Sei sulla pagina 1di 7

IME – Física

FÍSICA 1997 01- Na figura a seguir os objetos A e B pesam, respectivamente, 40 N e 30 N, e

estão apoiados sobre planos lisos, ligados entre si por uma corda inextensível,

sem peso, que passa por uma polia sem atrito. Determinar o ângulo θ e a tensão

na corda quando houver equilíbrio.

Resolução: As componentes dos pesos paralelos às superfícies inclinadas devem ser iguais em módulo.

P A .sen 30º = P B .sen θ 40.0,5 = 30.sen θ sen θ = 20/30 = 2/3

1998 A B 30º θ
1998
A
B
30º
θ

T = PA.sen 30º = 40.0,5 = 20 N.

Resposta:- θθθθ = arc sen (2/3) e T = 20 N.

------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

02- Entre duas placas metálicas e paralelas e que constituem um capacitor de

capacitância C = 0,08µF, coloca-se esticado um fio de náilon que vibra na

freqüência fundamental f 1 = 100 Hz. Retira-se o fio, altera-se a distância entre as

placas e coloca-se entre elas um outro fio de náilon, com as mesmas

propriedades físicas do primeiro, porém de comprimento tal que, agora, a

freqüência fundamental de vibração seja f 2 = 250 Hz. Sabendo-se que as placas

permanecem sempre carregadas com Q = 2 µC, determine a tensão elétrica entre

elas na segunda distância da experiência.

Resolução: A capacitância é dada por C = 0 A/d 1 . Para a freqüência fundamental o comprimento da

corda é (1/2) comprimento de onda. Portanto, d 1 = (1/2)λ 1 = (1/2).v/f 1 = v/2f 1 .

Na segunda experiência d 2 = v/2f 2 .

Tem-se ainda que C 1 /C 2 = (0 A/d 1 )/(0 A/d 2 ) C 1 /C 2 = d 2 /d 1 = (v/2f 2 )/(v/2f 1 ) = f 1 /f 2

θ = arc sen (2/3).

P 2
P 2

P 1

0,08/C2 = 100/250

C2 = 0,08.250/100 = 0,02 µF.

Nesta segunda distância, V = Q/C 2 = 2/0,02 = 100 V.

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

03- Considere um calorímetro no qual existe uma certa massa de líquido. Para aquecer o conjunto líquido-

calorímetro de 30ºC para 60º são necessários Q 1 J. Por outro lado, Q 2 J elevam de 40ºC para 80ºC o

calorímetro juntamente com o triplo da massa do líquido.

a) Determine a capacidade térmica do calorímetro nas seguintes situações:

Q 1 = 2000 J Q 2 = 4000 J

Q 1 = 2000 J Q 2 = 7992 J

b) Com base nestes dados, em qual das situações a influência do material do calorímetro pode ser

desconsiderada? Justifique sua conclusão.

Solução: Seja C a capacidade térmica do calorímetro, m a massa do líquido e c o calor específico do

líquido.

IME – Física

(a) Tem-se Q 1 = (C + mc).(60 – 30)

Q 2 = (C + 3mc)(80 – 40)

Igualando os valores de mc, (Q1 – 30C)/30 = (Q2 – 40C)/120

Q 1 = 30C + 30 mc

Q 2 = 40C + 120 mc

4Q1 – 120C = Q2 – 40 C

1998

mc = (Q 1 – 30C)/30 e

mc = (Q 2 – 40C)/120.

C = (4Q1 – Q2)/80.

Para o primeiro par: C = (4.2000 – 4000)/80 = 4000/80 = 50 J/ºC.

Para o segundo par: C = (4.2000 – 7992)/80 = 8/80 = 0,1 J/ºC.

Resposta:- 50 J/º e 0,1J/ºC.

(b) Resposta:- Na situação indicada, pode ser desconsiderada a segunda situação pois a capacidade

térmica é muito pequena.

------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

04- Um corpo constituído de um material de densidade relativa à água igual a 9,0 pesa 90 N. Quando totalmente imerso em água, seu peso aparente é de 70 N. Considere a aceleração local da gravidade g = 10m/s² e a massa específica da água igual a 1 g/cm³.

a) Faça o diagrama das forças que atuam no corpo imerso na água e identifique essas forças.

b) Conclua, por cálculo, se o corpo é oco ou maciço.

