Sei sulla pagina 1di 8

Domínio de Formação: Mundo Actual Unidade de Competência: O Homem e o Ambiente

Ficha de Trabalho – As Energias Renováveis e o Ambiente


Nome:__________________________________________________ Nº _______
Data: __ /__ / _______

Hoje em dia estão em voga os problemas ambientais devido à excessiva utilização dos combustíveis
fósseis, desde o efeito de estufa ao elevado teor de dióxido de carbono (CO2). Para fazer frente a esse problema
foi elaborado o Protocolo de Quioto, no entanto os países mais poluidores (EUA e China) não o assinaram e
continuam a ignorar os apelos da comunidade internacional.
A grande procura de energia não permite deixar de lado a utilização dos combustíveis fósseis, mas está
a ser feito um grande esforço de modo a inverter um consumo exagerado, apresentando-se alternativas credíveis
tais como as novas formas de energia (energias renováveis (principalmente eólica e solar)).
Actualmente está a ser feito um trabalho de forma a garantir que a maior percentagem de energia
produzida, seja através de meios renováveis e ainda evitando-se consumos desnecessários fazendo-se uma
utilização racional da energia, para isso a ciência continua tentar desenvolver novos métodos e processos,
melhorando os materiais que por sua vez irão aumentar o rendimento energético.
Definitivamente esse é o caminho que muitos procuram e que foi baptizado de Desenvolvimento
Sustentável pois é o desenvolvimento que procura satisfazer as necessidades da geração actual, sem
comprometer a capacidade das gerações futuras satisfazerem as suas próprias necessidades.

Energias Renováveis

As energias renováveis são todas aquelas formas de energia cuja taxa de utilização é inferior à sua taxa
de renovação. Esta produção de energia não causa problemas ambientais, ou seja, não há emissão de gases e
outros produtos tóxicos para o meio ambiente, ao contrário do que acontece com a produção de energia através
da queima de combustíveis fósseis.
As fontes de energia renovável podem ter origem terrestre (energia geotérmica), gravitacional (energia
das marés) e solar (energia armazenada na biomassa, energia de radiação solar, energia hidráulica, energia
térmica oceânica e energia cinética dos ventos e das ondas). Os resíduos agrícolas, urbanos, industriais também
são considerados fontes de energia renovável.
Devido ao compromisso assumido pela União Europeia no Protocolo de Quioto, sobre as alterações
climáticas que obrigam os países a reduzirem as emissões de dióxido de carbono responsabilizando as politicas
regionais e locais na contribuição para os objectivos globais. Portugal integrado como está na União Europeia
terá que se sujeitar ás politicas adoptadas por Bruxelas que se traduzem pela assinatura do protocolo
pretendendo a redução global da emissão de GEE em 2010 para valores inferiores em 8% aos que se
verificaram em 1990, no entanto foi acordado entre os países da união europeia (acordo de partilha) que os
países mais desenvolvidos, por exemplo a Alemanha faria uma redução superior a 8% para permitir que os
países menos desenvolvidos, como por exemplo Portugal pudessem ver aumentada a sua emissão; mesmo
assim devido a uma má gestão o valor foi excedido no final do ano de 2000, restando ao país reduzir o valor
verificado em 2000 se pretender cumprir os compromissos que assumiu, visto a estar sujeito às penalidades por
não cumprimento.
Assim sendo as energias renováveis assumem particular relevância uma vez que permitem atenuar as
emissões de dióxido de carbono, ao mesmo tempo contribuem para reduzir as importações e a dependência
energética dos produtos petrolíferos (a produção de electricidade a partir de fontes renováveis além de usar uma
energia que não tem custos para o País uma vez que todas as outras formas de energia com alguma expressão
necessitam da importação de combustíveis (carvão, petróleo ou gás natural) que temos de adquirir ao
estrangeiro), potenciando também a criação de emprego e segurança energética.
Portugal apresenta uma dependência energética do exterior extremamente elevada (durante a década de
noventa importamos cerca de 80% da energia primária consumida), mas devido ao Protocolo de Quioto fixou-
se a meta global que Portugal em 2010, 39% da electricidade consumida deveria ser gerada a partir de origem
renovável; mas não é previsível que assim seja devido a politicas conservacionistas do consumo de energia que
pecam pela morosidade do processo de licenciamento nas suas diferentes fases tornando-se no principal
obstáculo para que Portugal cumpra os objectivos a que se comprometeu, sendo assim é recomendável que se

