Sei sulla pagina 1di 49
LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO
LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO

LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO

LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO

LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO

LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO Os sistemas de lagoas de estabilização constituem- se na forma mais simples para
LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO Os sistemas de lagoas de estabilização constituem- se na forma mais simples para

Os sistemas de lagoas de estabilização constituem- se na forma mais simples para o tratamento dos esgotos.

Há diversas variantes dos sistemas de lagoas de estabilização, com diferentes níveis de simplicidade operacional e requisitos de área.

LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO

LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO São os seguintes os sistemas de lagoas de estabilização: Lagoas facultativas Sistemas de
LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO São os seguintes os sistemas de lagoas de estabilização: Lagoas facultativas Sistemas de

São os seguintes os sistemas de lagoas de estabilização:

Lagoas facultativas Sistemas de lagoas anaeróbias seguidas por lagoas facultativas Lagoas aeradas facultativas Lagoas de maturação

LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO

LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO São bastante indicadas para: regiões de clima quente (temperatura e insolação elevadas)
LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO São bastante indicadas para: regiões de clima quente (temperatura e insolação elevadas)

São bastante indicadas para:

regiões de clima quente (temperatura e insolação elevadas) Suficiente disponibilidade de área Operação simples Necessidade de poucos ou nenhum equipamento

LAGOAS FACULTATIVAS
LAGOAS FACULTATIVAS

LAGOAS FACULTATIVAS

LAGOAS FACULTATIVAS
LAGOAS FACULTATIVAS

LAGOAS FACULTATIVAS

LAGOAS FACULTATIVAS
LAGOAS FACULTATIVAS
LAGOAS FACULTATIVAS

DESCRIÇÃO DO PROCESSO

DESCRIÇÃO DO PROCESSO
DESCRIÇÃO DO PROCESSO
DESCRIÇÃO DO PROCESSO

DESCRIÇÃO DO PROCESSO

DESCRIÇÃO DO PROCESSO Vantagens: Grande simplicidade e à confiabilidade da operação. Processo natural: não há
DESCRIÇÃO DO PROCESSO Vantagens: Grande simplicidade e à confiabilidade da operação. Processo natural: não há

Vantagens:

Grande simplicidade e à confiabilidade da operação. Processo natural: não há equipamentos que possam estragar ou esquemas especiais requeridos.

Desvantagens:

Natureza lenta: necessita de longos tempos de detenção para que as reações se completem; Necessitando de grandes requisitos de área.

LAGOAS FACULTATIVAS

LAGOAS FACULTATIVAS Os custos das lagoas de estabilização são bastante competitivos, desde que os custos do
LAGOAS FACULTATIVAS Os custos das lagoas de estabilização são bastante competitivos, desde que os custos do

Os custos das lagoas de estabilização são bastante competitivos, desde que os custos do terreno ou a necessidade de movimentos de terra não sejam excessivos.

A construção é simples, envolvendo principalmente movimento de terra, e os custos operacionais são bem baixos, em comparação com outros métodos de tratamento.

LAGOAS FACULTATIVAS

LAGOAS FACULTATIVAS
LAGOAS FACULTATIVAS
LAGOAS FACULTATIVAS

CRITÉRIOS DE PROJETO

CRITÉRIOS DE PROJETO Taxa de aplicação superficial Profundidade Tempo de detenção Geometria das lagoas
CRITÉRIOS DE PROJETO Taxa de aplicação superficial Profundidade Tempo de detenção Geometria das lagoas

Taxa de aplicação superficial

Profundidade

Tempo de detenção

Geometria das lagoas

Taxa de aplicação superficial

Taxa de aplicação superficial Carga orgânica por unidade de área Baseia-se na necessidade de se ter
Taxa de aplicação superficial Carga orgânica por unidade de área Baseia-se na necessidade de se ter
Taxa de aplicação superficial Carga orgânica por unidade de área Baseia-se na necessidade de se ter
Taxa de aplicação superficial Carga orgânica por unidade de área Baseia-se na necessidade de se ter
Taxa de aplicação superficial Carga orgânica por unidade de área Baseia-se na necessidade de se ter

Carga orgânica por unidade de área

Baseia-se na necessidade de se ter uma determinada área de exposição à luz solar na lagoa, para que o processo de fotossíntese ocorra.

fotossíntese e, o

crescimento de algas, é o de se ter uma produção de oxigênio suficiente para suprir a demanda de oxigênio.

