneo e Uniforme (MRU)

6

Velocidade de um corpo

6

Movimento Progressivo e Retrógrado

6

Função Horária do MRU

7

Exercícios Resolvidos

7

Exercícios Propostos

10

Movimentos com velocidade escalar variável. Movimento Rectilíneo Uniformemente

Variado (MRUV)

12

Aceleração escalar

12

Exercícios Resolvidos

13

Movimento acelerado e retardado

14

Funções horárias do MRUV

14

Exercícios Resolvidos

15

Velocidade escalar média no MRUV

15

Equação de Torricelli para o MRUV

16

Exercicios Resolvidos

16

Exercicios Propostos

17

Movimento vertical no vácuo : Queda livre

18

Exercícios Resolvidos

20

Exercícios Propostos

22

BIBLIOGRAFIA

23

20 Exercícios Propostos 22 BIBLIOGRAFIA 23 Elaborado por: Evaristo José das Mangas Página 1
20 Exercícios Propostos 22 BIBLIOGRAFIA 23 Elaborado por: Evaristo José das Mangas Página 1

Escola do I Ciclo do Ensino Secundário 11 de Novembro -Lubango

2015

TEMA A: MOVIMENTO

Introdução

O movimento é um dos fenómenos mais comuns no dia-a-dia e foi o assunto mais estudado na Física, tendo dado origem à Mecânica.

A Mecânica é

Cinemática, Dinâmica e Estática.

a parte

da

Física

que

estuda os movimentos.

Divide-se

em

Cinemática é a parte da Mecânica que estuda os movimentos dos corpos sem

atender as causas que as originam.

Dinâmica é a parte da Mecânica que estuda os movimentos dos corpos e as forças

que as originam.

Estática é a parte da Mecânica que estuda o equilíbrio dos corpos.

Movimento Mecânico é a variação de posição de um corpo no decorrer do tempo

em relação a outros corpos.

Corpo Pontual (ou Ponto Material) é um corpo que em determinadas condições se

pode desprezar as suas dimensões, ou é um corpo cujas dimensões não interferem

no estudo de determinado fenómeno.

Há corpos que em determinadas condições podem ser considerados pontuais e

outras condições não.

Exemplos:

Um carro que realiza uma manobra para estacionar numa vaga é um corpo extenso.

Já o mesmo carro, em uma viagem ao longo de uma estrada, pode ser tratado como

um corpo pontual.

Em todas as questões e fenómenos discutidos nesse fascículo, os corpos em estudo

denominados móveis, são considerados pontos materiais.

Quando as dimensões de um corpo são relevantes no estudo de determinado

fenómeno, ele é chamado de corpo extenso.

no estudo de determinado fenómeno, ele é chamado de corpo extenso. Elaborado por: Evaristo José das
no estudo de determinado fenómeno, ele é chamado de corpo extenso. Elaborado por: Evaristo José das

Escola do I Ciclo do Ensino Secundário 11 de Novembro -Lubango

2015

Posição de um corpo numa trajectória

A primeira etapa em Cinemática é a determinação, em cada instante, da

posição de um corpo. A posição de um corpo pode ser associada à noção de marca quilómetros numa estrada intermunicipal ou interprovincial.

Ao longo de uma estrada intermunicipal existem marcos quilómetros cuja função é localizar, por exemplo, veículos que nela trafegam. Se a posição de um autocarro é determinado pelo marco 90 km, não significa necessariamente que esse autocarro tenha se deslocado 90 km.

Se um autocarro tiver partido de uma localidade no km 60 e se deslocado até o km 90, terá andado nesse intervalo de tempo 30km, diferente de portanto de 90 km. Desse modo o marco quilómetro numa estrada apenas localiza o móvel e não indica o quanto o móvel andou, nem o sentido do movimento.

Para generalizar essas noções, chamaremos de trajectória o conjunto das posições sucessivas ocupadas por um móvel no decorrer do tempo.

Na trajectória escolhemos arbitrariamente um marco zero a partir qual medimos comprimentos que indicam a posição do móvel, mas não fornecem nem o sentido nem a distância percorrida.

mas não fornecem nem o sentido nem a distância percorrida. A trajectória de um corpo pode

A trajectória de um corpo pode ser: Rectilínea, Curvilínea ou Mista.