Formadora: Sofia Costa Campos


Domínio de Formação: Mundo Actual Unidade de Competência: O Homem e o Ambiente
comece apostar na conservação de energia devendo-se intensificar a campanha de educação dos cidadãos
(temos que mudar atitude do consumidor).
No nosso país existem alguns mecanismos de apoio para a produção de energias renováveis, um regime
jurídico que estabelece uma tarifa diferenciada para a produção de electricidade a partir de fontes de energia
renovável e outro um sistema de incentivos de apoio ao investimento em projectos de produção de energia por
recurso a energias novas e renováveis e de utilização racional de energia, criado no âmbito do Terceiro Quadro
Comunitário de Apoio para Portugal, refira-se ainda a existência de incentivos fiscais para aquisição de
equipamentos que utilizem energias renováveis.
Em Portugal os recursos energéticos mais utilizados são a energia hídrica, a eólica, e a biomassa
(incluindo o tratamento de resíduos), que já atingiram graus de desenvolvimento superiores podendo em
determinadas condições ser comercialmente competitivas com os equipamentos de conversão dos combustíveis
fósseis.
A energia hídrica e da biomassa são as fontes renováveis que mais tem contribuído para o consumo
total de energia primaria em Portugal, no entanto tem-se registado nos últimos anos um incremento na
utilização da energia eólica.
Tabela 1: Origens e respectivas fontes de energia renováveis:
Origem Fonte Energia
queima de resíduos orgânicos energia da biomassa
calor
terra energia geotérmica
luz sol energia solar
vento energia eólica
movimento
ondas do mar energia maremotriz
marés energia maremotriz
peso
água dos rios energia hídrica

Energia Eólica
A construção de parques eólicos é sem dúvida a actividade que tem apresentado maior evolução no
sector energético (levando a uma diminuição da dependência energética e a um impacto na economia nacional),
devido a uma evolução tecnológica na engenharia de materiais, na electrónica e na electricidade de potência,
consegue-se nos dias de hoje que a potência dos aerogeradores ultrapasse os 3000 kW, também as máquinas
são bastante mais silenciosas do que eram inicialmente, contribuindo para um aumento de fiabilidade de todo o
sistema.
O aumento de potência verificado ao longo dos anos permite que o número de máquinas a instalar para uma
mesma potência seja fortemente reduzido, assim diminui também o efeito de barreira visual.
Em Portugal a energia eólica tem uma potência instalada de 500MW (484 turbinas), estando em construção
750MW (838 turbinas), ocupando uma área de cerca 10 hectares/turbina, as torres podem ter entre 40 a 80
metros e a velocidade de rotação das pás está compreendida entre as 25 e as 40 r.p.m.
Existem 80 parques eólicos em Portugal Continental, 13 no Arquipélago da Madeira e 10 no Arquipélago dos
Açores.
A principal vantagem da energia eólica além do benefício ambiental no que respeita a emissão de
dióxido de carbono é que o custo da matéria prima vento é nulo e muitas vezes a produção está perto dos locais
de consumo, minimizando as perdas de energia no transporte.
Devido à configuração geográfica de Portugal os parques eólicos apenas
são economicamente viáveis nas zonas mais elevadas e montanhosas,
figura 1, porque nas zonas planas o vento tem velocidades médias baixas
sendo a energia produzida muito pequena comparativamente com as zonas
montanhosas. No entanto estas zonas correspondem ás zonas interiores de
Portugal, geralmente mais desfavorecidas o que acarreta um rendimento
inesperado além da criação de emprego.
Os aspectos menos positivos associados à produção de energia por via
eólica são o impacto visual criado pelas enormes torres e pás dos
Figura 1 - Parque eólico de Fonte da Mesa aerogeradores, o ruído emitido pelos aerogeradores em funcionamento, a
interferência com os ecossistemas particularmente com as aves e o
aparecimento de fenómenos erosivos que levam a ter cuidados especiais
com a manutenção uma vez que os parques eólicos normalmente se
localizam em zonas de difícil acesso.