Solução:

E P
E
P

(a)

Resposta: As forças são o peso e o empuxo E e diagrama ao lado.

(b)

O empuxo recebido é E = P – Pap = 90 – 70 = 20 N.

Como E = V.ρ A .g e ρ A = 1 g/cm3 = 1.10 3 kg/m 3 resulta 20 = V.1.10 3 .10

V = 2 .10 -3 m 3 , onde V é o volume submerso.

O volume do material que constitui o corpo é obtido por P = V’.ρc.g

V’ = 90/9.10-3.10 = 1.10 -3 m 3 . Como V’ < V, o corpo é oco.

Resposta: o corpo é oco.

--------------------------------------------------------------------------------------

05- Em uma experiência de laboratório, certo dispositivo colocado em

um ponto A, situado H metros acima do solo, lança uma pequena esfera

que deverá passar por cima de um prisma de vidro de altura 2H e atingir

um sensor ótico colocado em um ponto B afastado de 2L metros do

ponto A, conforme a figura abaixo. Simultaneamente com o lançamento

da esfera, o mesmo dispositivo emite um raio de luz monocromática,

perpendicular à face vertical do prisma, que irá atingir o sensor B.

Determine, literalmente:

a) O tempo que a esfera levará para ir do ponto A ao ponto B;

b) O tempo que o raio luminoso levará para ir do ponto A ao ponto B.

c) O tempo que dispomos para remover o sensor do ponto B, logo após ter sido excitado pelo raio de luz,

de modo que não seja atingido pela esfera.

A 2H B H 45º L L A E C r 2H B H 45
A
2H
B
H
45º
L
L
A
E C
r
2H
B
H
45 45º
s
L
L
F
D

IME – Física

Dados: ângulo de lançamento da esfera com a horizontal que passa pelo ponto A: α Aceleração da gravidade: g Velocidade inicial da esfera: V 0 . Considere o índice de refração do ar igual a 1.

Resolução:

(a) o tempo gasto para ir de A até B é igual ao de um corpo que sobe até uma altura H somado ao tempo

1998

para descer uma altura 2H. Como H = (1/2)g.t 1 2 e 2H = (1/2)gt 2 2 t 1 =

t 1 + t 2 =

Resposta: t = (1/√√√√2 + 1).

H/2g + H/g
H/2g +
H/g

H/g = (1/2 + 1).

H/g
H/g
H/2g
H/2g

e t 2 =

+ 1). H/2g + H/g H/g = (1/ √ 2 + 1). H/g H/2g e t

2H/2g

(b) A luz percorre AE = L com velocidade c, EC = H com velocidade c/n (velocidade da luz no prisma cujo índice de refração é n) e CB com velocidade c. Do triângulo CDB, CB 2 = CD 2 + DB 2 CB 2 = H 2 + (L - H) 2 = H 2 + L 2 – 2LH + H 2 =

= 2H 2 + L 2 – 4LH CB =

Assim, o tempo é: t = L/c + H/(c/n) + 2H 2 + L 2 – 4LH /c = (1/c).(L + nH + 2H 2 + L 2 – 4LH). No triângulo CBD, r = s + 45º s = r – 45º sen s = sen r.cos 45º - sen 45º.cos r. Pela segunda lei da

2H 2 + L 2 – 4LH .

45º.cos r. Pela segunda lei da 2H 2 + L 2 – 4LH . refração: sen
45º.cos r. Pela segunda lei da 2H 2 + L 2 – 4LH . refração: sen
45º.cos r. Pela segunda lei da 2H 2 + L 2 – 4LH . refração: sen
45º.cos r. Pela segunda lei da 2H 2 + L 2 – 4LH . refração: sen

refração: sen r = n.sen45º = n.2/2 cos r = 1 – sen 2 r = 1 – n 2 /2 = (2 – n 2 )/2 = (1/2). 2 – n 2 .

