Sei sulla pagina 1di 22

Sistemas de Abastecimento e

Tratamento de Água

Gustavo Barbosa Alcântara, EST


Conceito

• Abastecimento de água é o serviço público


constituído de um conjunto de sistemas
hidráulicas e instalações responsável pelo
suprimento de água para atendimento das
necessidades da população de uma
comunidade.
Registros
• Mesopotâmia(2500 a. C.): aquedutos e
canalizações para a condução da água dos rios e
lagos até as cidades

• Roma e Grécia Antiga: técnicas de abastecimento


e irrigação de áreas cultivadas

• Revolução Industrial (século XIX): necessidade de


se estabelecer uma infra-estrutura que
assegurasse o consumo, a distribuição e a
salubridade tanto da água potável quanto daquela
destinada a usos industriais ou agrícolas.
Objetivo
Um sistema de abastecimento urbano de água deve
funcionar ininterruptamente fornecendo água potável para
que as seguintes perspectivas sejam alcançadas:

• Controle e prevenção de doenças;


• Melhores condições sanitárias (higienização intensificada e
aprimoramento das tarefas de limpeza doméstica em geral);
• Conforto e segurança coletiva (limpeza pública e
instalações antiincêndio);
• Desenvolvimento de práticas recreativas e de esportes;
• Maior número de áreas ajardinadas, parques, etc;
• Desenvolvimento turístico, industrial e comercial.
Usos da Água
No dia a dia das comunidades urbanas, o abastecimento de
água deve suprir as diversas modalidades de consumo.

O destino da água distribuída, em geral, é o seguinte:

• Uso doméstico (bebida, banhos, limpezas em geral);


• Gasto público (edifícios públicos, fontes ornamentais,
proteção contra incêndios);
• Consumo comercial e industrial (unidades comerciais,
consumo industrial, centrais de condicionamento de ar);
• Perdas e desperdícios (deficiências das instalações e má
utilização).
Usos da Água
O volume de água em uma comunidade dependerá de uma
série de circunstâncias que farão com que este valor seja
mais ou menos intenso.

Os mais notáveis são:

• Características da população (hábitos higiênicos, situação


econômica, educação sanitária);
• Desenvolvimento da cidade;
• Presença de indústrias;
• Condições climáticas;
• Características do sistema (quantidade e qualidade da
água, sistemas de medição, pressão na rede, etc);
NAVEGAÇÃO
HIDROELETRICIDADE
USOS MÚLTIPLOS

ABASTECIMENTO
HUMANO

IRRIGAÇÃO
CONTROLE DE CHEIA

ABASTECIMENTO INDUSTRIAL

RECREAÇÃO E TURISMO PESCA E AQUICULTURA


Qualidade da água

FLUXOGRAMA DE UTILIZAÇÃO DA ÁGUA

PADRÃO 1 PADRÃO 2

ANÁLISES E CONDICIONAMENTO ANÁLISES E


AMOSTRAGEM EXAMES (TRATAMENTO) EXAMES

MANANCIAL

PADRÃO 1: RESOLUÇÃO 20 CONAMA USO

PADRÃO 2: POTABILIDADE
Classificação das Águas
Resolução Conama 20/1986:

Águas doces (Abastecimento):


• Salinidade igual ou inferior a 0,5 ppm;
• Classes: Especial, I, II, III, IV e V

• Águas salobras
• Salinidade variando de 0,5 ppm a 30 ppm;
• Classes: VII e VIII

• Águas salinas
• Salinidade maior que 30 ppm
• Classe: VI
Classificação das Águas
Águas Doces – Classe Especial
• Abastecimento doméstico sem prévia ou com simples
desinfecção;à preservação do equilíbrio natural das
comunidades aquáticas.

Águas Doces – Classe I


• Abastecimento doméstico após tratamento simplificado;à
proteção das comunidades aquáticas;à recreação (natação,
esqui aquático e mergulho);à irrigação de hortaliças que
são consumidas cruas e de frutas que se desenvolvam
rentes ao solo;à criação natural e/ou intensiva (aqüicultura)
de espécie destinadas à alimentação humana.
Classificação das Águas
Águas Doces – Classe II
• Abastecimento doméstico após tratamento convencional;à
proteção das comunidades aquáticas;à recreação (natação,
esqui aquático e mergulho);à irrigação de hortaliças e
plantas frutíferas;à criação natural e/ou intensiva
(aquicultura) de espécie destinadas à alimentação humana.

Águas Doces – Classe III


• Abastecimento doméstico após tratamento convencional;
• Irrigação de culturas arbóreas e forrageiras;
• Dessedentação de animais.
Classificação das Águas
Águas Doces – Classe IV
• Navegação;
• Harmonia paisagística;
• Usos menos exigentes.