Formadora: Sofia Costa Campos


Domínio de Formação: Mundo Actual Unidade de Competência: O Homem e o Ambiente

Energia Hídrica

Os aproveitamentos hidroeléctricos convertem a energia da água em movimento, em energia


eléctrica. O aproveitamento da energia hídrica está normalmente associado a empreendimentos de grandes
dimensões, as barragens hidroeléctricas A quantidade de energia hidroeléctrica produzida anualmente
varia consideravelmente, dependendo fortemente das afluências hidrológicas. A variedade dos
aproveitamentos hidroeléctricos presentes em Portugal é elevada, podendo-se encontrar desde pequenos
moinhos convertidos com poucas centenas de kW até grandes aproveitamentos com centenas de MW de
potência instalada. No entanto, a tendência actual e ambientalmente mais correcta, é optar pela instalação
de aproveitamentos de energia hídricas mais pequenos, as mini ou micro hídricas, figura 2, que consistem
na construção de pequenos açudes ou barragens que desviam uma parte do caudal do rio para lho devolver
num local desnivelado (onde são instaladas as turbinas), produzindo assim electricidade que é depois
distribuída, estas minihídricas tem um menor impacto ambiental.
A produção de hidroelectricidade tem sido dos processos mais eficientes e
menos poluidores. Os ecossistemas aquáticos e os situados em locais de
construção de grandes barragens são necessariamente afectados.
Actualmente em Portugal cerca de 40 % da electricidade consumida no
País tem origem Hídrica e, no mundo, é a maior fonte de energia
renovável.
Nas mini ou micro hídricas os inconvenientes para o ambiente resumem-se
praticamente só durante a fase de construção. Passado pouco tempo da
Figura 2 - Central minihídrica de Ponte entrada em funcionamento os impactos negativos não têm significado,
Nova comparados com os benefícios.
A energia hídrica representa, pela importância que tem em Portugal, um
excelente exemplo, ainda que insuficiente, para o controlo de emissão de
gases poluentes.

Energia Solar Fotovoltaica

A Energia Solar Fotovoltaica, figura 3, é a energia obtida através da conversão directa da luz em
electricidade (Efeito Fotovoltaico). Numa época em que o desenvolvimento sustentável e, em particular, a
utilização de recursos renováveis para a produção de electricidade, se encontram na primeira linha do
discurso político, devemos reflectir sobre as razões pelas quais a energia fotovoltaica não é amplamente
explorada para fins eléctricos; provavelmente ainda não se atingiram os índices de rendimento esperados e
os custos ainda se tornam elevados.
A conversão fotovoltaica da energia solar tem como aplicações a
electrificação de casas em locais isolados (meio rural), a bombagem de
água (sistema directo), a sinalização (bóias marítimas, faróis, aeroportos,
passagens de nível, etc.), sistemas de telecomunicações (TV, rádio,
telefone), a dessalinização da água do mar e aplicações de micro-
potência (rádios portáteis, relógios, calculadoras, etc.)
Os sistemas da energia solar fotovoltaica podem ser sistemas ligados à
rede e integrados em edifícios.
Figura 3 - Sistema solar para o As principais vantagens das centrais fotovoltaicas centram-se do ponto
aquecimento de águas sanitárias de vista ambiental (não existem ruídos ou cheiros), estas centrais são
(Alfandega da Fé) também modulares e sem partes móveis (sujeitas a desgaste), tem uma
reduzida exigência de manutenção e um elevado ciclo de vida (20-30
anos no caso do Silício cristalino).
Apresenta alguns inconvenientes como o elevado custo de instalação o
rendimento ainda é relativamente baixo (10-15%) e tem uma reduzida
densidade de potência (100-150 W/m2).