Referencial Um corpo está em movimento quando a sua posição muda no decorrer do tempo em relação a outros.

O corpo em relação ao qual identificamos se um corpo está em movimento ou

em repouso é chamado referencial ou sistema de referências.

ou em repouso é chamado referencial ou sistema de referências. Elaborado por: Evaristo José das Mangas
ou em repouso é chamado referencial ou sistema de referências. Elaborado por: Evaristo José das Mangas

Escola do I Ciclo do Ensino Secundário 11 de Novembro -Lubango

2015

Relatividade do Movimento Um corpo pode estar em movimento ou em repouso em relação a determinado corpo.

Exemplo: um passageiro dentro de um Hiace em movimento, o passageiro

sentado dentro do Hiace está em movimento em relação a um referencial fixo

no solo e em repouso em relação a um referencial fixo no Hiace.

Um ponto material está em movimento em relação a um determinado referencial, quando sua posição, nesse referencial, varia no decurso do tempo

Um ponto material está em repouso em relação a um determinado referencial quando a sua posição, nesse referencial, não varia no decorrer do tempo. Em suma os conceitos de repouso e de movimento dependem do referencial adoptado.

Vector deslocamento Vector é um segmento de recta orientada, considerado como descrito de um ponto que se move desde uma origem (ponto inicial), até uma extremidade (ponto de chegada).

Um vector é caracterizado por: módulo, direcção, sentido e nalguns casos por um ponto de aplicação.

Vector deslocamento é um segmento de recta orientada, que une a posição inicial de um corpo com a sua posição final.

O vector deslocamento representa-se por

mediante a fórmula:

, onde

e o seu módulo calcula-se

e

.

por mediante a fórmula: , onde e o seu módulo calcula-se e . Elaborado por: Evaristo
por mediante a fórmula: , onde e o seu módulo calcula-se e . Elaborado por: Evaristo

Escola do I Ciclo do Ensino Secundário 11 de Novembro -Lubango

2015

Exercício Resolvido.

1. Um corpo em movimento, desloca-se da posição de coordenadas

para a posição

1.1. O valor da projecção do vector deslocamento;

1.2. O módulo do vector deslocamento Solução Para resolver este exercício, primeiro representa-se no mesmo plano cartesiano as coordenadas iniciais e as coordenadas finais

.Calcule:

.

Logo tem-se:

iniciais e as coordenadas finais .Calcule: . Logo tem-se: Como — e   , sabe-se que:

Como

e

 

, sabe-se que:

,

Então:

tem-se: Como — e   , sabe-se que: , Então: Elaborado por: Evaristo José das Mangas
tem-se: Como — e   , sabe-se que: , Então: Elaborado por: Evaristo José das Mangas

Escola do I Ciclo do Ensino Secundário 11 de Novembro -Lubango

2015

Movimento Rectilíneo e Uniforme (MRU) Movimento Rectilíneo e Uniforme é aquele em que um corpo percorre distâncias iguais em intervalos de tempos iguais.

Movimento Rectilíneo e Uniforme é aquele em que um corpo se desloca por uma trajectória rectilínea com uma velocidade constante.

Velocidade de um corpo

A qualquer movimento, associamos a grandeza chamada velocidade escalar

para medir a variação de posição (espaços) do móvel no decorrer do tempo.

,, oouu

No MRU o deslocamento depende linearmente do tempo segundo a equação

.

A velocidade no sistema internacional de unidades (SI) mede-se em m/s, mas

comummente mede-se em km/h.

Para converter Km/h em m/s basta dividir o valor da velocidade por 3,6.Para converter m/s em Km/h basta multiplicar o valor da velocidade por 3,6.

A velocidade escalar em cada instante é denominada velocidade escalar

instantânea.

Movimento Progressivo e Retrógrado

O Movimento Rectilíneo e Uniforme pode ser progressivo ou retrógrado.