Objetivo

de

garantir

se

a

Taxa de aplicação superficial (L s )

Taxa de aplicação superficial (L s ) A área requerida para a lagoa é calculada em
Taxa de aplicação superficial (L s ) A área requerida para a lagoa é calculada em

A área requerida para a lagoa é calculada em função da taxa de aplicação superficial (L s ). A taxa é expressa em termos da carga de DBO.

(L s ). A taxa é expressa em termos da carga de DBO. A = L

A

=

L

L

s

Onde:

A= área requerida para a lagoa (ha); L= carga de DBO total (solúvel + particulada) afluente (KgDBO 5 )/d); L s = taxa de aplicação superficial

Taxa de aplicação superficial (L s )

Taxa de aplicação superficial (L s ) A taxa a ser adotada, varia com a temperatura
Taxa de aplicação superficial (L s ) A taxa a ser adotada, varia com a temperatura

A taxa a ser adotada, varia com a temperatura local, latitude, exposição solar, altitude e outros.

local, latitude, exposição solar, altitude e outros. (Sperling, 2002). Equação proposta por Mara (1997),

(Sperling, 2002).

Equação proposta por Mara (1997), segundo o autor, possui aplicabilidade global:

L

s

=

350

(

1,107 - 0,002

T

) (

T

autor, possui aplicabilidade global: L s = 350 ( 1,107 - 0,002 T ) ( T

Temperatura média do ar no mês mais frio.

25 )

CRITÉRIOS DE PROJETO

CRITÉRIOS DE PROJETO Profundidade (H): H = V/A H adotado = 1,5 m a 2,0 m
CRITÉRIOS DE PROJETO Profundidade (H): H = V/A H adotado = 1,5 m a 2,0 m

Profundidade (H):

H = V/A H adotado = 1,5 m a 2,0 m

H = V/A H adotado = 1,5 m a 2,0 m

Tempo de detenção hidráulica: Tempo necessário para que os microrganismos procedam a estabilização da matéria orgânica. t = V/Q

Onde:

t= tempo de detenção (d)

V = volume da lagoa (m3)

Q= vazão média afluente (m3/d)

Tempo de detenção hidráulica resultante: t = 15 a 45 dias

CRITÉRIOS DE PROJETO

CRITÉRIOS DE PROJETO Geometria da lagoa (relação comprimento/largura): Relação comprimento/largura: L/B = 2 a 4
CRITÉRIOS DE PROJETO Geometria da lagoa (relação comprimento/largura): Relação comprimento/largura: L/B = 2 a 4

Geometria da lagoa (relação comprimento/largura):

Relação comprimento/largura: L/B = 2 a 4

Lagoas Facultativa

Lagoas Facultativa
Lagoas Facultativa
Lagoas Facultativa

Lagoas Facultativa

Lagoas Facultativa
Lagoas Facultativa
Lagoas Facultativa

LAGOAS FACULTATIVAS

LAGOAS FACULTATIVAS Acúmulo de lodo: 0,03 a 0,08 m3/hab.ano 2 a 3 cm por ano Possível
LAGOAS FACULTATIVAS Acúmulo de lodo: 0,03 a 0,08 m3/hab.ano 2 a 3 cm por ano Possível

Acúmulo de lodo:

0,03 a 0,08 m3/hab.ano 2 a 3 cm por ano Possível operação sem remoção de lodo durante todo o horizonte de projeto

LAGOAS FACULTATIVAS

LAGOAS FACULTATIVAS
LAGOAS FACULTATIVAS
LAGOAS FACULTATIVAS

ARRANJOS DE LAGOAS

ARRANJOS DE LAGOAS Células em série: possui maior eficiência do que uma lagoa única, com o
ARRANJOS DE LAGOAS Células em série: possui maior eficiência do que uma lagoa única, com o
ARRANJOS DE LAGOAS Células em série: possui maior eficiência do que uma lagoa única, com o

Células em série: possui maior eficiência do que uma lagoa única, com o mesmo tempo de detenção total.

Células em paralelo: possui a mesma eficiência que uma lagoa única; o sistema possui maior flexibilidade e garantia.