Formadora: Sofia Costa Campos


Domínio de Formação: Mundo Actual Unidade de Competência: O Homem e o Ambiente

Energia Maremotriz

Existem várias formas de aproveitar a energia dos oceanos: Energia das marés; Energia associada ao diferencial
térmico; Correntes marítimas e Energia das ondas.
As ondas são produzidas pela acção do vento, podendo estas, ser utilizadas para produção de energia eléctrica.
Existem métodos de extracção de energia das ondas, podendo distinguir-se dois: Sistema na costa (fig. 4) e
Sistema em águas profundas.
Os sistemas da costa são localizados em águas pouco profundas (entre 8 a 20m).
Para esta energia ser convertida em energia eléctrica é necessário um sistema da
coluna de água em que a peça mais importante é a turbina de ar que acciona um
gerador eléctrico. A ilha central do Pico é deste tipo, como a ilha de Islay na
Escócia. Uma das suas vantagens é que os problemas de transporte de energia para
a terra e de acesso para a manutenção são relativamente fáceis de resolver.
Contudo as suas principais desvantagens são: a sua localização depende de um
conjunto de factores geomorfológicos favoráveis na vizinhança imediata da costa,
Figura 4- Sistemas da costa
e os bons locais para a construção não abundam, assim como o impacte visual é
significativo.
Os sistemas em águas profundas são localizados normalmente em profundidades de 25 a 50m. O sistema de
extracção de energia pode ainda utilizar a turbina de ar. Um dos aspectos positivos da sua utilização é que estão
menos dependentes das condições da costa e são mais adequadas para o aproveitamento da energia das ondas,
contudo o transporte de energia para a terra é dificultado.
O custo das instalações, somado ao custo dos equipamentos especiais, para suportar a agressividade do
ambiente marinho, e aliados à baixa amplitude das ondas e o grande período entre as marés, são factores que
ainda limitam a aplicabilidade do aproveitamento desta forma de energia renovável.

Energia Geotérmica

O Planeta Terra possui no seu interior uma grande quantidade de energia sob a forma térmica. A
energia geotérmica existe desde que o nosso planeta foi criado. A água contida nos reservatórios subterrâneos
pode aquecer ou mesmo ferver quando contacta a rocha quente. A água pode mesmo atingir 148ºC. Existem
locais, as furnas, onde a água quente sobe até à superfície terrestre em pequenos lagos. A água é utilizada para
aquecer prédios, casas ou piscinas no Inverno, e até para produzir electricidade. Em Portugal existem furnas
nos Açores. Em alguns locais do planeta, existe tanto vapor e água quente que é possível produzir energia
eléctrica. Abrem-se buracos fundos no chão até chegar aos reservatórios de água e vapor, estes são drenados até
à superfície por meio de tubos e canos apropriados. Através destes tubos o vapor é conduzido até à central
eléctrica geotérmica. Tal como numa central eléctrica normal, o vapor faz girar as lâminas da turbina como
uma ventoinha. A energia mecânica da turbina é transformada em energia eléctrica através do gerador. A
diferença destas centrais eléctricas é que não é necessário queimar um combustível para produzir electricidade.
Este tipo de energia é bastante limpa, ou seja, não recorre à combustão de combustíveis fósseis, ajudando a
reduzir a exploração de combustíveis fósseis. Contudo tem elevados gastos na instalação e segurança, e emite
fluidos agressivos.
Energia da Biomassa

As plantas recebem energia solar mediante a fotossíntese


- Dióxido de carbono (CO2) + luz solar+ água  açúcar
A energia deposita-se nas plantas como a massa de celulose
O potencial energético das plantas (a biomassa) pode ser aproveitado
para a produção de combustíveis, calor e electricidade