O movimento é chamado progressivo quando o móvel caminha a favor da orientação positiva da trajectória. Seus espaços crescem no decurso do tempo e sua velocidade escalar é positiva.

crescem no decurso do tempo e sua velocidade escalar é positiva . Elaborado por: Evaristo José
crescem no decurso do tempo e sua velocidade escalar é positiva . Elaborado por: Evaristo José

Escola do I Ciclo do Ensino Secundário 11 de Novembro -Lubango

2015

O movimento é chamado retrógrado quando o móvel caminha contra a orientação positiva da trajectória. Seus espaços decrescem no decurso do tempo e sua velocidade escalar é negativa.

no decurso do tempo e sua velocidade escalar é negativa . Função Horária do MRU A

Função Horária do MRU

A função que relaciona o espaço com os correspondentes instantes t é

denominada Função horária do movimento e é representada genericamente

por expressão que se lê : é uma função de .

A função horária de um corpo em MRU é dada por

nalguns livros

e representam respectivamente espaço inicial ou posição inicial do móvel.

ou conforme

para o caso de o movimento ser progressivo, onde

A função horária de um corpo em MRU é dada por para o caso de o movimento ser retrógrado.

ou ainda

Toda vez que fornecermos uma função horária, devemos indicar as unidades:

se

estiver em metros

e

em segundos

, a unidade da velocidade

será

; se

estiver em quilómetros

e

em horas

, a unidade da

velocidade será

.

Exercícios Resolvidos 1. Um caminhão se desloca com velocidade escalar constante de 144 Km/h. Suponha que o motorista cochile durante 1,0s. Qual a distância, em metros, percorrida pelo caminhão nesse intervalo de tempo se ele não colidir com algum obstáculo? Solução. Como o exercício pede para determinar quantos metros percorreu caminhão então primeiro temos que converter o valor da velocidade em m/s.

então primeiro temos que converter o valor da velocidade em m/s. Elaborado por: Evaristo José das
então primeiro temos que converter o valor da velocidade em m/s. Elaborado por: Evaristo José das

Escola do I Ciclo do Ensino Secundário 11 de Novembro -Lubango

2015

R: A distância, em metros, percorrida pelo caminhão nesse intervalo de tempo se ele não colidir com algum obstáculo é de 40m.

2. Um carro mantém uma velocidade escalar constante de 72,0 km/h. Em uma hora e dez minutos ele percorre, em quilómetros, a distância de :

a) 79,2

b) 84,0

c) 80,0

d) 90,0

e) 82,4

Solução. Como o exercício pede para determinar quantos quilómetros percorreu carro, e o tempo está dado em horas e minutos, então primeiro temos que converter o tempo em horas.

Convertendo tem-se:

Agora adicionando

na hora que o carro leva temos:

R: A alternativa correcta é a linha b)

hora que o carro leva temos: R: A alternativa correcta é a linha b) Elaborado por:
hora que o carro leva temos: R: A alternativa correcta é a linha b) Elaborado por:

Escola do I Ciclo do Ensino Secundário 11 de Novembro -Lubango

2015

3. Dois comboios A e B partem de uma estação e seguem, por uma linha recta, no mesmo sentido. O primeiro está animado de uma velocidade de 30Km/h e

o segundo de 40Km/h. Se o segundo parte 2h depois do primeiro, determine:

3.1. As suas posições, 5h depois de partir o primeiro comboio

3.2. O tempo que demora o segundo comboio a alcançar o primeiro

3.3. A que distancia da estação o alcança. Solução

A função horária que caracteriza este tipo de movimento é

.

A função horária para o comboio A é

Como o comboio B parte 2h depois do primeiro, então a sua função horária é

Sendo que

, as suas posições são respectivamente

e

O segundo comboio alcança o primeiro quando os seus espaços são iguais.

que demora o comboio B a alcançar o A é

.

,

logo

o

tempo

Para determinar a que distância da estação o comboio B alcança o A, basta substituir o tempo que leva para alcançar o A, em qualquer uma das funções horárias para cada um dos comboios.

km da estação.

