Sei sulla pagina 1di 21

NCE

Núcleo de Cálculos Especiais S/C Ltda.

Análise de Estruturas compostas por perfis

abertos de Paredes Delgadas: Uma Aplicação

da Analogia Flexão-Retorção

Eng. Avelino Alves Filho, Prof Dr.

www.nce.com.br

1

Prof. Avelino Alves Filho

NCE

Núcleo de Cálculos Especiais S/C Ltda.

O presente trabalho aborda os efeitos decorrentes do empenamento

(retorção) em perfis abertos de paredes delgadas,

que são amplamente utilizados em estruturas veiculares

que são amplamente utilizados em estruturas veiculares Resolução do problema prático de flexo-torção : •

Resolução do problema prático de flexo-torção :

Introdução da Analogia Flexão-Retorção Cálculo das tensões normais devido à torção em

estruturas tipo grelha (chassi de veículos) por

intermédio de um modelo em elementos finitos com

reduzido número de graus de liberdade

www.nce.com.br

2

Prof. Avelino Alves Filho

NCE

Núcleo de Cálculos Especiais S/C Ltda.

N C E Núcleo de Cálculos Especiais S/C Ltda. Perfis Abertos de Paredes Finas, quando submetidos

Perfis Abertos de Paredes Finas, quando submetidos à torção, Empenam

(“Warping”), isto é, apresentam

deslocamentos axiais não uniformes ao

longo do contorno da sua seção. Um

fenômeno diferente do deslocamentos axial

decorrente da aplicação de uma força axial. Quando são impedidos de empenar

livremente, ocorrem reações axiais e

portanto surgem as Tensões Normais na Torção – “Warping Stresses.

www.nce.com.br

surgem as Tensões Normais na Torção – “ Warping Stresses ” . www.nce.com.br 3 Prof. Avelino
surgem as Tensões Normais na Torção – “ Warping Stresses ” . www.nce.com.br 3 Prof. Avelino

3

Prof. Avelino Alves Filho

NCE

Núcleo de Cálculos Especiais S/C Ltda.

TEORIA DE VLASOV: O Problema da Retorção

Bimomento de Flexo-Torção

VLASOV: O Problema da Retorção Bimomento de Flexo-Torção No perfil aberto acima, é como se dois
VLASOV: O Problema da Retorção Bimomento de Flexo-Torção No perfil aberto acima, é como se dois

No perfil aberto acima, é como se dois momentos fletores caminhassem na seção, um

em cada aba, daí surge o conceito de BIMOMENTO DE FLEXO-TORÇÃO (B).

www.nce.com.br

4

Prof. Avelino Alves Filho

NCE

Núcleo de Cálculos Especiais S/C Ltda.

Durante a torção da barra, as seções transversais giram em relação ao Centro de Torção C . Se não há restrição ao livre empenamento, a torção de qualquer tipo de

seção - aberta ou fechada - é governada pela equação

de seção - aberta ou fechada - é governada pela equação www.nce.com.br A conhecida Torção de

www.nce.com.br

A conhecida Torção de Saint Venant

M

x

G I

.

d

. t dx
.
t
dx

5

Prof. Avelino Alves Filho

NCE

Núcleo de Cálculos Especiais S/C Ltda.

Quando o perfil está submetido à Torção Restringida impedimento de se empenar livremente, existe uma resistência adicional ao momento torçor Mx, e para qualquer tipo de perfil - aberto ou fechado - a equação anterior recebe mais um termo que

leva em conta esse efeito.

M

x

G I

.

t

d

.

dx

E I

.

w

conta esse efeito. M x  G I . t d  . dx  E

www.nce.com.br

.

d

3

dx

3

I . t d  . dx  E I . w www.nce.com.br . d 3

Este termo está associado não à Torção de Saint Venant, mas à Torção de Vlasov. É o termo associado à restrição ao empenamento. O momento torçor que é contante ao longo do comprimento tem duas parcelas: Uma que é responsável pelo Ângulo Unitário de torção e outra que está associada à restrição a esse ângulo.

Prof. Avelino Alves Filho

6

NCE

Núcleo de Cálculos Especiais S/C Ltda.