Formadora: Sofia Costa Campos


Domínio de Formação: Mundo Actual Unidade de Competência: O Homem e o Ambiente

A biomassa é constituída de restos, de vegetais, de animais, de estrume, etc. É uma fonte de energia que
tem crescido ultimamente, representando 3% no consumo de energia mundial. A maioria dos tipos da biomassa
é ao mesmo tempo um biocombustível. Existem 3 tipos de Biocombustíveis: Sólidos (através da sua queima em
centrais de co-geração, transforma-se energia química em calor); Gasosos ou biogás (através da degradação
biológica anaeróbia da matéria orgânica contida nos resíduos obtém-se uma mistura de metano e dióxido de
carbono, cujo potencial energético pode ser aproveitado, através da queima, para obtenção de energia térmica
ou eléctrica) e os Líquidos (biodiesel ou éter metílico: é obtido a partir de óleos de colza ou girassol; etanol:
produzido a partir da fermentação de hidratos de carbono que tem origem na cana do açúcar ou em processos
sintéticos; metanol: síntese a partir dos gás natural, ou ainda a partir da madeira através de um processo de
gaseificação): podem ser utilizados como combustíveis para veículos motorizados.
-Sólidos: Combustíveis sólidos tratados Carvão de lenha
Pellets
Briquetes
Raspa
-Líquidos: Biocombustíveis líquidos Produzem-se através de gasificação, fermentação e tecnologias
pirolíticas.
Álcool etílico Álcool metílico Óleos vegetais
Biopetróleo Bio-óleo pirolítico
-Gás: Biogás
Biomassa sólida  combustíveis gasosos (tecnologias na
biológica e através da gasificação térmica)
O teor depende da fonte e do método de produção
Tabela 2: Os 3 tipos de Biocombustíveis

A Bioenergia produzida através da Biomassa corresponde, então, a toda a energia que se obtém através
da queima directa ou do seu processamento para obter outro tipo de combustível.
A Biomassa pode ser usada directamente como combustível (produzindo poluentes) ou produzir um gás
combustível designado por biogás.
Em qualquer das situações o calor produzido pode ser usado directamente em aquecimento ou para a produção
de vapor que irá accionar uma turbina, para produção de electricidade.
Espera-se que o biogás venha a desempenhar um importante papel na produção de electricidade. A sua
queima produz dióxido de carbono e alguns outros gases, mas a respectiva aplicação reduz a poluição
nomeadamente de solos, cursos e reservas de água em especial no que respeita aos resíduos pecuários. Assim
esta forma de energia tem vindo aumentar de forma progressiva e vai de encontro ás politicas comunitárias,
sendo uma alternativa bastante viável na redução das emissões de gases poluentes para a atmosfera. Outras
vantagens são o baixo custo de aquisição; não emitir dióxido de enxofre; as cinzas serem menos agressivas ao
meio ambiente do que as provenientes de combustíveis fósseis; a menor corrosão dos equipamentos (caldeiras,
fornos); o menor risco ambiental e o facto de ser um recurso renovável.
Apesar de inúmeras vantagens que esta forma de energia apresenta, a utilização da biomassa em larga
escala também requer alguns cuidados, a construção de empreendimentos para utilização da biomassa em larga
escala podem ter impactos ambientais preocupantes, como a destruição de faunas e floras e com extinção de
espécies. Além disso a bioenergia apresenta um baixo poder calorífico; uma maior possibilidade de emissões de
partículas para a atmosfera, o que significa maior custo de investimento para a caldeira e para os equipamentos
de redução de emissões de partículas (filtros, etc.) e dificuldades no stock de armazenamento.