, portanto, o comboio B alcança o A, a 240

4. Um móvel descreve um movimento rectilíneo uniforme, de acordo com a

função horária:

4.1. O espaço inicial e sua velocidade escalar;

4.2. A posição no instante t = 10s;

4.3. O instante em que ele passará pela origem dos espaços.

para esse móvel determine:

Solução:

pela origem dos espaços. para esse móvel determine: Solução: Elaborado por: Evaristo José das Mangas Página
pela origem dos espaços. para esse móvel determine: Solução: Elaborado por: Evaristo José das Mangas Página

Escola do I Ciclo do Ensino Secundário 11 de Novembro -Lubango

2015

De acordo a função horária para esse tipo de movimento

tem-se que

A posição no instante t = 10s é

e

no SI.

, então

O instante em que ele passará pela origem dos espaços é quando , logo

.

Portanto o móvel passará pela origem dos espaços no instante

5.

Um

móvel

Determine:

se

5.1.A

função

movimento;

desloca

horária

do

5.2. A posição do móvel no instante t=30s

segundo

o

diagrama

da

figura.

do móvel no instante t=30s segundo o diagrama da figura. Solução: 5.1. A partir do gráfico

Solução:

5.1. A partir do gráfico vemos que , tem-se

horária do movimento é

5.2. A posição do móvel no instante t=30s é

, portanto a função

de

então

, o movimento é retrográdo.

.

Exercícios Propostos. 1. Um carro mantém uma velocidade escalar constante de 72,0 km/h. Em uma hora e quinze minutos ele percorre, em quilómetros, a distância de :

a) 79,2

b) 84,0

c) 80,0

d) 90,0

e) 82,4

2. Um objecto desloca-se em movimento rectilíneo uniforme durante 30 s. A figura que se segue representa o gráfico do espaço em função do tempo. Qual

o espaço do objecto no instante t = 30 s?

função do tempo. Qual o espaço do objecto no instante t = 30 s? Elaborado por:
função do tempo. Qual o espaço do objecto no instante t = 30 s? Elaborado por:

Escola do I Ciclo do Ensino Secundário 11 de Novembro -Lubango

2015

do Ensino Secundário 11 de Novembro -Lubango 2015 3. Dois carros, A e B, de dimensões

3. Dois carros, A e B, de dimensões desprezíveis, movem-se em movimento uniforme e no mesmo sentido. No instante t = 0, os carros encontram-se nas posições indicadas na figura. Determine depois de quanto tempo A alcança B.

na figura. Determine depois de quanto tempo A alcança B. 4. Dois móveis, A e B

4. Dois móveis, A e B, percorreram uma trajectória rectilínea conforme as

equações horárias

metros e o tempo t em segundos. No instante t = 0 s, a distância, em metros, entre o móveis era de:

sendo a posição em

e

a) 30

b) 50

c) 60

d) 80

e) 120

5. Um móvel realiza um movimento uniforme num referencial determinado. Seus espaços variam com o tempo segundo os dados da tabela:

0

2

4

6

8

5

13

21

29

37

5.1. Determine o espaço inicial

5.2. O movimento é progressivo ou retrógrado?

5.3. Qual é a função horária do movimento?

e a velocidade escalar

do movimento

6. De uma cidade parte um Autocarro com uma velocidade de 50km/h. Depois de duas horas parte um carro, no mesmo sentido com uma velocidade de 70km/h. Calcule em quantas horas o carro alcançará o Autocarro.

7. As cidades A e B distam 700km. Um trem, cuja velocidade é de 50km/h, sai de A às 5 horas, outro sai do mesmo lugar às 7 horas e percorre com a

A às 5 horas, outro sai do mesmo lugar às 7 horas e percorre com a
A às 5 horas, outro sai do mesmo lugar às 7 horas e percorre com a

Escola do I Ciclo do Ensino Secundário 11 de Novembro -Lubango

2015

velocidade de 60km/h. Calcule a que distância da cidade de A se encontrarão e a que horas.

8. Um corpo moveu-se, a partir de um ponto de coordenadas

e

, até o ponto de coordenadas

e

. Determine o vector

deslocamento do corpo e as suas projecções os eixos de coordenadas.

Movimentos com velocidade escalar variável. Movimento Rectilíneo Uniformemente Variado (MRUV)

Na vida prática, em geral, os movimentos que conhecemos são não uniformes

ou

variados.