2 /2 = (2 – n 2 )/2 = (1/ √ 2). 2 – n 2
2 /2 = (2 – n 2 )/2 = (1/ √ 2). 2 – n 2
2 /2 = (2 – n 2 )/2 = (1/ √ 2). 2 – n 2

Assim, sen s = CD/CB = n.(2/2).(2/2) – (2/2).(1/2). 2 – n 2 . = (n/2) – (1/2). 2 – n 2

H/

2H 2 + L 2 – 4LH = (1/2).(n -

(1/2). 2 – n 2 H/ 2H 2 + L 2 – 4LH = (1/2).(n -
2 – n 2 ).
2 – n 2 ).
n 2 H/ 2H 2 + L 2 – 4LH = (1/2).(n - 2 – n

Elevando ao quadrado: 4H 2 /(2H 2 + L 2 – 4LH) = n 2 – 2n. 2 – n 2 + 2 – n 2

2H 2 /(2H 2 + L 2 – 4LH) = 1 – n. 2 –
2H 2 /(2H 2 + L 2 – 4LH) = 1 – n.
2 – n 2 n.
2 – n 2 = 1 – [2H 2 /(2H 2 + L 2 – 4LH)]
n.
2 – n 2 = (2H 2 + L 2 – 4LH – 2H 2 )/(2H 2 + L 2 – 4LH) = (L 2 – 4LH)/(2H 2 + L 2 – 4LH).

Fazendo (L 2 – 4LH)/(2H 2 + L 2 – 4LH) = p resulta

2n 2 – n 4 = p 2 n 4 – 2n 2 + p 2 = 0

usado pois o índice de refração deve ser maior que 1.

Assim, o tempo gasto é: t = (1/c).(L +

Calculando 1 – p 2 , tem-se: 1 – [(L 2 – 4LH) 2 /(2H 2 + L 2 – 4LH)] 2 =

= [(2H 2 + L 2 – 4LH) 2 - (L 2 – 4LH) 2 ]/(2H 2 + L 2 – 4LH) 2 =

= (4H 4 + L 4 + 16L 2 H 2 +4H 2 L 2 – 16LH 3 – 8L 3 H – L 4 + 8L 3 H – 16L 2 H 2 )/(2H 2 + L 2 – 4LH) 2 =

n = (2 + 4 – 4p 2 )/ 2 = 1 + 1 –
n =
(2 +
4 – 4p 2 )/ 2 =
1 +
1 – p 2 . O valor mais após o 2 foi
1 + 1 – p 2
1
+
1 – p 2

+

2H 2 + L 2 – 4LH ).

o 2 foi 1 + 1 – p 2 + 2H 2 + L 2 –
o 2 foi 1 + 1 – p 2 + 2H 2 + L 2 –

= (4H 4 + L 4 + 16L 2 H 2 +4H 2 L 2 – 16LH 3 – 8L 3 H – L 4 + 8L 3 H – 16L 2 H 2 )/(2H 2 + L 2 – 4LH) 2 =

– 16L 2 H 2 )/(2H 2 + L 2 – 4LH) 2 = = (4H
– 16L 2 H 2 )/(2H 2 + L 2 – 4LH) 2 = = (4H
– 16L 2 H 2 )/(2H 2 + L 2 – 4LH) 2 = = (4H

= (4H 4 + 4H 2 L 2 - 16LH 3 )/(2H 2 + L 2 – 4LH) 2 = 4H 2 (H 2 + L 2 – 4LH)/ (2H 2 + L 2 – 4LH) 2 =

+ L 2 – 4LH)/ (2H 2 + L 2 – 4LH) 2 = 1 –
+ L 2 – 4LH)/ (2H 2 + L 2 – 4LH) 2 = 1 –

1 – p 2 = 2H. (H 2 + L 2 – 4LH)/(2H 2 + L 2 – 4LH)

Calculando 1 +

L 2 – 4LH)/(2H 2 + L 2 – 4LH) Calculando 1 + 1 – p

1 – p 2 , tem-se

1 - 2H.