LAGOAS ANAERÓBIAS
LAGOAS ANAERÓBIAS

LAGOAS ANAERÓBIAS

LAGOAS ANAERÓBIAS
LAGOAS ANAERÓBIAS

LAGOAS ANAERÓBIAS

LAGOAS ANAERÓBIAS Existência de condições estritamente anaeróbias . É alcançado através do lançamento de uma
LAGOAS ANAERÓBIAS Existência de condições estritamente anaeróbias . É alcançado através do lançamento de uma

Existência de condições estritamente anaeróbias. É alcançado através do lançamento de uma grande carga de DBO por unidade de volume da lagoa, fazendo com que a taxa de consumo de oxigênio seja várias vezes superior à taxa de produção. As lagoas anaeróbias são profundas, da ordem de 3 a 5 m. A profundidade é importante no sentido de reduzir a possibilidade da penetração do OD produzido na superfície para as demais camadas.

LAGOAS ANAERÓBIAS

LAGOAS ANAERÓBIAS Pelo fato das lagoas serem mais profundas, a área requerida é correspondentemente menor .
LAGOAS ANAERÓBIAS Pelo fato das lagoas serem mais profundas, a área requerida é correspondentemente menor .

Pelo fato das lagoas serem mais profundas, a área requerida é correspondentemente menor.

A eficiência da remoção de DBO nas lagoas anaeróbias é usualmente da ordem de 50 a 70%. A DBO efluente é ainda elevada, implicando na necessidade de uma unidade posterior de tratamento.

Sistemas de lagoas anaeróbias- lagoas facultativas (Sistema australiano).

SISTEMA AUSTRALIANO

SISTEMA AUSTRALIANO
SISTEMA AUSTRALIANO
SISTEMA AUSTRALIANO

LAGOASLAGOAS ANAERÓBIASANAERÓBIAS ++ LAGOASLAGOAS FACULTATIVASFACULTATIVAS

LAGOASLAGOAS ANAERÓBIASANAERÓBIAS ++ LAGOASLAGOAS FACULTATIVASFACULTATIVAS
LAGOASLAGOAS ANAERÓBIASANAERÓBIAS ++ LAGOASLAGOAS FACULTATIVASFACULTATIVAS
LAGOASLAGOAS ANAERÓBIASANAERÓBIAS ++ LAGOASLAGOAS FACULTATIVASFACULTATIVAS

LAGOAS ANAERÓBIAS

LAGOAS ANAERÓBIAS A remoção de DBO na lagoa anaeróbia proporciona uma substancial economia de área para
LAGOAS ANAERÓBIAS A remoção de DBO na lagoa anaeróbia proporciona uma substancial economia de área para

A remoção de DBO na lagoa anaeróbia proporciona uma substancial economia de área para a lagoa facultativa, fazendo com que o requisito de área total (lagoa anaeróbia + lagoa facultativa) seja em torno de 45 a 70% do requisito de uma lagoa facultativa única.

Etapa anaeróbia: possibilidade de geração de maus odores (H2S – gás sulfídrico).

Lagoa anaeróbia
Lagoa anaeróbia
Lagoa anaeróbia

Lagoa anaeróbia

CRITÉRIOS DE PROJETO

CRITÉRIOS DE PROJETO Taxa de aplicação volumétrica: V = L/Lv L = carga de DBO afluente
CRITÉRIOS DE PROJETO Taxa de aplicação volumétrica: V = L/Lv L = carga de DBO afluente

Taxa de aplicação volumétrica:

V = L/Lv

L = carga de DBO afluente (KgDBO/d) L v = Taxa de aplicação Volumétrica (kg DBO/m 3 .d) V = volume requerido para a lagoa

Temperatura média do ar mais frio-T(°C)

Taxa de aplicação volumétrica admissível-L v (KgDBO/m 3 .d)

10

a 20

0,02T-0,10

20

a 25

0,01T+0,10

 

>25

0,35

LAGOAS ANAERÓBIAS

LAGOAS ANAERÓBIAS Tempo de detenção: 3 a 6 dias. t = V/Q Q = Vazão média
LAGOAS ANAERÓBIAS Tempo de detenção: 3 a 6 dias. t = V/Q Q = Vazão média

Tempo de detenção: 3 a 6 dias. t = V/Q

Q = Vazão média afluente (m 3 /d) t = Tempo de detenção hidráulica (d) V = Volume requerido para a lagoa (m 3 )

Profundidade: 3 a 5 m. Formato da lagoa: Relação L/B = 1 a 3.