O

movimento rectilíneo no qual a velocidade varia com o decorrer do tempo

chama-se movimento rectilíneo não uniforme ou variado.

Nos movimentos não uniformes (variados) é comum falar da Velocidade

escalar média de um ponto material que é uma grandeza igual ao deslocamento percorrido em média por unidade de tempo.

Os movimentos são classificados em movimentos uniformes ,aqueles que possuem velocidade escalar constante e movimentos variados cuja velocidade escalar varia com o tempo.

Os movimentos de velocidade escalar variável são os mais comuns. Em geral,

uma pessoa andando, um carro em deslocamento etc. têm velocidades

escalares variáveis no tempo. No movimento uniforme, a velocidade escalar média calculada em qualquer

intervalo de tempo é sempre a mesma e igual à velocidade escalar em qualquer instante. Esse facto não ocorre no movimento variado.

O MRUV é aquele em que o móvel sofre variações de velocidades iguais em

intervalos de tempos iguais.

Aceleração escalar

Num

movimento variado, seja

a velocidade escalar do móvel no instante

e

a velocidade no instante posterior

. Seja

, a variação de

a velocidade no instante posterior . Seja , a variação de Elaborado por: Evaristo José das
a velocidade no instante posterior . Seja , a variação de Elaborado por: Evaristo José das

Escola do I Ciclo do Ensino Secundário 11 de Novembro -Lubango

2015

velocidade no intervalo de tempo . A aceleração escalar média no intervalo de tempo é, por definição:

Observe que a aceleração escalar média é a grandeza que indica de quanto varia a velocidade escalar num intervalo de tempo

Define-se a aceleração média como sendo a razão entre a variação da velocidade e o intervalo de tempo decorrido. A unidade de aceleração no SI é o metro por segundo ao quadrado, ou

.

O MRUV é um movimento com aceleração constante, onde a aceleração média é igual a aceleração instantânea.

Exercícios Resolvidos

1. Em um anúncio de certo tipo de automóvel, afirma-se que o veículo, partindo do repouso atinge a velocidade de 108 km/h em 8s. Qual é a aceleração escalar média desse automóvel? Solução:

R: A aceleração do automóvel é de 3,75m/s 2 .

Solução: R: A aceleração do automóvel é de 3,75m/s 2 . Elaborado por: Evaristo José das
Solução: R: A aceleração do automóvel é de 3,75m/s 2 . Elaborado por: Evaristo José das

Escola do I Ciclo do Ensino Secundário 11 de Novembro -Lubango

2015

Movimento acelerado e retardado O MRUV pode ser acelerado ou retardado. Quando o movimento é acelerado, a velocidade do corpo aumenta ao longo do tempo, e quando é retardado, a velocidade do corpo diminui com o tempo.

Movimento Acelerado

Movimento Acelerado Movimento Retardado

Movimento Retardado

Movimento Acelerado Movimento Retardado

Funções horárias do MRUV Nos movimentos variados, além do espaço variar no decurso do tempo, também a velocidade escalar é uma função do tempo. A velocidade escalar pode ser apresentada como função do tempo através de tabelas ou de equações matemáticas. Todo MRUV possui aceleração escalar constante com o tempo e velocidade escalar variável de acordo com a função:

, Função horária da velocidade

, Função horária do espaço

Essas funções definem o MRUV em qualquer tipo de trajectória. No entanto, o conhecimento apenas das funções horárias não permite nenhuma conclusão sobre a forma da trajectória. Da função horária dos espaços, após identificar , podemos chegar a função horária da velocidade como segue.

podemos chegar a função horária da velocidade como segue. De , De , Elaborado por: Evaristo

De

,

De

,

a função horária da velocidade como segue. De , De , Elaborado por: Evaristo José das
a função horária da velocidade como segue. De , De , Elaborado por: Evaristo José das

Escola do I Ciclo do Ensino Secundário 11 de Novembro -Lubango

2015

1.