Hidrogénio

O hidrogénio é o elemento químico mais abundante e leve, contendo o maior valor energético. Este tem
forças de ionização muito baixas, permitindo, facilmente, extrair o electrão que orbita em torno de si. Este
electrão é suficiente para se produzir uma corrente eléctrica desde que se consiga um fluxo constante de
hidrogénio e algo capaz de o levar à sua ionização.
O hidrogénio permite, através de pilhas de combustível, produzir electricidade e retornar sob a forma de
vapor de água, eliminando a emissão de gases de efeito de estufa na produção de electricidade. Contudo, o
Formadora: Sofia Costa Campos
Domínio de Formação: Mundo Actual Unidade de Competência: O Homem e o Ambiente
maior problema é o facto de nunca se encontrar sozinho na Natureza, pois está sempre combinando com outros
elementos, logo a sua utilização torna-se complicada. Para além disso, este apenas se transforma em líquido aos
-250ºC, pelo que cria um problema de abastecimento. Deste modo, o hidrogénio torna-se bastante caro, para
além de necessitar de uma pilha de combustível e de uma unidade para reformar o combustível e extrair o
hidrogénio. Apesar de todas estas desvantagens, o hidrogénio pode ser uma solução duradoura para a economia
mundial. Para se utilizar hidrogénio empregam-se as células ou pilhas de combustível que são sistemas
electroquímicos que convertem a energia de uma reacção química directamente em energia eléctrica, libertando
calor.

Caminho para o Futuro


Nos últimos anos deu-se um “boom” no consumo de energia o que logicamente provocou um grande
aumento da produção de energia, com as consequências que todos conhecemos, o aumento da poluição e os
constantes desastres ecológicos de consequências desastrosas. Para contrabalançar este problema foi criado o
conceito que foi chamado Desenvolvimento Sustentável.
O conceito de Desenvolvimento Sustentável é definido como o desenvolvimento que procura satisfazer as
necessidades da geração actual, sem comprometer a capacidade das gerações futuras de satisfazerem as suas
próprias necessidades, significa possibilitar que as pessoas, agora e no futuro, atinjam um nível satisfatório de
desenvolvimento social e económico e de realização humana e cultural, fazendo, ao mesmo tempo, um uso
razoável dos recursos da terra e preservando as espécies e os habitats naturais.
O Desenvolvimento Sustentável está suportado por três vectores, figura 7:

Figura 7 - Parâmetros do desenvolvimento sustentável

O Desenvolvimento Sustentável só pode ser alcançado se estes três eixos evoluírem de forma harmoniosa.
O DS tem seis aspectos prioritários que devem ser entendidos como metas:
A satisfação das necessidades básicas da população (educação, alimentação, saúde, lazer, etc.)
A solidariedade para com as gerações futuras (preservar o ambiente de modo que elas tenham oportunidade
de viver);
A participação da população envolvida (todos devem se mentalizar da necessidade de conservar o ambiente e
fazer cada um a parte que lhe cabe para tal);
A preservação dos recursos naturais (água, oxigénio, etc.);
A elaboração de um sistema social garantindo emprego, segurança social e respeito a outras culturas
(erradicação da miséria, do preconceito e do massacre de populações oprimidas);
A efectivação dos programas educativos

O conceito de Desenvolvimento Sustentável tenta provocar o aparecimento de uma nova atitude nas pessoas
da Terra, alertando-as para a importância da Energia mas também para a importância da preservação do meio
ambiente, de forma a proporcionar as próximas gerações uma vida melhor. Cada um de nós pode começar hoje
a trabalhar para ajudar a melhorar o Mundo, fazendo pequenas coisas que parecem insignificantes, no entanto
de vital importância nos dias de hoje, e promover entre nós os conceitos de eficiência energética e o uso
racional da energia.

A produção de energia através de fontes renováveis é um processo que ainda sai caro, e a sua produção, em
muitos casos, não é suficiente para abastecer toda a população. No entanto, com o tempo, o preço dos
combustíveis fósseis vai aumentar, as reservas vão começar a escassear (petróleo em 40 anos, gás natural em 70
e o carvão em 200) o que significa que o uso de energias renováveis vai ser realmente imprescindível.

Formadora: Sofia Costa Campos


Domínio de Formação: Mundo Actual Unidade de Competência: O Homem e o Ambiente

Questionário:
1 - Se não poluem e são infinitas, porque é que se usam tão pouco as energias renováveis?

