Sei sulla pagina 1di 2

Autor: A.

Nssara e Cristvo Alencar


Intrprete: Slvio Caldas
Gnero: Marcha
Gravadora: Odeon
A marchinha brinca com os vaivns da campanha eleitoral de 1936/37, j prevendo
que seu desfecho se daria margem dos marcos constitucionais. No momento em
que a msica foi gravada, duas candidaturas pareciam destinadas a polarizar a
disputa: a do paulista Armando Salles, "seu" Manduca, pela oposio, e a do gacho
Osvaldo Aranha, "seu" Vav, um dos principais nomes da Revoluo de 30, pelo
governo.
Mas Getlio tinha outros planos. Manobrou para evitar a forte candidatura de Aranha e
estimulou o surgimento do nome de paraibano Jos Amrico de Almeida, que se
revelou incapaz de unir as foras governistas. Nessas condies, Armando Salles
cresceu, mas sem entusiasmar. Jos Amrico radicalizou suas posies, mas sem
perspectivas de vitria. Aos poucos, o processo eleitoral paralisou-se num atoladeiro.
Amparado no clima de histeria anticomunista que dominava a cpula das Foras
Armadas, Getlio, com um discurso cada vez mais semelhante ao dos fascistas em
ascenso na Europa, deu o golpe de estado de 10 de novembro de 1937, instaurando
o Estado Novo e impondo ao pas a ditadura.
A msica comea citando uma de nossas mais conhecidas cantigas de roda:
Teresinha de Jesus.

"A menina Presidncia
Vai rifar seu corao
E j tem trs pretendentes,
Todos trs chapu na mo.
E quem ser?

O homem quem ser?
Ser seu Manduca?
Ou ser seu Vav?
Entre esses dois
Meu corao balana,
Porque
Na hora H quem vai ficar
"seu" Geg.

Agora todo mundo d palpite,
Mas eu sei que no fim ningum se explica.
ligar, deixar como est,
Pra depois ento se ver como que fica."