Exercícios Resolvidos

É dado o movimento cujos espaços

a partir de uma origem, varia em função do tempo conforme:

, medido na trajectória (em metros)

1.1. Determine o tipo geral de movimento dado pela função horária

1.2. Determine o espaço inicial e a velocidade inicial, e a aceleração escalar

1.3. Determine a função da velocidade escalar em função do tempo.

1.4. Verifica se o móvel muda de sentido; se mudar, determine o espaço nesse instante.

Solução

1.1.

O tipo geral de movimento dado pela função horária é o MRUV, de acordo com a função do segundo grau em t.

1.2.

Comparando

com

,vemos que

1.3.

A função da velocidade escalar em função do tempo é do tipo , então

1.4.

Há mudança de sentido em

,logo:

Nesse instante o espaço é:

Velocidade escalar média no MRUV No movimento rectilineo uniformemente variado (MRUV), a velocidade , num intervalo de tempo, é a média aritmética das velocidades escalares

nos instantes que definem o intervalo: .

das velocidades escalares nos instantes que definem o intervalo: . Elaborado por: Evaristo José das Mangas
das velocidades escalares nos instantes que definem o intervalo: . Elaborado por: Evaristo José das Mangas

Escola do I Ciclo do Ensino Secundário 11 de Novembro -Lubango

2015

Equação de Torricelli para o MRUV No MRUV há muitos casos nos quais interessa relacionar a velocidade escalar em função do espaço , o que é feito com o emprego da chamada Equação de Torricelli, que deduzimos a seguir:

Dada a equação , quadradando ambos membros temos ,factorizando a aceleração

vem

da equação do espaço

,

logo vem:

ou ainda:

Da Equação de Torricelli tem-se que e
Da Equação de Torricelli tem-se que
e

quando

.

Equação de Torricelli

Exercicios Resolvidos 1. Um avião , ao levantar ,rola sobre a pista durante 15 s e , no momento de descolar, possui uma velocidade de 100 m/s.Com que aceleraçao se moveu o avião e qual é o espaço percorrido na pista? Solução:

R:A aceleraçao com que se moveu o avião foi de 6,7m/s 2 e o espaço percorrido na pista foi de 753,8m.

foi de 6,7m/s 2 e o espaço percorrido na pista foi de 753,8m. Elaborado por: Evaristo
foi de 6,7m/s 2 e o espaço percorrido na pista foi de 753,8m. Elaborado por: Evaristo

Escola do I Ciclo do Ensino Secundário 11 de Novembro -Lubango

2015

2. Um foguetão move-se com uma aceleraçao de 45 m/s 2 e num instante determinado alcança uma velocidade de 900m/s. Que distância em quilómetros percorrerá nos 2,5 s seguintes?

convertendo em quilómetros obtém-se aproximadamente

Exercicios Propostos

1. Um automóvel move-se com velocidade escalar de 72 km/h, é freado de tal

forma que, 6,0 s após o início da freada, sua velocidade escalar é de 8,0 m/s. Qual o tempo gasto pelo móvel até parar e a distância percorrida por ele? 2. Um trem de 200 m de comprimento, com velocidade escalar constante de 60 km/h, gasta 36 s para atravessar completamente uma ponte. A extensão da ponte, em metros, é de:

a) 200

b)400

c) 600

d) 800

e) 500

3. Um avião, para descolar da terra, deve possuir uma velocidade de 180km/h. A que distância do ponto de partida se encontra o avião quando alcança essa velocidade se percorrer a pista com uma aceleração constante de 2,5 m/s 2 ?

percorrer a pista com uma aceleração constante de 2,5 m/s 2 ? Elaborado por: Evaristo José
percorrer a pista com uma aceleração constante de 2,5 m/s 2 ? Elaborado por: Evaristo José

Escola do I Ciclo do Ensino Secundário 11 de Novembro -Lubango

2015

4. Um automóvel parte do repouso e atinge a velocidade de 108 km/h após um tempo de 5s.Calcule a aceleração escalar média do automóvel, nesse intervalo de tempo, em m/s 2 .

5. Um autocarro arranca com uma aceleraçao constante de 1,5 m/s 2 .Que distancia terá percorrido quando a velocidade for igual a 54 km/h?