2 – 4LH) Calculando 1 + 1 – p 2 , tem-se 1 - 2H. (H

(H 2 + L 2 – 4LH)/(2H 2 + L 2 – 4LH) =

IME – Física

1998

= (2H 2 + L 2 – 4LH – 2H)/ (2H 2 + L 2 – 4L 2 ) Substituindo este valor na expressão encontrada para o tempo

resulta:

t = (1/c).(L + 1 + 1 – p 2 +
t = (1/c).(L +
1
+
1 – p 2
+

2H 2 + L 2 – 4LH)

Resposta:

t = (1/c).[L + 2H.

+ 2H 2 + L 2 – 4LH) Resposta: t = (1/c).[L + 2H. [(2H 2
+ 2H 2 + L 2 – 4LH) Resposta: t = (1/c).[L + 2H. [(2H 2

[(2H 2 + L 2 – 4LH – 2H)/(2H 2 + L 2 – 4L 2 ) + (2H 2 + L 2 – 4LH)]

c) o tempo é igual à diferença entres os dois tempos encontrados.

Resposta:

t = (1/2+1). H/g - (1/c).[L + 2H. (2H 2 + L 2 – 4LH – 2H)/(2H 2 + L 2 – 4L 2 ) +

L 2 – 4LH – 2H)/(2H 2 + L 2 – 4L 2 ) + 2H
L 2 – 4LH – 2H)/(2H 2 + L 2 – 4L 2 ) + 2H

2H 2 + L 2 – 4LH].

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

06- Um circuito é construído com o objetivo de aquecer um

recipiente adiabático que contém um litro de água a 25ºC.

Considerando-se total a transferência de calor entre o resistor e a

água, determine o tempo estimado de operação do circuito da

figura abaixo para que a água comece a ferver.

Dados: calor específico da água: 1cal/gºC; massa específica da água: 1 kg/L; temperatura necessária para

ferver a água: 100ºC.

Resolução:- Relacionando a quantidade de calor necessária e a energia fornecida pelo resistor, tem-se:

Q = m.c.∆θ = Ri 2 t (1).

Calculando a corrente no resistor de 5 :

60 = 2i + [(20.5)/(20 + 5)]I 60 = 2i + 4i I = 60/6 = 10 A 20.(i – i’) = 5i’

2Ω 60V água 20Ω 5Ω Resistor imerso
2Ω
60V
água
20Ω
5Ω
Resistor
imerso

20i – 20i’ = 5i’

i’ = 20i/25 = 8 A.

Para combinar as unidades: 1 cal/g.ºC = 4,18 J/gºC = 4,18.103 J/kg.ºC; m = 1 L.1kg/L = 1 kg.

Aplicando na equação (1) 1.4,18.10 3 = 5.8 2 .t t = 4,18.103/320 = 13 segundos.

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

07- Um bloco de material isolante elétrico, de peso 5 N, é abandonado do

repouso na situação da figura abaixo. Na queda, o bloco puxa a placa

metálica inferior, P 2 , de um capacitor enquanto a placa superior, P1,

permanece fixa. Determine a tensão elétrica no capacitor quando a mola

atinge a compressão máxima. Dados: constante da mola: 30 N/m; carga do

capacitor: q = 18 µC; capacitância inicial: C 0 = 9 µF; distância inicial entre

as placas: d 0 = 32cm; distância inicial entre o bloco e a mola: h = 8 cm

P 1 d 0 P 2 5 N h
P 1
d 0
P 2
5 N
h

IME – Física

Resolução: A energia potencial gravitacional [mg(x +h) = P(x + h)] do

bloco é transformada em energia potencial elástica (kx 2 /2).

Assim, 5.(x + 0,08) = 30.x 2 /2 15x 2 – 5x – 0,4 = 0 x = (5 + 7)/30 x = 12/30 = 0,4

m ou x = - 2/30 (não serve).

Como o corpo desce h + x, 0,08 + 0,4 = 0,48 m, a distância entre as placa passa a ser d 0 + 0,48 m = 0,32 +

0,48 = 0,80 m.

Como C = 0A/d C0d0 = C2d2 9.0,12 = C2/0,80 C2 = 9.0,8/0,12 = 60 µF.

Fazendo Q = CV, V = Q/C = 18/60 = 0,3 V.