TENSÕES NORMAIS NA FLEXO-TORÇÃO

Especiais S/C Ltda. TENSÕES NORMAIS NA FLEXO-TORÇÃO   ft B I w . w si

ft

B

I

w

. w

si

Da mesma forma que temos a Equação Diferencial da Flexão, temos a Equação

Diferencial da Flexo-Torção, que exprime

as derivadas do Bimomento. Nessa equação aparece o “Momento de Inércia à

sexta potência” ou a Warping

Constant”, representada por I e a

B

2

.B m

coordenada Sectorial, ou Área Sectorial

representada por w.

w

B C .sh . x C .c h . x m

1

2

1

www.nce.com.br

Prof. Avelino Alves Filho

7

NCE

Núcleo de Cálculos Especiais S/C Ltda.

N C E Núcleo de Cálculos Especiais S/C Ltda. www.nce.com.br 8 Prof. Avelino Alves Filho

www.nce.com.br

8

Prof. Avelino Alves Filho

NCE

Núcleo de Cálculos Especiais S/C Ltda.

desenvolvimento conceitual e analítico da analogia flexão-retorção

A teoria de Vlasov permite o equacionamento do problema de Flexo-Torção para

perfis abertos de paredes delgadas, por intermédio da Equação Diferencial do

Bimomento de Flexo-Torção. Vlasov encontrou a solução desta equação para diversas condições de contorno e para vários casos de carregamentos aplicados a

uma viga isolada. Soluções Exatas tal como na teoria de flexão de vigas por analogia.

. Soluções Exatas tal como na teoria de flexão de vigas por analogia. www.nce.com.br 9 Prof.

www.nce.com.br

9

Prof. Avelino Alves Filho

NCE

Núcleo de Cálculos Especiais S/C Ltda.

ALTERNATIVAS PARA DISCRETIZAÇÃO

Especiais S/C Ltda. ALTERNATIVAS PARA DISCRETIZAÇÃO Modelos convencionais com elementos de viga de 12 graus de
Especiais S/C Ltda. ALTERNATIVAS PARA DISCRETIZAÇÃO Modelos convencionais com elementos de viga de 12 graus de

Modelos convencionais com elementos de viga de 12 graus de liberdade não contabilizam a flexo torção. Os elementos para isso deveriam considerar dois parâmetros a mais para

representar a flexo torção. Portanto 14 graus de liberdade.

www.nce.com.br

Prof. Avelino Alves Filho

10

NCE

Núcleo de Cálculos Especiais S/C Ltda.

ANALOGIA FLEXÃO - RETORÇÃO

Uma alternativa desenvolvida para “enganar” o elementos de viga convencionais mudando os parâmetros de entrada, levando em conta em alguns casos a rigidez ao empenamento.

levando em conta em alguns casos a rigidez ao empenamento. I t h 2  0
levando em conta em alguns casos a rigidez ao empenamento. I t h 2  0

I

t

h

2

0

em alguns casos a rigidez ao empenamento. I t h 2  0 F  E

F



E .

3

2. I d z

w

h

2

.

dx

3

 E I

.

y *.

3

d z

dx

3

E . 3 2. I d z w h 2 . dx 3  E I

Q z

dM

y

dx

E I

.

www.nce.com.br

y

Z Z 



2.

z

h

h

M

M

M

x

x

M x

G I

.

t

.

d

E I

.

dx w

G I

.

t

.

2. z

h

d

E I

.

dx w

2

h

.

G I

.

t

.

dz

2

dx h

d

3

. dx

3

2. z


h

d

3

.

.

dx 3

E I

.

w

3

d z

.

dx

3

3

d z

. dx

3

h  d  3 . . dx 3 E I . w 3 d z

I

y

2. I

w

h

2

I

*

y

Prof. Avelino Alves Filho

11

NCE

Núcleo de Cálculos Especiais S/C Ltda.

www.nce.com.br

N C E Núcleo de Cálculos Especiais S/C Ltda. www.nce.com.br Prof. Avelino Alves Filho 12

Prof. Avelino Alves Filho

12

NCE

Núcleo de Cálculos Especiais S/C Ltda.

TESTES DE CONFIABILIDADE

VLASOV

E Núcleo de Cálculos Especiais S/C Ltda. TESTES DE CONFIABILIDADE VLASOV www.nce.com.br Prof. Avelino Alves Filho

www.nce.com.br

E Núcleo de Cálculos Especiais S/C Ltda. TESTES DE CONFIABILIDADE VLASOV www.nce.com.br Prof. Avelino Alves Filho

Prof. Avelino Alves Filho

13

410,00 Kgf / cm

2

NCE

Núcleo de Cálculos Especiais S/C Ltda.