6. Um móvel efectua um movimento rectilíneo uniformemente variado obedecendo à equação horária no . A velocidade do móvel no instante t = 4,0 s, em m/s, vale:

a) 50

b)20

c)0

d)-20

e)-30

7. Uma partícula com velocidade escalar igual a 10 m/s é acelerada na razão constante de 2 m/s 2 . Para atingir uma velocidade escalar igual a 30 m/s, será necessário percorrer:

a)

40 m

b) 200m

c) 300m

d) 400m

e) 500m

8. Um automóvel, partindo do repouso, leva 5,0 s para percorrer 25 m em movimento uniformemente variado. Qual é a velocidade final do automóvel?

9. Um corpo descreve um movimento uniformemente variado, com velocidade

que obedece à seguinte função horária: , determine:

9.1. A velocidade inicial e a aceleração do movimento

9.2. Sua velocidade no instante

9.3. O instante de tempo em que a velocidade se anula

9.4. O diagrama

para o movimento

Movimento vertical no vácuo : Queda livre O movimento vertical de um corpo próximo ao solo é chamado de queda livre quando o corpo é abandonado no vácuo ou se considera desprezível a acção do ar. Seu estudo é idêntico ao de um lançamento na vertical, o qual difere da queda livre somente por apresentar uma velocidade inicial vertical. Esses movimentos são descritos pelas mesmas funções horárias. A aceleração do movimento vertical no vácuo é denominada aceleração da gravidade e indicada por g. Como o movimento se realiza nas proximidades da superfície terrestre, a aceleração da gravidade é considerada constante. Assim a queda livre e o movimento na vertical são movimentos uniformemente variados.

e o movimento na vertical são movimentos uniformemente variados. Elaborado por: Evaristo José das Mangas Página
e o movimento na vertical são movimentos uniformemente variados. Elaborado por: Evaristo José das Mangas Página

Escola do I Ciclo do Ensino Secundário 11 de Novembro -Lubango

2015

O

valor da aceleração da gravidade, tomado ao nível do mar e a uma altitude de ,

é:

.

Esse valor é chamado de aceleração normal da gravidade. Na resolução de exercícios, para facilidade de cálculos, as vezes arredonda-se esse

valor para

.

A

queda de uma maçã de uma macieira, uma pedra lançada verticalmente para cima

e

o movimento orbital de um satélite são exemplos de movimentos de queda livre

quando os efeitos da resistência do ar podem ser desprezados.

os efeitos da resistência do ar podem ser desprezados . Fig. a) Fig. b) Na figura

Fig.

a)

da resistência do ar podem ser desprezados . Fig. a) Fig. b) Na figura anterior mostra-se

Fig.

b)

Na figura anterior mostra-se os movimentos de (a) subida e (b) descida de uma bola lançada verticalmente para cima. A figura mostra o movimento da bola em quatro instantes de tempo diferentes. Como no movimento de subida a aceleração é contrária ao movimento, a velocidade diminui até se anular no ponto mais alto da trajectória. Nesse ponto a aceleração não é nula, de modo que a velocidade começa a aumentar “para baixo”.As funções do MRUV descrevem o movimento vertical e a queda livre, basta substituir .

descrevem o movimento vertical e a queda livre, basta substituir . Elaborado por: Evaristo José das
descrevem o movimento vertical e a queda livre, basta substituir . Elaborado por: Evaristo José das

Escola do I Ciclo do Ensino Secundário 11 de Novembro -Lubango

2015

Funções do MRUV

ou

Funções da queda livre

ou

Lembre-se de que essas funções descrevem a ida e a volta do móvel, isto é, no MRUV existe uma função única tanto para ida como para o retorno. Orientando-se a trajectória par cima: . Orientando-se a trajectória par baixo: .

Exercícios Resolvidos 1. Abandonando-se uma pedra do alto de um edifício e esta atinge o solo 4 s depois. Desprezando-se a resistência do ar determine:

1.1. A altura do edifício;

1.2. O módulo da velocidade da pedra quando esta atinge o solo.

Solução.

módulo da velocidade da pedra quando esta atinge o solo. Solução. Elaborado por: Evaristo José das
módulo da velocidade da pedra quando esta atinge o solo. Solução. Elaborado por: Evaristo José das

Escola do I Ciclo do Ensino Secundário 11 de Novembro -Lubango

2015

Como orientando-se a trajectória para baixo:

, logo:

, portanto a altura do edifício é de 78,4m.