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

1998

08- Um objeto é lançado da superfície de um espelho, segundo um ângulo

de 30º com a horizontal, com velocidade inicial V 0 . Sabendo que o

espelho está inclinado de 30º, conforme a figura, determine:

a) o tempo gasto para que o objeto atinja o espelho.

30º 30º
30º
30º
b) As componentes vertical e horizontal, em função do tempo, do vetor V 0 velocidade
b) As componentes vertical e horizontal, em função do tempo, do vetor
V
0
velocidade da imagem do objeto lançado. Dados: aceleração da gravidade:
h
g
A
Resolução:- A figura mostra a trajetória do objeto.
x
L
(a) Componentes da velocidade: v x = v o .cos30º.
C
B
O
tempo gasto para o objeto percorrer de A até B é t = CB/v o .cos30º.
Do triângulo ACB, CB = Lcos30º. Portanto:
t = Lcos30º/v 0 .cos30º = L/v 0 .
L = vo.t (1)
A altura h é dada por (v 0 sen30º) 2 = 2gh
h = (v 0 sen30º) 2 .
Vi

A componente vertical da velocidade de queda a partir do nível A, é a mesma em módulo que a

componente vertical em A.

A posição vertical do móvel em cada instante t é y = V o .sen30.t – (1/2)g.t 2 .

Em conseqüência: -x = V o .sen30º.t – (1/2)g.t 2 . (2)

Do triângulo ABC, x/L = sen30º. Combinando com (1) ==> x = L.sen30º = Vo.t.sen30º.

Levando este resultado para (2), -V o .sen30ºt = V o .sen30º.t – (1/2)g.t 2 .

(1/2)gt 2 = 2.V o .sen30º.t

(1/2)gt 2 = 2.V 0 .(1/2).t

gt 2 = 2V 0 t

t = 0 ou t = 2V 0 /g.

Resposta: t = 2V 0 /g.

(b) Seja V a velocidade em um dado instante. As componentes vertical e horizontal de V serão:

Vx = Vo.cos30º e Vy = Vo.sen 30º - gt.

As imagens de Vx e Vy têm as mesmas dimensões que Vx e Vy.

Determinando as componentes horizontais (Rx) e verticais (Ry) das

imagens, tem-se:

Vy 30º 60º 30º 30º 60º 30º 30º Vy Vx
Vy
30º
60º
30º
30º
60º
30º
30º
Vy
Vx

IME – Física

1998

Rx = Vx.sen30º - Vy.sen60º = V 0 .cos30º.sen30º - (V 0 .sen30º - gt).sen60º =

= V 0 .cos30º.sen30º - V 0 .sen30º.sen60º + gt.sen60º = V0.cos30º.sen30º - V0.sen30.cos30º + gt.sen60º

Rx = g.sen60º.t

Ry = Vx.cos30º + Vy.cos60º = Vx.cos30º + Vy.sen30º = V 0 .cos 2 30º + (V 0 .sen30º – gt).sen30º =

= V 0 .cos 2 30º + V 0 .sen 2 30º - gt.sen 30º = V 0 .(cos 2 30º + sen 2 30º) – gt.sen 30º

Resposta: Componente horizontal = g.sen60º.t e componente vertical = V 0 – g.sen30º.t

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

09- Na figura abaixo, uma corda é fixada a uma parede e depois de passar por uma

roldana é tencionada por uma esfera metálica com 330g de massa. Uma segunda

esfera metálica, firmemente presa ao solo, é colocada verticalmente abaixo da

primeira. Sabendo que a distância entre a parede e a roldana é de 0,50 m e que a

distância entre os centros das esferas é de 10cm, determine a freqüência de

ressonância do trecho da corda entre a parede e a roldana:

a) com as duas esferas descarregadas;

b) com as duas esferas carregadas, a primeira com uma carga elétrica de +1,0.10 -7 C e a segunda com uma

carga elétrica de –2,0.10 -6 C.