Método dos Elementos Finitos com Elementos de Casca

Especiais S/C Ltda. Método dos Elementos Finitos com Elementos de Casca www.nce.com.br Prof. Avelino Alves Filho

www.nce.com.br

Especiais S/C Ltda. Método dos Elementos Finitos com Elementos de Casca www.nce.com.br Prof. Avelino Alves Filho

Prof. Avelino Alves Filho

14

NCE

Núcleo de Cálculos Especiais S/C Ltda.

Analogia Flexão-Retorção

de Cálculos Especiais S/C Ltda. Analogia Flexão-Retorção  f t 1  M 2 I 2

f t

1

M 2 I 2
M
2
I
2

. d

w

1

3.847,40

86,932

.8,863

3847,40 Kgf.cm 3847,40 Kgf.cm
3847,40 Kgf.cm
3847,40 Kgf.cm

f t

1



392,25

kgf

c
c

m

2

www.nce.com.br

Prof. Avelino Alves Filho

15

NCE

Núcleo de Cálculos Especiais S/C Ltda.

 

Tensões Normais de Flexo-Torção na Extremidade Engastada da Viga -[ft ] = kgf / cm 2

Teoria de

Analogia

MEF com

Vlasov

Flexão-

Elementos de

Retorção

Casca

(MEF)

Ponto 1

+ 392,54

+ 392,25

+ 410,00

Ponto 6

- 271,81

- 271,60

- 275,36

Ponto 11

+ 271,81

+ 271,60

+ 275,36

Ponto 16

- 392,54

- 392,25

- 410,00

www.nce.com.br

16

Prof. Avelino Alves Filho

NCE

Núcleo de Cálculos Especiais S/C Ltda.

EXEMPLO DE APLICAÇÃO - CHASSI

E Núcleo de Cálculos Especiais S/C Ltda. EXEMPLO DE APLICAÇÃO - CHASSI www.nce.com.br Prof. Avelino Alves

www.nce.com.br

E Núcleo de Cálculos Especiais S/C Ltda. EXEMPLO DE APLICAÇÃO - CHASSI www.nce.com.br Prof. Avelino Alves

Prof. Avelino Alves Filho

17

NCE

Núcleo de Cálculos Especiais S/C Ltda.

ANÁLISE PELO MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS ELEMENTOS DE CASCA

PELO MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS ELEMENTOS DE CASCA www.nce.com.br   Z 2280 Kgf / cm

www.nce.com.br

Z

2280 Kgf / cm

2

ELEMENTOS DE CASCA www.nce.com.br   Z 2280 Kgf / cm 2  X  1200

X

1200

Kgf cm

/

2

.

Prof. Avelino Alves Filho

18

NCE

Núcleo de Cálculos Especiais S/C Ltda.

Análise pelo Método dos Elementos Finitos com "Modelo Híbrido". Analogia Flexão-Retorção

www.nce.com.br

Elementos Finitos com "Modelo Híbrido". Analogia Flexão-Retorção www.nce.com.br 19 Prof. Avelino Alves Filho

19

Prof. Avelino Alves Filho

NCE

Núcleo de Cálculos Especiais S/C Ltda.

N C E Núcleo de Cálculos Especiais S/C Ltda. www.nce.com.br 20 Prof. Avelino Alves Filho
N C E Núcleo de Cálculos Especiais S/C Ltda. www.nce.com.br 20 Prof. Avelino Alves Filho

www.nce.com.br

N C E Núcleo de Cálculos Especiais S/C Ltda. www.nce.com.br 20 Prof. Avelino Alves Filho
N C E Núcleo de Cálculos Especiais S/C Ltda. www.nce.com.br 20 Prof. Avelino Alves Filho

20

Prof. Avelino Alves Filho

NCE

Núcleo de Cálculos Especiais S/C Ltda.

www.nce.com.br

Longarina na região do engastamento

Travessa 1

no encontro

com a

longarina,

onde ocorre

Flexo Torção

Tensão

Máxima no

Modelo em

Cascas

2280

Kgf/cm 2

1200

Kgf/cm 2

Tensão Máxima no Modelo Híbrido

2148,33

Kgf/cm 2

1139,31

Kgf/cm 2

Tensão Máxima que seria calculada com

modelo de vigas

convencionais sem levar em conta o efeito de

flexo-torção

1819,06

Kgf/cm 2

11,15

Kgf/cm 2

Prof. Avelino Alves Filho

21