Como

da pedra quando esta atinge o solo é

, então

, portanto o módulo da velocidade

2. Um ponto material é lançado do solo, verticalmente para cima, com velocidade de 18 m/s. Desprezando-se a resistência do ar e adoptando , determine:

2.1. O tempo de subida;

2.2. A altura máxima

2.3. As funções horárias do movimento

Solução

Como

, então substituindo em

, vem

Sabe-se

que

então,

 

que é a altura máxima do ponto material.

 

De

e

uma vez que a trajectória orientando-se para

cima:

.

Então as horárias do movimento são

e

.

para cima: . Então as horárias do movimento são e . Elaborado por: Evaristo José das
para cima: . Então as horárias do movimento são e . Elaborado por: Evaristo José das

Escola do I Ciclo do Ensino Secundário 11 de Novembro -Lubango

2015

Exercícios Propostos

1. Um pára-quedista cai de um avião de 1200 m. Se o seu movimento for uniformemente variado, calcula:

1.1. O tempo que o pára-quedista demora para atingir o solo;

1.2. A velocidade a que o pára-quedista chega ao solo.

2. Um corpo é lançado verticalmente para cima, com velocidade de 20 m/s, de um ponto situado a 160 m do solo. Despreze a resistência

do ar e adopte

2.1. Qual o tempo gasto pelo corpo para atingir o solo?

2.2. Qual a velocidade do corpo no instante 5 s ?

.

3. Uma bola de ténis é arremessada verticalmente para cima, partindo do chão, com uma velocidade de 20 m/s. Em que instantes a bola

estará a 15 m acima do chão?

4. De um andar de um edifício em construção caiu um tijolo , a partir do repouso, que atingiu o solo 2 s depois. Desprezando-se a resistência do ar, calcule:

4.1. A altura do andar de onde caiu o tijolo

4.2. A velocidade escalar do tijolo quando atingiu o solo.

o tijolo 4.2. A velocidade escalar do tijolo quando atingiu o solo. Elaborado por: Evaristo José
o tijolo 4.2. A velocidade escalar do tijolo quando atingiu o solo. Elaborado por: Evaristo José

Escola do I Ciclo do Ensino Secundário 11 de Novembro -Lubango

2015

BIBLIOGRAFIA

Angola (n.d).Física. Ensino Médio-9ª.Classe. Ministério da Educação. Republica Popular de Angola. BAPTISTA, Jesus J.; BREGANHA, Maria da Graça(2010). Física-9ª.Classe:Manual do Aluno.1ºCiclo do Ensino Secundário. Reforma Educativa. Texto Editores BONJORNO, José Roberto ; BONJORNO, Regina Azenha.(n.d). Física Simuladão. HALLIDAY,David; RESNICK, Robert; WALKER, Jearl.( 2008). Fundamentos de Física. Vol.1.trad.e rev.Ronaldo Sergio de Biasi.-8ªed.-Rio de Janeiro:LTC. JÚNIOR, Francisco Ramalho; FERRARO, Nicolau Gilberto; SOARES, Paulo António de Toledo.( 2007). Os Fundamentos da Física.vol.1.-9 ed.rev. e ampl.-SP:Moderna. LEMES, Maurício Ruv; SBRUZZI, Luiz Fernando (n.d). Física Mecânica, Passado e Presente na Luta da Educação.

(n.d). Física Mecânica, Passado e Presente na Luta da Educação. Elaborado por: Evaristo José das Mangas
(n.d). Física Mecânica, Passado e Presente na Luta da Educação. Elaborado por: Evaristo José das Mangas

Escola do I Ciclo do Ensino Secundário 11 de Novembro -Lubango

2015

I Ciclo do Ensino Secundário 11 de Novembro -Lubango 2015 Elaborado por: Evaristo José das Mangas
I Ciclo do Ensino Secundário 11 de Novembro -Lubango 2015 Elaborado por: Evaristo José das Mangas