Dados: aceleração da gravidade: 9,8 m/s²

Permissividade do vácuo: 8,9.10 -12 F/m

Densidade linear da corda: µ = 2,0 g/m

Reolução:

(a) A velocidade da onda na corda é v = T/µ = λf. Para uma onda estacionária na corda, o

comprimento L é igual a (1/2) comprimento de onda. A tração na corda é igual ao peso da esfera

Ry = V 0 – g.sen30º.t

é igual ao peso da esfera Ry = V 0 – g.sen30º.t T = mg =
é igual ao peso da esfera Ry = V 0 – g.sen30º.t T = mg =

T = mg =

0,330.9,8 = 3,234 N. µ = 2,0 g/m = 2.10 -3 kg/m e λ = 2L = 2.0,5 = 1 m.

= 2,0 g/m = 2.10 - 3 kg/m e λ = 2L = 2.0,5 = 1

Portanto: 1.f = 3,234/2.10 -3 = 40,2 Hz.

(b) Neste caso, a tração na corda é T = P + F (F é a força de atração entre as duas esferas pois as cargas

têm sinais opostos)

F = (1/4π∈ 0 ).Q.q/d 2 sendo 0 = 8,9.10 -12 F/m, d = 10 cm = 10 -1 m, Q = 1.10 -7 C e q = 2.10 -6 C.

F = (1/4.3,14.8,9.10- 12 ).(10 -7 ).(2.10 -6 )/(10 -1 ) 2 = 0,018.10 = 0,18 N T = P + F = 0,18 + 0,33.9,8 =

= 3,414 N

Assim,

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

3,414/2.10 - 3 = 1.f f = 1707 = 41,3 Hz. 6

3,414/2.10 -3 = 1.f f =

3,414/2.10 - 3 = 1.f f = 1707 = 41,3 Hz. 6

1707 = 41,3 Hz.

IME – Física

10- Um pequeno cesto é preso em uma haste que o faz girar no sentido horário com velocidade constante. Um carrinho, com velocidade de 1,5 m/s, traz consigo um brinquedo que arremessa bolinhas na vertical para cima com velocidade de 5,5 m/s. Quando o carrinho está a uma distância de 2 m do eixo onde a haste é presa, uma bolinha é lançada.

Nesse instante, o cesto está na posição mais baixa da trajetória (posição A), que é a altura do chão e a do lançamento da bolinha.

A bolinha é arremessada e entra, por cima, no cesto quando este está na posição B indicada na figura.

Determine:

a) O vetor velocidade da bolinha ao entrar no cesto.

b) A menor velocidade angular do cesto para que a bolinha entre no cesto.

Resolução:

(a) Seja r o raio da trajetória do cesto. O tempo gasto para atingir a distância horizontal d = 2 – r é t = d/v = (2 – r)/1,5. (1)

Neste mesmo tempo a bolinha deve atingir a altura “r” :

1998

cesto carrinho B 2m A
cesto
carrinho
B
2m
A

r = v o t – (1/2)gt 2

r = 5,5t – 5.t 2 . (2)

Substituindo o valor de t de (1) em (2) resulta: r = 5,5.(2 – r)/1,5 – 5.[(2 – r)/1,5]2

1,52r = 16,5 – 8,25r – 20 + 20r – 5r 2 Equação cujas raízes são 0,5 m e 1,4 m.

Assim, t = (2 – 0,5)/1,5 = 1 seg e t = (2 – 1,4)/1,5 = 0,4 s. O primeiro valor ocorre quando o corpo estiver caindo e o segundo quando o corpo estiver subindo. Portanto, t = 1 seg. As componentes da velocidade da bolinha neste instante são:

5r 2 – 9,5r + 3,5 = 0

r 2 – 1,9r + 0,7 = 0.

vx = 1,5 m/s e vy = 5,5 – gt = 5,5 – 10.1 =

-4,5 m/s.

O

módulo da velocidade é v 2 = 1,52 + 4,52 = 22,5

v = 4,7 m/s.

O

vetor velocidade forma à direita da vertical para baixo um ângulo θ, tal que tan θ = 1,4/4,5 = 1/3.

Resposta: v = 4,7 m/s, formando um ângulo θθθθ = arc tan (1/3) à direita da vertical para baixo.

(b) No intervalo de tempo igual a 1 seg a cesta deve percorrer no mínimo um ângulo de 90º ou π/2 rad.

Portanto a velocidade angular w é w = (π/2)/1 = ππππ/2 rad/s.