2 - No panorama actual quais as vantagens do uso de energias renováveis?

3 - O que são energias renováveis?


a) São fontes de energia que não derivam dos combustíveis fósseis, contribuindo para a diminuição do
impacto ambiental
b) São fontes de energia que derivam dos combustíveis fósseis, contribuindo para a diminuição do
impacte ambiental
c) São combustíveis fósseis

4 - Existem locais, as furnas, onde a água quente sobe até à superfície terrestre em pequenos lagos. Em
Portugal existem furnas:
a) No Algarve
b) No Norte
c) Nos Açores

5 - Praticamente inesgotável, a energia solar pode ser usada para:


a) Produção de electricidade através de painéis solares e células fotovoltaicas.
b) Produção de electricidade através de barragens
c) Produção de biogás através da decomposição dos resíduos

6 - Em que consiste o Desenvolvimento Sustentável?

7 - Que duas potências mundiais não assinaram ainda o Protocolo de Quioto, prejudicando assim, o
caminho para um desenvolvimento global sustentável?

8 - Qual é, neste momento, a maior fonte de energia renovável no mundo?

9 - O acordo de partilha entre os países da união europeia prevê que todos os países participantes
atinjam metas iguais nas reduções de emissões de CO2 na atmosfera. Verdadeiro ou Falso.

10 - O que é bioenergia?
a) Energia das fontes de energia renováveis
b) Energia solar guardada nas plantas como a massa de celulose
c) Energia guardada como clorofila nas plantas

11 - Qual é a principal vantagem da energia eólica?

12 - O que é biocombustível?
a) Todas as matérias orgânicas
b) Todos os combustíveis renováveis
c) Todos os combustíveis produzidos de biomassa renovável

13 - Refira alguma das aplicações da conversão fotovoltaica da energia solar.

14 - Os sistemas em águas profundas geradores de Energia Maremotriz apresentam-se como uma fonte
inesgotável de geração de energia. Apesar disso, a sua utilização é mínima no planeta. Justifique.

15 - Através da biomassa pode-se produzir:


a) Energia eólica
b) Biogás, biodiesel, etanol e metanol.
c) Gás natural, petróleo e carvão

16 - Qual é a percentagem de bioenergia usada no consumo de energia mundial total hoje em dia?
Formadora: Sofia Costa Campos
Domínio de Formação: Mundo Actual Unidade de Competência: O Homem e o Ambiente

17 - A energia do hidrogénio permite, através de pilhas de combustível, produzir electricidade e libertar


vapor de água, eliminando a emissão de gases de efeito de estufa.
Verdadeiro ou Falso?

18 - A queima do biogás produz dióxido de carbono e outros gases, no entanto, o uso deste
biocombustivel é recomendado como contribuinte de um desenvolvimento sustentável. Justifique o
aparente paradoxo.

19 - O lixo que produzimos diariamente pode ser utilizado na produção de:


a) Petróleo
b) Biogás
c) Energia das ondas

20 - Os painéis fotovoltaicos transformam:


a) A energia solar em electricidade
b) A energia solar em carvão
c) O carvão em electricidade

21 - A energia geotérmica é a:
a) Energia associada à água
b) Energia associada ao vento
c) Energia que provém do interior da Terra

22 - A energia das marés é a:


a) Energia associada à radiação do sol
b) Energia associada à descida e subida das águas durante as marés
c) Energia associada às ondas da água

23 - A energia eléctrica produzida através da energia eólica é produzida com libertação de poluentes
atmosféricos.
Verdadeiro ou Falso?

24 - Um parque eólico é:
a) Um conjunto de painéis solares que utiliza a força do vento para produzir electricidade
b) Um conjunto de painéis solares que utiliza a luz do sol para produzir electricidade
c) Um conjunto de aerogeradores que utiliza a força do vento para produzir electricidade

25 - Quais as metas do Desenvolvimento sustentável?

Formadora: Sofia Costa Campos