Cálculo da concentração efluente (DBO efl ) da lagoa anaeróbia

efluente (DBO e f l ) da lagoa anaeróbia Uma vez estimada a eficiência de remoção
efluente (DBO e f l ) da lagoa anaeróbia Uma vez estimada a eficiência de remoção

Uma vez estimada a eficiência de remoção (E), calcula-se a concentração efluente pelas fórmulas:

E = (S 0 – DBO efl ) x 100/S 0

DBO efl = S 0 (1 – E/100)

L =

(

100

)

E xL

 

0

100

Onde:

S 0 =concentração

de

DBO

total

afluente

(mg/L);

DBOefl=concentração

de

DBO

total

efluente(mg/L);

E= eficiência de remoção(%).

LAGOAS AERADAS
LAGOAS AERADAS

LAGOAS AERADAS

LAGOAS AERADAS
LAGOAS AERADAS

LAGOAS AERADAS

LAGOAS AERADAS
LAGOAS AERADAS
LAGOAS AERADAS

LAGOAS AERADAS

LAGOAS AERADAS A lagoa aerada é utilizada quando se deseja ter um sistema predominantemente aeróbio ,
LAGOAS AERADAS A lagoa aerada é utilizada quando se deseja ter um sistema predominantemente aeróbio ,

A lagoa aerada é utilizada quando se deseja ter um sistema predominantemente aeróbio, e de dimensões mais reduzidas que as lagoas facultativas ou o sistema australiano. O oxigênio é obtido principalmente através de aeradores. Devido a introdução de mecanização, as lagoas aeradas são menos simples em termos de manutenção e operação, comparadas com as lagoas facultativas convencionais.

LAGOAS AERADAS

LAGOAS AERADAS Os aeradores mecânicos mais comumente utilizados em lagoas aeradas são unidades de eixo vertical
LAGOAS AERADAS Os aeradores mecânicos mais comumente utilizados em lagoas aeradas são unidades de eixo vertical

Os aeradores mecânicos mais comumente utilizados em lagoas aeradas são unidades de eixo vertical que, ao rodarem em alta velocidade, causam um grande turbilhonamento na água.

Este turbilhonamento propicia a penetração do oxigênio atmosférico na massa líquida, onde ele se dissolve. Com isto, consegue-se uma maior introdução de oxigênio, comparada a lagoa facultativa convencional, permitindo que a decomposição da M.O se dê mais rapidamente.

LAGOAS AERADAS

LAGOAS AERADAS Em decorrência, o tempo de detenção do esgoto na lagoa pode ser menor (
LAGOAS AERADAS Em decorrência, o tempo de detenção do esgoto na lagoa pode ser menor (

Em decorrência, o tempo de detenção do esgoto na lagoa pode ser menor (da ordem de 5 a 10 dias), ou seja o requisito de área é bem inferior.

Profundidade: 2,5 a 4,0 m.

LAGOAS DE MATURAÇÃO
LAGOAS DE MATURAÇÃO

LAGOAS DE MATURAÇÃO

LAGOAS DE MATURAÇÃO
LAGOAS DE MATURAÇÃO

LAGOAS DE MATURAÇÃO

LAGOAS DE MATURAÇÃO
LAGOAS DE MATURAÇÃO
LAGOAS DE MATURAÇÃO

LAGOAS DE MATURAÇÃO

LAGOAS DE MATURAÇÃO Remoção de organismos patogênicos . As lagoas de maturação possibilitam um polimento no
LAGOAS DE MATURAÇÃO Remoção de organismos patogênicos . As lagoas de maturação possibilitam um polimento no

Remoção de organismos patogênicos.

As lagoas de maturação possibilitam um polimento no efluente de qualquer dos sistemas de lagoas de estabilização ou, em termos mais amplos, de qualquer sistema de tratamento de esgotos.

LAGOAS DE MATURAÇÃO

LAGOAS DE MATURAÇÃO A lagoa de maturação são mais rasas, comparadas as outras lagoas. As lagoas
LAGOAS DE MATURAÇÃO A lagoa de maturação são mais rasas, comparadas as outras lagoas. As lagoas

A lagoa de maturação são mais rasas, comparadas as outras lagoas.

As lagoas de maturação devem atingir elevadíssimas eficiências na remoção de coliformes (99,99%).

De forma a maximizar a eficiência de remoção, as lagoas de maturação: três ou quatro lagoas em série.

Profundidade: 0,8 a 1m