Águas Salinas – Classe V


• Recreação do contato primário;
• Proteção das comunidades aquáticas;
• Criação natural e/ou intensiva (aquicultura) de espécie
destinadas à alimentação humana.
Classificação das Águas
Águas Salinas – Classe VI
• Navegação comercial;
• Harmonia paisagística;
• Recreação de contato secundário.

Águas Salobras – Classe VII


• Recreação do contato primário;
• Proteção das comunidades aquáticas;
• Criação natural e/ou intensiva (aqüicultura) de espécie
destinadas à alimentação humana.
Classificação das Águas
Águas Salobras – Classe VIII
• Navegação comercial;
• Harmonia paisagística;
• Recreação de contato secundário.
Tratamento de Água
1. Represa

2. Captação e Bombeamento

3. Pré-cloração, pré-alcalinização,
Coagulação

4. Floculação

5. Decantação

6. Filtração

7. Cloração e Fluoretação

8. Reservatório

9. Distribuição

10. Redes de distribuição

11. Cidade
Tratamento de Água – Etapas
• Pré-cloração: Inicialmente é• Coagulação: Nesta fase tem-se a
feita adição de cloro, assim adição de sulfato de alumínio, cloreto
que a água chega à estação. férrico ou outro coagulante, seguido
O objetivo é facilitar a retirada de uma agitação violenta da água
de matéria orgânica e metais para provocar a desestabilização
do líquido; elétrica das partículas de sujeira,
facilitando assim a sua agregação.
• Pré-alcalinização: Depois do
cloro, a água recebe adição • Floculação: Após a coagulação há
de cal ou soda, que servem uma mistura lenta da água, que
para ajustar o pH aos valores serve para provocar a formação de
exigidos nas fases seguintes flocos com as partículas.
do tratamento.
• Decantação: Este processo faz com
que a água passe por grandes
tanques para a decantação dos
flocos de sujeira formados na
floculação.
Tratamento de Água – Etapas
• Filtração: Logo depois, a • Desinfecção: Finalmente é feita uma
água atravessa tanques última adição de cloro na água antes
dotados com leitos de pedras, de sua saída da Estação de
areia e carvão antracito, Tratamento. Ela serva para manter
responsáveis por reter a um teor residual até a chegada na
sujeira que restou da fase de casa do consumidor. Além do que
decantação. isso garante que a água fornecida
fique isenta de bactérias e vírus.
• Pós-alcalinização: Nesta
etapa é feita a correção final• Fluoretação: Também é feita a
do pH da água, para evitar adição de flúor na água para a
problemas de corrosão ou prevenção de cáries
incrustação das tubulações.
Doenças de Veiculação Hídrica
• A água é o principal veículo de agentes causadores de
doenças do trato gastrintestinal (diarréias, sobretudo),
estando a sua qualidade diretamente relacionada com os
indicadores de morbi-mortalidade infantil

• No Brasil, de acordo com a Organização Mundial de


Saúde, 80% das doenças e 65% das internações
hospitalares, implicando gastos de US$ 2,5 bilhões por
ano, relacionam-se com água contaminada e falta de
esgotamento sanitário dos dejetos. As enfermidades vão
desde gastroenterites a graves doenças que podem ser
fatais e apresentar proporções epidêmicas.
Doenças de Veiculação Hídrica
• Amebíase • Cólera

• Giardíase • Esquistossomose*

• Criptosporidíase • Ascaridíase*

• Gastroenterite • Teníase*

• Hepatite infecciosa • Oxiuríase*

• Febres tifóide e paratifóide • Ancilostomíase*


Áreas Residuárias
• Águas residuais ou Águas residuais industriais:
residuárias são todas as • resultantes de processos de
águas descartadas que fabricação.
resultam da utilização para
diversos processos.
Exemplos : Águas de infiltração:
• resultam da infiltração nos
coletores de água existente
Águas residuais domésticas: nos terrenos.
• provenientes de banhos;
• provenientes de cozinhas; Águas urbanas:
• provenientes de lavagens • resultam de chuvas,
de pavimentos domésticos. lavagem de pavimentos,
regas, etc.
Áreas Residuárias
• Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) que,
no Brasil, se designa oficialmente também por Estação de
Tratamento de Efluentes (ETE), são estações que tratam as
águas residuais de origem doméstica e/ou industrial,
comumente chamadas deesgotos sanitários ou despejos
industriais , para depois serem escoadas para
o mar ou rio com um nível de poluição aceitável (ou então,
serem "reutilizadas" para usos domésticos), através de
um emissário, conforme a legislação vigente para o meio
ambiente receptor.

• Numa ETAR, as águas residuais passam por vários


processos de tratamento com o objetivo de separar ou
diminuir a quantidade da matéria poluente da água.
Sistemas de Abastecimento e
Tratamento de Água

Gustavo Barbosa Alcântara, EST